SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.62 número5"Fadenoperation": origens do nome e do princípio mecânicoGranuloma conjuntival causado por fibras sintéticas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivos Brasileiros de Oftalmologia

versão impressa ISSN 0004-2749

Arq. Bras. Oftalmol. vol.62 no.5 São Paulo out. 1999

http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27491999000500016 

RELATOS CURTOS

Fibrose congênita de reto inferior atípica com hipotonia muscular generalizada: relato de um caso

 

Atipical inferior rectus congenital fibrosis with generalizated muscular hypotonia: case report

 

Ezon Vinicius Alves Pinto Ferraz (1)
Keila Miriam Monteiro de Carvalho (2)
Luis Carlos Peixoto Rocha (3) (in memorian)
Leopoldo Magacho dos Santos Silva (4)

 

 


RESUMO

O caso descrito apresentava uma hipotropia pouco severa com acuidade visual normal e binocularidade em infra-versão; além de uma hipotonia muscular generalizada, ao contrário da severa hipotropia e ambliopia encontrada nessa afecção. O procedimento cirúrgico levou estes fatos em consideração, tendo-se optado por um retrocesso pequeno do reto inferior para que se corrigisse o torcicolo sem interferir na posição de leitura. Os resultados pós-operatórios foram satisfatórios.

Palavras-chave: Fibrose congênita de reto inferior; Ambliopia; Hipotonia muscular generalizada.


 

 

INTRODUÇÃO

A fibrose congênita de reto inferior (FCRI) é uma entidade clínica rara, de etiologia desconhecida e sem incidência familiar 1. Trata-se de pacientes com severa hipotropia e marcada limitação da elevação tanto ativa quanto passiva 2.

A afecção é unilateral e pode acompanhar-se de blefaroptose e esotropia, porém na grande maioria dos casos trata-se de pseudoptose devida a hipotropia, que desaparece com a correção desta 2. A contratura do músculo envolvido não é secundária à paralisia dos elevadores pois a elevação melhora ou se recupera totalmente com o debilitamento do reto inferior, que não ocorre na paralisia dos elevadores 3. Os casos descritos na literatura descrevem ambliopia de difícil controle mesmo com tratamento precoce e bem realizado 4.

O tratamento é cirúrgico , através de retrocesso máximo do reto inferior 6, de modo a permitir elevação passiva do olho até 10o, tomando-se os cuidados necessários para liberar as conexões entre a pálpebra inferior e a bainha do reto inferior (ligamento de Lockwood), evitando com isso a retração da pálpebra inferior, de aspecto estético indesejável 4. A cirurgia pode ser combinada , segundo a severidade da restrição com tenotomias marginais 6.

 

DESCRIÇÃO DO CASO

O menor RRSO, foi atendido no setor de estrabismo do Departamento de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da UNICAMP em fevereiro de 1995, com 6 anos de idade e história de olho torto desde o nascimento, sendo que a mãe referia que havia percebido o desvio desde poucos meses de idade e que a fenda palpebral direita era um pouco mais estreita que a esquerda e que ainda o olho direito tinha limitação de movimentação para cima em relação ao contra-lateral.

Com o crescimento refere ainda a mãe que o desvio ficou mais acentuado, passando a perceber que a criança inclinava a cabeça ligeiramente para a direita levantando ao mesmo tempo o queixo para olhar os objetos.

A mãe contou que a criança nunca usara óculos ou feito oclusão de algum olho e que havia deixado-a sem tratamento até então devido ao fato dela ter apresentado um atraso no desenvolvimento motor decorrente da hipotonia muscular generalizada a qual foi exaustivamente investigada pela neurologia chegando-se a um diagnóstico, por exclusão, de hipotonia muscular benigna. Somente após este fato é que ela resolveu procurar o tratamento oftalmológico.

No primeiro exame foi encontrado o torcicolo: (figura 1): A cabeça inclinada para direita e com queixo elevado. Acuidade visual de 1,0 em ambos os olhos (AO) sem correção, refração estática de +0,75 AO; biomicroscopia e fundoscopia sem alterações; estereopsia de 60" (Titmus).

 

 

As medidas do desvio foram feitas pelo método do cover teste, nas nove posições diagnósticas.

Pré-operatório:

As versões mostravam -4 RSD, -3 OID, -2 RID e -1 OSD, a ducção ativa era de -4 RSD, -3 OID e -1 RID. Ao teste de ducção passiva o paciente apresentava restrição de elevação do olho direito, que não passava da linha média no meridiano horizontal.

Foi feita a hipótese diagnóstica de FCRI e indicada cirurgia corretiva, a qual foi realizada em fevereiro de 1998 com retrocesso do reto inferior de 5 mm. Ao exame per-operatório o reto inferior encontrava-se com aspecto fibroso e inelástico.

A avaliação pós-operatória mostrou discreto torcicolo (figura 2): a cabeça inclinada para direita, sem elevação do queixo; resultado considerado satisfatório.

 

 

Pós-operatório:

 

DISCUSSÃO

A FCRI é descrita na literatura como responsável por hipotropias severas acompanhadas de pseudoptose e ambliopia 1. No caso descrito a atipia se manifestou não só devido ao fato da hipotropia não ser severa como também por haver acuidade visual normal e binocularidade em infraversão. O procedimento cirúrgico levou estes fatos em consideração, sendo optado um retrocesso pequeno do reto inferior para que se corrigisse o torcicolo sem interferir muito na posição de leitura. Foi verificado que a diminuição da limitação de elevação pós-operatória foi pequena, o que poderia sugerir que o plano foi hipocorretor, porém verificou-se também uma inversão do desvio vertical em infraversão o qual mostrou que para um músculo inelástico, como já era esperado, um retrocesso maior poderia ser desastroso.

A associação da FCRI com Hipotonia Muscular Benigna nunca foi descrita na literatura, embora em dois casos estudados à luz da microscopia eletrônica, tenham sido verificadas trocas miopáticas que sugeriram a relação desta entidade com as distrofias musculares. Harley e colaboradores, analisando uma série de pacientes, chegaram às mesmas conclusões, levantando a hipótese de que a FCRI faça parte da "Fibrose Generalizada de Brown", porém numa forma monosintomática 2.

 

 


SUMMARY

A case report of an atipical inferior rectus congenital fibrosis associated with a generalized muscular hypotonia is presented. It shows mild hipotropia with a normal visual acuity and binocularity in infraversion position contrasting with the severe hipotropia and ambliopy found. The surgical procedure took these facts into consideration, so we performed a small retrocess of the muscle with the objective to correct the head position without changes in the reading position. The postoperative results were satisfactory.

Keywords: Inferior rectus fibrosis; Ambliopy; Generalized muscular hipotony.


 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Harley R, Rodrigues M, Crawford J. Congenital fibrosis of the extraocular muscles. J Ped Ophthalm, Strab 1978;15:346.         [ Links ]

2. Prieto Díaz, Souza Dias. Fibrosis Congénita del Recto Inferior. In: Estrabismo. 2a ed., São Paulo, Roca, 1986;517-19.         [ Links ]

3. Scott W & Jackson OB. Double elevator palsy. The significance of the inferior rectus restriction. Am Orthopt J 1977;27:5.         [ Links ]

4. Barbosa PH. Fibroses Congênitas dos Músculos Oculomotores. In: Souza-Dias CH, Almeida, H. Estrabismo, 3a ed, São Paulo, Roca, 1993;214-5.         [ Links ]

5. Goldstain JH. The intraoperative forced duction test. Report of a case of congenital fibrous bands. Arch Ophtalmol 1964;72:647.         [ Links ]

6. Prieto-Díaz J, Languens R. Fibrosis congénita del recto inferior. Estudio clínico y ultraestructural. Arch Oftalmol B Aires 1973;48:301.         [ Links ]

 

 

Trabalho realizado na Seção de estrabismo do Departamento de Oftalmologia da UNICAMP.

(1) Médico assistente do departamento de Oftalmologia /Otorrino da Universidade Estadual de Campinas ¾ UNICAMP.
(2) Profa. Dra. Assistente e Chefe do setor de estrabismo da UNICAMP.
(3, 4) Médicos Residentes de Oftalmologia da UNICAMP.

Endereço para correspondência: Rua Hermantino Coelho, 77, apto. 71, Bl -1. Mansões Sto Antonio. Campinas (SP) CEP 13087-500.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons