SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.43 issue1Consenso latino-americano de obesidade: até onde já chegamosConsenso sobre diabetes gestacional e diabetes pré-gestacional author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia

On-line version ISSN 1677-9487

Arq Bras Endocrinol Metab vol.43 no.1 São Paulo Feb. 1999

https://doi.org/10.1590/S0004-27301999000100004 

consenso


Detecção e Tratamento das Complicações Crônicas do Diabete Melito. Consenso Brasileiro

 

Sociedade Brasileira
de Diabetes e Conselho
Brasileiro de Oftalmologia

Jorge Luiz Gross,
Coordenador

 

 

INTRODUÇÃO

O DIABETE MELITO (DM) ACOMETE CERCA DE 7,6% da população brasileira entre 30 e 69 anos de idade. Cerca de 50% dos pacientes desconhecem o diagnóstico e 24% dos pacientes reconhecidamente portadores de DM não fazem qualquer tipo de tratamento (1).

As complicações crônicas do diabete melito (DM) são as principais responsáveis pela morbidade e mortalidade dos pacientes diabéticos. As doenças cardiovasculares representam a principal causa de morte (52%) em pacientes diabéticos do tipo 2 (2). Diversos fatores de risco, passíveis de intervenção, estão associados ao maior comprometimento cardiovascular observado nos pacientes diabéticos. Entre estes estão a presença da Nefropatia Diabética (ND) e da Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS).

O impacto desfavorável da HAS e das dislipidemias sobre a morbimortalidade cardiovascular é amplamente reconhecido, bem com a freqüente associação destas condições ao DM. Dados das Organização Mundial da Saúde mostram significativa elevação da mortalidade de indivíduos com DM tipo 1 e 2 na presença de HAS (3). Por outro lado, são numerosas as evidências de que o tratamento anti-hipertensivo é capaz de reduzir a incidência de eventos cardiovasculares em indivíduos com e sem DM (4,5). Também a intervenção sobre a dislipidemia tem se mostrado benéfica no controle da doença macrovascular de indivíduos diabéticos (6).

A ND acomete cerca de 40% dos pacientes diabéticos e é a principal causa de insuficiência renal em pacientes que ingressam em programas de diálise. A mortalidade dos pacientes diabéticos em programas de hemodiálise é maior do que a dos não diabéticos. Cerca de 40% dos pacientes morrem no primeiro ano de tratamento, principalmente por doença cardiovascular (7). O custo do tratamento da insuficiência renal crônica (IRC) é elevado. De acordo com os dados obtidos junto à Secretaria de Saúde do Meio Ambiente do Estado do Rio Grande do Sul, o custo direto de um paciente em hemodiálise por ano é de R$ 13.902,00 sem contar o acesso vascular, as medicações (R$ 4.000,00), as eventuais hospitalizações e as consultas. Este tipo de tratamento consome cerca de 7% do total disponível para a assistência médica deste Estado (8).

A ND apresenta uma fase inicial, denominada de nefropatia incipiente (fase de microalbuminúria) e uma fase mais avançada definida como nefropatia clínica (fase de macroalbuminúria). Existem diversas estratégias terapêuticas que podem ser empregadas para reverter as alterações encontradas na fase de microalbuminúria e retardar a evolução da fase de macroalbuminúria para a IRC. A ND pode ser diagnosticada precocemente pela medida da albuminúria. Atualmente já estão bem definidos procedimentos simples e efetivos para realizar o rastreamento (9,10). E possível a redução de custos utilizando-se uma abordagem inicial simplificada para o rastreamento. A medida de proteinúria ou albuminúria custam R$ 0,17 e R$ 0,78, respectivamente.

Estudos realizados em países da Europa demonstraram a elevada relação benefício/custo do emprego de medidas de prevenção da ND (11). No entanto, nestes países, em menos de 50% dos pacientes com diabete do tipo 2 são realizados testes de rastreamento para a ND (12).

A Retinopatia Diabética (RD) acomete cerca de 40% dos pacientes diabéticos e é a principal causa de cegueira em pacientes entre 25 e 74 anos (13). A maioria dos casos de cegueira (90%) é relacionada à RD e pode ser evitada através de medidas adequadas, que incluem, além do controle da glicemia e da pressão arterial, a realização do diagnóstico em uma fase inicial e passível de intervenção. Estas medidas diminuem a progressão das alterações retinianas, não revertendo os danos já estabelecidos. Portanto, é imperativo que seja feito o diagnóstico da RD em suas fases iniciais antes que lesões que comprometem a visão tenham ocorrido. O melhor procedimento para se realizar a detecção precoce da RD ainda não foi determinado. Idealmente, o rastreamento para RD deveria ser realizado por oftalmologista da rede pública, mas este sistema tem se mostrado insuficiente em locais como o Reino Unido, na medida em que apenas uma pequena porção dos pacientes tem acesso ao especialista (14). Imagens da retina obtidas em sistemas digitais podem ser visualizadas em um monitor de computador e armazenadas em discos. Este exame pode ser efetuado por técnicos e posteriormente analisadas por oftalmologistas (15).

Dados epidemiológicos brasileiros indicam que as amputações de membros inferiores ocorrem 100 vezes mais freqüentemente em pacientes com DM (16). Pacientes diabéticos com lesões graves nos pés constituem 51% dos pacientes internados em enfermarias dos Serviços de Endocrinologia nos Hospitais Universitários, com duração que pode chegar a 90 dias (17). Calculou-se que, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, uma internação de 21 dias para tratamento de úlcera nos pés de um paciente diabético custe cerca de R$ 7.000,00. Em nível ambulatorial, o custo trimestral, incluindo apenas a distribuição de antibióticos orais e antimicóticos orais e tópicos atingiu R$ 31.400,00 no Centro de Pé Diabético da Fundação Hospitalar do Distrito Federal (18). A grande maioria (85%) dos casos graves que necessita internação hospitalar, origina-se de úlceras superficiais ou de lesões pré-ulcerativas nos pés de pacientes diabéticos com diminuição da sensibilidade por neuropatía diabética associada a pequenos traumas, geralmente causadas por calçados inadequados, dermatoses comuns, ou manipulações impróprias dos pés pelos pacientes ou por pessoas não habilitadas. As úlceras associadas à doença vascular periférica constituem uma menor parcela, porém, requerem cuidados imediatos e especializados.

A detecção precoce do "pé em risco" pode ser feita facilmente pela inspeção e avaliação da sensibilidade através de testes simples e de baixo custo (19,20).

O emprego destas medidas e a educação de profissionais, pacientes e familiares podem reduzir em até 50% o risco de amputação.

Embora não existam dados populacionais sobre a prevalência das complicações crônicas do DM no Brasil, estima-se que o número de complicações crônicas seja elevado. Além disto, provavelmente apenas uma pequena fração da população dos pacientes diabéticos é avaliada regularmente para a presença de complicações nas suas fases iniciais e recebe orientação terapêutica apropriada.

Para reduzir o impacto destas complicações na qualidade de vida dos pacientes diabéticos e prolongar a sua vida de uma forma mais saudável e participativa na sociedade, delineou-se o projeto que a seguir está descrito.

 

OBJETIVOS

• Implantação e implementação de métodos para rastreamento da nefropatia e retinopatia diabéticas e do pé em risco para úlceras e tratamento para as complicações detectadas.

• Promover pesquisas operacionais em determinados locais que desenvolvam o programa.

 

MÉTODOS

Rastreamento das complicações

População-alvo

O rastreamento das complicações crônicas será estimulado em todos os centros e locais que se dedicam ao atendimento de pacientes diabéticos. Serão utilizados métodos simples, de fácil emprego e de sensibilidade elevada.

Nos pacientes com DM tipo 1 o rastreamento para as complicações crônicas deve ser realizado 5 anos após o diagnóstico de DM ou 5 anos após a puberdade naqueles pacientes nos quais o DM surgiu antes dos 12 a 13 anos de idade. Em pacientes com DM tipo 2 o rastreamento deve ser feito por ocasião do diagnóstico de DM. Em pacientes com DM tipo 1 e tipo 2 o rastreamento deve ser repetido a intervalos de 1 ano. No caso da RD o rastreamento deve ser feito também quando houver sintomas de diminuição da acuidade visual ou em toda paciente com DM tipo 1 logo no início da gravidez.

Nefropatia Diabética

O rastreamento deve iniciar com a realização de exame comum de urina e urocultura em amostra casual de urina. Na ausência de hematúria e de infecção urinaria, deve ser dosada a concentração de proteínas totais por método quantitativo na mesma amostra.

Valores de proteinúria ³ 430 mg/L apresentam uma sensibilidade de 100% e especificidade de 80% para o diagnóstico de nefropatia clínica. Este diagnóstico deve ser confirmado com dosagem de proteínas totais em urina de 24 horas. Se o valor de proteínas totais na amostra casual de urina for < 430 mg/L, realiza-se a medida de albuminúria na mesma amostra de urina. Valores de albuminúria ³ 17 mg/L são considerados diagnósticos de microalbuminúria (nefropatia incipiente) e valores menores do que este são considerados normais. A presença de microalbuminúria deve ser confirmada em urina de 24 horas com tempo marcado (registra-se o horário do início e do fim da coleta). (Figura 1)

 

 

No Quadro 1 estão descritos os valores de albuminúria e de proteinúria utilizados para o diagnóstico de ND (9, 10).

A dosagem de albúmina na urina deve ser realizada através de método sensível e específico: imunoturbidimetria (ITM) ou radioimunoensaio.

Devido à grande variabilidade biológica da excreção urinaria da albúmina (EUA), é preciso confirmar o diagnóstico de microalbuminúria com uma medida em amostra isolada e uma medida de urina de 24-h realizadas com um intervalo de 3 a 6 meses.

Nos pacientes com diagnóstico de micro- ou macroalbuminúria deve ser realizada a medida da creatinina sérica anualmente para avaliação da função renal.

Retinopatia Diabética

Idealmente a avaliação oftalmológica deve ser realizada por oftalmologista da rede pública. Urna alternativa para os locais em que o acesso a oftalmologistas é difícil, é a obtenção de imagens digitais em sistemas eletrônicos. Estas imagens, obtidas por técnicos treinados, seriam armazenadas em discos e posteriormente analisadas por especialistas. A constatação de qualquer grau de RD exige uma avaliação complementar que deverá ser realizada em Centros de Referências credenciados pela Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo e Sociedade Brasileira de Diabetes, conforme descrito na Figura 2.

Pé em risco de úlceras

Os fatores de risco mais importantes para o aparecimento de úlceras nos pés são a neuropatía diabética periférica, a desinformação sobre os cuidados com os pés, presença de pontos de pressão anormal que favorecem as calosidades, as deformidades, a doença vascular periférica e as dermatoses comuns (sobretudo entre os dedos). Os pacientes com história prévia de úlcera ou amputação são particularmente considerados como de elevado risco para o desenvolvimento de novas úlceras. A avaliação clínica baseia-se em um exame físico dos pés que inclui a inspeção e palpação da pele (coloração e temperatura), unhas, do subcutáneo, e da estrutura dos pés, a palpação dos pulsos arteriais tibial posterior e pedioso (que pode estar ausente em 10% de indivíduos normais) e a avaliação da sensibilidade protetora plantar. Idealmente, esta deve ser feita utilizando um monofílamento de 10 g em 6 regiões do pé conforme demonstrado na Figura 3 e de acordo com as instruções descritas no Quadro 2. Em cada consulta deverá ser realizada inspeção dos pés para avaliar a presença de unha encravada e/ou deformada, deformidades dos dedos e do arco plantar, áreas de calosidades, rachaduras, fissuras e bolhas, úlceras e intertrigo micótico. Além disto, deve-se realizar uma inspeção dos calçados, verificar a presença de pontos de atrito ou de pressão plantar excessiva, desgaste irregular, etc.. Seguindo estes procedimentos os pacientes diabéticos em risco de apresentarem úlceras poderão ser facilmente identificados (Quadros 3 e 4).

 

 

 

 

 

EMPREGO DE MEDIDAS DE TRATAMENTO

Nefropatia

Pacientes diabéticos tipo 1 com micro- ou macroalbuminúria, mesmo quando forem normotensos, devem receber agentes inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA) como primeira escolha, respeitando-se as contra-indicações (gestação, hipercalemia, pacientes idosos com estenose bilateral da artéria renal ou com doença renal avançada = creatinina sérica > 3,0 mg/dl) e efeitos adversos (tosse, angioedema, urticária, leucopenia, perda do paladar). Nas mulheres em idade fértil deve-se alertar a cerca dos riscos destas drogas durante a gravidez. Nos pacientes diabéticos tipo 2 há algumas evidências que suportem a sua indicação preferencial (21), inclusive como prevenção do desenvolvimento da ND (22). A maioria dos casos de ND apresentarão também HAS. Havendo a opção pelos inibidores da ECA e não ocorrendo a redução dos níveis tensionais abaixo de 130/85 mm Hg, acrescentam-se outros agentes. De fato estes pacientes necessitam de 2 ou mais agentes para obter um bom controle pressórico. Pode-se iniciar com diuréticos tiazídicos em baixa dosagem (12,5 a 25 mg/dia), indapamida ou se houver insuficiência renal (creatinina sérica > 2,5 mg/dl) furosemida, ou beta-bloqueadores, idealmente do tipo cardiosseletivos, desde que adequadamente consideradas as contra-indicações e feitos adversos que limitam o seu uso no DM. Os agentes bloqueadores dos canais de cálcio devem ser utilizados com cautela em pacientes diabéticos, pois podem estar associados a um aumento da mortalidade por doença cardiovascular, quando usados isoladamente (23). Portanto, recomenda-se evitar o seu emprego como monoterapia inicial, podendo utilizá-los quando não se tiver obtido o controle adequado dos níveis pressóricos com beta-bloqueadores, inibidores da ECA e diuréticos.

Os pacientes macroalbuminúricos devem receber prescrição de dieta hipoprotéica (0,8 g de proteína/kg de peso), ser avaliados pelo menos a cada 3 meses e ser feito todo o esforço para a obtenção de um bom controle glicémico. Recomenda-se tratar intensamente os fatores de risco cardiovascular associados, como por exemplo, a HAS, a dislipidemia e o tabagismo.

Outras complicações do DM, freqüentemente associadas, como a retinopatia, neuropatía, vasculopatia periférica e cardiopatia isquémica devem ser pesquisados.

Retinopatia

Na presença de qualquer grau de RD é crucial procurar obter o melhor controle possível da pressão arterial (<130/85 mm Hg), e da glicemia e do perfil lipídico. O tratamento oftalmológico específico, de acordo com a linhas gerais do fluxograma em anexo, deverá ser realizado em Centros de Referencia capacitados (Figura 2).

Pé em risco de úlceras

A detecção de diminuição de sensibilidade ao monofilamento ou de insuficiencia circulatoria periférica, assim como a presença de lesões pré-ulcerativas cutâneas ou estruturais definem o paciente em risco para úlceras. Estes pacientes devem receber material informativo de educação (Quadro 5), ser avaliados freqüentemente, receber cuidados por profissional habilitado a cerca do uso de calçados adequados e acesso e acesso a um tipo de calçado especial se houver deformidades.

 

 

Estratégias

• Conscientizar a população e o poder público da importância das complicações crônicas através de campanha publicitária em jornais, televisão, cartazes publicitários "out-doors" nas principais cidades do País.

• Sensibilizar e priorizar a detecção das complicações crônicas nos Programas de Educação e Controle de Diabetes no País.

• Divulgar as normas através de Revistas Científicas (AMB, ABEM), folhetos de divulgação, Encontros Científicos. (Programas locais, Harvard-Joslin-SBD, Congressos Nacionais de Diabetes, Endocrinologia, Oftalmologia e Congressos de Clínica Médica).

• Sensibilizar os responsáveis pela política de saúde para o repasse de recursos necessários na implementação destas medidas através do Sistema Único de Saúde.

• Estimular a realização periódica de oficinas para treinamento teórico-prático destinadas aos clínicos, enfermeiros, e demais membros das equipes de saúde.

• Buscar recursos específicos em agências de financiamento internacionais.

Agradecimentos: Aos Laboratórios Servier e Biobrás por terem patrocinado a reunião realizada em São Paulo no dia 18/07/98.

Redação do documento final: Jorge Luiz Gross, Mirela Jobim de Azevedo, Sandra Silveiro, Sandra Roberta Gouvea Ferreira, Domingos Malerbi, Hermelinda Cordeiro Pedrosa.

Participantes do Consenso: Adriana Costa e Forti, Ana Teresa Mana G. Santomauro, Antônio Carlos Lerário, Antônio Roberto Chacra, Antônio Rodrigues Ferreira, Bernardo Leo Wajchemberg, Ethel Spichler, Helena Schmid, Hermelinda Cordeiro Pedrosa, Jorge Luiz Gross, Laercio Joel Franco, Laurenice Pereira Lima, Márcio Nehme, Maria Teresa Zanella, Marília de Brito Gomes, Mirela Jobim de Azevedo, Roberto Abdala Moura, Sandra Roberta Gouvea Ferreira, Sandra Silveiro, Simão A Lottenberg, Domingos Malerbi, Ruy Lyra, Reine M. Chaves Fonseca, José Egidio Paulo de Oliveira

 

REFERÊNCIAS

1. Malerbi DA, Franco LJ, and the Brazilian Cooperative Group on the Study of Diabetes Prevalence. Multicenter study of the prevalence of diabetes mellitus and impaired glucose tolerance in the urban Brazilian population aged 30-69 yr. Diabetes Care 1992;15:1509-1516.         [ Links ]

2. Nathan DM, Meigs J, Singer DE. The epidemiology of cardiovascular disease in type 2 diabetes mellitus: how sweet it is ...or is it? Lancet 1997;350(suppl 1):4-9.         [ Links ]

3. Wang SL, Head J, Stevens L, Fuller JH. Excess mortality and its relation to hypertension and proteinuria in diabetic patients. The World Health Organization multinational study of vascular disease in diabetes. Diabetes Care 1996;19:305-12.         [ Links ]

4. UK Prospective Diabetes Study Group. Tight blood pressure control and risk of macrovascular and microvascular complications in type 2 diabetes: UKPDS 38. BMJ 1998;317:703-13.         [ Links ]

5. Captopril Prevention Project (CAPPP) in hypertension -baseline data and current status. Hansson L, Hedner T, Lindholm L, Niklason A, Luomanmaki K, Niskanen L, et al. Blood Press 1997;6:365-7.         [ Links ]

6. Pyorälä K, Pedersen TR, Kjekshus J, Faergeman O, Olson Ag, Thorgerson G, The Scandinavian Simvastatin Survival Study Group. Diabetes Care 1997;20:614-20.         [ Links ]

7. Gall MA, Rossing P, Skott P, et al. Prevalence of micro- and macroalbuminúria, arterial hypertension, retinopathy and large vessel disease in European type 2 (non-insulin-dependent) diabetic patients. Diabetologia 1991;34:655-61.         [ Links ]

8. Bruno RM, Goldani JC. Informações pessoais obtidas junto ao Sistema de Informações Ambulatoriais do Sistema Único de Saúde, Secretaria de Saúde do Meio Ambiente do Estado do Rio Grande do Sul.         [ Links ]

9. Zelmanovitz T, Gross JL, Oliveira JR, et al. The receiver operating characteristics curve in the evaluation of a random urine specimen as a screening test for diabetic nephropathy. Diabetes Care 1997;20:516-19.         [ Links ]

10. Zelmanovitz T, Gross JL, Oliveira J, Azevedo MJ. Proteinuria is still useful for the screening and diagnosis of overt diabetic nephropathy. Diabetes Care 1998;21:1076-9.         [ Links ]

11. Kiberd BA, Kailash KJ. Screening to prevent renal failure in insulin dependent diabetic patients: an economic evaluation. BMJ 1995;311:1595-9.         [ Links ]

12. Gazis A, Page SR. Microalbuminúria screening in the UK: are we meeting european standards?. Diabetic Medicine 1996;13:764-7.         [ Links ]

13. Aiello LP, Gardner TW, King GL, et al. Diabetic retinopathy. Technical review. Diabetes Care 1998;21:143-56.         [ Links ]

14. Bagga P, Verma D, Walton C, Masson EA, Hepburn DA. Survey of diabetic retinopathy screening services in England and Wales. Diabetic Medicine 1998;15:780-2.         [ Links ]

15. Ryder REJ. Screening for diabetic retinopathy in the 21st century. Diabetic Medicine 1988;15:721-722.         [ Links ]

16. Spilchler ERS, Spichler D, Martins CSF, et al. Diabetic lower extremities amputation - Rio de Janeiro, BR. Diabetologia 1998;41 (A 279):90-96.         [ Links ]

17. Pedrosa HC. Pé Diabético: aspectos fisiopatológicos, tratamento e prevenção. Rev Bras Neurol Psiquiat 1997;1:131-5.         [ Links ]

18. Pedrosa HC, Nery ES, Sena FV, et al. O desafio do projeto Salvando o Pé Diabético. Terapêutica em Diabetes. Boletim do Centro BD 1998;19:1-10.         [ Links ]

19. Armstrog DG, Lavery LA, Vela AS, Quebedeaux TL, Fleischhli JG. Choosing a practical screening instrument to identify patients at risk for diabetic foot ulceration. Arch Intern Med 1998;158:289-92.         [ Links ]

20. Boulton AJM, Gries FA, Jervell JA. Guidelines for the diagnosis and outpatient management of diabetic peripheral neuropathy. Diabetic Medicine 1998;15:508-14.         [ Links ]

21. Ravid M, Savin H, lutrin I, Bental T, Katz B, Lishner M. Long-term stabilizing effect of angiotensin-converting enzyme inhibition on plasma creatinine and on proteinuria in normotensive type 2 diabetic patients. Ann Intern Med 1998;128:982-88.         [ Links ]

22. Ravid M, Brosch D, Levi Z, Bar-Dayan Y, Ravid D, Rachamani R. Use of enalapril to attenuate decline in renal function in normotensive, normoalbuminuric patients with type 2 diabetes mellitus. A randomized, controlled trial. Ann Intern Med 1993;118:577-81.         [ Links ]

23. Estacio RO, Jeffers BW, Hiatt WR, et al. The effect of nisoldipine as compared with enalapril on cardiovascular outcomes in patients with non-insulin dependent diabetes and hypertension. N Engl J Med 1998;338:645-52.         [ Links ]

 

 

Endereço para Correspondência

Jorge Luiz Gross
Serviço de Endocrinologia
Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Rua Ramiro Barcelos,
2350 - Sala 2030 G
90035-003 - Porto Alegre - RS
Fone/Fax: + 5551330-9100/
332-5188/316-8127

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License