SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.4 issue7Observações citológicas em citrus: IV. números de cromosômios na sub-família Aurantioideae com referência especial ao gênero CitrusQuimeras periclinais diplóldes-tetraplóides surgidas em forma de variações somáticas em Citrus author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Bragantia

Print version ISSN 0006-8705

Bragantia vol.4 no.7 Campinas  1944

http://dx.doi.org/10.1590/S0006-87051944000200004 

Observações citológicas em citrus. V. poliploidia em relação à densidade e ao tamanho dos estomas em Citrus e outros gêneros das Aurantioideae.

 

 

C. A. Krug; O. Bacchi

 

 


RESUMO

No presente trabalho dois aspectos diversos são analisados referentes às relações entre poliploidia e os caracteres dos estomas em Citrus e outros gêneros próximos. Na primeira parte analisam-se os dados apresentados por Hirano (5) sôbre a densidade dos estomas em numerosos representantes da sub-família das Aurantioidex à luz da sua constituição citológica. Esperava-se poder explicar a grande variabilidade desta densidade, pela possível existência de formas poliplóides. A contagem dos cromosômios de muitas plantas por êle utilizadas na Estação Experimental de Riverside, Califórnia, e uma extensa pesquisa bibliográfica, visando esclarecer a constituição cromosômica daquelas variedades, espécies e gêneros que não puderam ser analisados, revelaram, porém, que, provàvelmente, apenas no grupo de Citrus aurantifolia Swingle, existem duas variedades triplóides, sendo tôdas as demais diplóides. Sòmente naquele caso é que a variabilidade na densidade dos estornas pôde ser explicada pela diferença no número de cromosômios. No restante do material estudado por Hirano, as diferenças no número de estornas por unidade de área devem ser atribuídas, de preferência, a grande variabilidade da constituição genética.
Na segunda parte apresentam-se os resultados de uma detalhada análise sôbre a área dos estomas e a sua variabilidade em formas cítricas di- tri- e tetraplóides, numa tentativa de separar êstes poliplóides sem recorrer à contagem dos cromosômios. Um total de 36 indivíduos pertencendo a 5 espécies diferentes foram estudados. Agrupando-se cs valores obtidos em ordem decrescente de área dos estornas, verifica-se uma série contínua, associando-se, entretanto, os di- tri- e tetraplóides em três grupos separados. Notaram-se diferenças estatisticamente significantes tanto entre as médias dos três grupos, como entre os limites extremos de grupos consecutivos e também dentro dêles. A variabilidade dêste caráter também se manifesta dentro de cada uma da maioria das espécies e grupos di- e tetraplóides. A-pesar disso, entretanto, chegou-se à conclusão de que a determinação da área dos estornas poderá ser útil mesmo no caso em que se queira separar triplóides de tetraplóides, da mesma progênie, conhecendo-se a área dos estornas das respectivas formas diplóides em idênticas condições de meio.


SUMMARY

In the present article two aspects dealing with the relations of polyploidy and stcmata characters in Citrus and related genera are dealt with. First the data of Hirano (5) concerning stomata density in numerous forms of the sub-family Aurantioidex are analysed in relation to their chromosomal constitution. It was thought that the- great variability of stomata number per unit area, could possibly be explained by differences in chromosome numbers. Chromosome counts of numerous plants utilized by Hirano at the Citrus Exp. Sta., Riverside, California, were made and all available bibliographical informations concerning the cytological constitution of those species and genera were gathered, whose chromosomes could not be counted at Riverside ; it was concluded that all types studied by Hirano, have 18 somatic chromosomes except for two varieties of Citrus aurantifolia, Swingle, which are triploid. This was the only instance in which differences in chromosome numbers where primarily responsable for the differences in stomata density. In the rest of the material the variability of this character must bo due to differences in genetic constitution.
In the succeding chapters the results of a detailed analysis of stomata area and its variability in diploid, triploid and tetraploid Citrus forms are presented; this was done in order to find a simple method of identifying these, polyploids without making aciual chromosome counts. A total of 36 individuals of 5 different species were examined. Listing the average stomata areas, starting with the largest and finishing with the smallest, a continous series is obtained, the diploids, triploids and tetraploids being however associated in three groups, no overlapping from one group to the other having been noticed. Significant differences have been found not only between the general averages of the three groups, but also between the extremes at the limits of two succeeding groups and also in each of them. Conspicuous variability of this character is also noticed in each cf most of the species and its diploid and tetraploid groups. In spite of this variability it is concluded that the determination of stomata area can be useful to geneticists and plant breeders working with Citrus, even when one has to distinguish between triploids and tetraploids in the same progeny, if one knows the stomata area of the related diploids grown under identical circumstances.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

AGRADECIMENTOS

Agradecimentos são devidos ao dr. H. B. Frost, da Citrus Experiment Station, Riverside, California, per ter gentilmente pôsto à disposição das pesquisas atrás relatadas variado material da sua valiosa coleção de Citrus ; ao dr. L. D. Batchelor, diretor daquela Estação Experimental, por ter facilitado a execução do início destas investigações, e ao sr. Francisco Juliano Filho, da Secção de Citologia do Instituto Agronômico, pelo auxílio que prestou na determinação de área dos estomas.

 

LITERATURA CITADA

1.  Bacchi, O. Observações citológicas em Citrus. I. Número de cromosômios de algumas espécies e variedades. Jornal de Agronomia, Piracicaba, 3: 249-258. 1940.         [ Links ]

2.  Frost, H. B. The chromosomes of Citrus. Jour. Wash. Acad. Sci. 15 : 1-3. 1925.         [ Links ]

3.  Frost, H. B. The Genetics and Cytology of Ciirus. Current Science Special Number on Genetics. 1938.         [ Links ]

4.  Frost, H. B. e G. A. Krug. Diploid — Tetraploid periclinal chimeras as bud variants in Citrus. Genetics 27 : 619-634. 1942.         [ Links ]

5.  Hirano, E. Relative abundance of stomata in Citrus and some related genera Bot. Gaz. 92 (3) : 296-310. 1931.         [ Links ]

6.  Krug, C. A. Chromosome numbers in the sub-family Aurantioideae with special reference to the genus Cirrus. Bot. Gaz. 104 (4) : 602-611. 1943.         [ Links ]

7.  Krug, C. A. e O. Bacchi. Triploid Citrus Varieties. Jour. Heredity 34 (9) : 277-283. 1943.         [ Links ]

8.  Longley, A. E. Polycary, polyspory and polyploidy in Citrus and Citrus relatives. Jour. Wash. Acad. Sci. 15 : 347-351. 1925.         [ Links ]

9.  Nakamura, Miyewo. A preliminary report on the chromosome number, pollen sterility and the formation of abnormal pollen tetrads in Citrus. Bull. Kagoshima Coll. Agr. For. 1 : 11-14. 1934. (Cit. Plant Breed. Abstr. 7 : 234. 1937).         [ Links ]

10.  Oppenheim, J. D. e O. H. Frankel. Investigations into the fertilization of the Jaffa Orange. Genetica 11 : 369-374. 1929.         [ Links ]

11.  Osawa, J. Cytological and experimental studies in Citrus. Jour. Coll Agr. Imp. Univ. Tokyo 4 : 83-116. 1912.         [ Links ]

12.  Reed, H. S. e E. Hirano. The density of stomata in Citrus leaves. Jour. Agr. Res. 43 (3): 209-222. 1931.         [ Links ]

13.  Swingle, W. T. The Botany of Citrus and its wild relatives. In Webber, H. J. et al. The Citrus Industry. Univ. of California Press, Berkeley. 1943.         [ Links ]

14.  Turrell, F. M. e L. J. Klotz. Density of stomata and oil glands and incidence of water spot in the rind of Washington Navel Orange. Bot. Gaz. 101 (4): 862-871. 1940.         [ Links ]

15.  Webber, H. J. Limes (Trabalho mimeografado). Citrus Exp. Sta. Riverside, Califórnia, 1940.         [ Links ]

16.  Webber, H. J. The Citrus Industry. Vol. I. Chapter III. Univ. of California Press 1943.         [ Links ]

 

 

Nota : Infelizmente não foi possível aos autores obter uma cópia do trabalho de Lapin, V. K. and V. G. Telouch : Size and number of stomata in diploid and polyploid forms in Citrus, Poncirus and Fortunella. Compt. Rend. (Dok.) Acad. Sci. U.S.S.R. 27 (4) : 365-368. 111. 1940 — Biol. Abstr. 15 (6) : 11781. 1941.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License