SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.58 issue3BEndoscopic transepto-interforniceal approach to colloid cysts: case reportLipoma of the cerebellopontine angle: case report author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Neuro-Psiquiatria

Print version ISSN 0004-282XOn-line version ISSN 1678-4227

Arq. Neuro-Psiquiatr. vol.58 n.3B São Paulo Sept. 2000

http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2000000500027 

LIPOMA DO CORPO CALOSO ASSOCIADO A HIPERTROFIA DO CORPO CALOSO

RELATO DE CASO

 

ELCIO JULIATO PIOVESAN*, CLÁUDIO ESTEVAN TATSUI**, PEDRO ANDRÉ KOWACS*, RAQUEL F. PRAZERES**, MARCOS CRISTIANO LANGE***, SERGIO AFONSO ANTONIUK****, LINEU CESAR WERNECK*****

 

 

RESUMO - Apesar dos lipomas serem os tumores que mais comumente ocorrem no corpo caloso (CC), sua incidência na população é rara. Relatamos caso de menino, com 5 anos de idade e história de atraso no desenvolvimento psicomotor associado a dificuldade na marcha secundária a hipotonia generalizada. Na investigação, a ressonância magnética mostrou presença de lipoma curvilinear do CC, associado a hipertrofia do CC. Na literatura, pacientes com lipoma do CC possuem agenesia ou hipotrofia do CC, sendo que neste caso observamos pela primeira vez uma hipertrofia do CC. Tecemos considerações embriológicas, genéticas, clínicas, radiográficas e terapêuticas sobre pacientes com lipoma do CC relacionando-as à descrição deste caso.

Palavras-chave: corpo caloso, hipertrofia, lipoma.

 

Lipoma of the corpus callosum associated with the hypertrophy of the corpus callosum: case report

ABSTRACT - Despite the lipomas are the tumors that more commonly occur in the corpus callosum (CC), its incidence in the population is not common. We report on a 5-year old boy, with history of retardation in the psychomotor development and disturbs in the gait, secondary to generalized hypotony. Magnetic resonance imaging showed a curvilinear lipoma of the CC related to its hypertrophy. In the literature patients with CC lipoma usually have agenesis or hypotrophy of the CC, but in the reported case we have seen, by the first time, a hypertrophy of the CC. We made embryologic, genetic, clinical, radiographic and therapeutic considerations about the patients that have CC lipoma comparing to findings in the case we report.

Key words: corpus callosum, hypertrophy, lipoma.

 

 

Lipomas são os tumores mais comuns associados ao corpo caloso (CC), entretanto sua incidência é rara. A história clínica e neurológica podem ser normais ou incluir crises convulsivas e déficite cognitivo. A ressonância magnética (RM) é o método de imagem mais preciso para o diagnóstico, sendo reconhecidas diferentes variedades de tumor1,2. O lipoma do CC está relacionado com agenesia ou hipotrofia do CC, mas a associação com hipertrofia, não tem sido relatada na literatura até o presente momento. Relatamos um caso no qual essa associação foi observada.

 

CASO

Paciente masculino, com 5 anos e 6 meses de idade, foi atendido por queixas de atraso em seu desenvolvimento neuropsicomotor, notoriamente relacionadas a queixas na marcha. Apresentava exame segmentar normal. O exame neurológico revelou hipotonia dos membros inferiores, sem anormalidades na força muscular, coordenação, sensibilidade ou reflexos. A avaliação dos nervos cranianos estava normal. A avaliação neuropsicológica mostrou desempenho intelectual abaixo da média esperada para a idade, com dificuldades de aprendizado e comprometimento emocional. Eletrencefalograma, hemograma e exames de função tireoidiana foram normais; a pesquisa de erros inatos do metabolismo foi negativa. RM encefálica revelou um lipoma ao longo da face superior do corpo caloso, iniciando na superficie externa superior, ao nível do corpo médio e terminando na superfície póstero-inferior, contornando o esplenium. O CC apresentava acentuado espessamento com características de hipertrofia (Fig 1).

 

 

O paciente foi submetido a terapia psicomotora, ludoterapia, e acompanhamento psicológico, apresentando evolução cognitiva satisfatória, persistindo porém com dificuldades para a alfabetização e marcha.

 

DISCUSSÃO

Lipomas são tumores benignos constituídos de gordura e correspondem às neoplasias de partes moles mais comuns nos adultos. Características macroscópicas configuram a eles uma consistência mole, móvel e indolor1. Ocorrem em vários locais do corpo, porém são extremamente raros no sistema nervoso central (SNC), perfazendo cerca de 0,03% a 0,08% das neoplasias intracranianas2,3. Apesar de poderem ser encontrados no tuber cinereum, no ângulo ponto-cerebelar e na cisterna ambiens, a variedade mais conhecida e comum é aquela associada ao CC2,3. Foi descrita pela primeira vez em 1856 por Von Rokitanski, como um achado de autópsia4,5.

Diversas teorias foram propostas para explicar a origem dos lipomas intracranianos. Acredita-se que se trate de condição hamartomatosa congênita, originada a partir do deslocamento do mesênquima, associada a malformações disráficas, disgenesia meníngea ou vascular in situ6. Quando associado a processo disráfico (defeito na linha média devido ao mal fechamento do tubo neural), este não constitui a causa do lipoma, mas uma condição de provável associação genética6,7.

Supõem-se que defeitos no processo de reabsorção das meninges primitivas para a formação dos espaços subaracnóideo e cisternal, possam resultar na nidação da meninge primitiva, a qual originaria os componentes celulares dos lipomas intracerebrais4,7. Esta teoria explicaria a localização invariável no espaço subaracnóideo ou cisternal, justificando a alta incidência de lipoma do CC nestes locais, em relação a outras partes do SNC4,8.

Macroscopicamente, são lesões que podem variar de menos de 1 cm a grandes massas. Possuem uma cápsula colagenosa aderente ao parênquima encefálico. São vascularizadas pelas artérias cerebrais anteriores ou através de ramos que atravessam o tumor. Eventualmente encontra-se um único vaso, alargado, que passa pelo tumor, dividindo-se nos ramos pericaloso e caloso marginal9.

Microscopicamente, são constituídos de tecido adiposo típico, e possuem cápsula com quantidade variável de fibras colágenas, as quais, nos pontos em contato com o tecido nervoso, podem penetrar no parênquima cerebral, em associação com vasos sanguíneos. Calcificações ocorrem no interior do lipoma, de sua cápsula e no tecido cerebral adjacente7,9. Devido a estas características, a extração cirúrgica destes tumores muitas vezes torna-se impraticável.

O espessamento do CC, observado na faixa pediátrica, associa-se a padrões girais anormais e defeitos na migração neuronal, podendo ser inclusive diagnosticado intra-útero9. Em adultos, têm sido descritos em casos de esquizofrenia10. Na literatura não é de nosso conhecimento relatos de casos nos quais ocorra associação com lipomas do CC. A anomalia mais comumente associada ao lipoma do CC é a sua agenesia que pode ser total ou parcial, associada ou não a hemiatrofia cerebral e a outros lipomas intracranianos7,9.

Nas imagens por tomografia computadorizada, o lipoma possui área central de baixa densidade, com valores de atenuação semelhantes a gordura (-50 a ¾100 unidades Housfield), sendo recoberto por calcificações típicas em forma de casco. O diagnóstico diferencial é feito descartando-se cistos dermóides e teratomas, que geralmente possuem outras localizações intracranianas7,9,11. Na RM, os lipomas apresentam hiperintensidade nas imagens enfatizando um tempo de repetição (TR) curto, e são caracterizados pela diminuição progressiva da intensidade do sinal ao aumento do peso nas sequências enfatizando T2 4.

Anatomicamente os lipomas dividem-se em dois grandes grupos4: 1- Tubulonodulares (T), anteriores ao CC, forma arredondada, pouco maiores em comprimento do que em diâmetro (maior que 1 cm), seu epicentro localiza-se no joelho do CC e em 83% das vezes se estende para a porção anterior da fissura inter-hemisférica; 2- Curvilineares, posteriores ao CC, são significativamente maiores em comprimento do que em diâmetro (inferior a 1 cm), e podem acompanhar todo o corpo caloso, ou parte deste8 (Fig 2 e Quadro 1).

 

 

 

Tart e Quisling8, em revisão de 112 casos de lipomas do corpo caloso, encontraram-se 68 tubulonodulares (T) e 32 curvilineares (C), relação de 2T:1C. Constataram ainda que os T associam-se a agenesia do CC em 88% dos casos, enquanto os C somente em 35% deles. Defeitos faciais, massas frontais e encefaloceles só foram relatadas associadas à variedade T, ocorrendo em 43% dos casos. A hipoplasia do corpo caloso foi a alteração mais comumente associada a forma C, incidindo em 90% dos casos8.

Clinicamente, 50% dos casos podem ser assintomáticos, e a apresentação mais comum para ambas as variedades são crises convulsivas, geralmente resistentes ao tratamento anticonvulsivante3. Zettner e Netsky6, procuram associar a alta incidência de convulsões secundárias à infiltração da substância neural pelo tecido fibroso denso da cápsula tumoral, de forma progressiva, semelhante a uma cicatriz, sugerindo mecanismos comparáveis a epilepsia pós-traumática. Gastaut et al.3, contestam essa teoria e consideram que algumas fibras do CC de certa maneira teriam função inibitória sobre os hemisférios cerebrais. Nestes estados de desconecção, haveria diminuição no limiar epileptogênico de algumas áreas corticais pela deprivação de influências inibitórias. Isto produziria de certa forma uma tendência ao desenvolvimento de descargas epilépticas após qualquer tipo de insulto, podendo ou não estar relacionado a infiltração do lipoma no parênquima cerebral. Tal hipótese é sustentada pela observação de casos isolados de agenesia do CC na doença de Machiafava-Bignami (degeneração alcóolica do CC)11.

Outros sintomas associados ao lipoma do CC são: cefaléias secundárias, alterações do estado mental, fraqueza e parestesias em membros inferiores, todos predominando na variedade curvilinear8.

O tratamento cirúrgico destas lesões raramente é indicado. Quando houver extensão do lipoma por um defeito ósseo frontal, a cirurgia deve objetivar efeitos cosméticos10. A alta vascularização, o fato de as artérias cerebrais anteriores atravessarem a lesão, a alta aderência da cápsula ao parênquima cerebral adjacente e a possibilidade de outras malformações congênitas associadas tornam estes tumores de difícil ressecção. A epilepsia , que é sua principal manifestação clínica, não melhora após a remoção cirúrgica do tumor2,6,7,10.

O paciente, aqui descrito, possui a variedade C de lipoma do corpo caloso, não apresenta crises convulsivas e aparentemente tem corpo caloso espessado, contrapondo-se a hipoplasia esperada pelos estudos observacionais de Tart e Quisling11. Tal achado está em concordância com a teoria de que os lipomas curvilineares se formariam a partir da disgenesia das meninges primitivas num tempo posterior à origem embriológica do CC, não interferindo portanto no desenvolvimento das fibras comissurais, conforme proposto por Truwit e Barkovich4. Então, como as fibras do CC sofreram espessamento e qual a exata relação com a presença do lipoma? Como os estudos anteriores não descrevem esta forma de apresentação, novas teorias devem ser estabelecidas, a partir da observação deste e de futuros casos.

Agradecimentos - Os autores agradecem a Dra. Laura Bianca Monti pela colaboração na avaliação neuropsicológica.

 

REFERÊNCIAS

1. Robins ST, Cotran RS, Kumar V. Aspectos clínicos das neoplasias. In Andrade ZA, Barreto M. Patologia estrutural e funcional. 3Ed. Rio de Janeiro: Guanabara SA, 1986:263-264.         [ Links ]

2. Kazner E, Stochdorph O, Wend S, Grumme T. Intracranial lipoma: diagnostic and therapeutic considerations. J Neurosurg 1980;52:234-245.         [ Links ]

3. Gastaut H, Regis H, Gastaut JL, Yermenos E, Low MD. Lipomas of the corpus callosum and epilepsy. Neurology 1980;30:132-138.         [ Links ]

4. Truwit CL, Barkovich AJ. Pathogenesis of intracranial lipoma: an MR study in 42 patients. Am J Roentgenol 1990;155:855-864.         [ Links ]

5. Von Rokitanski C. Lehrbuch der pathologistchen Anatomie. Vol 2. Vienna: Wilhelm Braumuller, 1856:468.         [ Links ]

6. Zettner A, Netsky M. Lipoma of the corpus callosum. J Neuropathol Exper Neurol 1960;19:305-319.         [ Links ]

7. Wallace D. Lipoma of the corpus callosum. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1976;39:1179-1185.         [ Links ]

8. Tart RP, Quisling RG. Curvilinear and tubulonodular varieties of lipoma of the corpus callosum: an MR and CT study. J Comput Assist Tomogr 1991;15:805-810.         [ Links ]

9. Gerber SS, Plotkin R. Lipoma of the corpus callosum: case report. J Neurosurg 1982;57:281-285.         [ Links ]

10. Martins RS, Ciquini Júnior O Jr, Matushita H, Plese JPP. Lipoma do corpo caloso com extensão extracraniana através de falha óssea frontal. Arq Neuropsiquiatr 1995;53:671-675.         [ Links ]

11. Halmagyi GM, Evans WA. Lipoma of the quadrigeminal plate causing progressive obstructive hydrocephalus: case report. J Neurosurg 1978;49:453-456.         [ Links ]

 

 

Especialidade de Neurologia do Departamento de Clínica Médica do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR): *Neurologista, **Residente de Neurocirurgia, ***Estudante de Medicina (Bolsista de Iniciação Científica CNPq), ****Professor Assistente de Neuropediatria, *****Professor Titular de Neurologia. Aceite: 25-maio-2000.

Dr. Elcio Juliato Piovesan - Serviço de Neurologia, Hospital de Clínicas UFPR ¾ Rua General Carneiro 181 - 80069-900 Curitiba PR ¾ Brasil. Email: piovesan@avalon.sul.com.br

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License