SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.42 issue2Efficacy of absolute alcohol injection compared with band ligation in the eradication of esophageal varices author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Gastroenterologia

Print version ISSN 0004-2803On-line version ISSN 1678-4219

Arq. Gastroenterol. vol.42 no.2 São Paulo Apr./June 2005

https://doi.org/10.1590/S0004-28032005000200001 

EDITORIAL

 

Doença do refluxo gastroesofágico - prevalência, fatores de risco e desafios...

 

Gastroesophageal reflux disease - prevalence, risk factors and challenges...

 

 


Descritores: Refluxo gastroesofágico, epidemiologia. Prevalência.


Headings: Gastroesophageal reflux, epidemiology. Prevalence.


 

 

A doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) tem impacto negativo na qualidade de vida, aumenta os custos com a saúde e o risco para adenocarcinoma do esôfago. A identificação de pirose ou/e regurgitação ácida são aceitas como marcadores clínicos da DRGE quando ocorrem 1 ou mais vezes por semana nos últimos 12 meses(1) ou 2 vezes por semana nas últimas 4 a 8 semanas segundo o Consenso Brasileiro para a Doença do Refluxo(2). A maioria dos estudos que estima a sua prevalência e os fatores de risco associados é falha, pois não apresentam definição de pirose ("sensação de queimação da região retroesternal, estendendo-se até a base do pescoço ou para a garganta"), os indivíduos estudados não são representativos da população geral e/ou o tamanho amostral é reduzido. Dados populacionais em países em desenvolvimento, particularmente no Brasil, são raros(4). Duas importantes contribuições são publicadas neste número dos ARQUIVOS DE GASTROENTEROLOGIA. A primeira, de MORAES-FILHO et al.(3), em enquete nacional realizada em 22 cidades brasileiras detectou "pirose" 1 ou mais vezes por semana em 11,3% entre 13.000 indivíduos. A segunda publicação, de OLIVEIRA et al.(6), em pesquisa também com base populacional, detectaram "pirose" e/ou "amargor na boca" pelo menos semanalmente, durante o ano anterior em 31,3% de 3.934 indivíduos residentes na cidade de Pelotas, no Rio Grande do Sul. Em ambos os estudos houve associação com o sexo feminino, com o aumento da idade, com o estresse e com "problemas de saúde"/"baixo índice de bem-estar psicológico". Na enquete nacional também houve associação com a ingestão de alimentos, principalmente gordurosos, frituras e condimentos, mas, surpreendentemente, não com o consumo de café, álcool ou fumo. Adicionalmente, no estudo em Pelotas, baixa escolaridade, "viver sem companheiro", "presença de insônia" e obesidade/sobrepeso estiveram também associadas à pirose.

Recente estudo(5) incluindo 60.000 indivíduos na Noruega, corrobora os estudos brasileiros, ao demonstrar maior prevalência de pirose em mulheres e um progressivo aumento com a idade. Entretanto, revisão da literatura internacional, baseada em critérios semelhantes (definição de pirose, base populacional e grande tamanho amostral) aos dois estudos brasileiros aqui publicados, encontrou somente 15 publicações aceitáveis e que indicaram prevalência entre 10% e 20% no mundo ocidental e 5% no oriente(1). Nessa revisão, somente história familiar e obesidade foram considerados fatores de riscos consistentes para DRGE.

A grande variação da prevalência encontrada por MORAES-FILHO et al.(3) e OLIVEIRA et al.(6), pode refletir os diferentes delineamentos desses estudos ou representar uma real maior prevalência de pirose na cidade de Pelotas.

As necessidades de dados sobre a epidemiologia e outros aspectos da DRGE, colocam-nos desafios. O primeiro é delinear protocolos mais sólidos como, por exemplo, estudos longitudinais (estudos de coorte) ou estudos de casos e controle para cujo planejamento e execução o país tem recursos humanos plenamente qualificados. O segundo e maior, é alocar recursos financeiros e infra-estrutura para estudos nacionais, multicêntricos, que poderiam fornecer dados essenciais para futuros programas de prevenção e planejamento em saúde pública. Quem deve liderar a resposta a esses desafios? Como diz a canção de Bob Dylan "a resposta está pairando no ar"...

 

Sérgio G. S. de BARROS*

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Dent J, El-Serag HB,Wallander M-A, Johansson S. Epidemiology of gastro-oesophageal reflux disease: a systematic review. Gut 2005;54:710-7.

2. Moraes-Filho JPP, Cecconello I, Gama-Rodrigues J, Paula-Castro L, Henry MA, Meneghelli UG, Quigley E, and the Brazilian Consensus Group. Brazilian Consensus on Gastroesophageal reflux Disease: proposals for assessment, classification and management. Am J Gastroenterol 2002;97:241-8.

3. Moraes-Filho JPP, Chinzon D, Eisig JN, Zaterka S, Hashimoto CL. Prevalence of heartburn and gastroesophageal reflux disease in the urban Brazilian population. Arq Gastroenterol 2005;42:122-7.

4. Nader F, Costa JSD, Nader GA, Motta GLCZ. Prevalência de pirose em Pelotas, RS, Brasil: estudo de base populacional. Arq Gastroenterol 2003;40:31-4.

5. Nilsson M, Johnsen R, Ye W, Hveem K, Lagergren J. Prevalence of gastro-oesophageal reflux symptoms and the influence of age and sex. Scand J Gastroenterol 2004;39:1040-5.

6. Oliveira SS, Santos IS, Silva JFP, Machado EC. Prevalência e fatores associados à doença do refluxo gastroesofágico. Arq Gastroenterol 2005;42(2):116-21.

 

 

* Serviço de Gastroenterologia, Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License