SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.57 issue1Pineal metastasis as first clinical manifestation of colorectal adenocarcinoma: case reportParaplegia as initial manifestation of tethered spinal cord: case report author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Neuro-Psiquiatria

Print version ISSN 0004-282XOn-line version ISSN 1678-4227

Arq. Neuro-Psiquiatr. vol.57 n.1 São Paulo Mar. 1999

http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1999000100019 

NEURINOMA DO ACÚSTICO EM CRIANÇAS SEM ASSOCIAÇÃO COM NEUROFIBROMATOSE

RELATO DE DOIS CASOS

 

ROBERTO SERGIO MARTINS*,SERGIO HIDEKI SUZUKI*, PAULO SANEMATSU JR*, JOSÉ PÍNDARO PEREIRA PLESE**

 

 

RESUMO - O neurinoma do acústico é o tumor da região ângulo ponto-cerebelar mais comum em indivíduos adultos, sendo raro em crianças sem neurofibromatose. A literatura consultada mostra 18 casos bem documentados de crianças portadoras de neurinomas do VII nervo craniano com idade inferior a 16 anos. Relatamos dois casos de crianças com idade de 9 e 15 anos, portadoras desta patologia e submetidas a tratamento cirúrgico. Nestes casos, assim como nos relatados na literatura, o quadro clínico é semelhante ao do adulto, em que o primeiro sintoma é a surdez progressiva, mais tardiamente seguindo-se sinais e sintomas relacionados à lesão expansiva na fossa posterior.

PALAVRAS-CHAVE: nervo vestíbulo-coclear, neurinoma do acústico, tumor pediátrico.

 

Acoustic schwannoma in children without neurofibromatosis: report of two cases

ABSTRACT - Acoustic schwannoma is the most common tumor of the cerebellopontine angle in adults and is rarely found in children without neurofibromatosis. In the literature there are 18 children under the age of 16 with such tumor. Two female patients with age of 9 and 15 years old with acoustic schwannoma without neurofibromatosis are related. Progressive deafness followed by signs and symptoms of a posterior fossa tumor were the initial complaint of both, as well as of the other related cases and in adulthood.

KEY WORDS: acoustic nerve, vestibular schwannoma, pediatric tumor.

 

 

Os neurinomas do acústico são os tumores que mais frequentemente que acometem a região do ângulo ponto-cerebelar (APC) em indivíduos adultos, correspondendo a cerca de 6 a 8% de todos os tumores intracranianos primários1. Sua ocorrência em crianças é rara, havendo somente 18 casos com idade inferior a 16 anos bem documentados e relatados na literatura. Neste estudo apresentamos dois casos de crianças com idade inferior a 15 anos, portadoras de neurinoma do nervo acústico sem história familiar ou evidência clínica de neurofibromatose.

 

RELATO DOS CASOS

Caso 1 - SAG. sexo feminino, 15 anos, atendida com história de 3 anos de redução da acuidade auditiva à esquerda (E) passando a apresentar anacusia 8 meses antes de seu primeiro atendimento. Não apresentava antecedentes familiares de neurofibromatose. Ao exame neurológico apresentava anacusia à E e hipoestesia tátil dos três territórios de inervação do V nervo craniano à E. Não foram encontradas lesões de pele sugestivas de neurofibromatose.

A tomografia computadorizada de crânio (TC) evidenciava processo expansivo denso, captante, com diâmetro de 2 a 3 cm em topografia de APC à E, alargando o meato acústico interno (Fig 1). A ressonância magnética de crânio (RM) demonstrava lesão extra-axial em região de APC à E com dimensões de 3x3x2,2 cm, com hipersinal em T2 e em densidade de prótons, sinal intermediário em T1 e realce importante de contraste (Fig 2 e 3).

 

 

 

 

 

 

 

A criança foi submetida a craniectomia retromastóidea em posição semi-sentada com exérese radical do processo em topografia de APC à E não sendo possível a preservação anatômica do VII nervo. O exame anátomo-patológico confirmou a suspeita pré-operatória de neurinoma. A paciente apresentou boa recuperação pós-operatória, recebendo alta 5 dias após a cirurgia, com paralisia do VII nervo à E. No seguimento ambulatorial (1 ano) mantinha a paralisia do VII nervo à E em programação de correção estética facial, e não apresentava sintomatologia relacionada ao V nervo. O controle radiológico (RM) pós-operatório não mostrava presença de tumor residual.

Caso 2. DDF, sexo feminino, 9 anos, relatava há 1 ano e meio queixa de redução da acuidade auditiva à direita (D) e alteração da marcha, com dificuldade de equilíbrio, também à D. Há 8 meses passou a apresentar cefaléia holocraniana associada a vômitos. Não apresentava antecedentes familiares de neurofibromatose. Ao exame clínico apresentava síndrome cerebelar apendicular à D, hipoestesia tátil nos territórios do primeiro e segundo ramos do V nervo craniano à D e anacusia à D. Borramento de papila foi detectado ao exame do fundo de olho. Não se identificaram estigmas sugestivos de neurofibromatose.

A TC evidenciava lesão única, pouco hiperdensa em APC à D, com cerca de 5 cm de diâmetro, alargamento do conduto auditivo interno ipsilateral e dilatação dos ventrículos laterais. A RM demonstrava lesão de hipossinal em T1, de aspecto heterogêneo, com captação importante do realce paramagnético em topografia de APC à D, além das outras alterações já descritas na TC.

A criança foi submetida a craniectomia retromastóidea à D em decúbito lateral esquerdo com exérese radical do processo em APC, não sendo possível a preservação anatômica do VII nervo. O exame anátomo-patológico revelou tratar-se de neurinoma. Apresentou boa evolução no período pós-operatório, recebendo alta no 11º dia após o ato cirúrgico pois apresentou fístula liquórica incisional que não se repetiu após oclusão com novos pontos. O exame neurológico evidenciava paresia do VII nervo à D. A paciente permanecia com a paresia do VII nervo à D 8 meses após o tratamento neurocirúrgico sem alterações relacionadas ao V nervo. TC realizada nesta ocasião não evidenciou a presença de tumor.

 

DISCUSSÃO

O neurinoma ou schwannoma do acústico é tumor histologicamente benigno que se origina a partir das células de Schwann do ramo vestibular do oitavo nervo craniano. Estes tumores são mais prevalentes na quinta e sexta décadas de vida, ocorrendo mais precocemente por volta da terceira década quando em associação com a neurofibromatose. A neurofibromatose é patologia que se apresenta com manifestações cutâneas e neurológicas e pode ser classificada como do tipo 1 e 2. A do tipo 1 é caracterizada pelas clássicas manifestações de pigmentação cutânea, nódulos de Lisch (hamartomas pigmentados na íris) e neurofibromas, além da ocorrência de gliomas de vias ópticas e astrocitomas. A neurofibromatose do tipo 2 é menos frequentemente associada a presença de lesões cutâneas e é caracterizada pela ocorrência de neurinomas do acústico bilaterais1-3. Neurinomas do acústico em crianças sem neurofibromatose são raros. A análise da literatura mostra somente 18 pacientes com idade inferior a 16 anos4-18. Existem outros relatos de crianças portadoras desta patologia que não podem ser incluídas neste grupo pois seus dados clínico-neurológicos são incompletos19-24.

O relato do paciente mais jovem foi feito por Fabiani et al. em 1975 em uma criança de 12 meses com hidrocefalia causada por lesão expansiva de fossa posterior8. Outra criança com idade inferior a 20 meses foi descrita por Hernanz-Schulman et al. em 1986 e esta apresentava como primeiro sintoma paresia do VII nervo craniano9. Dos casos restantes, a idade dos pacientes por ocasião do diagnóstico foi superior 7 anos, com distribuição igual entre o sexo masculino e feminino, quando incluídos os casos relatados neste estudo. Com exceção dos dois pacientes descritos com idade inferior a 20 meses, todos apresentavam perda auditiva na apresentação inicial. De acordo com Allcutt et al. e Rushworth et al. crianças portadas de neurinomas do acústico tendem a procurar tratamento tardiamente e apresentar tumores de grandes dimensões quando diagnosticados4,16. Em geral, o diagnóstico tardio se deve a ausência de queixas por parte da criança, pois a perda auditiva unilateral é o sintoma mais precoce. Além disso, quando presente, esta queixa tende a não ser considerada ou ser confundida com sintomas relacionados a patologias do ouvido médio, comum em crianças.

O neurinoma maligno do oitavo nervo craniano é raro25-26. Em crianças, o único caso descrito foi o do estudo de Hernanz-Schuman et al. tendo apresentado recorrência após um ano do ato cirúrgico, quando foi submetido a nova ressecção e radioterapia9. O paciente não apresentava recorrência um ano após a recidiva.

A RM é o exame de escolha para a avaliação por meio de imagem desta patologia e evidencia lesão iso ou pouco hipointensa na aquisição T1 e hiperintensa em T2, com realce na fase com contraste15. Apesar da importância da RM no diagnóstico, a investigação deve ser complementada com TC. Este exame deve ser realizado com a janela óssea, onde é possível identificar o alargamento e a destruição do meato acústico interno, sua relação com os canais semi-circulares e o grau de pneumatização do osso petroso, parâmetros úteis para o planejamento cirúrgico20,27. No diagnóstico diferencial devem ser consideradas outras patologias de ocorrência possível na região do ângulo ponto-cerebelar como meningiomas, neurinomas de nervos adjacentes, tumores epidermóides e papilomas do recesso lateral do quarto ventrículo16.

De acordo com Allcut et al. os neurinomas do acústico em crianças tendem a ser tumores ricamente vascularizados quando comparados aos neurinomas do adulto, prolongando e dificultando o ato cirúrgico4. Nestes casos os autores recomendam a utilização de embolização pré-operatória como terapêutica auxiliar quando a nutrição arterial é originada predominantemente da artéria carótida externa, uma vez que a embolização do suprimento originado a partir do sistema vértebro-basilar apresenta o risco de oclusão de vasos da circulação posterior. A mesma conduta é recomendada por Rushworth et al.16.

Nas crianças portadoras de neurinomas do acústico, incluídos os casos deste estudo, a piora da função do nervo facial, temporária ou permanente, esteve presente em mais de 90% dos casos, porcentagem elevada em comparação com séries extensas de adultos, da literatura20-28.

Esta frequência elevada possivelmente é resultado da maior dificuldade na manipulação cirúrgica dos tumores que, nas crianças, se apresentam em geral com maiores dimensões4.

 

REFERÊNCIAS

1. Mulvihill JJ, Parry DM, Sherman JL. Neurofibromatosis 1 (Recklinghausen disease) and neurofibromatosis 2 (bilateral acoustic neurofibromatosis): an update. Ann Intern Med 1990;1113:39-52.         [ Links ]

2. Kanter WR, Eldridge R, Fabricant R, Allen JC, Koerber T. Central neurofibromatosis with bilateral acoustic neuroma: genetic, clinical and biochemical distinctions from peripheral neurofibromatosis, Neurology 1980;30:851-859.         [ Links ]

3. Wertelecki W, Rouleau GA, Superneau DW, et al. Neurofibromatosis 2: clinical and DNA linkage studies of a large kindred. N Engl J Med 1988;319:278-283.         [ Links ]

4. Allcut DA, Hoffman HJ, Isla A, Becker LE, Humphreys RD. Acoustic schwannomas in children. Neurosurgery 1991;29:14-18.         [ Links ]

5. Anderson MS, Bentinck BR. Intracranial schwannoma in a child. Cancer 1972;29:231-234.         [ Links ]

6. Bjorkesten G. Unilateral acoustic tumors in children. Acta Neurol Psychiatr Scand 1956;13:215-218.         [ Links ]

7. Craig WM, Dodge HW, Ross PJ. Acoustic neuromas in children: report of two cases. J Neurosurg 1954;11:505-508.         [ Links ]

8. Fabiani A, Croveri G, Torta A. Neurinoma de la fossa posteriore in un bambino di uno anno. Acta Neurol (Napoli) 1975;30:218-222.         [ Links ]

9. Hernanz-Schulman M, Welch K, Strand R. Acoustic neuromas in children. AJNR 1986;7:519-521.         [ Links ]

10. Hodes PJ, Pendegrass EP, Young BR. Eight nerve tumor and their roentgen manifestation. Radiology 1949;53:633-665.         [ Links ]

11. Kim DK, Born DE, Berger MS, Mayberg MR. Unilateral vestibular schwannoma in a child with prior orbital rhabdomyosarcoma. Surg Neurol 1994;42:125-129.         [ Links ]

12. Krause CJ, McCabe BF. Acoustic neuroma in a 7-year old girl. Arch Otolaryngol 1971;94:359-363.         [ Links ]

13. Laha RJ, Huestis WS. Unilateral acoustic neuroma and cerebellopontine angle lesions in chldren. Surg Neurol 1975;4:371-374.         [ Links ]

14. Mark VH, Sweet WH. An unusual case of unilateral eight nerve tumor. J Neurosurg 1952;9:395-397.         [ Links ]

15. Matucci K, Glass WM, Setzen M, Levin W. Childhood acoustic neuroma. NY State J Med 1987;87:665-666.         [ Links ]

16. Rushworth RG, Sorby WA, Smith SF. Acoustic neuroma in a child treated with the aid of preoperative embolization. J Neurosurg 1984;61:396-398.         [ Links ]

17. Sells JP, Hurley RM. Acoustic neuroma in an adolescent without neurofibromatosis: case study. J Am Acad Audiol 1994;5:349-354.         [ Links ]

18. Vassilouthis J, Richardson AE. Acoustic neuroma in a child. Surg Neurol 1979;12:37-39.         [ Links ]

19. Bager CC. The differential diagnosis between acoustic neuroma and meningioma of the posterior fossa of petrous bone. Acta Psychiatr Neurol Scand 1944;19:23-31.         [ Links ]

20. Bentivoglio P. Cheeseman AD, Simon L. The surgical management pf acoustic neuromas during the last five years. Surg Neurol 1988;29:197-204.         [ Links ]

21. Cushing H. The intracranial tumors of preadolescence. Am J Dis Child 1927;33:551-584.         [ Links ]

22. Erickson LS, Sorenson GD, McGavran MH. A review of 140 acoustic neuromas. Laryngoscope 1965;75:601-627.         [ Links ]

23. House WF. Case summaries monograph II. Arch Otolaryngol 1968;8:586-591.         [ Links ]

24. Matthies C, Samii M. Management of 1000 vestibular schwannomas (acoustic neuromas): clinical presentation. Neurosurgery 1997;40:1-10.         [ Links ]

25. Han HD, Kim DG, Chi JG, Park SH, Jung HW, Kim YG. Malignant triton tumor of the acoustic nerve: case report. J Neurosurg 1992;76:874-877.         [ Links ]

26. Mrak RE, Flanigan S, Collins CL. Malignant acoustic schwannoma. Arch Pathol Lab Med 1994;118:557-561.         [ Links ]

27. Matthies C, Samii M, Krebs S. Management of vestibular schwannomas (acoustic neuromas): radiological features in 202 cases - their value for diagnosis and their predictive importance. Neurosurgery 1997;40:469-481.         [ Links ]

28. Samii M, Matthies C. Management of 1000 vestibular schwannomas (acoustic neuromas): surgical management and results with an emphasis on complications and how to avoid them. Neurosurgery 1997;40:11-23.         [ Links ]

 

 

Departamento de Neurocirurgia; Hospital do Câncer - Fundação Antônio Prudente - São Paulo, SP: *Neurocirurgião; **Titular do Departamento. Aceite: 27-outubro-1998.

Dr. Roberto Sergio Martins - Rua Dr. Afonso Pena Jr. 265 - 05622-040 São Paulo SP - Brasil.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License