SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.47 número2Evolução riaciana no leste do Cráton São Luís: petrografia, geoquímica e geocronologia da Suíte RosárioMetamorfismo da fácies granulito em 570-580 Ma no Complexo Granulítico Porangatu, centro do Brasil: implicações para a evolução do Lineamento Transbrasiliano índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Geology

versão impressa ISSN 2317-4889versão On-line ISSN 2317-4692

Resumo

MESQUITA, Raissa Beloti de et al. Petrogênese e idade de escarnitos associados a diques félsicos e metamáficos do Complexo Paraíba do Sul, sul do Espírito Santo. Braz. J. Geol. [online]. 2017, vol.47, n.2, pp.301-325. ISSN 2317-4889.  http://dx.doi.org/10.1590/2317-4889201720160086.

Este trabalho apresenta o estudo de petrografia, química mineral e geocronologia de escarnitos gerados no contato de mármores do Complexo Paraíba do Sul com diques metamáficos e félsicos, no sul do Espírito Santo. Os mármores foram metamorfizados sob condições de pressão e temperatura da fácies granulito durante a fase sin-colisional do orógeno neoproterozoico Araçuaí. Os corpos metamáficos são compostos de anfibolito e hornblenda granofels, enquanto os diques félsicos consistem de álcali-feldspato granito, monzogranito ou sienogranito. Do mármore para o dique, escarnitos associados com os diques metamáficos são compostos das zonas carbonato + olivina e diopsídio + hornblenda. Escarnitos associados com os diques graníticos são compostos de três zonas mineralógicas distintas: carbonato + tremolita, diopsídio e escapolita + diopsídio. Variações na composição química mineral ao longo das zonas metassomáticas sugerem introdução de Mg e Ca dos mármores, Fe dos diques metamáficos e Na dos granitos. A presença de espinélio nos diques metamáficos e em seus escarnitos indica que ambos foram metamorfizados sob condições de fácies granulito durante o estágio sin-colisional (580-560 Ma). A geocronologia U-Pb via LA-ICP-MS em zircões de um dique de álcali-feldspatogranito resultou em uma idade de cristalização de ca.540 Ma, o que sugere que seus escarnitos são, portanto, mais novos que os escarnitos associados com os diques metamáficos sin-colisionais.

Palavras-chave : escarnitos; petrogênese; geocronologia; Complexo Paraíba do Sul.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )