SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.64 issue2Treatment of phthiriasis palpebrarum with ivermectinUltraviolet radiation and photochromic lenses author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos Brasileiros de Oftalmologia

Print version ISSN 0004-2749On-line version ISSN 1678-2925

Arq. Bras. Oftalmol. vol.64 no.2 São Paulo Mar./Apr. 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27492001000200014 

RELATOS DE CASOS

Hemangiopericitoma de órbita

 

Orbital hemangiopericytoma

 

Ana Paula Ximenes Alves1
Paulo Roberto Félix2
Antonio Augusto Velasco e Cruz3

 

 


RESUMO

Objetivo: Descrever um raro caso de hemangiopericitoma orbital. Métodos: Relato de caso de associação entre hemangipericitoma orbital e blefaroptose. Resultados: A exérese da neoplasia normalizou o posicionamento palpebral. Conclusões: Lesões orbitais anteriores são causas de blefaroptose por compressão do músculo elevador palpebral.

Descritores: Hemangiopericitoma; Neoplasias orbitárias/etiologia; Blefaroptose/complicações


 

 

INTRODUÇÃO

Os hemangiopericitomas foram descritos pela primeira vez, em 1942, por Stout e Murray(1). São tumores de ocorrência rara, que se originam a partir da proliferação de pericitos, ou seja, células que envolvem os capilares, dando-lhes suporte e regulando o seu lúmen.

Os hemangiopericitomas comumente aparecem nas extremidades inferiores, principalmente coxa. Além dessa localização, eles são comuns na fossa pélvica e no retroperitôneo(2). A órbita é um local de rara ocorrência. Alguns autores o identificaram em 1% das biópsias orbitárias, enquanto outros afirmam que estas lesões constituem cerca de 2% dos tumores orbitários(2).

Apesar de poderem acometer qualquer faixa etária, o aparecimento dos sintomas geralmente se dá entre a terceira e sexta décadas da vida, sob a forma de proptose lentamente progressiva e unilateral. Entre os sintomas associados, descreve-se, mais comumente, a ocorrência de dor leve e redução da acuidade visual(2).

Os exames de imagem não são patognomônicos. O padrão mais encontrado é o de uma lesão bem delimitada, que pode realçar com o uso de contrastes. Pode ser encontrada em qualquer lugar da órbita, mas tem predileção pela órbita superior, deslocando o olho para baixo. A histologia é fundamental para o diagnóstico(3). Em relação à evolução, os hemangiopericitomas podem apresentar comportamento benigno ou maligno. No último caso, podem gerar metástases para órgãos distantes, como pulmão, osso e fígado, e levar a óbito(4).

O objetivo do presente trabalho é descrever um caso de hemangiopericitoma orbitário e realçar as características clínicas e histopatológicas dessa neoplasia.

 

RELATO DE CASO

A paciente GTF, de 69 anos, procurou o serviço de órbita do Hospital das Clínicas da Faculade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HCFMRP-USP), em março de 1998, referindo inchaço progressivo na pálpebra superior esquerda (PSE), associado a dor no olho ipsilateral, há cerca de três anos. Negava doenças oculares anteriores. Estava em seguimento ambulatorial por ser portadora de doença diverticular do cólon, além de prolapso retal e uterino.

Ao exame, apresentava acuidade visual corrigida de 0,5 à direita e 0,8 à esquerda. Notava-se ptose palpebral à esquerda, associada à tumefação abaixo da porção central do rebordo orbitário esquerdo.

A distância entre o centro pupilar e a margem palpebral direita era de 3,0 mm à direita e de 1,0 mm à esquerda. O olho esquerdo estava nitidamente deslocado para baixo. Embora as versões estivessem normais e não houvesse diplopia, a paciente queixava-se de dor à movimentação do olho esquerdo. À biomicroscopia, observava-se opacificação subcapsular posterior à direita e à fundoscopia, notavam-se drusas maculares e atrofia do epitélio pigmentar peripapilar bilateralmente.

A tomografia de órbita revelou estrutura ovalada, de contornos regulares, medindo 2,0 cm x 1,2 cm, na órbita anterior e superior provocando afinamento do teto orbitário. Após a administração de contraste, notou-se reforço homogêneo da lesão (Figura 1).

 

 

Foi realizada exérese total da lesão, através de incisão no sulco palpebral superior e dissecção extra-periostal. A lesão mostrava-se bem delimitada e de coloração vinhosa. Não houve sangramento importante durante o procedimento.

O exame anátomo-patológico da massa evidenciou proliferação de células fusiformes agrupadas em feixes e intercaladas por múltiplos e pequenos canais vasculares, revestidos por células endoteliais aplanadas. A lesão apresentava leve grau de pleomorfismo e de atipia celular. Não foram observadas invasão de vasos sangüíneos, necrose ou hemorragia intra-tumoral. Havia cerca de 5 mitoses/10 campos de 400X. Para a análise imunohistoquímica, foram utilizados os marcadores vimentina, antígeno comum leucocitário (LCA), citoceratinas (AE1 e AE3), proteína filamentar S100, fator VIII, actina muscular (HHF35) e reticulina. O material mostrou-se positivo apenas para a vimentina e reticulina, sendo que a reticulina revelou uma trama espessa individualizando as células e espaços vasculares, o que praticamente selou o diagnóstico de hemangiopericitoma (Figura 2).

 

 

A paciente vem sendo seguida ambulatorialmente a cada 6 meses, e dois anos após a cirurgia, a tomografia não exibe sinais de recidiva. As pálpebras estão simétricas, os olhos bem posicionados e as versões sem anormalidades. A exoftalmetria é de 7,0 mm em ambos os olhos.

 

DISCUSSÃO

Embora sejam de ocorrência rara, os hemangiopericitomas devem ser lembrados no diagnóstico diferencial das massas orbitárias bem delimitadas, que apresentam, nos estudos tomográficos, reforço à administração de contraste. Estas características também são vistas em outras lesões, como nos hemangiomas cavernosos, schwannomas, neurofibromas e histiocitomas fibrosos. De forma menos comum, os hemangiopericitomas também podem apresentar, à tomografia, calcificações intra-lesionais, erosão óssea e evidência de grandes vasos arteriais nutridores(5).

As angiografias de hemangiopericitomas localizados fora da órbita demonstram que esses tumores são ricamente vascularizados(6-7). Nas ultrasonografias, geralmente eles são vistos como lesões sólidas, bem delimitadas, de baixa a média refletividade, que podem apresentar estrutura interna irregular, às custas de componentes císticos. Quando utiliza-se ressonância magnética, as lesões são melhor visíveis em T1, como massas hipointensas em relação à gordura orbitária, que podem realçar com o uso do Gadolínio(5).

O quadro clínico dos hemangiopericitomas orbitários é invariante. Em praticamente todos os casos encontra-se proptose de evolução lenta e de longa duração(8). É o mesmo comportamento dos hemangiopericitomas que ocorrem fora da órbita, que costumam apresentar-se como massa indolor(7). Estando na órbita, os hemangiopericitomas causam, pelo efeito compressivo, dor, diplopia e redução da acuidade visual. Outras manifestações típicas de massa intraorbitária podem ainda ser vistas, como dobras de coróide, edema de papila, congestão de vasos retinianos e neuropatia óptica, além de edema e equimose de pálpebras(5).

No caso apresentado, a queixa da paciente era toda dirigida para a presença da massa na pálpebra superior. A ausência de proptose provavelmente deveu-se à localização anterior da lesão na órbita, o que explica também a ocorrência da blefaroptose por compressão do músculo elevador da pálpebra, uma vez que a simples retirada do tumor normalizou o posicionamento palpebral.

De interesse para o oftalmologista, é útil saber que, além da órbita, os hemangiopericitomas também já foram encontrados no saco lacrimal(6), justaposto ao globo ocular(9), na glândula lacrimal(10), nas meninges do nervo óptico(11), e como massa subconjuntival ou subcutânea, no canto interno da fenda palpebral.

Como não apresenta características clínicas patognomônicas, o diagnóstico acaba sendo inteiramente baseado na histopatologia, que pode apresentar algumas dificuldades de caracterização. Com efeito, a lesão pode confundir-se com histiocitoma fibroso, hemangioendotelioma maligno, meningioma angioblástico e condrossarcoma (4, 12-13). Isto se deve ao fato de que os pericitos não exibem características marcantes à microscopia óptica. Assim, o diagnóstico é feito pela observação do padrão arquitetural assumido pelas células à microscopia óptica, pelos detalhes celulares à microscopia eletrônica(2), ou pelo uso da imunohistoquímica, havendo quem defenda que o uso da coloração para reticulina seja indispensável(13).

Análises imunohistoquímicas referem que estes tumores também reagem com a vimentina, o antígeno CD34 e a proteína S-100 (5, 12, 14). À microscopia eletrônica, as células do hemangiopericitoma possuem núcleo grande e citoplasma pobre em organelas. Identificam-se numerosos processos citoplasmáticos alongados. De forma característica, observa-se que cada célula, individualmente, é separada das células adjacentes por uma membrana basal(7).

Embora descrevam-se critérios de malignidade para estes tumores, observa-se que tumores histologicamente benignos acabam apresentando um comportamento maligno e vice-versa(3). A presença de células tumorais gigantes, pleomorfismo celular, focos de hemorragia e necrose, grande número de mitoses por campo (mais do que 35 mitoses/campo em aumento de 400X(3, 8), alto grau de celularidade e invasão vascular têm sido associados a tumores clinicamente agressivos(4, 12). De acordo com esses critérios, o caso relatado apresentava quadro histológico benigno.

Alguns estudos relatam a associação entre hemangiopericitomas e hipoglicemia, sendo que esta desaparece após ressecções parciais ou totais de tumor(7). Investigações em Biologia Molecular(15-16) sugerem que este fenômeno possa ser decorrente da produção de fatores de crescimento semelhantes à insulina, que além de causar hipoglicemia, estimulam o crescimento tumoral de uma forma autócrina.

Quanto ao tratamento, é unânime a recomendação de exérese total da lesão, com margens amplas(2, 7- 8). Há relatos do uso de radioterapia e de quimioterapia para lesões recidivantes, com resultados variáveis(17-19). Infelizmente observa-se que, mesmo as lesões bem delimitadas, que sofreram completa ressecção, podem evoluir com recidiva local, muitas vezes tardia(3). Na maior série de casos de hemangiopericitomas orbitais, que contou com 30 pacientes(8), a taxa de recorrência foi de 30.0%. O tempo entre o diagnóstico e a recidiva variou de 1 mês(7) a 18 anos(13). Portanto, é mandatório o seguimento prolongado de todos os pacientes, independente do quadro histológico.

 

 


ABSTRACT

Purpose: To describe a rare case of orbital hemangiope- ricytoma. Methods: Case report of an association of blepha-roptosis with orbital hemangiopericytoma. Results: When the lesion was surgically removed the position of the upper eyelid returned to normal. Conclusions: Anterior orbital lesions can lead to blepharoptosis by compression of the levator palpebrae muscle.

Keywords: Hemangiopericytoma; Orbital neoplasms/etiology; Blepharoptosis/complications


 

 

REFERÊNCIAS

1. Stout AP, Murray MR. Hemangiopericytoma. A vascular tumor featuring Zimmerman's pericytes. Ann Surg 1942:26-33.        [ Links ]

2. Shields JA Vasculogenic tumors and malformations. In: Shields JA, Diagnosis and management of orbital tumors. Philadelphia: WB Saunders; 1989. p. 132-4.        [ Links ]

3. Jacobiec FA, Bilyk JR, Font RL. Vascular tumors and malformations. In: Spencer WH, Ophthalmic pathology ¾ an atlas and textbook. Philadelphia: WB Saunders; 1996. p. 2545-9.        [ Links ]

4. Rodgers IR, Grove Jr AS. Vascular lesions of the orbit. In: Albert DM, Jacobiec FA, Principles and Practice of Ophthalmology: Clinical Practice. Philadelphia: WB Saunders, 1994. p. 1971-2.        [ Links ]

5. Karcioglu ZA, Nasr AM, Haik BG. Orbital hemangiopericytoma: clinical and morphologic features. Am J Ophthalmol 1997;124:661-72.        [ Links ]

6. Roth SI, August CZ, Lissner GS, O'Grady RB. Hemangiopericytoma of the lacrimal sac. Ophthalmology 1991;98:925-7.        [ Links ]

7. Enzinger FM, Smith BH. Hemangiopericytoma: an analysis of 106 cases. Hum Pathol 1976;7:61-82.        [ Links ]

8. Croxatto JO, Font RL. Hemangiopericytoma of the orbit: a clinicopathologic study of 30 cases. Hum Pathol 1982;13:210-8.        [ Links ]

9. Lee JT, Pettit TH, Glasgow BJ. Epibulbar hemangiopericytoma. Am J Ophthalmol 1997;124:547-9.        [ Links ]

10. Redmond RM, Mannor GE, Garner A, Rose GE. Lacrimal gland hemangiopericytoma. Am J Ophthalmol 1995;119:99-100.        [ Links ]

11. Boniuk M, Messmer EP, Font K. Hemangiopericytoma of the meninges of the optic nerve: a clinicopathologic report including electron microscopic observations. Ophthalmology 1985;92:1780-7.        [ Links ]

12. Middleton LP, Duray PH, Merino MJ. The histological spectrum of hemangiopericytoma: application of immunohistochemical analysis including proliferating markers to facilitate diagnosis and predict prognosis. Hum Pathol 1998;29:636-40.        [ Links ]

13. Jakobiec FA, Howard GM, Jones IR, Wolff M. Hemangiopericytoma of the orbit. Am J Ophthalmol 1974;78:816-34.        [ Links ]

14. Khouqeer ZA, Figueiredo AP, Correia CP, Oliver KM, Burnier Jr MN. Immunohistochemical profile of hemangiopericytomas of the orbit. IOVS 2000;41:S125.        [ Links ]

15. Paveli K, Paveli ZP, Cabdjan T, Karner I, Samarzija M, Stambrook PJ. Insulin-like growth factor family in malignant haemangiopericytomas: the expression and role of insulin-like growth factor I receptor. J Pathol 1999;188:69-75.        [ Links ]

16. Pavelic K, Spaventi S, Gluncic V, Matejcic A, Pavicic D, Karapandza N, Kusic Z, Lukac J, Dohoczky C, Cabrijan T, Pavelic J. The expression and role of insulin-like growth factor II in malignant hemangiopericytomas. J Mol Med 1999;77:865-9.        [ Links ]

17. Setzkorn RK, Lee DJ, Iliff NT, Green R. Hemangiopericytoma of the orbit treated with conservative surgery and radiotherapy. Arch Ophthalmol 1987;105:1103-5.        [ Links ]

18. Wong PP, Yagoda A Chemotherapy of malignant hemangiopericytoma. Cancer 1978;41:1256-60.        [ Links ]

l9. Mira JG, Chu FC, Fortner JG. The role of radiotherapy in the management of malignant hemangiopericytoma: report of eleven new cases and review of the literature. Cancer 1977;39:1254-9.        [ Links ]

 

 

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

1 Doutora em Oftalmologia pelo Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia.
2 Médico contratado do Departamento de Patologia.
3 Professor Associado, responsável pelo setor de Órbita e Oculoplástica do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia.

Endereço para correspondência: Antonio Augusto V. Cruz - Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia, Hospital das Clínicas-Campus, 12º andar - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo - Av. Bandeirantes 3900 - Ribeirão Preto (SP) - CEP 14049-900

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License