SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.47 número2Petrogênese e idade de escarnitos associados a diques félsicos e metamáficos do Complexo Paraíba do Sul, sul do Espírito Santo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Geology

versão impressa ISSN 2317-4889versão On-line ISSN 2317-4692

Resumo

GORAYEB, Paulo Sergio de Sousa; PIMENTEL, Marcio Martins; ARMSTRONG, Richard  e  GALARZA, Marco Antonio. Metamorfismo da fácies granulito em 570-580 Ma no Complexo Granulítico Porangatu, centro do Brasil: implicações para a evolução do Lineamento Transbrasiliano. Braz. J. Geol. [online]. 2017, vol.47, n.2, pp.327-344. ISSN 2317-4889.  http://dx.doi.org/10.1590/2317-4889201720160097.

O Complexo Granulítico Porangatu está exposto na porção central da Província Tocantins, do Neoproterozoico, no centro do Brasil, ao longo da fronteira entre o Cinturão Brasília, a leste, e o Cinturão Araguaia, a oeste. Esta região faz parte do sistema de cisalhamento transcontinental Transbrasiliano-Kandi. O complexo inclui enderbitos e charnockitos ricos em granada, gnaisses de alto grau metamórfico, bem como lentes de granada granulitos máficos ou granada anfibolitos, e charnockitos anatéticos in situ, o qual forma corpos alongados na direção NNE-SSW, ao longo da Zona de Cisalhamento Talismã (ZCT). Esse conjunto de rochas representam suítes de rochas ortoderivadas de afinidade cálcio-alcalina e pequenas contribuições de basaltos tholeíticos e paragnaisses aluminosos. O quadro estrutural registra componentes de cavalgamento relacionados provavelmente com os estágios iniciais de uma colisão oblíqua durante a evolução dos orógenos Brasilianos do Neoproterozoico e pode ser compreendido como envolvendo um sistema colisional de dois blocos crustais, inicialmente com componentes de cavalgamento que evoluiu em sua fase final para um sistema transcorrente com cinemática dextral. Isso levou à intensa imbricação, geração de foliação milonítica, lineação de estiramento, bandamento tectônico e rotação de estruturas e minerais. A deformação dúctil heterogênea e progressiva foi acompanhada por reequilíbrio metamórfico no Neoproterozoico tardio, que atingiu condições metamórficas máximas na fácies granulito a temperatura e pressão acima de 850ºC e 10 kbar, respectivamente, em ambiente quase anidro, atingindo a anatexia. As análises U-Pb SHRIMP em zircão realizadas em duas amostras de rochas selecionadas indicaram idade combinada de 580 ± 7 Ma para um charnockito e 548 ± 48 Ma para um granulito máfico do qual o charnockito foi derivado. O granulito máfico contém cristais de zircão datados de 2,1 Ga, indicando protólito ígneo do Paleoproterozoico envolvidos no metamorfismo de alto grau no Neoproterozoico. Além disso, os grãos de zircão mais antigos herdados de 3,1 e 2,0 Ga (idades 207Pb/206Pb) em charnockito também confirma a existência de material Arqueano e Paleoproterozoico nesta região, possivelmente derivado do Maciço de Goiás. Um grão de zircão herdado de 0,88 Ga é sugestivo de derivação do Arco Magmático de Goiás. Essa idade neoproterozoica para o metamorfismo de alto grau é substancialmente mais jovem do que a relatada para outros granulitos do Cinturão Brasília (cerca de 0,65 Ga), sugerindo que o Complexo Granulítico Porangatu está mais provavelmente associado à evolução do Cinturão Araguaia mais jovem. Os novos dados de campo, estruturais, petrográficos, e geocronológicos, sugerem que o Complexo Granulítico Porangatu foi envolvido em uma expressiva zona de cisalhamento transcorrente dúctil estabelecida em alta temperatura, que justapôs unidades de rochas de diferentes idades (Arqueano, Paleoproterozoico, Neoproterozoico), naturezas e níveis crustais (crosta continental inferior e média) fortemente retrabalhadas nos estágios finais da orogenia Brasiliano e representam as raízes expostas do Orógeno Tocantins.

Palavras-chave : Metamorfismo de alto grau; Complexo Granulítico Porangatu; Geocronologia U-Pb SHRIMP em zircão; Lineamento Transbrasiliano; Orógeno Tocantins.

        · resumo em Inglês | Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )