SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.65 número3ARelação entre fadiga e distúrbios autonômicos na esclerose múltiplaAspectos clínicos e evolutivos da hidrocefalia na neurocisticercose índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivos de Neuro-Psiquiatria

versão impressa ISSN 0004-282Xversão On-line ISSN 1678-4227

Arq. Neuro-Psiquiatr. v.65 n.3a São Paulo set. 2007

https://doi.org/10.1590/S0004-282X2007000400024 

Esclerose múltipla: adaptação transcultural e validação da escala modificada de impacto de fadiga

 

Multiple sclerosis: cross-cultural adaptation and validation of the modified fatigue impact scale

 

 

Karina PavanI; Kizi SchmidtII; Bruna MarangoniII; Maria Fernanda MendesIII; Charles Peter TilberyIV; Sergio LianzaV

Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, São Paulo SP, Brasil (ISCMSP):
IFisioterapeuta Supervisora da área de Neurologia do Curso de Pós-Graduação em Fisioterapia Neurofuncional da ISCMSP
IIFisioterapeuta Pós-Graduada em Fisioterapia Neuro-Músculo-Esquelética pela ISCMSP
IIIDoutora em Medicina, Professora Assistente da Disciplina de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (FCMSCMSP)
IVDoutor em Medicina, Professor Titular da FCMSCMSP
VMédico Fisiátra e Coordenador da Disciplina de Medicina de Reabilitação da FCMSCMSP

 

 


RESUMO

OBJETIVO: Adaptação transcultural e validação da escala modificada de impacto de fadiga (MFIS-BR).
MÉTODO: A MFIS foi traduzida para língua portuguesa e retrovertida para o inglês. Dois estudos piloto foram realizados até ser obtida a MFIS-BR, que foi aplicada em 57 pacientes com esclerose múltipla e 45 controles. O reteste foi 30 dias depois.
RESULTADOS: Na análise estatística a reprodutibilidade da consistência interna foi semelhante à escala original (0,74-0,86). A MFIS-BR mostrou-se capaz de identificar os diferentes grupos. Com respeito à reprodutibilidade o coeficiente de correlação interclasses mostrou excelente concordância (0,264-1,0).
CONCLUSÃO: A MFIS-BR preenche os critérios de aplicabilidade e sensibilidade de forma semelhante à escala original.

Palavras-chave: esclerose múltipla, estudo de validação, fadiga/diagnóstico.


ABSTRACT

OBJECTIVE: The aim of this study is a cross-cultural adaptation and validation of the modified fatigue impact scale for Portuguese (MFIS- BR).
METHOD: The MFIS was translated to Portuguese and retranslated to English. Two studies pilot had been carried through to be gotten the MFIS-BR, that was applied to 57 consecutive stable MS patients and 45 healthy controls. The retest was applied 30 days later.
RESULTS: In the dwarfed statistics the internal consistency reability was similar to the original scale (0.74-0.86). The MFIS-BR showed be able to identify the different groups. Concerning the reliability the interclass correlation coefficient showed an excellent agreement (0.264-1.0).
CONCLUSION: The MFIS-BR fills the criteria of applicability, sensibility witch are similar of the original version.

Key words: multiple sclerosis, validation study, fatigue diagnosis.


 

 

A fadiga é sintoma subjetivo e pode ser definida como sensação de cansaço físico ou mental profundo, perda de energia ou sensação de exaustão, com características diferentes daquelas observadas na depressão ou fraqueza muscular. É referida com freqüência em portadores de esclerose múltipla (EM) sendo descrita como um dos mais incapacitantes sintomas da doença1-4. Acomete de 53 a 92% dos portadores, dependendo da definição utilizada5,6. Em aproximadamente 1/3 destes a fadiga é relatada como o primeiro sintoma da doença7, podendo agravar os demais8, assumindo assim importância fundamental para o estado geral dos pacientes. A mensuração da fadiga é considerada o aspeto central da sua avaliação e, devido ao seu caráter multidimensional e subjetivo, tem sido realizada através de escalas de auto-avaliação9. Usualmente os instrumentos utilizados para mensurar a fadiga na EM são de auto-resposta, em que o indivíduo descreve e pontua a sua fadiga7. Podem ter foco uni ou multidimensional. Entretanto, métodos psicométricos adequados nem sempre são aplicados, pois a escolha do melhor instrumento depende do objetivo proposto10,11.

Diversas escalas foram elaboradas com esta finalidade, entre elas a escala de impacto da fadiga (FIS), desenvolvida por Fisk et al. em 199412,13, com o intuito de aprimorar a compreensão sobre o impacto da fadiga na qualidade de vida, sendo originalmente constituída por 40 questões que avaliam funções cognitivas, físicas e sociais. Em 1998 a National Multiple Sclerosis Society, através do Fatigue Guidelines Development Pannel realiza ampla revisão das escalas existentes para EM e seleciona a FIS como a melhor escala para avaliar o impacto da fadiga na EM4. Após a revisão desta escala, 21 itens selecionados são considerados relevantes, e a Escala Modificada de Impacto de Fadiga (MFIS) é recomendada para ser usada em prática clínica e pesquisa4,14. A MFIS é validada na Bélgica, Itália, Eslovênia e Espanha com boa reprodutibilidade, não havendo diferenças culturais ou lingüísticas nas quatro versões, sendo classificada como instrumento qualificado para avaliar a fadiga na EM15.

O objetivo deste estudo foi realizar a validação e adaptação transcultural da escala MFIS para língua portuguesa.

 

MÉTODO

Instrumento – A MFIS é composta por 21 questões distribuídas em três domínios: físico (9 itens), cognitivo (10 itens) e psicossocial (2 itens). O formato das respostas permite escores de 0 a 4 para cada item, no formato tipo Likert, onde os escores maiores refletem maior impacto da fadiga. O domínio físico permite escores de 0 a 36, o cognitivo de 0 a 40 e o psicossocial de 0 a 8. O escore total da MFIS é dado pela soma dos três domínios e varia de 0 a 84 pontos4. Valores abaixo de 38 correspondem à ausência de fadiga, e acima deste valor, quanto maior o escore, maior o grau de fadiga do indivíduo16.

Tradução e adaptação cultural – A escala MFIS foi traduzida para a língua portuguesa por dois tradutores profissionais brasileiros, fluentes na língua inglesa e cientes do objetivo do trabalho. As duas traduções foram comparadas pelo pesquisador responsável e depois de realizados os ajustes e com consenso de ambos os tradutores, obteve-se a forma final, denominada tradução 1. Esta foi retrovertida para o inglês por dois indivíduos nativos na Inglaterra, fluentes em língua portuguesa e não cientes do objetivo da pesquisa. Após o consenso destes com a original em inglês, a tradução resultante foi considerada equivalente à versão original e denominada tradução 2. Um estudo piloto foi realizado em 19 sujeitos com EM, sendo necessário ajustes nas questões 1, 6 e 20 da tradução 2, já que a maioria encontrou dificuldades de compressão. Depois de realizados os ajustes, a MFIS foi aplicada nos mesmos 19 sujeitos, com 100% de compreensão. Esta foi considerada a versão final da escala traduzida para a língua portuguesa, nomeada MFIS-BR.

Sujeitos – A pesquisa realizada foi um estudo observacional, tipo corte transversal com 102 indivíduos, ambos os sexos. A amostra foi dividida em dois grupos: grupo composto por 45 indivíduos não portadores de EM, denominado grupo controle, e o grupo EM por 57 portadores de EM nas formas: remitente-recorrente e secundariamente progressiva diagnosticados segundo critérios de Mac Donald17. Em ambos foram excluídos aqueles com escolaridade menor ou igual a 4 anos, aqueles que apresentavam depressão segundo a Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (HAD)18. No grupo com EM foram excluídos para o reteste aqueles que manifestaram episódio de surto no período de 30 dias entre as duas testagens.

Todos os indivíduos do grupo com EM fazem acompanhamento no Centro de Atendimento e Tratamento de Esclerose Múltipla da Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (CATEM). O grupo controle foi recrutado entre familiares destes pacientes, sendo incluídos apenas aqueles que não realizavam tratamento médico e desconheciam a existência de doenças em curso no momento da aplicação da escala. Os 19 pacientes que participaram do pré-teste estavam cientes do objetivo do estudo e responderam o termo de consentimento informado e os resultados obtidos foram excluídos da análise final dos dados.

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (projeto 246/06). Todos os sujeitos ou responsáveis assinaram o termo de consentimento informado e esclarecido após serem informados sobre o objetivo da pesquisa.

Procedimento – Na primeira entrevista obteve-se os dados sócio-demográficos para os dois grupos do estudo. Para os indivíduos do grupo com EM foram coletados também dados referentes a tempo de doença e forma da EM, sendo realizado o exame neurológico e preenchida a Escala de Incapacidade Funcional Expandida de Kurtzke (EDSS)19. A presença de fadiga foi identificada através da percepção subjetiva do paciente (presença ou ausência), confirmada pela escala de gravidade da fadiga (FSS)11 adaptada para a língua portuguesa20 o que permitiu a subdivisão dos grupos em: com fadiga (F+) e sem fadiga (F–). Os indivíduos dos grupos controle e EM foram solicitados a preencher a MFIS-BR em sala silenciosa, sem a presença do examinador. Na segunda entrevista, realizada após 30 dias, 24 indivíduos do grupo EM preencheram novamente a MFIS-BR para análise do reteste.

Análise estatística – O método da análise descritiva foi feito pela freqüência das variáveis categóricas e medidas de posição e dispersão das contínuas. A Análise de Variância Multivariada foi realizada para os dados sócio-demográficos de sexo, idade e escolaridade, para identificar os fatores que, eventualmente, pudessem influenciar no resultado de cada variável dependente.

Para a validação do instrumento, foram seguidas as normas propostas pelo Instrument Review Criteria (SAC)21 com análise da consistência interna, confiabilidade ou estabilidade do instrumento, validade e sensibilidade21,22.

A medida de confiabilidade e a consistência interna do instrumento foram obtidas pelo Teste da Estatística Alfa de Cronbach, que pode variar de 0 a 1,0 sendo que, entre 0 e 0,6 a confiabilidade é considerada insatisfatória; entre 0,6 a 0,7 confiabilidade satisfatória e, entre 0,7 a 1,0 confiabilidade elevada22.

A sensibilidade da escala foi verificada através da comparação de resultados obtidos em três grupos de indivíduos, grupo F+, F– e controle. Esta subdivisão foi realizada para avaliar a capacidade da escala em identificar cada um destes três grupos, através da aplicação dos testes de Mann-Whitney e Kruskal-Wallis.

A análise de correlação de Pearson foi aplicada para identificar se as correlações calculadas apresentaram comportamentos semelhantes no 'teste' e no 'reteste'. Para a medida de teste-reteste, foram considerados a medida inicial e os resultados obtidos na segunda avaliação realizada após 30 dias. Esta análise permite verificar a reprodutibilidade desta versão.

O nível de significância adotado foi 0,05 para todos os testes estatísticos. O programa utilizado para a análise estatística foi o Statistical Package for Social Sciences (SPSS), em sua versão 10.0.

 

RESULTADOS

Após a tradução e determinação da MFIS-BR foram avaliados longitudinalmente 102 indivíduos. Os dados sócio-demográficos podem ser observados na Tabela 1. A análise de variância multivariada para os dados demográficos demonstrou que sexo, idade e escolaridade não interferiram nos resultados da MFIS-BR; a média destes dados foram similares entre os grupos controle e EM (p<0,05).

 

 

A consistência interna, avaliada pelo coeficiente alfa de Cronbach verificou que o nível de confiabilidade dos valores coletados para os grupos EM e controle é elevado, sendo que o coeficiente alfa de Cronbach calculado para cada grupo é respectivamente de 0,822 e 0,835, (p<0,001), demonstrando boa confiabilidade para esta versão da escala.

A sensibilidade da escala foi demonstrada pela capacidade de identificar os grupos controle e EM, bem como F+ e F–. Os resultados obtidos demonstram um nível de sensibilidade aceitável, pois os escores obtidos entre os grupos formados são estatisticamente significantes. Os resultados sobre a sensibilidade da MFIS-BR podem ser vistos nas Tabelas 2 e 3.

 

 

 

 

Com respeito à reprodutibilidade verificada pela realização do reteste a análise de correlação de Pearson demonstrou que o nível de reprodutibilidade do instrumento é elevado com 93,33% de concordância entre os comportamentos do total das correlações calculadas. A correlação entre as subescalas na avaliação basal e no reteste encontra-se demonstrada na Tabela 4. A correlação entre as subescalas na avaliação basal e no reteste encontra-se demonstrada na Tabela 5.

 

 

 

 

DISCUSSÃO

Nos pacientes com doenças neurológicas, a fadiga é diferente daquela relatada pelos demais, levando a maior comprometimento da qualidade de vida5. Segundo Kos, a fadiga pode ser definida como "uma subjetiva ausência de energia física e/ou mental que é percebida pelo indivíduo por interferir com atividades usuais e designadas"15. Estudos demonstram que diferentemente do que ocorre em outras situações, na EM a fadiga se mostra mais intensa, comum durante todo o curso da doença e aparecendo até mesmo na realização de pequenos esforços9. No nosso meio, a fadiga está presente em 67,4% dos pacientes com EM6,23, sendo muito importante a validação de escalas específicas para fadiga adaptadas para população brasileira.

A fadiga freqüentemente está associada a um grau de incapacidade persistente21,23, e embora seja crônica, flutua em intensidade, sendo mais intensa no final da tarde e em temperaturas elevadas13,23.

Embora a mensuração da fadiga seja realizada com freqüência, a ausência de instrumentos adequados dificulta a avaliação. Os instrumentos utilizados para mensura-lá podem ter foco uni ou multidimensional, e medidas secundárias poderão ser utilizadas pra capturar informações adicionais24. As escalas unidimensionais têm como principal foco a intensidade da fadiga. São escalas simples, que fornecem uma medida global da intensidade da fadiga, como a FSS e a escala visual análoga - EVA. As escalas multidimensionais fornecem maiores informações sobre as características da fadiga ou sobre o seu impacto. Dentre as principais vantagens das escalas multidimensionais, temos o fato que elas nos permitem reconhecer a natureza da fadiga e o tipo de resposta a uma intervenção25. Diversas escalas têm sido desenvolvidas com este objetivo, entre elas a MFIS, porém os métodos psicométricos rigorosos nem sempre são aplicados no desenvolvimento destas escalas ou na sua tradução14.

Flachenecker et al, comparou diferentes escalas de fadiga usadas em pacientes com EM (FSS, MFIS, EVA e escala de severidade de fadiga modificada para esclerose múltipla-MFSS) e encontrou em seus resultados que embora todas as escalas tenham mostrado diferença significante entre os grupo F+ e F–, as escalas que mostraram maior sensibilidade para identificar os diferentes grupos foram a FSS e a MFIS14.

Kos et al. ao realizar estudo transcultural da MFIS mostrou que nenhuma diferença significante foi encontrada nas propriedades psicométricas entre as versões da Bélgica, Itália, Eslovênia e Espanha15, o que está de acordo com os dados obtidos neste estudo. Na adaptação transcultural para a língua portuguesa, inicialmente a escala MFIS apresentou três questões com problemas de intelecção (14,3%), as questões 1, 6 e 20, que foram re-estudadas frente ao texto original e após a troca por, equivalências semânticas, obtivemos a MFIS-BR, versão que teve 100% de compreensão.

