SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número4Medidas de imitância acústica de banda larga com estímulo chirp e tom puro em lactentes com normalidade de orelha médiaPerfil audiológico de motoristas agrícolas expostos: ruído e hidrocarbonetos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Audiology - Communication Research

versão On-line ISSN 2317-6431

Resumo

MATAS, Carla Gentile et al. Potenciais evocados auditivos de longa latência em campo sonoro em crianças audiologicamente normais. Audiol., Commun. Res. [online]. 2015, vol.20, n.4, pp.305-312. ISSN 2317-6431.  http://dx.doi.org/10.1590/2317-6431-2014-1525.

Objetivo:

Caracterizar os Potenciais Evocados Auditivos de Longa Latência (PEALL) (P1, N1, P2, N2, P300) em campo sonoro, em crianças audiologicamente normais, bem como verificar a estabilidade destes potenciais.

Métodos:

Trata-se de um estudo prospectivo, longitudinal, composto por 17 crianças audiologicamente normais, na faixa etária de 6 a 13 anos de idade, com limiares de audibilidade dentro da normalidade. Foram captados os PEALL P1, N1, P2, N2, P300 com estímulos de fala e tone burst, em três momentos de avaliação: avaliação inicial (M0), três meses após a avaliação inicial (M3) e nove meses após a avaliação inicial (M9).

Resultados:

Foi observada diminuição dos valores de latência dos componentes P1 (M0xM3 / M0xM9 / M0xM3xM9) e P2 (M0xM9) e aumento no valor de amplitude do P300 (M0xM3), quando obtidos com estímulo de fala, e diminuição no valor de latência do P300 (M0xM9), obtido com estímulo tone burst.

Conclusão:

Foi possível identificar os componentes do PEALL na maioria dos indivíduos. Os componentes P1, N1, P2, N2 (tone burst) e N1 e N2 (fala) não sofreram modificações em latências e amplitudes entre os diferentes momentos de avaliação, sugerindo estabilidade deste potencial no período de nove meses. O P300 demonstrou ser um componente mais sensível a esse intervalo de tempo entre as avaliações, pois sofreu modificações indicativas de maturação do sistema nervoso auditivo central. As latências de todos os componentes obtidos com estímulo de fala foram maiores do que com tone burst, demonstrando que estímulos diferentes geram respostas corticais distintas.

Palavras-chave : Potenciais evocados auditivos; Potencial evocado P300; Audição; Criança; Limiar auditivo.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )