SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28ESTIMULAÇÃO TRANSCRANIANA POR CORRENTE CONTÍNUA (ETCC) E ASSIMETRIAS MANUAIS: O EFEITO DA ESTIMULAÇÃO NA DESTREZA MANUALESTUDO DO L-TRIPTOFANO NA DEPRESSÃO OCORRIDA PELA DOENÇA DE ALZHEIMER EM MODELO EXPERIMENTAL índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Journal of Physical Education

versão On-line ISSN 2448-2455

Resumo

MOURA, Bruno Monteiro de et al. EFEITOS DA ALTURA DO SELIM NO DESEMPENHO E NA ATIVAÇÃO MUSCULAR DURANTE TESTE DE WINGATE. J. Phys. Educ. [online]. 2017, vol.28, e2838.  Epub 26-Out-2017. ISSN 2448-2455.  http://dx.doi.org/10.4025/jphyseduc.v28i1.2838.

O presente estudo teve como objetivo analisar o desempenho anaeróbio e a ativação muscular durante um teste de ciclismo supramáximo em três diferentes alturas do selim. Doze ciclistas competitivos completaram um teste incremental em cicloergômetro e três testes de Wingate de 30 s em diferentes alturas do selim (referência, baixa e alta), de forma randomizada, em diferentes dias. A altura do selim foi alterada para baixo e para cima a partir da posição de referência usando como parâmetro o valor referente a (± 2,5%) da distância da sínfise púbica até o solo. O sinal eletromiográfico (EMG) foi obtido dos músculos reto femoral, vasto lateral, bíceps femoral (cabeça longa) e gastrocnêmio lateral. As variáveis anaeróbias e os dados de EMG foram divididos em seis janelas consecutivas de 5 s. Os sinals EMG foram normalizados pela primeira janela da posição de referência para estipular as mudanças percentuais ao longo do teste. Os resultados sugerem que durante o teste de Wingate de 30 s pequenas alterações na altura do selim resultam em aumento da potência pico (referência=1380±241 W; baixa=1497±175 W, p=0,036; alta=1491±225 W, p=0,049) e maior período de ativação percentual para o vasto lateral (referência=33,6%, baixa=33,2%, alta=35,0%; p=0,001) em relação ao reto femoral (referência=24,5%, baixa=25,2%, alta=23.7%), bíceps femoral (referência=20,7%, baixa=20,8%, alta=19,9%) e gastrocnêmio lateral (referência=21,2%, baixa=20,8%, alta=19,9%). Os resultados sugerem que pequenos ajustes na altura do selim podem afetar a relação força-comprimento e, consequentemente, a capacidade de gerar força e o padrão de recrutamento muscular dos membros inferiores.

Palavras-chave : Ciclismo; Fadiga; Potência anaeróbia..

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )