SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.57 issue3BSyndrome of Munchausen and pseudoparaplegia: case reportCommom iliac artery false aneurysm as complication of lumbar disc surgery: case report author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Neuro-Psiquiatria

Print version ISSN 0004-282XOn-line version ISSN 1678-4227

Arq. Neuro-Psiquiatr. vol.57 n.3B São Paulo Sept. 1999

https://doi.org/10.1590/S0004-282X1999000500027 

SÍNDROME SEROTONINÉRGICA ASSOCIADA AO USO DE PAROXETINA

RELATO DE CASO

 

LUÍS OTÁVIO CAVALLAZZI*, ANDERSON K. GREZESIUK**

 

 

RESUMO- Relatamos um caso de síndrome serotoninérgica pelo uso de inibidor da recaptação da serotonina, a paroxetina. Tal síndrome por esta droga, sem combinações, ainda não tinha sido descrita na literatura.

PALAVRAS-CHAVE: síndrome serotoninérgica, paroxetina, mioclonia.

 

Serotonin syndrome associated to the use of paroxetine: case report

ABSTRACT-We report on a case of serotonin syndrome associated to the use of the paroxetine, a serotonin reuptake inhibitor drug. Serotonin syndrome related to this drug not combined with other drugs had not yet been described in literature.

KEY-WORDS: serotonin syndrome, paroxetine, myoclonus.

 

 

O uso de antidepressivos do tipo inibidor da recaptação da serotonina tem aumentado nos últimos anos em neurologia e psiquiatria. Como são drogas de introdução recente, pouco se sabe de seus efeitos secundários precoces e tardios. Relatamos um efeito colateral imediato dessas drogas, a síndrome serotoninérgica (ST).

 

RELATO DO CASO

MRA, 19 anos, sexo feminino, procurou auxílio médico com sintomas compatíveis com cefaléia tipo tensão episódica e quadro depressivo, com duração de aproximadamente um ano. O exame neurológico era normal. A tomografia computadorizada de crânio, foi normal. Iniciou-se o uso de paroxetina (Aropax) na dose diária de 10 mg , reajustada para 20 mg, 5 dias após o início do tratamento. A partir deste dia, a paciente apresentou quadro abrupto de sudorese fria, hipertemia (38ºC), hipotensão arterial, diaforese, palidez, sensações parestésicas pelo corpo, agitação psicomotora. Este quadro se acompanhava de contrações musculares mioclônicas abruptas e generalizadas nos membros superiores e inferiores, axiais e da face, com predomínio do hemicorpo direito. A paciente permaneceu internada por 48 horas, tendo sido suspensa a paroxetina e iniciado o uso de diazepan, 10 mg diárias, com melhoria das mioclonias generalizadas. Após três dias a paciente foi avaliada por nós e observamos persistência de episódios de mioclonias focais na hemiface direita e por vezes no membro inferior direito, levando-a a cair. A paciente relatava não estar fazendo uso de alimentos contendo triptofano. Os episódios de mioclonias chegavam a durar 10 minutos. Administramos clonazepan (Rivotril), 0, 75 mg por dia, com melhora gradual dos episódios mioclônicos ao longo de 45 dias seguintes. Um eletrencefalograma (EEG) realizado neste período foi normal.

 

DISCUSSÃO

A ST é dita ser causada por incremento do tono serotoninérgico ao nível dos receptores 5HT1A do tronco cerebral e da medula espinhal1,2. É causada por adição ou aumento na dose de agente serotoninérgico, apresentando mudanças no estado mental e motor e disfunções autonômicas. Sternbach3 estabeleceu os critérios clínicos para a caracterização da ST:mudanças no estado mental(confusão, hipomania, agitação), mioclonia, hiperreflexia, diaforese, diarréia, incoordenação, taquicardia e febre3. É vasta a literatura sobre a ST causada por associação de drogas ou por drogas usadas isoladamente1-3. Não havia, até o presente, descrição desta síndrome com o uso isolado da paroxetina, sem doença cerebrovascular. Constata-se que 48% dos pacientes com ST apresentaram pelo menos um dos seguintes sintomas:confusão, agitação, mioclonia, diaforese, tremor e diarréia; 15% demonstravam tremor e mioclonia concomitantemente4. Quanto à classificação nosológica, a literatura é por vezes confusa. Alguns autores a classificam como fazendo parte da síndrome neuroléptica maligna, junto com a hipertemia maligna, catatonia letal e "heat-stroke"5. Outros autores adicionam na sintomatologia:falta de concentração, rigidez, coma, tremor de frio, inquietação extrema, febre de baixo grau, "flushing", náusea, rabdomiólise, morte, hipotensão ortostática com CPK normal6 e discrasias sanguíneas7. Paresias motoras, disartria e hemibalismo, são referidos8. Em pacientes usando clomipramina em monoterapia houve incidência de cerca de 12, 1% de ST10. Com a fluvoxamina (8200 tratamentos/dia), apenas 3 pacientes apresentaram sintomas tipo psicóticos9,11. De cerca de 4578 pacientes com doença de Parkinson, tratados com selegiline e medicação antidepressiva, 0,5% experimentaram sintomas consistentes com a ST1. Assim como a síndrome neuroléptica maligna e hipertemia maligna, a ST pode causar mioglobinúria12. Tratando de exames complementares, há somente um estudo: EEG apresentando ondas trifásicas13.

Quanto a aspectos morfológicos, verificou-se por histoquímica (fluorescência) que a oliva inferior de gatos recebe rica inervação serotoninérgica. A distribuição desta inervação está de acordo com a topografia das terminações aferentes espinhais tanto como as conexões cerebelo-olivares14. Isto indica que diferentes compartimentos olivares estão sob diferentes influências serotoninérgicas14.

A ST pode refletir aumento da coinversão de 5-HT em N-acetil serotonina no cérebro do paciente15. Robertson e col.16, constataram que o aumento da atividade serotoninérgica no sistema nervoso central, causa hiperatividade motora, por eles correlacionada com atividade vagarosa rítmica hipocampal e a atividade rápida de baixa voltagem neocortical, sugerindo que os bloqueios metergolínicos dos receptores de serotonina, mediam comportamentos estereotipados. Quanto à hipertemia, sabe-se que a dopamina e a serotonina são importantes mediadores da regulação da temperatura17. É comprovada a hiperatividade dos receptores 5-HT na ST causada pelo "ecstasy"(por dano dos terminais dos axônios de 5-HT, por anfetaminas substitutas)18. Brubacher e col. consideram a ST como uma excessiva estimulação dos receptores 5HT1A19, assim como outros autores20. As diferentes drogas, tratando-se de inibidores seletivos da recaptação da serotonina, têm diferentes interações quantitativas e qualitativas com os citocromos P450(CYP). Por exemplo, a inibição do CYP2D6, ocorre na seguinte ordem decrescente de potência: paroxetine, norfluoxetine, fluoxetina, sertralina, citalopram e fluvoxamina. Isto pode ter alguma consequência clínica quando são dados junto aos derivados tricíclicos:por exemplo, a fluvoxamina inibe fortemente a demetilação dos derivados tricíclicos de aminas terciárias e da clozapina. Paroxetine é um substrato do CYP2D6, mas outras enzimas poderiam também serem envolvidas. Devido a sua potente propriedade de inibir CYP2D6, pode produzir aumento dos tricíclicos no sangue21. Os citocromos já comprovadamente inibidos pelos inibidores seletivos da recaptação da serotonina são:CYP1A2, CYP2C9/10, CYP2C19, CYP2D6 e CYP3A3/422. Cerca de 20% dos casos com ST relatados tiveram curso fatal. Nos casos com evolução não fatal, a ST pode persistir por cerca de horas até semanas. Neles, a ST pode ser desencadeada por droga SSRI até 2 semanas depois de o paciente ter parado o IMAO23, ou mesmo por uma única primeira dose de clomipramina24 ou aumento de quaisquer dos antidepressivos já citados. Richard e col.1, distribuindo para neurologistas um questionário com a intenção de estudar a incidência desta síndrome em pacientes com doença de Parkinson usando selegiline, chegaram à conclusão de que apenas 0,24% tinham a síndrome1. Ebert e col.11, estudando o uso da fluvoxamina administrada isoladamente, determinaram que o aparecimento de ST incidia em cerca de 0,006-0, 04% por tratamento/dia. No nosso caso, em que pese não ter sido fatal, a ST durou cerca de 45 dias.

Quanto a aspectos terapêuticos, a associação de IMAO com outras drogas antidepressivas (derivados tricíclicos), em repetidos tratamentos e não no tratamento agudo, em ratos, prevenia a ST25. Alguns autores usam propanolol26;outros usam a cipro-heptadine, um antagonista serotonínico24,27. Green e col.18, preconizam o uso de anticonvulsivantes, medicação sedativa (particulamente benzodiazepínicos), baixa da temperatura com gelo, dantrelene sódico. Eles alertam para não utilizar neurolépticos, dada a literatura pertinente, por também causarem ST18. Gillman28 recomenda o uso de clorpromazina28. Hoes e col.29 recomendam a mitazarpina e Brown e col., a nitroglicerina30. Os mesmos autores, em um outro estudo, recomendam também o uso do lorazepan e bloqueadores serotoninérgicos31. Brubacher e col. aconselham, para os casos mais graves, uma sedação agressiva e paralisia neuromuscular19. Para esses casos é recomendada até diálise peritonial32. O uso de dieta pobre em tiramina é recomendado33. O aumento da terapia, em casos de depressão resistente, é bem tolerado quando do uso concomitante de buspirona, psicoestimulantes, carbamazepina e ácido valpróico34. Nossa paciente foi medicada com clonazepan, havendo boa melhora inicialmente, porém não nos dias seguintes.

Em conclusão, este é o primeiro caso de ST por paroxetine na ausência de condições associadas, tais como doença cerebrovascular. Este caso e a literatura pertinente fazem-nos ser mais precavidos quanto ao manuseio dessa droga

 

REFERÊNCIAS

1. Richard IH, Kurlan R, Tanner C et al. Serotonin syndrome and the combined use of deprenyl and an antidepressant in Parkinson's disease. Neurology 1997;48:1070-1077.         [ Links ]

2. Egberts ACG, Borgh J, Brodie-Mejer CCE. Serotonin syndrome attributed to tramadol addition to paroxetine therapy. Internat Clin Psychopharmacol 1997;37:519-521.         [ Links ]

3. Dursun SM, Mathew VM, Reveley MA, Sternbach R. Toxic serotonin syndrome after fluoxetine plus carbamazepine. Lancet 1993;342:442-443.         [ Links ]

4. Lejoyeux M, Rouillon F, Ades J. Prospective evaluation of the serotonin syndrome in depressed inpatients treated with clomipramine. Acta Psychiatr Scand 1993 Nov:88(5):369-371.         [ Links ]

5. Totten VY, Hirschenstein E, Hew P. Neuroloptic malignant syndrome presenting without initial fever:a case report. J Emerg Med 1994:12:43-47.         [ Links ]

6. Bodner RA, Lynch L, Kahn D. Serotonin syndrome. Neurology 1995;45:219-223.         [ Links ]

7. Brown TM, Skop BP, Mareth TR. Pathophysiology and management of the serotonin syndrome. Ann Pharmacother 1996;30:527-533.         [ Links ]

8. Mathew NT, Tiejen GE, Lucker C. Serotonin syndrome complicating migraine pharmacotherapy. Cephalalgia 1996;16:323-327.         [ Links ]

9. Diamond S, Pepper BJ, Diamond ML, Freitag FG, Urban GJ, Erdmoglu AK Serotonin syndrome induced by transiotioning from phenelzine to venlaxine: four patients reports. Neurology 1998;51:275-276.         [ Links ]

10. Kudo K, Sasaki I, Tsichiyama K, Akiyoshi J, Nagayama H, Fujii I. Serotonin syndrome during clomipramine monotherapy:comparison of two diagnostic criteria. Psychiatry Clin Neurosc 1997;13:4306-4307.         [ Links ]

11. Ebert D. Albert R, May A, et al. The serotonin syndrome and psychosis-like side-effects of fluvoxamine clinical usean estimation of incidence. Eur Neuropsychopharmacology 1997;30:71-74.         [ Links ]

12. Bertorini TE. Myoglobinyria, malignant hyperthermia, neuroleptic malignant syndrome and serotonin syndrome. Neurol Clin 1997;53:649-671.         [ Links ]

13. Dike GL. Trifasic waves in serotonin syndrome. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1997;62:200-201.         [ Links ]

14. Wiklund L, Sjolund B, Bjorklund A. Morphological and functional studies on the serotoninergic inervation of the inferior olive. J Physiol(Paris)1981;77:183-186.         [ Links ]

15. Burns TG, Szechtman H, Brown GM, Snieckus V. Behavioral effects of 5-hydroxy-N-acetyltryptophan, a putative synthetic precursor of N-acetylserotonin. Progr Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry 1983;6:359-363.         [ Links ]

16. Robertson B, Baker GB, Vanderwolf CH. The effects of serotonergic stimulation on hippocampal and neocortical slow and behavior. Brain Res; 55:265-275.         [ Links ]

17. Nimmo SM, Kennedy BW, Tullett WM, Blyth AS, Dougall JR. Drug-induced hyperthermia Anaesthesia 1993;48:892-895.         [ Links ]

18. Green AR, Cross AJ, Goodwin GM. Review of pharmachology and clinical pharmacology of 3, 4-methylenedioxymethamphetamine(MDMA or "ecstasy"). Psychopharmacology(Berl) 1995;119:247-260.         [ Links ]

19. Brubacher JR. Hoffman RS, Lurin MJ. Serotonin syndrome from velaxine-tranylcylpromine interaction Vet Hum Toxicol 1996;38:358-361.         [ Links ]

20. Misane I, Johansson C, Ogren SO. Analysis of the 5-HT1A receptor involvement in passive avoidance in the rat. Br J Pharmacol 1998;25:499-509.         [ Links ]

21. Martin TG. Serotonin syndrome Ann Emerg Med 1996;28:520-526.         [ Links ]

22. Mitchell PB. Drug interactions of clinical significance with selective serotonin reuptake inhibitors Drug Saf 1997;17:390-406.         [ Links ]

23. Ruiz F. Fluoxetine and the serotonin syndrome. Ann Emerg Med 1994:24;983-985.         [ Links ]

24. Weiner AL, Tilden FF Jr. McKay CA Jr. Serotonin syndrome:case report and review of the literature. Conn Med 1997;61:717-721.         [ Links ]

25. Lucki I, Frazer A. Prevention of the serotonin syndrome in rats by repeated administration of monoamine oxidase inhibitors but not tricyclic antidepressants. Psychopharmacocology (Berl)1982;77:205-211.         [ Links ]

26. Guze BH, Baxter LR Jr. The serotonin syndrome:case responsive to propanolol J Clin Psychopharmacol 1986;6:119-120.         [ Links ]

27. Lappin RI, Auchincloss EL. Treatment of the serotonin syndrome with cyproheptadine. N Engl J Med 1994:335:1021-1022.         [ Links ]

28. Gillman PK. Successful treatment of serotonin syndrome with chlorpromazine Med Aust 1996;165:345-346.         [ Links ]

29. Hoes MJ, Zeijpveld JH. Mirtazapine as treatment for serotonin syndrome. Biol Psychiatry 1996;39:384-385.         [ Links ]

30. Brown TM, Skop BP. Nitroglycerin in the treatment of the serotonin syndrome. Ann Pharmacother 1996;30:191-192.         [ Links ]

31. Brown TM, Skop BP, Mareth TR. Pathophysiology and management of the serotonin syndrome. Ann Pharmacother 1996;30:527-533.         [ Links ]

32. François B, Marquet P, Desachy A, Roustan J, Lachatre G, Gastine H. Serotonin syndrome due to an overdose of moclobemide and clomipramine: a potentially life-threatening association. Intens Care Med 1997;23:122-124.         [ Links ]

33. Szuba MP, Horning M, Amsterdam JD. Rapid conversion from one monoamine oxidase inhibitor to another. J Clin Psychiatry 1997;58:307-310.         [ Links ]

34. Scweitzer I, Tuckwell V. Risk of adverse events with the use of augmentation therapy for the treatment of resistant depression. Drug Saf 1998;19:455-464.         [ Links ]

 

 

Residência de Neurologia do Hospital Governador Celso Ramos, Florianópolis, SC: *Preceptor; **Residente. Aceite: 25-junho-1999.

Dr. Luís Otávio Cavallazzi - Rua Barão de Batovi 546 - 88015-340 Florianópolis SC - Brasil.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License