SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.59 issue4Holoprosencephaly: morphological aspects of twelve cases of autopsyFraction of gemistocytic astrocytes and immunoexpression of p53 protein in astrocytomas grade II and III (WHO) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Arquivos de Neuro-Psiquiatria

Print version ISSN 0004-282X

Arq. Neuro-Psiquiatr. vol.59 no.4 São Paulo Dec. 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2001000600015 

DOENÇAS CEREBROVASCULARES EM PACIENTES ENTRE 15 E 40 ANOS

Achados neuropatológicos em 47 casos

 

Everton M. Maggio1, Mário R. Montemór-Netto1, Emerson L. Gasparetto2, Jorge S. Reis-Filho1, Fábio A. Tironi2, Luiz F. Bleggi Torres3

 

 

RESUMO - As doenças cerebrovasculares em pacientes entre 15 e 40 anos são pouco estudadas na literatura latino americana, principalmente no que tange aos achados neuropatológicos. Analisamos 47 encéfalos provenientes de necrópsias completas realizadas no período de 1987 a 1997 selecionados com base na faixa etária e alteração neuropatológica básica envolvendo fenômenos vasculares. Destes 47 casos analisados, 26 eram (55,3%) do sexo feminino. Quanto à distribuição etária, 12,8% (n=06) acometeram pacientes entre 15 e 20 anos, 51,1% (n=24) entre 21 e 30 anos, 36,2% (n=17) entre 31 e 40 anos. As doenças básicas que culminaram no óbito foram agrupadas, sendo mais frequentes as doenças cardíacas e hematológicas (19,2%), alterações decorrentes de complicações de gestação (12,8%), doenças infecciosas, doenças dos vasos sanguíneos e doenças neurológicas (10,7%) entre outras. As alterações neuropatológicas incluíram hérnia cerebral e/ou cerebelar (16%), edema cerebral (13,8%), hemorragia subaracnóidea (10%), infarto cerebral recente (9%), hemorragia intraparequimatosa (8%), encefalopatia hipóxico-isquêmica (3%) e eventos menos comuns como a síndrome de Sneddon e vasculite lúpica. Tais achados expressam que os fenômenos cerebrovasculares têm, nesta faixa etária, perfil próprio com estreita relação com a doença de base.

PALAVRAS-CHAVE: doenças cerebrovasculares, neuropatologia, jovens.

 

Cerebrovascular diseases in patients aged 15 to 40 years: neuropathological findings in 47 cases

ABSTRACT - Cerebrovascular diseases in patients between 15 and 40 years old are not a frequent subject in Latin-American literature, especially when focusing on neuropathology. We analyzed 47 brains from necropsies performed from 1987 to 1997 and selected on a basis of age and the presence of vascular pathology. From the 47 analyzed brains, 26 belonged to females (55.3%). When distributed among age groups, 12.8% (n=6) affected patients from 15 to 20 yo, 51,1% (n=24) from 21 to 30 yo, 36,2% (n=17) from 31 to 40 yo. The underlying diseases were: cardiac and haemathologic (19.2%), pregnancy complications (12.76%), infections, diseases of blood vessels and neurological (10.1% each) amongst others. The neuropathological abnormalities included cerebral and/or cerebellar herniation (16%), cerebral edema (13.8%), subarachnoid hemorrhage (10%), recent cerebral infarction (9%), intraparenchymatous hemorrhage (8.14%), hypoxic-ischemic encephalopathy (3%) and other events such as Sneddon syndrome and Lupus vasculitis. These findings express that the cerebrovascular phenomena in this age group are unique and closely related with the underlying disease.

KEY WORDS: cerebrovascular diseases, neuropathology, youth.

 

 

Fenômenos cerebrovasculares em pacientes jovens vêm, gradativamente, recebendo atenção dos pesquisadores, em virtude de seus mecanismos etiopatogênicos serem distintos em relação à contraparte nos idosos1-4. Quando presentes, estes fenômenos mostram íntima correlação com a doença básica principal do paciente, a qual culminou no óbito5-7.

Apresentamos dados referentes à neuropatologia das doenças cerebrovasculares em pacientes jovens, revelando elementos para compreensão destas lesões incomuns, definindo o perfil relacionado à doença básica e possibilitando correlação morfológica e clínica para adequado diagnóstico e manejo desses pacientes. Até o presente momento este é o primeiro estudo deste grupo etário realizado na literatura latino americana com ênfase aos achados neuropatológicos de pacientes necropsiados.

 

MÉTODO

Este estudo deriva de uma linha de pesquisa denominada "Neuropatologia em Necrópsia de Adultos" (BanPesq/UFPR 98-5270), que tem como objetivo tabular todos os dados referentes às doenças que acometem o sistema nervoso central (SNC) de pacientes submetidos à necrópsia no Serviço de Anatomia Patológica do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (SAP-HC-UFPR). A pesquisa tem o intuito de avaliar as alterações neuropatológicas e fornecer um banco de dados para pesquisa e aprimoramento em neurologia, neurocirurgia, psiquiatria, psicologia e neuroradiologia. Foram selecionados os casos de doença cerebrovascular que acometeram pacientes entre 15 e 40 anos de idade não submetidos ao transplante de medula óssea, e estudados quanto a suas alterações clínicas e patológicas, através da revisão dos laudos de necrópsia e dos prontuários médicos.

Todos os encéfalos estudados foram fixados em formol a 30% durante o período mínimo de três semanas. Avaliação macroscópica em cortes coronais consecutivos com guias de um cm e posteriormente fragmentos dos lobos frontal, parietal, temporal, occipital e ínsula; núcleos da base, tálamo, mesencéfalo, ponte e bulbo; verme e hemisfério cerebelar além de áreas lesadas foram amostradas para estudo histológico por técnicas de rotina8 (hematoxilina-eosina). Colorações especiais8 (luxol fast blue / Nissl e impregnação argêntica por Glees); imuno-histoquímica e análise ultra-estrutural foram utilizadas quando necessárias.

Os diagnósticos neuropatológicos de todos os 47 casos foram tabulados de forma que todas as alterações detectadas foram discriminadas e tratadas individualmente com intuito de avaliação clínica e morfológica desta casuística.

 

RESULTADOS

No período de 1987 a 1997 foram realizadas 901 necrópsias no SAP-HC-UFPR em pacientes com idade acima de 15 anos, sendo excluído do atual estudo 134 casos de pacientes que faleceram após transplante de medula óssea. Foram identificados, em 767 necrópsias, 47 casos de doença cerebrovascular em pacientes com idade entre 15 e 40 anos (6,1%); Em relação ao sexo 26 pacientes eram femininos (55,3%) e 21 masculinos (relação H:M = 0,80/1). Quanto à distribuição etária, seis casos acometeram pacientes entre 15 e 20 anos, 24 casos entre 21 e 30 anos e 17 casos entre 31 e 40 anos. A média de idade para o sexo feminino foi 29,4 anos e para o masculino, 27 anos (Fig 1).

 

 

Em relação à doença básica que culminou em óbito, foram agrupadas as mais frequentes: doenças cardíacas e hematológicas (19,2%), alterações decorrentes de complicações de gestação (12,8%), doenças infecciosas, doenças dos vasos sanguíneos e manifestações neurológicas exclusivas (10,7%), além de outros eventos menos comuns (Tabela 1).

 

 

Entre as doenças cardíacas que acometeram o sexo feminino (n=3), havia dois casos de cardiomegalia (uma das pacientes era usuária de drogas injetáveis) e um caso de endocardite bacteriana; no sexo masculino (n=6), havia um caso de cardiomegalia associada à broncopneumonia, dois casos de endocardite bacteriana, dois casos de lesões valvares (um associado a choque séptico e outro a insuficiência cardíaca grave) e um caso de persistência do canal arterial associado com tromboembolismo pulmonar recorrente.

Em relação às doenças hematológicas, no sexo feminino (n=3) havia somente casos de leucemia mielóide aguda (LMA); por outro lado, no sexo masculino (n=6) havia dois casos de LMA, um caso de leucemia linfóide aguda (LLA), um caso de hemoglobinúria paroxística noturna, um caso de doença de Hodgkin e um caso de anemia hemolítica autoimune.

Nas gestantes que desenvolveram alteração cerebrovascular (n = 6), três casos estavam associados com coagulação intravascular disseminada (CIVD) sendo que uma dessas pacientes também apresentava tuberculose miliar; um caso de complicação anestésica pós raquianestesia; um caso de descolamento prematuro de placenta associado com eclâmpsia e um caso de tromboembolismo pulmonar (TEP).

As doenças infecciosas (n=5) foram mais prevalentes no sexo masculino (80%), sendo dois casos de sépsis, um caso de paracoccidioidomicose disseminada e um caso de febre tifóide que desenvolveu CIVD; no sexo feminino (20%) houve um caso com diagnóstico de aspergilose supurativa pulmonar.

Em relação às doenças encaradas primariamente como distúrbios dos vasos sanguíneos, no sexo feminino (n=4) ocorreram dois casos de TEP, um caso de síndrome de Sneddon e um caso de vasculite lúpica.

Os achados neuropatológicos mais importantes estão listados na Tabela 2. Edema cerebral e herniações foram frequentes por representarem complicação terminal de diversos tipos de lesão encefálica. Infarto isquêmico recente foi identificado em 16 pacientes, sendo que 31% dos casos em pacientes com doenças cardíacas, em 18% dos casos relacionados com complicações da gravidez. Hemorragia subaracnóidea foi encontrada em 11 pacientes que apresentavam principalmente distúrbios decorrentes de complicação da gestação, distúrbios hematológicos e respiratórios. Dez pacientes apresentaram hemorragia intraparenquimatosa, sendo que 40% dos casos eram pacientes com doença hematológica e 100% dos infartos recentes hemorrágicos foram encontrados nos pacientes com doença fúngica.

 

 

DISCUSSÃO

O aumento da idade é reconhecido como o fator mais importante para o desenvolvimento de doenças cerebrovasculares. Entretanto, em pacientes adolescentes e adultos jovens estes eventos não são raros. Estudos epidemiológicos demonstram a ocorrência de doença cerebrovascular em pacientes entre os 15 e 40 anos de idade numa incidência aproximada de 6 casos por 100000 brancos, sendo este número 2,5 vezes maior em negros5-7,9. São etiologicamente distintos em relação àqueles dos idosos, em que a ateromatose extra e intracraniana responde por grande parte das lesões1. Em sua maioria, os estudos avaliam eventos clínicos e/ou alterações dos exames de imagem; entretanto, há falta de trabalhos enfatizando aspectos de neuropatologia cerebrovascular.

Distribuídos quanto ao sexo, os pacientes, nos diferentes estudos realizados, agrupam-se de maneira uniforme com discreto predomínio do sexo masculino2. Em nosso estudo, verificamos discreto predomínio do sexo feminino (55,3%), dado este, entretanto, sem valor estatístico. Quanto à faixa etária, vários estudos clínicos1-4 demonstram maior concentração de pacientes entre os 21 e 30 anos, fato este reproduzido em nosso trabalho (51,1%). Em nenhum dos estudos, conseguiu–se estabelecer nexo causal para esta concentração.

Quando se avalia doença básica do paciente, já se podem adiantar as prováveis repercussões do ponto de vista de neuropatologia. Este fato é bastante evidente quando selecionamos, por exemplo, o grupo das doenças cardíacas potencialmente embolígenas como endocardite infecciosa, valvulopatia mixomatosa, próteses valvares e arritmias atriais e/ ou ventriculares10,11. Estas lesões são causas consagradas de infarto cerebral embólico, correspondendo em alguns estudos clínicos entre 19,5 e 35,4% dos casos1,12,13 . Em nossa casuística, verificamos que 19,2% dos casos correspondem a lesões cerebrovasculares de fonte cardiogênica. Mesmo que algumas séries demonstrem valores discretamente maiores, o que se deve ponderar é que estes estudos baseiam–se em dados clínicos e/ou de imagem, podendo assim aumentar consideravelmente as porcentagens14. Outro dado importante é que nem todos estes pacientes evoluem para óbito, ou se o fazem, nem todos são submetidos a exame necroscópico. Portanto, pela paucidade de estudos neuropatológicos selecionados, torna-se difícil equiparar nosso estudo com os demais.

As doenças hematológicas, por sua vez, representam de 4 a 5,8%1,7 das causas de lesões isquêmicas ou hemorrágicas em jovens. Estas atribuem–se pela presença de déficit ora qualitativo, ora quantitativo das plaquetas e dos mecanismos de coagulação. Em nossa amostra, verificamos que 19,2% destas lesões puderam ser atribuídas a distúrbios hematológicos. Este dado difere dos outros estudos clínicos1,15, o que pode ser explicado pela seleção involuntária dos pacientes necropsiados, visto que o hospital fonte do trabalho é referência para doenças hematológicas, além deste estudo ser baseado em dados de necrópsia, enquanto que os outros não o são.

As alterações neuropatológicas relacionadas às complicações da gestação ocorrem por distúrbios hipertensivos graves, em geral agudos e incontroláveis, originados por coagulopatias de consumo induzidas por várias situações obstétricas, como o descolamento prematuro de placenta e retenção de feto morto. Nos estudos clínicos publicados1,2,13 representam de 2 a 3,5% dos casos de acidentes vasculares. Entretanto, nossa estatística revela 12,8%, salientando-se dois fatores: 1) vício de amostragem na seleção de nossas pacientes, pois este hospital, por motivos estruturais, assiste a gestações de alto risco, nas situações emergenciais; 2) a baixa assistência pré–natal de nossa população em geral16, permitindo que quadros hipertensivos específicos da gestação não sejam detectados; 3) nossa casuística é baseada em dados de necrópsia.

As alterações de grandes e/ou pequenas artérias correspondem, em conjunto, a cerca de 30% dos casos segundo os estudos clínicos na literatura mundial1,13. Destes, os eventos ateroscleróticos correspondem a parte das alterações de grandes artérias, seguidas pelas malformações vasculares, aneurismas e fístulas arterio-venosas. Das lesões de pequenos vasos, assumem destaque as vasculopatias não ateroscleróticas e não infecciosas. Em nosso levantamento de necrópsia, 10,7% dos casos foram atribuídos a estas vasculopatias, incluindo síndrome de Sneddon e vasculite lúpica.

As lesões de etiologia infecciosa ocorrem através de distúrbios vasculares por ação direta do agente ou pela ação de produtos envolvidos na gênese e evolução do processo inflamatório17. Ficam evidentes estes achados, quando concentramos nossa atenção sobre fungos e Pseudomonas sp., agentes com especial tropismo vascular, e o reconhecido poder necrotizante do último. Lesões de natureza infecciosa responderam por 10,64% dos nossos casos.

Quando correlacionamos doença básica com as lesões neuropatológicas, verificamos pontos importantes. Nas doenças hematológicas as alterações mais frequentes foram a hemorragia intraparenquimatosa (40%), associada com edema e hérnia cerebelar/cerebral, por provável déficit de elementos da coagulação. Já nas doenças cardíacas, as lesões mais comumente encontradas foram o infarto recente tipo isquêmico, visto que a endocardite e a miocardiopatia dilatada, ambos emboligênicos, respondem pela maioria destes casos.

Nas complicações inerentes à gestação verificamos que em 100% dos casos esteve presente o edema cerebral. Em segundo lugar, ocorreram hemorragias intraparenquimatosas em 50% dos casos. Estas últimas resultam do sinergismo entre coagulopatia e fenômenos hipertensivos graves e agudos.

As vasculopatias, em geral de pequenos vasos, associaram-se às lesões de infarto recente tipo isquêmico e hérnia cerebral e cerebelar em 60% cada. As doenças infecciosas tiveram como apanágio os infartos recentes do tipo hemorrágico (50% dos casos) devido à destruição da parede vascular, produzida pelos fungos, que propicia a transformação do infarto anêmico em infarto hemorrágico.

As manifestações neurológicas exclusivas, tais como coma e hipertensão intracraniana, ambos relacionados a aumento da permeabilidade da barreira hematoencefália, tiveram como correlação morfológica o edema em 66,6% dos casos seguidos da hérnia cerebral/ cerebelar em 50%.

Quanto às lesões neuropatológicas, verificamos que os eventos mais comumente encontrados correspondem, em geral, a herniações cerebelares e/ou cerebrais (16%) e edema cerebral (13%). Estes podem ser interpretados como consequência do aumento da permeabilidade capilar ocasionado por motivos citotóxicos e/ou vasogênicos, complicação comum de vários estados mórbidos.

Fenômenos hemorrágicos subaracnóideos (12,5%) podem ter origem hipóxica ou por ruptura de vasos em situações de malformação vascular, fístulas arteriovenosas ou aneurismas. Fenômenos hemorrágicos intraparenquimatosos (12,5%) e intraventriculares (2%) associam-se às lesões do tipo vasculíticas, doença hipertensiva e doenças hematológicas. Infartos recentes isquêmicos (15,4%), infartos recentes hemorrágicos (2%) e infartos antigos (2%) podem ser correlacionados com eventos cardioembólicos, hematológicos, vasculíticos e mesmo situações de exceção como a síndrome de Sneddon (2,1%). Vale ressaltar que as lesões de aterosclerose das grandes artérias, frequentes em idosos, corresponderam a somente 2,3% dos casos examinados, reiterando, destarte, perfil próprio das lesões no grupo etário examinado.

 

REFERÊNCIAS

1. Adams HP Jr, Kappelle LJ, Biller J, et al. Ischemic stroke in young adults: experience in 329 patients enrolled in the Iowa Registry of stroke in young adults. Arch Neurol 1995;52:491-495.         [ Links ]

2. Siqueira JI Neto, Santos AC, Fabio SR, Sakamoto AC. Cerebral infarction in patients aged 15 to 40 years. Stroke 1996;27:2016-2019.         [ Links ]

3. Bogousslavsky J, Regli F. Ischemic stroke in adults younger than 30 years of age: cause and prognosis. Arch Neurol 1987;44:479-482.         [ Links ]

4. Bonita R. Epidemiology of stroke. Lancet 1992;8:342-344.         [ Links ]

5. Banerjee AK, Varma M, Vasista RK, Chopra JS. Cerebrovascular disease in northwest India: a study of necropsy material. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1989;52:512-515.         [ Links ]

6. Shinkawa A, Ueda K, Kiyohara Y, et al. Silent cerebral infarction in a community-based autopsy series in Japan. Stroke 1995;26:380-385.         [ Links ]

7. Thorvaldsen P, Asplund K, Kuulasmaa K, Rajakangas AM. Stroke incidence, case fatality, and mortality in the WHO MONICA project. Stroke 1995;26:361-367.         [ Links ]

8. Michalany J. Técnica histológica em anatomia patológica. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1980.         [ Links ]

9. Whisnant JP, Wiebers DO, OFallon WM, Sicks JD, Frye RL. A population-based model of risk factors for ischemic stroke: Rochester, Minnesota. Neurology 1996;47:1420-1428.         [ Links ]

10. Hart RG. Cardiogenic embolism to the brain. Lancet 1992;339:589-594.         [ Links ]

11. Cardiogenic brain embolism. Cerebral Embolism Task Force. Arch Neurol 1986;43:71-84.         [ Links ]

12. Hart RG, Foster JW, Luther MF, Kanter MC. Stroke in infective endocarditis. Stroke 1990;21:695-700.         [ Links ]

13. Bevan H, Sharma K, Bradley W. Stroke in young adults. Stroke 1990;21:382-386.         [ Links ]

14. Biller J, Johnson MR, Adams HP Jr, et al. Echocardiographic evaluation of young adults with nonhemorrhagic cerebral infarction. Stroke 1986;17:608-612.         [ Links ]

15. Hart RG, Kanter MC. Hematologic disorders and ischemic stroke: a selective review Stroke 1990;21:1111-1121.         [ Links ]

16. Lessa I. Social aspects of premature mortality (15 to 59 years old) caused by cerebrovascular diseases. Arq Neuropsiquiatr 1990;48:296-300.         [ Links ]

17. Grau AJ, Buggle F, Heindl S, et al. Recent infection as a risk factor for cerebrovascular ischemia. Stroke 1995;26:373-379.         [ Links ]

18. Montenegro MA, Guerreiro MM, Scotoni AE, Tresoldi AT, Moura-Ribeiro MV. Cerebrovascular disease in children: I. Epileptic manifestations Arq Neuropsiquiatr 1999;57:587-593.         [ Links ]

19. Moura-Ribeiro MV, Ferreira LS, Montenegro MA, et al. Cerebrovascular disease in children: II. Clinical aspects in 42 cases Arq Neuropsiquiatr 1999;57:594-598.         [ Links ]

 

 

Seção de Microscopia Eletrônica e Neuropatologia do Serviço de Anatomia-Patológica do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba PR, Brasil; 1Médico Residente; 2Bolsista de Iniciação Científica PIBIC-CNPq da Seção de Microscopia Eletrônica e Neuropatologia; 3Professor Titular e Chefe do Serviço.

Recebido 19 Abril 2001, recebido na forma final 25 Junho 2001. Aceito 16 Julho 2001.

Dr. Luiz Fernando Bleggi Torres - Serviço de Anatomia Patológica - Rua General Carneiro 181- 80060-900 Curitiba PR - Brasil. FAX 41 264-1304. E-mail: bleggi@hc.ufpr.br