SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.48 issue2Pseudotumoral pulmonary cryptococcosis in association with Cushing's syndromeAvaliação tireoidiana de pacientes ambulatoriais do interior do Estado de São Paulo author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia

Print version ISSN 0004-2730

Arq Bras Endocrinol Metab vol.48 no.2 São Paulo Apr. 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302004000200019 

CARTAS AO EDITOR

 

Utilidade da varredura com baixa dose de 131 Iodo após a tireoidectomia e antes da radioiodoterapia em pacientes com carcinoma diferenciado de tireóide

 

 

Pedro W.S. Rosário; Álvaro Luís Barroso; Eduardo L. Padrão; Leonardo L. Rezende; Saulo Purisch

Departamento de Tireóide, Clínica de Endocrinologia e Metabologia (PWSR, SP) e Serviço de Medicina Nuclear (ALB, ELP, LLR) da Santa Casa de Belo Horizonte, MG, Brasil

Endereço para correspondência

 

 

EM PACIENTES COM CARCINOMA diferenciado de tireóide (CDT), a dose de radioiodo administrada após a tireoidectomia depende do estadiamento da doença (1). Para isto, a varredura de corpo inteiro (VCI) com 131Iodo (131I) é recomendada (1); mas a possibilidade de stunning, a sensibilidade limitada, a eficácia de altas doses de radioiodo sem VCI (2,3) e a tentativa de redução de custo colocam em dúvida o valor deste exame. A VCI antes da terapia pode mudar a conduta, diagnosticando metástases abordáveis cirurgicamente ou requerentes de doses maiores de 131I e dispensando da radioiodoterapia aqueles com VCI limpa e Tg <5ng/ml (4).

Verificamos a utilidade da varredura pré-dose (com 185MBq de 131I e filmagem em 72h) em 134 pacientes (91 mulheres e 43 homens) com CDT (papilífero em 92 e folicular em 42) após a tireoidectomia total.

Em 56 pacientes de baixo risco (<45 anos, tumor <4cm, sem nodo, sem invasão local) o resultado da VCI alterou a conduta em 2 (3,5%): um com linfonodo cervical metastático foi reoperado e outro, com metástases pulmonares, teve a dose aumentada de 3,7 para 7,4GBq. Em 78 pacientes não baixo risco, a conduta foi mudada em 9 (11,5%): 3 submetidos à ressecção de linfonodos cervicais e em 6 incrementamos a dose de 3,7GBq ou 5,5GBq para 7,4GBq devido à metástases distantes: em 2, apesar da captação mediastinal, a dose de 5,5GBq não foi modificada. A tireoglobulina (Tg) sem tiroxina discriminou melhor os pacientes que se beneficiaram da VCI: 30% daqueles com Tg >15ng/ml tiveram alguma mudança no tratamento vs 3,6% com valores inferiores. Em pacientes de baixo risco, considerando a Tg >15ng/ml, 12% tiveram a terapia modificada vs 40% dos pacientes não baixo risco.

Nossos dados contrariam o uso rotineiro da VCI, pois raramente altera a conduta em pacientes não selecionados: mas o abandono deste exame também não nos parece adequado, já que uma parcela considerável (40%) dos pacientes não baixo risco e com Tg >15ng/ml tiveram a conduta modificada, com reoperação ou aumento da dose, sendo recomendada neste subgrupo. O stunning pode ser evitado com a administração da dose ablativa em poucos dias ou com dose traçadora de 74MGq (5). Apesar de tratarmos todos, um outro grupo também teria o tratamento modificado, neste caso não recebendo radioiodo: pacientes com Tg <5ng/ml e VCI limpa (4). Mas, apenas 10% dos pacientes com este nível de Tg tinha VCI negativa em nossa série.

Esperamos que outros colegas manifestem sua opinião sobre o assunto.

 

REFERÊNCIAS

1. Meier DA, Brill DR, Becker DV, Clarke SE, Silberstein EB, Royal HD, et al. Society at Nuclear Medicine Procedure guideline for therapy of thyroid disease with iodine-131. J Nucl Med 2002;43:856-61.

2. de Klerk JM, de Keizer B, Zelissen PM, Lips CM, Koppeschaar HP. Fixed dosage or 131I for remnant ablation in patients with differentiated thyroid carcinoma without pre-ablative diagnostic 131I scintigraphy. Nucl Med Commun 2000;21:529-32.

3. Arsian N, Ilgan S, Serdengecti M, Ozguven MA, Bayhan H, Okuyucu K, et al. Post-surgical ablation of thyroid remnants with high-dose (131) I in patients with differentiated thyroid carcinoma. Nucl Commun 2001;22:1021-27.

4. Pacini F, DeGroot LJ. Thyroid neoplasia. In: DeGroot LJ, Hennemann G, editors. Thyroid diseases manager. 2002. http:/www.thyroidmanager.org

5. Morris LF, Waxman AD, Brausntein GD. Thyroid stunning. Thyroid 2003;13:333-40.

 

 

Endereço para correspondência
Pedro W.S. Rosário
CEPCEM - Centro de Estudos e Pesquisa
Clínica de Endocrinologia e Metabologia
Av. Francisco Sales, no. 1111; Ala "D" - Santa Efigênia
30150-221 Belo Horizonte, MG – Brasil
e-mail: cepcem.bhz@zaz.com.br
Telefax: (31) 3213-0836