SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 issue4Results of orthotopic liver transplantation for hepatocellular carcinomaGastric stump mucosa: is there a risk for carcinoma? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Gastroenterologia

Print version ISSN 0004-2803On-line version ISSN 1678-4219

Arq. Gastroenterol. vol.38 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032001000400003 

ARTIGO ORIGINAL / ORIGINAL ARTICLE

 

VEIA PARAUMBILICAL PÉRVIA: importância hemodinâmica na hipertensão portal por esquistossomose mansônica hepatoesplênica. (Estudo com ultra-sonografia Doppler)

 

Azzo WIDMAN1, Ilka Regina Souza de OLIVEIRA2, Manlio Basílio SPERANZINI1, Giovanni Guido CERRI2, William Abrão SAAD1 e Joaquim GAMA-RODRIGUES1

 

 


RESUMO — Racional — As repercussões hemodinâmicas das vias de circulação colateral portossistêmica sobre o sistema portal, na hipertensão portal, ainda não foram devidamente esclarecidas. A ultra-sonografia Doppler possibilitou o estudo do sistema portal de modo não-invasivo mediante a caracterização do diâmetro dos vasos, da direção e da velocidade do fluxo sangüíneo. Objetivo - Estudar a veia paraumbilical mediante ultra-sonografia Doppler e avaliar sua repercussão na hemodinâmica do sistema portal, como via de circulação colateral portossistêmica. Método - Estudo do sistema portal, com ultra-sonografia Doppler, de 24 pacientes consecutivos com hipertensão portal por fibrose hepática devida à esquistossomose mansônica hepatoesplênica, hemorragia prévia por varizes do esôfago e veia paraumbilical pérvia com fluxo hepatofugal. Foram medidos o diâmetro e a velocidade média de fluxo na veia paraumbilical e a velocidade média de fluxo na veia porta e seus ramos direito e esquerdo. Foi realizado o teste de correlação linear entre a velocidade média de fluxo na veia porta com o diâmetro e a velocidade média de fluxo na veia paraumbilical. Os pacientes foram divididos em quatro grupos: D1 - veia paraumbilical com diâmetro <0,68 cm (n = 14); D2 - veia paraumbilical com diâmetro ³ 0,68 cm (n = 10); V1 - veia paraumbilical com velocidade média de fluxo <18,41 cm/seg (n = 13) e V2 - veia paraumbilical com velocidade média de fluxo ³ 18,41 cm/seg (n = 11). As médias e os desvios padrão da velocidade média de fluxo na veia porta e seus ramos direito e esquerdo destes grupos foram comparados. Resultados - O diâmetro da veia paraumbilical foi de 0,68 ± 0,33 cm (intervalo: 0.15 - 1.30 cm) e a velocidade média de fluxo de 18,41 ± 11.51 cm/seg (intervalo: 5.73 - 38,20 cm/seg). O teste de Pearson (correlação linear) da velocidade média de fluxo na veia porta com o diâmetro da veia paraumbilical foi de r = 0,504 e com a velocidade média de fluxo na veia paraumbilical foi r = 0,735. No grupo D2, comparativamente ao grupo D1, a velocidade média de fluxo foi maior na veia porta (22,3 ± 7,66 / 17,80 ± 3,42 cm/seg), assim como no seu ramo esquerdo (22,4 ± 7,92 / 16,00 ± 4,73 cm/seg). No grupo V2, comparativamente ao grupo V1, a velocidade média de fluxo foi maior na veia porta (21,96 ± 5,89 / 16,31± 3,49 cm/seg), assim como no seu ramo esquerdo (21,94 ± 7,20 / 14,22 ± 4.41 cm/seg). Não houve alteração no ramo direito da veia porta: 13,67 ± 5,74 / 15,43 ± 3.43 cm/seg. Conclusões - A veia paraumbilical com diâmetro ³ 0,68 cm e velocidade média de fluxo ³ 18,41 cm/seg provoca o aumento da velocidade média de fluxo na veia porta e seu ramo esquerdo. O aumento da velocidade média de fluxo na veia porta e seu ramo esquerdo pode ser interpretado como influência hemodinâmica da veia paraumbilical sobre o sistema portal. A velocidade média de fluxo na veia paraumbilical é mais sensível do que seu diâmetro para avaliar a influência desta veia sobre o sistema portal na hipertensão portal por esquistossomose hepatoesplênica. A presença de uma via de circulação colateral portossistêmica hemodinamicamente significativa, aumenta a velocidade de fluxo nas veias do sistema portal, proximalmente ao seu ponto de origem.