Segundo Instrument Review Criteria (SAC), os valores do coeficiente Alpha de Cronbach podem variar de 0 a 1,0, sendo que, tal variação obedece à regra em que entre 0 e 0,6 corresponde a confiabilidade insatisfatória; entre 0,6 a 0,7 confiabilidade satisfatória; e, entre 0,7 a 1,0 confiabilidade elevada21. Assim, podemos dizer que em ambos os grupos a consistência interna foi elevada, mantendo as características da escala original, o que demonstra a homogeneidade do teste após a tradução para a língua portuguesa22.

A Tabela 2 compara os dados obtidos na MFIS-BR entre o grupo EM F+, F– e o grupo controle, sendo possível realizar a diferenciação dos 3 grupos, demonstrando que a escala após sua tradução possui boa sensibilidade para aplicação nestes pacientes. Da mesma forma, a MFIS-BR permitiu diferenciar o grupo de pacientes do grupo controle e o grupo EM F+ do grupo EM F– com boa confiabilidade. Estes resultados foram similares àqueles encontrados por Flachenecker et al ao realizar o mesmo em países europeus14.

A reprodutibilidade de um instrumento é uma qualidade importante da ferramenta de avaliação, especialmente quando utilizado para aspecto subjetivo, multidimensional e flutuante como a fadiga15. Todo instrumento de avaliação deve ser considerado reprodutível através do tempo, ou seja, deve reproduzir resultados iguais ou muito semelhantes, em duas ou mais administrações para o mesmo paciente, considerando, naturalmente, que seu estado clínico geral não tenha sido alterado, o que foi encontrado nesta pesquisa.

Cada sociedade tem suas próprias crenças, atitudes, costumes, comportamentos e hábitos sociais, estas características dão às pessoas uma orientação de quem são, como devem comportar-se e o que devem ou não fazer. Essas regras ou conceitos refletem a cultura de um país e também o diferencia de outro. Quando propomos a tradução de um questionário, este deve apresentar-se em linguagem simples e clara, para aquela população e manter-se equivalente no que tange a seus conceitos culturais26. A escala MFIS-BR é compreensível, de fácil aplicação e instrumento eficaz na avaliação da fadiga para portadores de EM.

Em conclusão, a MFIS após validação para a língua portuguesa mfis-br manteve as características originalmente descritas, mostrando boa consistência interna, confiabilidade e sensibilidade, podendo ser utilizado na prática clínica e em ensaios clínicos.

 

REFERÊNCIAS

1. Mc Donald I. Diagnostic methods and investigations in multiple sclerosis. In Compston A, Ebers G, Lassmann H, Mc Donald I, Matthews B, Wekerle H (Eds). McAlpine's multiple sclerosis, 3.Ed. New York: Churchill Livengstone, 1999:251-279.        [ Links ]

2. Rudick RA. Disease modifying drugs for relapsing-remitting multiple sclerosis and future directions for multiple sclerosis therapeutics. Arch Neurol 1999;56:1079-1084.        [ Links ]

3. Krupp LB, Coyle PK. Fatigue in neurologic disease. XLVI American Congress of Neurology, May, 1994.        [ Links ]

4. Multiple Sclerosis Council for Clinical Practice Guidelines. Fatigue and multiple sclerosis: evidence-based management strategies for fatigue in multiple sclerosis. Washington, DC: Paralyzed Veterans of America, 1998.        [ Links ]

5. Branas P, Jordan R, Fry-Smith A, Burls A, Hyde C. Treatments for fatigue in multiple sclerosis: a rapid and systematic review. Health Technol Assess 2000;4:1-61.        [ Links ]

6. Mendes MF, Tilbery CP, Balsimelli S, Felipe E, Moreira MA, Barão-Cruz AM. Fadiga na forma remitente recorrente da esclerose múltipla. Arq Neuropsiquiatr 2000;58:471-475.        [ Links ]

7. Krupp LB, Alvarez LA, Larocca NG, et al. Clinical characteristics of fatigue in multiple sclerosis. Arch Neurol 1988;45:435-437.        [ Links ]

8. Iriarte J, Castro P. Propuesta de una nueva escala para evaluación de la fatiga en pacientes com esclerosis multiple. Neurologia 1994;9:96-100.        [ Links ]

9. Krupp LB, Alvares LA, LaRocca NG, Scheinberg LC. Fatigue in multiple sclerosis. Arch Neurol 1988:45:435-437.        [ Links ]

10. Fisk JD, Pontefract A, Ritvo PG, et al. The impact of fatigue on patients with multiple sclerosis. Can J Neurol 1989;46:1121-1123.        [ Links ]

11. Krupp LB, Larocca NG, Muir-Nash J, Steinberg AD. The fatigue severity scale: application to patients with multiple sclerosis and systemic lupus erythematosus. Arch Neurol 1989;46:1121-1123.        [ Links ]

12. Fisk JD, Ritvo PG, Ross L, et al. Measuring the functional impact of fatigue: initial validation of the fatigue impact scale. Clin Infect Dis 1994; 18:79-83.        [ Links ]

13. Fisk JD, Pontefract A, Ritvo PG, et al. The impact of fatigue on patients with multiple sclerosis. Can J Neurol Sci 1994;21:9-14.        [ Links ]

14. Flachenecker P, Kiimpfel T, Kallmann B, et al. Fatigue in multiple sclerosis: a comparison of different rating scales and correlation to clinical parameters. Multiple Sclerosis 2002;8:523-526.        [ Links ]

15. Kos D, Kerckhofs E, Carrea I, et al. Evaluation of the modified fatigue impact scale in four different european countries. Multiple Sclerosis 2005;11:76-80.        [ Links ]

16. Téllez N, Río J, Nos C, Galán I, Montalban X. Does the modified fatigue impact scale offer a more comprehensive assessment of fatigue in MS. Multiple Sclerosis 2005;11:198-202.        [ Links ]

17. Poser CM, Paty DW, Scheinberg L, et al. New diagnostic criteria for multiple sclerosis: guidelines for research protocols. Annals of Neurol 1983;13:227-231.        [ Links ]

18. Botega NJ, Bio MR, Sonignani MA, et al. Transtornos do humor em enfermaria de clínica médica e validação de escala de medida de ansiedade e depressão. Rev Saúde Pública 1995;29:355-363.        [ Links ]

19. Kurtzke JF. Ranting neurologic impairment in multiple sclerosis: an expanded disability status scale. Neurology 1983;33:1444-1452.        [ Links ]

20. Mendes MF, Moreira MA, Tilbery CP, Felipe E. Escalas de auto-avalia–ção para fadiga; adaptação para a língua portuguesa. Arq Neuropsiquiatr 1998;56(Suppl 1):S160.        [ Links ]

21. Scientific Advisory Committee of the Medical Outcomes Trust – SAC Instrument Review Criteria 1995;3:4.        [ Links ]

22. World Health Organization Quality of Life. General Guidelines for methodologies on research and evaluation of traditional medicine. Geneva: WHO/EDM/TRM/2000.        [ Links ]

23. Mendes MF, Tilbery CP, Felipe E. Fadiga e esclerose múltipla: estudo preliminar de 15 casos através de escalas de auto-avaliação. Arq Neuropsiquiatr 1998;58:467-470.        [ Links ]

24. Barofsky I, Legro MW. Definition and measurement of fatigue. Rev Infec Dis 1991;13(Suppl 1):S94-S97.        [ Links ]

25. Aaronson LS, Teel CS, Cassmeyer V, et al. Defining and measuring fatigue: state of the science. Image J Nurs Sch 1999;31:45-50.        [ Links ]

26. Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol 1999;39:143-150.        [ Links ]

 

 

Recebido 1 Agosto 2006, recebido na forma final 15 Março 2007. Aceito 26 Abril 2007.

 

 

Dra. Kizi B. Schmidt – Rua Bertioga 160/74- 04141-100 São Paulo SP - Brasil.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons