SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.71 issue2Development of an aspheric 22-diopter 50-mm diameter magnifierClinical correlation between structural and functional assessment in glaucoma: Armaly cup to disk ratio and Brusini glaucoma staging system author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos Brasileiros de Oftalmologia

Print version ISSN 0004-2749On-line version ISSN 1678-2925

Arq. Bras. Oftalmol. vol.71 no.2 São Paulo Mar./Apr. 2008

http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27492008000200019 

ARTIGO ORIGINAL

 

Cirurgia da catarata infantil unilateral

 

Unilateral pediatric cataract surgery

 

 

Adriana Maria Drummond BrandãoI; Márcia Beatriz TartarellaII

IFellow do Serviço de Catarata Congênita e Mestre em Administração da Prática Oftalmológica pelo Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP - São Paulo (SP) - Brasil
IIChefe do Serviço de Catarata Congênita e Doutor pelo Departamento de Oftalmologia da UNIFESP - São Paulo (SP) - Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

OBJETIVO: Analisar os resultados visuais de uma série de crianças operadas de catarata unilateral.
MÉTODOS: Um estudo retrospectivo foi realizado através da análise de 35 prontuários médicos do Serviço de Catarata Congênita da UNIFESP/EPM.
RESULTADOS: Quanto à etiologia, a primeira causa de catarata foi idiopática, a segunda causa foi o trauma e a terceira foi a rubéola congênita. Em 51,4% dos olhos tinham acuidade visual pré-operatória de ausência de fixação. E em 42,8% dos casos operados a acuidade visual final foi igual ou melhor que 20/200.
DISCUSSÃO: Embora a cirurgia em catarata unilateral seja motivo de controvérsias entre os oftalmologistas, obteve-se melhora de acuidade visual em número significativo de casos.

Descritores: Catarata/congênita; Extração de catarata/métodos; Acuidade visual; Testes visuais; Prognóstico; Resultado de tratamento; Criança; Pré-escolar


ABSTRACT

PURPOSE: To analyze the results in a series of children submitted to unilateral cataract surgery.
METHODS:
A retrospective study was conducted through the analysis of 35 patient files from the Congenital Cataract Service of UNIFESP/EPM.
RESULTS: The main cause of unilateral cataract was idiopathic, the second cause was ocular trauma and the third cause was congenital rubella. Initial visual acuity was very poor in 51.4% of the cases (did not fix or follow), and the best corrected final visual acuity was better than 20/200 in 42.8% of the eyes.
DISCUSSION: Although controversial, the surgical treatment of unilateral cataract, in this study, showed improvement in many cases.

Keywords: Cataract/congenital; Cataract extraction/methods; Visual acuity; Vision tests; Prognosis; Treatment outcome; Child; Child, preschool


 

 

INTRODUÇÃO

A cegueira causada por catarata congênita e infantil apresenta-se como um enorme problema em países em desenvolvimento(1). A catarata congênita é uma das causas mais comuns de cegueira evitável na infância(2).

Programas de vacinação contra a rubéola e o diagnóstico e tratamento precoce podem diminuir a incidência de cegueira por catarata na infância(3).

O tratamento da catarata na infância representa um desafio para os oftalmologistas, porque as dificuldades na cirurgia e a propensão de desenvolver inflamação no período pós-operatório, aumentam em olhos de crianças. Estas dificuldades somam-se com a instalação da ambliopia e contribuem para dificultar a obtenção de um bom resultado visual(1).

Em 1963, após alguns estudos(4) ficou determinado que existe um período desde o nascimento, para o desenvolvimento do reflexo de fixação que termina entre o 2º e o 4º mês de vida e que a privação visual neste intervalo, leva à atrofia do corpo geniculado lateral e conseqüentemente à ambliopia irreversível(5).

O mecanismo da instalação da ambliopia na catarata unilateral é múltiplo, pois pode associar à privação visual pela catarata, à anisometropia e ao estrabismo. Estes três fatores indutores de ambliopia quando associados, acarretam uma perda visual mais grave, que exige tratamento e reabilitação precoce.

O nistagmo ou a perda do reflexo de fixação que se desenvolve como resultado da catarata congênita, pode diminuir após a remoção cirúrgica da catarata e do tratamento pós-operatório da ambliopia(2).

Os resultados visuais do tratamento da catarata congênita bilateral apresentam um prognóstico melhor em relação à catarata unilateral: em uma série de 17 crianças operadas de catarata congênita unilateral, a melhor acuidade obtida foi 20/400, mesmo nos casos em que a cirurgia de catarata congênita unilateral foi realizada precocemente, antes dos três meses de idade(6).

O objetivo deste trabalho, foi avaliar os resultados visuais do tratamento da catarata infantil unilateral.

 

MÉTODOS

Foram analisados os prontuários das crianças atendidas no Serviço de Catarata Congênita da UNIFESP/EPM, no período de fevereiro de 1990 a junho de 2002.

Foram incluídas neste estudo 35 crianças operadas de catarata unilateral, no Hospital São Paulo com as seguintes técnicas cirúrgicas: lensectomia, facectomia (FEC), facectomia com implante de LIO (FEC + LIO) e facoemulsificação com implante de LIO (FACO + LIO).

Excluíram-se crianças que não tiveram acompanhamento pós-operatório de no mínimo 1 mês.

A acuidade visual estabelecida como pré-operatória foi aquela obtida na primeira consulta e como acuidade final, a acuidade visual obtida na última consulta, com a melhor correção óptica de cada paciente.

A acuidade visual foi avaliada em crianças pré-verbais, pelos seguintes métodos: fixação e seguimento de foco luminoso e objetos, teste de acuidade de resolução de grades com cartões de Teller e potencial visual evocado de varredura. Estes últimos tiveram seus níveis de acuidade transformados para a medida fracionada (exemplo: 20/200). Nas crianças verbais foram realizados testes de reconhecimento com figuras e a tabela E de Snellen ou com letras.

Em todos os casos a correção óptica da afacia foi realizada por meio da prescrição de óculos, lente de contato ou lente intra-ocular; ou a combinação dos mesmos.

Foi prescrito tratamento oclusivo do olho contralateral para todos pacientes, com duração de metade do seu dia ativo (meio período).

Considerou-se catarata congênita, os casos examinados no ambulatório em crianças menores de 3 meses, e os casos em que a história relatava sinais como leucocoria, estrabismo ou nistagmo presentes antes dos 6 meses de idade. As cataratas adquiridas foram consideradas como o grupo de crianças que apresentavam catarata secundária ao trauma ou outras afecções oculares.

 

RESULTADOS

Trinta e cinco crianças foram operadas de catarata unilateral, sendo 24 cataratas congênitas (68,6%), e 11 adquiridas (31,4%).

A idade na cirurgia variou de 3 meses até 13 anos, média: 6 anos e 6 meses.

O intervalo de seguimento entre a cirurgia e a última acuidade visual obtida no prontuário, variou de no mínimo 1 mês até 6 anos (média= 36 meses).

Em relação ao sexo: 19 crianças eram do sexo feminino (54,3%) e 16 eram do masculino (45,7%), sem diferença estatística significante.

Em relação ao olho operado: 21, olho direito (60%) e 14, olho esquerdo (40%).

Trinta crianças apresentavam alteração da motilidade ocular (85,7%) e 5 apresentavam motilidade ocular normal (14,3%). Exotropia em 17 crianças e endotropia em 13 crianças. Nistagmo estava presente em 3 crianças.

Pela história clínica, a idade de aparecimento da catarata variou de 1 semana de vida até 9 anos de idade.

O intervalo entre a idade de aparecimento da catarata e a primeira consulta no ambulatório especializado variou de 1 mês até 12 anos.

As causas de catarata congênita foram: idiopáticas,15 (62,5%); rubéola, 3 (12,5%); uso de medicamentos na gestação, 2 (8,3%); familiar, 2 (8,3%); vítreo primário persistente hiperplásico, 1 (4,2%); síndrome genética, 1 (4,2%).

As causas de catarata adquirida foram: trauma, 7 (63,6%); pós-tratamento para retinoblastoma, 2 (18,2%); pós-cirurgia antiglaucomatosa, 1 (9,1%) e pós-uveíte, 1 (9,1%).

Quanto à morfologia, em 20 casos (57,2%) a catarata era total, em 6 (17,1%) lamelar, em 3 (8,6%) polar posterior, em 2 (5,7%) nuclear, em 1 (2,85%) polar anterior, em 1 (2,85%) piramidal, em 1 (2,85%) zonular e em 1 (2,85%) capsular posterior .

As técnicas das cirurgias realizadas foram: facoemulsificação com implante de LIO em 15 casos (42,9%), facectomia com implante de LIO em 11 casos (31,4%), lensectomia em 6 (17,1%) e facectomia em 3 (8,6%).

Na tabela 1 está apresentada a acuidade visual pré-operatória e a acuidade visual final, com a melhor correção óptica.

 

 

Para melhor análise, os resultados da acuidade visual foram divididos em grupos. A tabela 2 mostra os resultados visuais finais, nas cataratas congênitas e a tabela 3, nas cataratas adquiridas. Na tabela 4 estão apresentados os resultados das acuidades visuais, do grupo de crianças com catarata congênita divididos conforme a faixa etária na ocasião da cirurgia, crianças operadas até 1 ano de idade e crianças maiores de 1 ano.

 

 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

Alguns autores observaram um grande número de casos de catarata infantil por doenças infecciosas na gestação, destacando a rubéola com o maior número de casos. Neste estudo é a terceira maior causa de catarata unilateral (8,6%) e a segunda causa entre as cataratas congênitas(6).

Em relação ao tipo da catarata, a catarata lamelar é o tipo mais comum de opacidade congênita do cristalino(7) e neste estudo aparece em 17,1% do total das cataratas unilaterais.

Outros autores relataram que o trauma ocular é uma importante causa na infância de catarata unilateral nos países em desenvolvimento, coincidindo com este estudo, onde encontramos a etiologia traumática em 20% do total de casos e em 63,6% entre as cataratas adquiridas(3).

Quando há trauma ocular com ruptura da cápsula do cristalino, este torna-se hidratado e cataratoso dentro de horas(7).

Na afacia de origem traumática, o prognóstico visual é melhor, pois já houve o desenvolvimento das estruturas nervosas da retina e vias ópticas(8).

Para a correção da afacia, os óculos não são a solução ideal porque resulta em alterações na perifeira do campo visual e aumento da imagem em relação ao olho normal(7).

Para as crianças do ambulatório da UNIFESP/EPM, o uso de lentes de contato para correção da afacia constitui-se em tratamento inviável e oneroso, mas foi possível prescrever óculos e tratamento oclusivo(9).

Alguns autores advogam cirurgia para os casos unilaterais somente até os 2 meses de vida e outros indicam a cirurgia na presença de olhos alinhados independentemente da idade.

Alguns estudiosos(10) optaram por contra-indicar a cirurgia nos casos de catarata unilateral mas outros(11) ressaltaram que a cooperação visual binocular pode ser obtida em crianças com afacia unilateral quando operadas precocemente.

Há cirurgiões que contra-indicam a cirurgia em qualquer catarata congênita unilateral(12). Há outros que indicam a cirurgia em qualquer catarata congênita unilateral, mesmo incipiente(13).

Segundo alguns pesquisadores aproximadamente 50% dos pacientes com catarata congênita unilateral que tinham olhos alinhados e nenhum estrabismo, obtiveram visão final de 20/40 ou melhor(9).

O estrabismo pode aparecer em 40% das cataratas infantis bilaterais e em 90% das cataratas unilaterais(14).

Em relação à motilidade ocular, 30 crianças (85,7%) do total de 35 estudadas neste trabalho, apresentavam estrabismo e/ou nistagmo que são sinais indicativos de baixa visão e pior prognóstico visual pós-operatório.

Neste estudo, entre as crianças com catarata congênita unilateral operadas antes de 1 ano de idade, apenas 11,1% apresentaram acuidade visual igual ou melhor que 20/100. As crianças operadas após 1 ano de idade apresentaram 53,3% de visão melhor ou igual a 20/200.

Nos casos de catarata unilateral adquirida, a acuidade visual pós-operatória, melhor que 20/200, foi obtida em 45,5% dos casos. As crianças portadoras de retinoblastoma apresentavam baixa acuidade visual devido às lesões tumorais e à retinopatia por irradiação. A criança com glaucoma e a com uveíte, anteriores à cirurgia de catarata, também apresentavam alterações oculares decorrentes da patologia prévia que diminuíram a taxa de sucesso visual pós-operatório.

As cataratas unilaterais do tipo lamelar, lenticone posterior e vítreo primário persistente hiperplásico, que são freqüentemente parciais ao nascimento, podem progredir com o tempo. E podem permitir o desenvolvimento visual precoce(9) e apresentar resultados visuais satisfatórios mesmo sendo operadas após o período crítico de desenvolvimento visual.

Os resultados visuais pós-operatórios esperados não são satisfatórios se não houver adequado diagnóstico e tratamento da ambliopia. A terapia oclusiva requer correção visual com óculos ou lentes de contato e oclusão parcial do olho com melhor acuidade visual.

Alguns autores reconhecem a terapia com oclusão do olho com melhor visão como eficiente na melhora do desenvolvimento visual de olhos submetidos à cirurgia de catarata unilateral, mas que haveria a possibilidade de ocasionar iatrogenia na acuidade visual do olho ocluído sem o devido acompanhamento(15).

Outros autores recomendam um esquema de oclusão menos intenso para favorecer a interação binocular(11).

Observamos neste estudo que algumas crianças não continuaram o seguimento no ambulatório após a cirurgia e podemos supor que não continuaram suas terapias antiambliopia, diminuindo as chances de recuperação visual. Sugerimos que os familiares sejam informados e orientados antes da indicação da cirurgia, para que ocorra uma decisão em conjunto e uma melhor colaboração no pós-operatório.

Nesta série, em 42,9% do total de olhos, a visão obtida foi igual ou melhor que 20/200. Os resultados visuais dependem de muitas variáveis clínicas, incluindo faixa etária, etiologia, padrão morfológico da catarata, técnica cirúrgica e adesão ao tratamento oclusivo. Cada caso de catarata unilateral em crianças deve ser avaliado individualmente para a decisão da conduta a ser tomada buscando o benefício da criança e ponderando os riscos oculares e sistêmicos.

Os familiares e os profissionais de saúde e reabilitação visual ligados às crianças com catarata unilateral devem estar cientes das dificuldades do tratamento e da possibilidade de baixa visual no pós-operatório e concordarem com a conduta proposta.

 

CONCLUSÕES

Neste estudo em 35 crianças operadas de catarata unilateral, 11 crianças (31,4%) tinham catarata adquirida e 24 (68,6%) catarata congênita.

Na catarata congênita, 37,5% das crianças obtiveram acuidade visual igual ou melhor que 20/200.

No total dos olhos com catarata unilateral operados, em 42,8% dos casos o resultado da acuidade visual foi igual ou melhor que 20/200.

 

REFERÊNCIAS

1. Wilson ME, Pandey SK, Thakur J. Paediatric cataract blindness in the developing world: surgical techniques and intraocular lense in the new millennium. Br J Ophthalmol. 2003;87(1):14-9.         [ Links ]

2. Good WV. Cataract surgery in young children. Br J Ophthalmol. 2001; 85(3):254. Comment on: Br J Opthalmol. 2001;85(3):267-71.         [ Links ]

3. Apple DJ, Ram J, Foster A, Peng Q. Elimination of cataract blindness: a global perspective entering the new millennium. Surv Ophthalmol. 2000; 45(Suppl 1): S1-196.         [ Links ]

4. Wiesel TN, Hubel DH. Effects of visual deprivation on morphology and physiology of cells in the cat's lateral geniculate body. J Neurophysiol. 1963;26:978-93.         [ Links ]

5. Kitadai SP, Bonomo PP. Catarata congênita: freqüência etiológica. Arq Bras Oftalmol. 1994:57(6):404-6.         [ Links ]

6. Tartarella MB, Kawakami LT, Scarpi MJ, Hayashi S. Aspectos cirúrgicos em catarata congênita. Arq Bras Oftalmol. 1995;58(1):24-8.         [ Links ]

7. Catalano RA, Nelson LB. Pediatric Ophthalmology: a text atlas. New York: Applenton & Lange; 1994.         [ Links ]

8. Moreira CA, Moreira SM, Moreira Junior CA. Correção óptica da afacia na infância. Arq Bras Oftalmol. 1986;49(6):188-90.         [ Links ]

9. Taylor D, Wrigt KW, Amaya L, Cassidy L, Nischal K, Russell-Eggitt I, et al. Should we aggressively treat unilateral congenital cataracts? Br J Ophthalmol. 2001;85(9):1120-6. Review.         [ Links ]

10. Maia NC, Baikoff G. Catarata congênita: técnicas e indicações cirúrgicas. Rev Bras Oftalmol. 1998;57(7):565-71.         [ Links ]

11. Brown SM, Archer S, Del Monte MA. Stereopsis and binocular vision after surgery for unilateral infantile cataract. J AAPOS. 1991;(2):109-13.         [ Links ]

12. Arias-Puente A. Catarata congênita [resumo]. In: 8º Congresso Internacional de Catarata e Cirurgia Refrativa; 2004 abril 21-24; Recife.         [ Links ]

13. Kuri JV. Novos critérios no manejo cirúrgico da catarata congênita [resumo]. In: 8º Congresso Internacional de Catarata e Cirurgia Refrativa; 2004 abril 21-24; Recife.         [ Links ]

14. Tartarella, MB. Tratamento clínico e cirúrgico: experiência na Escola Paulista de Medicina [resumo] In: 8º Congresso Internacional de Catarata e Cirurgia Refrativa; 2004; abril 21-24; Recife.         [ Links ]

15. Thompson DA, Moller H, Russel-Eggitt I, Kriss A. Visual acuity in unilateral cataract. Br J Ophthalmol. 1996:80(9):794-8.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Adriana M. D. Brandão
Rua Diógenes Malacarne, 150/304
Vila Velha (ES) CEP 29101-210
E-mail: amdbrandao@terra.com.br

Recebido para publicação em 23.06.2006
Última versão recebida em 01.10.2007
Aprovação em 22.11.2007

 

 

Trabalho realizado no ambulatório de Catarata Congênita do Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP.
Nota Editorial: Depois de concluída a análise do artigo sob sigilo editorial e com a anuência do Dr. Mauro Waiswol sobre a divulgação de seu nome como revisor, agradecemos sua participação neste processo.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License