DESCRITORES — Veia paraumbilical. Sistema porta. Hipertensão portal. Esquistossomose mansoni. Ultra-sonografia Doppler.


 

 

INTRODUÇÃO

A hipertensão portal, tanto na esquistossomose mansônica hepatoesplênica como na cirrose hepática, resulta do bloqueio venoso portal intra-hepático e é modulada pelo aporte sangüíneo(25) e pela drenagem colateral portossistêmica espontânea(13). Estas vias de circulação venosa alternativa, ao ajudarem na vazão do sangue portal represado, são fatores de compensação da hipertensão portal de tal importância, que a interrupção parcial de uma delas (escleroterapia endoscópica das varizes esofágicas) provoca o aumento da pressão portal(13). Todavia, o mecanismo de ação hemodinâmica destas redes colaterais portossistêmicas e a influência que exercem sobre a circulação portal não estão inteiramente esclarecidos.

A avaliação das vias circulatórias do sistema portal, habitualmente, era realizada mediante o uso de técnicas radiológicas invasivas devido à dificuldade anatômica de acesso ao sistema portal(1, 17). O advento da ultra-sonografia com Doppler colorido e pulsado (US-Doppler), método de imagem não-invasivo, trouxe inúmeras vantagens para o estudo deste território e, apesar das limitações operacionais(3, 4, 8, 9, 18, 19, 24), foi considerado tão eficaz quanto o radiográfico(5). Os parâmetros que resultam da aplicação desta técnica (diâmetro do vaso examinado, direção e velocidade do fluxo sangüíneo) têm sido base de estudos morfológicos e hemodinâmicos no sistema portal(10, 11, 12).

A veia paraumbilical (VPU) ou veia umbilical recanalizada(14) é uma via de circulação colateral portossistêmica, freqüentemente identificada pela US-Doppler(5, 7, 21, 22) e sua presença com fluxo hepatofugal tem sido associada à hipertensão portal(2, 5, 6, 7, 16, 20, 21). Na cirrose hepática, ela é encontrada freqüentemente na síndrome de Cruveilhier-Baumgarten(15) e apesar de não interferir na gênese das varizes esofágicas nem da ascite(1, 16), ajuda a reduzir a incidência de hemorragias esofágicas(16) por descomprimir o sistema portal. Todavia, esta veia também é observada em indivíduos sem doença hepática(6, 23) e foram estabelecidos, arbitrariamente, limites aos valores dos seus parâmetros acima dos quais haveria hipertensão portal (fluxo hepatofugal, diâmetro maior de 0,3 cm e velocidade de fluxo acima de 5 cm/seg)(6, 21, 23).

Ao se avaliarem os resultados dos exames realizados com US-Doppler em pacientes com hipertensão portal por esquistossomose hepatoesplênica, observou-se que em alguns, que tinham VPU pérvia com fluxo hepatofugal, havia aumento da velocidade média de fluxo na veia porta (VP) e no ramo portal esquerdo (RPE). Como a medida dos parâmetros na VP e em seus ramos é realizada antes da origem da VPU, e como não há vias de aporte e/ou escape venoso entre os pontos de mensuração, foi feita a hipótese de que as alterações fossem devidas ao desvio do sangue portal por esta veia e fossem indicadoras de sua influência hemodinâmica. Todavia, nestes pacientes, há outras vias que atuam concomitantemente à VPU na drenagem do sistema portal hipertenso e apesar de ser desejável, o conhecimento de sua eficácia hemodinâmica individual é difícil de determinar.

Em decorrência desta situação, a análise dos parâmetros US-Doppler da VPU (diâmetro e velocidade média de fluxo) e sua comparação com a velocidade média de fluxo na VP, nos pacientes com hipertensão portal, poderia trazer subsídios para a compreensão das interações destes sistemas. Por analogia, os resultados permitiriam inferir a influência que as outras vias de circulação colateral exercem no território portal destes pacientes.

 

CASUÍSTICA E MÉTODO

Foram examinados os resultados do exame US-Doppler do sistema portal de 24 pacientes consecutivos com hipertensão portal por esquistossomose hepatoesplênica, com VPU pérvia e com fluxo hepatofugal. Todos provinham do Ambulatório do Grupo de Cirurgia do Fígado e Hipertensão Portal da Divisão de Clínica Cirúrgica II do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Os pacientes estavam em fase de preparo cirúrgico, em condições clínicas semelhantes e antecedentes de pelo menos um surto de hemorragia digestiva alta por varizes esofágicas.

Durante o exame clínico foram pesquisados sinais físicos da presença da síndrome de Cruveilhier-Baumgarten ("caput-medusae").

Pela US-Doppler foi medido o diâmetro, observada a direção do fluxo na VPU e avaliada a velocidade média de fluxo sangüíneo na VPU, VP, RPE e ramo portal direito (RPD).

Exame ultra-sonográfico - Todos os pacientes foram examinados em condições de jejum de 12 horas e ingestão prévia ao exame, de 10 mg de dimeticona (Luftalâ) para reduzir a interferência dos gases intestinais.

Os exames foram realizados em equipamento de ultra-sonografia de tempo real em modo-B, com transdutor convexo de 3,5MHz (GE - Logic 500 MD, EUA) e Doppler pulsado na freqüência de 3,5 e 2,5MHz.

Após identificar a VP, o RPD e o RPE no US modo-B, foram medidos os diâmetros destes vasos. Em seguida, o feixe Doppler foi direcionado para o vaso estudado com correção do ângulo ao feixe Doppler e posicionando a amostra de volume (cerca de 2/3 do calibre) na luz do mesmo. A direção do fluxo foi avaliada através do mapeamento com Doppler colorido e do traçado espectral. A velocidade média de fluxo foi medida automaticamente pelo "software" específico do equipamento (operador-independente) através do traçado espectral.

Apresentação dos resultados - Os resultados dos parâmetros US-Doppler da VPU foram anotados em forma de média, desvio padrão, intervalo entre seus valores extremos e foram dispostos em gráfico de dispersão para análise.

Foi realizada correlação entre a velocidade média de fluxo na VP, o diâmetro da VPU e a velocidade média de fluxo na VPU.

Foi anotada e comparada a velocidade média de fluxo na VP, RPD e RPE nos grupos usando como base o diâmetro da VPU e a velocidade média de fluxo na VPU.

Tratamento estatístico - Foram realizados os testes:

a) Pearson (correlação linear) entre os valores da velocidade média de fluxo na VP, do diâmetro e da velocidade média de fluxo na VPU.

b) análise de variância (P <0.05 significante) na comparação entre a velocidade média na VP, RPD e RPE nos pacientes, divididos em grupos de acordo com o diâmetro e a velocidade média de fluxo na VPU.

 

RESULTADOS

Ao exame clínico não foram encontrados sinais físicos indicativos da síndrome de Cruveilhier-Baumgarten ("caput-medusae") em nenhum dos pacientes desta casuística.

Os 24 pacientes examinados pela US-Doppler apresentaram os seguintes resultados:

A - Veia paraumbilical:

1. O diâmetro foi de 0,68 ± 0,33 cm (intervalo: 0,15 - 1.30 cm).

2. Direção do fluxo sangüíneo foi hepatofugal em todos os pacientes.

3. A velocidade média de fluxo do sangue foi de 18,41 ± 11.51 cm/seg (intervalo: 5,73 - 38,20 cm/seg).

B - Disposição em gráfico dos resultados dos parâmetros da VPU:

a. Diâmetro: houve agrupamento em dois conjuntos separados: D1 (n = 14) e D2 (n = 10), acima e abaixo do valor da média calculada para este parâmetro (0,68 cm).

b. Velocidade média de fluxo: apesar da dispersão mais uniforme dos valores, também foi possível distinguir dois grupos separados: V1 (n = 13) e V2 (n = 11), acima e abaixo do valor da média calculada para este parâmetro (18,41 cm/seg).

Resultados apresentados no Gráfico 1.

 

 

C - O teste de Pearson (correlação linear) entre a medida da velocidade média de fluxo na VP e a medida dos parâmetros da VPU apresentou valor de r = 0,504 (P = 0.012) e de r = 0.735 (P = 0.000) para o diâmetro e para a velocidade média de fluxo, respectivamente.

D - Velocidade média de fluxo na VP, RPD e RPE:

1. Grupo D1 - VPU com diâmetro £0,68 cm (n = 14):

A velocidade média de fluxo na VP foi de 16,91 ± 3,11 cm/seg, no RPD foi de 14,83 ± 5,68 cm/seg e no RPE foi de 15,02 ± 5,35 cm/seg.

2. Grupo D2 - VPU com diâmetro ³0,68 cm (n = 10):

A velocidade média de fluxo na VP foi de 21,69 ± 6,88 cm/seg, no RPD foi de 13,89 ± 3,42 cm/seg e no RPE foi de 21,59 ± 7,24 cm/seg.

3. Grupo V1 - VPU com velocidade média de fluxo £18,41 cm/seg (n = 13):

A velocidade média de fluxo na VP foi de 16,31 ± 3,49 cm/seg, no RPD foi de 13,67 ± 5,74 cm/seg e no RPE foi de 14,22 ± 4,41 cm/seg.

4. Grupo V2 - VPU com velocidade média de fluxo ³ 18,41 cm/seg (n = 11):

A velocidade média de fluxo na VP foi de 21,96 ± 5,89 cm/seg, no RPD foi de 15,34 ± 3,43 cm/seg e no RPE foi de 21,94 ± 7,12 cm/seg.

E - Comparação da velocidade média de fluxo na VP, RPD e RPE nos grupos D1 e D2:

No grupo D2 a velocidade média de fluxo na VP (P = 0.031) e RPE (P = 0.018) foi significativamente maior do que no grupo D1; não houve diferença estatisticamente significativa da velocidade média de fluxo no RPD (P = 0.629).

F - Comparação dos resultados da velocidade média de fluxo na VP, RPD e RPE nos grupos V1 e V2:

No grupo V2 a velocidade média de fluxo na VP (P = 0.008) e RPE (P = 0.004) foi maior do que no grupo V1; não houve diferença estatisticamente significativa da velocidade média de fluxo no RPD (P = 0.408).

Resultados apresentados nas Tabelas 1, 2.

 

 

 

DISCUSSÃO

Para avaliar adequadamente a influência hemodinâmica da VPU no sistema portal foram utilizados os exames de pacientes com hipertensão portal por esquistossomose mansônica hepatoesplênica. Baseou-se esta decisão na presunção de que, as escassas alterações da função hepática, permitindo sobrevida longa nestes pacientes, possibilitam uma ação prolongada da hipertensão venosa no sistema portal. Em decorrência desta situação, as vias de circulação colateral portossistêmica na fase hepatoesplênica da doença, estariam integralmente desenvolvidas e funcionando no máximo de sua capacidade hemodinâmica. Assim, neste modelo clínico, o estudo das condições hemodinâmicas da VPU poderia indicar sua influência no sistema portal e por analogia auxiliar a compreensão do comportamento funcional das outras vias de circulação colateral portossistêmica.

A síndrome de Cruveilhier-Baumgarten ("caput medusae") não foi observada nos casos desta série, o que contrasta com a cirrose hepática, onde a VPU com fluxo hepatofugal é encontrada freqüentemente em associação a este quadro clínico(15, 20). A presente situação, talvez seja devida ao pequeno número de casos desta casuística (n = 24) ou a fatores fisiopatológicos que não se pôde avaliar.

A) Aspectos hemodinâmicos da veia paraumbilical

O sistema portal tem condições circulatórias peculiares: não há impulsão cardíaca, de modo que os parâmetros US-Doppler: morfológico (diâmetro do vaso) e dinâmico (velocidade de fluxo) adquirem significado hemodinâmico diferenciado.

Na VPU, a grande diferença entre os valores das medidas do diâmetro (0,15 - 1,30 cm) e da velocidade média de fluxo (5,73 - 38,20 cm/seg), não pode ser atribuída à imprecisão do método nem a variações inter ou intra-examinador(3, 4, 18, 19), pois todos os exames foram feitos pelo mesmo pesquisador (IRSO), experiente e afeito a sua realização. Assim, a variabilidade destes parâmetros US-Doppler nesta veia, permite inferir que ela funcione como via de circulação colateral portossistêmica, nem sempre de maneira homogênea, em cada um dos pacientes desta casuística.

A correlação entre a velocidade média de fluxo na VPU e na VP foi maior (r = 0.735, P = 0.000) do que entre o diâmetro da VPU e a velocidade média de fluxo na VP (r = 0.504, P = 0.012), indicando que o fator hemodinâmico (velocidade de fluxo) é mais adequado do que o morfológico (diâmetro) para avaliar a variação (aumento) da velocidade do sangue portal observada em alguns dos pacientes deste estudo desde o inicio do estudo.

B) Relações hemodinâmicas da VPU com o sistema portal

A análise dos resultados da comparação entre os valores dos parâmetros da VPU destes grupos com as respectivas velocidades médias de fluxo na VP, RPD e RPE mostrou que somente nos grupos D2 (³ 0,68 cm) e V2 (³ 18,41 cm/seg) houve aumento, estatisticamente significativo, da velocidade média de fluxo na VP (P = 0.031 / P = 0.008) e no RPE (P = 0.018 / P = 0.004). Não houve alteração da velocidade média de fluxo no RPD (P = 0.629 / P = 0.408) (Tabelas 1, 2).

Alterações da velocidade média de fluxo na VP já foram observadas em pacientes com hipertensão portal por cirrose hepática e que tinham VPU pérvia com fluxo hepatofugal(20). Entretanto, estes resultados não puderam ser adequadamente interpretados, nem suficientemente valorizados, pois as medidas não foram realizadas concomitantemente no RPD e RPE.

A constatação de que somente uma parte dos doentes (D2 e V2) apresentou variação da velocidade de fluxo na VP e RPE, comprovou as observações iniciais e as vinculou aos parâmetros (diâmetro e velocidade média de fluxo) da VPU. Também foi possível relacionar o aumento da velocidade de fluxo na VP e no segmento inicial do RPE ao diâmetro (acima de 0,68 cm) e à velocidade média de fluxo na VPU (acima de 18,41 cm/seg).

A falta de variação na velocidade média de fluxo no RPD, apesar das alterações do diâmetro e da velocidade média de fluxo na VPU (Tabelas 1, 2), indica que a presença desta via de circulação colateral portossistêmica não afeta o fluxo transhepático do sangue portal pelo lobo hepático direito. O aumento da velocidade média de fluxo no RPE acontece unicamente à montante da origem da VPU devido à presença de um corredor circulatório de alta velocidade por provável diminuição da resistência periférica ao fluxo.

Conclui-se daí, que o aumento da velocidade média de fluxo na VP e no RPE pode ser interpretado como sinal de eficácia desta via de circulação colateral (VPU com diâmetro ³ 0,86 cm e velocidade média de fluxo ³ 18,41 cm/seg) em desviar o sangue portal para a circulação sistêmica. Em decorrência, o aumento da velocidade média de fluxo no sistema portal faria pressupor a presença de uma via de circulação colateral portossistêmica hemodinamicamente eficiente à jusante. Também é possível concluir que, se o comportamento funcional das outras vias venosas colaterais for análogo ao da VPU, cada doente com hipertensão portal tem um mosaico de caminhos da circulação portossistêmica com influência diversa de acordo com o calibre e a velocidade do sangue em cada uma delas.

 

 


Widman A, Oliveira IRS, Speranzini MB, Cerri GG, Saad WA, Gama-Rodrigues J. Patent paraumbilical vein: hemodynamic importance in Mansoni's hepatosplenic portal hypertension. (US-Doppler study). Arq Gastroenterol 2001;38(4):221-226.

ABSTRACT Background — The hemodynamical effect of the collateral portosystemic circulation upon the portal system has not yet been fully understood. The US-Doppler made possible the non-invasive study of the portal system by evaluating the parameters: flow direction, diameter and flow velocity in it's vessels. Aims - To study the paraumbilical vein as a collateral portosystemic pathway and identify patterns for appraising its hemodynamic importance to the portal system. Method - US-Doppler study of the portal system of 24 patients with Mansoni's hepatosplenic schistosomic portal hypertension, previous esophagic variceal bleeding and patent paraumbilical vein with hepatofugal flow. The diameter and the mean flow velocity were measured in the paraumbilical vein and so were the mean flow velocity in the portal vein, right and left portal branches. The Pearson test (linear correlation) was applied to the portal vein's mean flow velocity and the paraumbilical vein's diameter and mean flow velocity. The patients were divided in four groups: D1 - paraumbilical vein with diameter <0.68 cm (n = 14), D2 - paraumbilical vein with diameter ³ 0.68 cm (n = 10), V1 - paraumbilical vein with mean flow velocity <18.41 cm/seg (n = 13) and V2 - paraumbilical vein with mean flow velocity ³ 18.41 cm/seg (n = 11). The mean flow velocity in the portal vein, right and left portal branches of the four groups were compared. Results - The paraumbilical vein diameter was 0.68 ± 0.33 cm (range: 0.15 - 1.30 cm) and the mean flow velocity was 18.41 ± 11.51 cm/seg (range: 5.73 - 38.20 cm/seg). The linear correlation between the portal vein's mean flow velocity / paraumbilical vein diameter and the paraumbilical vein's mean flow velocity showed r = 0.504 and r = 0.735, respectively. In the group D2 there was an increase in the mean flow velocity in the portal vein (17.80 ± 3.42 / 22.30 ± 7.67 cm/seg) and in the left portal branch (16.00 ± 4.73 / 22.40 ± 7.90 cm/seg). In the group V2 there was an increase in the mean flow velocity in the portal vein (16.31 ± 3.49 / 21.96 ± 5.89 cm/seg) and in the left portal branch (14.22 ± 4.41 / 21.94 ± 7.20 cm/seg). There was no change in the right portal branch (13.67 ± 5.74 / 15.43 ± 3.43 cm/seg). Conclusions - In portal hypertension due to hepatosplenic schistosomiasis, the patent paraumbilical vein, with hepatofugal flow, diameter ³ 0.68 cm and mean flow velocity ³ 18.41 cm/seg causes an increase of the mean flow velocity in the portal vein and left portal branch. The best US-Doppler parameter to appraise the paraumbilical vein influence upon the portal system is the mean flow velocity. The correlation between the increase in portal vein's mean flow velocity is stronger with the paraumbilical vein's mean flow velocity than with its diameter. The increase in the portal vein's and left portal branch's mean flow velocity may be understood as the paraumbilical vein's hemodynamic influence upon the portal system. An active portosystemic collateral pathway increases the mean flow velocity in the vein's segment proximal to its point of origin.

HEADINGS — Paraumbilical vein. Portal system. Hypertension, portal. Schistosomiasis mansoni. Ultrasonography, Doppler.


 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Aagaard J, Jensen LI, Sørensen TIA, Christensen U, Burchart F, Recanalized umbilical vein in portal hypertension. AJR 1982;139:1107-9.        [ Links ]

2. Bloom AI, Cohen SE, Lebensart PD, Pappo O, Eid A. Unusual spontaneous hepatic vein to paraumbilical vein shunt in patient with Budd-Chiari syndrome and cirrhosis: a case report. Liver 1997;17:210-3.        [ Links ]

3. Bolondi L, Gaiani S, Barbara L. Accuracy and reproducibility of portal flow measurements by Doppler US. J Hepatol 1991;13:269-73.        [ Links ]

4. deVries PJ, van Hattum J, Hoekstra JBL, de Hooge P. Duplex Doppler measurements of portal venous flow in normal subjects: inter- and intra-observer variability. J Hepatol 1991;13:358-63.        [ Links ]

5. Dökmeci A, Kimura K, Matsutani S, Ohto M, Ono T, Tsuchiya Y, Saisho H, Okuda K. Collateral veins in portal hypertension: demonstration by sonography. AJR 1981;137:1173-7.        [ Links ]

6. Gibson RN, Gibson PR, Donlan JD, Clunie DA. Identification of a patent paraumbilical vein using Doppler sonography: importance in the diagnosis of portal hypertension. AJR 1989;153:513-6.        [ Links ]

7. Glazer GM, Laing FC, Brown TW, Gooding GAW. Sonographic demonstration of portal hypertension: the patent umbilical vein. Ultrasound 1980;136:161-3.        [ Links ]

8. Iwao T, Toyonaga A, Oho K, Sakai T, Tayama C, Masumoto H, Sato M, Nakahara K, Tanikawa K. Postprandial splanchnic hemodynamic response in patients with cirrhosis of the liver: evaluation with triple-vessel duplex US. Radiology 1996;201:711-5.        [ Links ]

9. Iwao T, Toyonaga A, Shigemori H, Oho K, Sakai T, Tayama C, Masumoto H, Sato M, Tanikawa K. Hepatic artery hemodynamic responsiveness to altered portal blood flow in normal and cirrhotic livers. Radiology 1996;200:793-8.        [ Links ]

10. Iwao T, Toyonaga A, Oho K, Tayama C, Masumoto H, Sakai T, Sato M, Tanikawa K. Value of Doppler ultrasound parameters of portal veins and hepatic artery in the diagnosis of portal cirrhosis and portal hypertension. Am J Gastroenterol 1997;92:1012-7.        [ Links ]

11. Kok Th, Jagt EJ, Haagsma EB, Bijleveld CMA, Jansen PLM, Boeve WJ. The value of Doppler ultrasound in cirrhosis and portal hypertension. Scand J Gastroenterol 1999;Suppl 230:82-8.        [ Links ]

12. Körner T. Portal duplex sonography in liver cirrhosis: a useful supplement to endoscopic evaluation of bleeding risk of esophageal varices? Scand J Gastronterol 1996;31:495-9.        [ Links ]

13. Korula J, Ralls P. The effect of chronic endoscopic variceal sclerotheraphy on portal pressure in cirrhotics. Gastroenterology 1991;101:800-5.        [ Links ]

14. Lafortune M, Constantin A, Breton G, Légaré AG, Lavoie P. The recanalized umbilical vein in portal hypertension: a myth. AJR 1985;144:549-53.        [ Links ]

15. Morin C, Lafortune M, Pomier G, Robin M, Breton G. Patent paraumbilical vein: anatomic and hemodynamic variants and their clinical importance. Radiology 1992;185:253-6.        [ Links ]

16. Mostbeck GH, Wittich GR, Herold C, Vergesslich KA, Walter RM, Frotz S, Gernot S. Hemodynamic significance of the paraumbilical vein in portal hypertension: assessment with duplex US. Radiology 1989;170:339-42.        [ Links ]

17. Patch D, Armonis A, Sabin C, Christopoulou K, Greenslade L, McCormick A, Dick R, Borroughs AK. Single portal pressure measurement predicts survival in cirrhotic patients with recent bleeding. Gut 1999;44:264-9.        [ Links ]

18. Paulson EK, Kliewer MA, Frederick MG, Keogan MT, DeLong DM, Nelson RC. Doppler US measurements of portal venous flow: variability in healthy fasting volunteers. Radiology 1997;202:721-4.        [ Links ]

19. Sabbá C, Weltin GG, Cicchetti DV, Farraioli G, Taylor KJW, Nakamura T, Moriyasu F, Groszmann RJ. Observer variability in echo-Doppler measurements of portal flow in cirrhotic patients and normal volunteers. Gastroenterology 1990;98:1603-11.        [ Links ]

20. Sacerdoti D, Bolognesi M, Bombonato G, Gatta A. Paraumbilical vein patency in cirrhosis: effects on hepatic hemodynamics evaluated by Doppler sonography. Hepatology 1995;22:1689-94.        [ Links ]

21. Saddekni S, Hutchinson DE, Cooperberg PL. The sonographically patent umbilical vein in portal hypertension. Radiology 1982;145:441-3.        [ Links ]

22. Subramanyam B, Balthazar EJ, Madamba MR, Raghavendra BN, Horii SC, Lefleur RS. Sonography of portosystemic venous collaterals in portal hypertension. Radiology 1983;146:161-6.        [ Links ]

23. Wachsberg RH, Obolevich AT. Blood flow characteristics of vessels in the ligamentum Teres fissure at color Doppler sonography: findings in healthy volunteers and in patients with portal hypertension. AJR 1995;164:1403-5.        [ Links ]

24. Zironi G, Gaiani S, Fenyves D, Rigamonti A, Bolondi L, Barbara L. Value of measurement of portal flow velocity by Doppler flowmetry in the diagnosis of portal hypertension. J Hepatol 1992:16:298-303.        [ Links ]

25. Zweibel WJ, Mountford RA, Halliwell MJ, Wells PNT. Splanchnic blood flow in patients with cirrhosis and portal hypertension: investigation with duplex Doppler US. Radiology 1995;194:807-12.        [ Links ]

 

 

Recebido em 30/10/2000.
Aprovado em 14/2/2001.

 

 

Trabalho realizado nos Departamentos de 1 Gastroenterologia e 2 Radiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - FMUSP, São Paulo, SP.

Endereço para correspondência: Dr. Azzo Widman - Rua Guilherme Moura, 302 - Vila Ida - 05449-010 - São Paulo - SP

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License