SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número1Sinais comportamentais dos Transtornos do Déficit de Atenção com Hiperatividade e do Processamento Auditivo: a impressão de profissionais brasileirosReconhecimento de fala em crianças usuárias de implante coclear utilizando dois diferentes processadores de fala índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Audiology - Communication Research

versão On-line ISSN 2317-6431

Resumo

QUIDICOMO, Simone  e  MATAS, Carla Gentile. Estudo da função auditiva em indivíduos com HIV/AIDS submetidos e não submetidos à terapia antirretroviral. Audiol., Commun. Res. [online]. 2013, vol.18, n.1, pp.10-16. ISSN 2317-6431.  http://dx.doi.org/10.1590/S2317-64312013000100004.

OBJETIVO: Caracterizar as manifestações audiológicas em indivíduos com HIV/AIDS (Vírus da Imunodeficiência Humana/Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) submetidos e não submetidos à terapia antirretroviral. MÉTODOS: A avaliação audiológica foi realizada em 28 indivíduos do Grupo Pesquisa I (GPI) com HIV/AIDS, submetidos à terapia antirretroviral; 24 indivíduos do Grupo Pesquisa II (GPII) com HIV/AIDS, não submetidos à terapia antirretroviral e 45 indivíduos saudáveis do Grupo Controle (GC). Os exames audiológicos que compuseram esta pesquisa foram: Audiometria Tonal Convencional, Logoaudiometria e Audiometria em Altas Frequências. RESULTADOS: Houve diferença nos grupos GPI e GPII, para os resultados obtidos tanto na avaliação audiológica convencional, como na avaliação em altas frequências, observando-se limiares auditivos mais elevados quando comparados aos indivíduos do GC, porém sem diferença significativa entre GPI e GPII. CONCLUSÃO: Indivíduos com HIV/AIDS apresentam mais alteração na Audiometria Tonal Convencional e na Audiometria em Altas Frequências quando comparados a indivíduos saudáveis (GC) sugerindo comprometimento do sistema auditivo, sendo observada maior ocorrência de perda auditiva na Audiometria em Altas Frequências quando comparada à Audiometria Tonal Convencional nos grupos GPI e GPII. Não houve diferença entre indivíduos com HIV/AIDS submetidos (GPI) e não submetidos (GPII) à terapia antirretroviral para a Audiometria Tonal Convencional e Audiometria em Altas Frequências.

Palavras-chave : Síndrome da imunodeficiência adquirida; HIV; Terapia anti-retroviral de alta atividade; Audiometria; Perda auditiva.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons