SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.3 issue2Anxiety and depression associated with pain and discomfort of temporomandibular disordersSpirituality in coping with pain in oncological patients: systematic review author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


BrJP

Print version ISSN 2595-0118On-line version ISSN 2595-3192

Abstract

MENEGUETTE, Andréa Fogaça et al. Percepção da dor e qualidade de vida na síndrome da boca ardente. BrJP [online]. 2020, vol.3, n.2, pp.153-157.  Epub June 03, 2020. ISSN 2595-3192.  https://doi.org/10.5935/2595-0118.20200027.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS:

A síndrome de ardência bucal é um estado disfuncional que afeta o bem-estar físico, mental e social, contribuindo para condições de estresse crônico. Apesar da ausência de dados objetivos, os pacientes experimentam desconforto relacionado à dor com impacto na vida diária. O objetivo deste estudo foi avaliar o impacto da síndrome da boca ardente na percepção da dor e na qualidade de vida.

MÉTODOS:

Foi realizado um estudo transversal, observacional e caso-controle em 76 indivíduos, 38 em cada grupo, pareados por gênero e idade. Foram utilizados o questionário Oral Health Impact Profile (OHIP-14) para avaliar mudanças na qualidade de vida, a escala analógica visual para o impacto e intensidade da dor e a Pain Catastrophizing Scale (PCS). Foi avaliado também o efeito do sexo, idade e outros fatores de risco associados à síndrome de ardência bucal.

RESULTADOS:

A idade dos participantes foi de 41 a 85 anos. A síndrome de ardência bucal teve um impacto negativo na qualidade de vida em todas as dimensões dos domínios OHIP-14 e PCS. Cinquenta e oito por cento dos pacientes se queixaram de dor moderada e 42% de dor intensa, enquanto os controles experimentaram apenas dor leve pela escala analógica visual. A prevalência foi predominante no sexo feminino (3:1), e a língua foi o local envolvido mais comum. Menopausa, alterações hormonais e gastrite foram os maiores fatores de risco.

CONCLUSÃO:

Os pacientes com síndrome de ardência bucal apresentaram escores PCS e OHIP-14 mais altos para todos os domínios, indicando uma interação entre maior carga de percepção da dor e pior qualidade de vida, o que deve ser mais bem avaliado, caracterizado e gerenciado.

Keywords : Dor; Percepção da dor; Qualidade de vida; Síndrome da boca ardente.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )