SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 issue10-12Precisão dos delineamentos tipo Lattice em milhoPlantas úteis para revestimento do solo: II - Gramíneas de porte médio e grande author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Bragantia

Print version ISSN 0006-8705

Bragantia vol.12 no.10-12 Campinas Dec. 1952

http://dx.doi.org/10.1590/S0006-87051952000400003 

Novos tipos de batata doce oriundos de mutação somática

 

 

A. Pais de Camargo

Engenheiro agrônomo, Secção de Raízes e Tubérculos, Instituto Agronômico de Campinas

 

 


RESUMO

As mutações somáticas que ocorrem nas variedades econômicas de batata doce podem apresentar características vantajosas, passando a constituir novos tipos comerciais, utilizados com finalidades diversas.
No decorrer dos trabalhos em realização na Secção de Raízes e Tubérculos deste Instituto, sôbre vários aspectos agronômicos e sôbre o melhoramento da batata doce, foram observadas seis mutações somáticas, tôdas elas afetando principalmente a coloração das raízes. A descrição dessas mutações e o seu valor econômico são mencionados.
Na variedade 98-Castelo, a mutação afetou a côr da periderme que, de roxo, passou para creme, enquanto na variedade 18-Viçosa (Dahomey), a mudança de côr se deu na periderme e córtex que, ao mesmo tempo, de roxo mudaram para roxo-avermelhado e creme, respectivamente. Na variedade 39-Roxa pilosa, a periderme roxo-escura se tornou côr de cobre e o córtex e o cilindro central de roxo-escuro se tornaram creme. Na variedade 104-Peçanha rosa, a alteração ocorreu na periderme, que passou de rosa-pardo a vermelho-arroxeada. No "seedling" 104 S50-6, a periderme roxo-escura se tornou creme, enquanto no "seedling" 113 S50-11 a periderme amarelada mudou para lilás e o córtex e cilindro central, de amarelados, passaram a ter a côr roxa. Chamou-se atenção para a combinação de côres encontrada nesta última mutação, ainda não observada em Campinas.
Apenas as duas primeiras mutações foram estudadas quanto à produção. Verificou-se, neste particular, que se assemelham às variedades originais, as quais são das mais recomendáveis para a agricultura de São Paulo. Ambas, porém, apresentam a vantagem de possuir a casca mais clara, o que melhora sua aceitação no mercado.


SUMMARY

During these last 5 years six somatic mutations were found in commercial varieties of sweet potatoes grown in experimental fields of the Roots and Tubers Dept. of the Insiitvto Agronômico de Campinas. All these mutations affected the color of various root layers and their descriptions are presented in this paper.
In variety 98-Caslelo the purple periderm became cream in the mutated form while in the variety 18-Dahomey the purple color of periderm and cortex have been changed to purple-reddish and cream respectively. The mutation in var. 39-Roxa pilosa affected the periderm color, which changed from dark-purple to light copper and the cortex and central cylinder from dark-purple to cream color. In the variety 104-Peçanha rosa which possesses a rose-brown periderm the mutation produced a red-purplish periderm. In the seedling 104-S50-6 the dark-purple periderm became cream while in the mutated form of the 113 S50-11 seedling the yellowish periderm was changed to light-purple and the yellow cortex and central cylinder became purple. Attention has been called to the root flesh color of the seedling 113 S50-11 which is unique in the collection of sweet potatoes types at Campinas.
Only the mutations that ocurred in varieties 98-Castelo and 18-Dahomey have been tested for yield dining these last two years. It has been found that both new types are similar in yield capacity to the original varieties and can be considered as very promissing types of sweet potatoes.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

 

LITERATURA CITADA

1.  Drain, Broocks E. e outros. Sweet potato culture. Bull. Tenn. agric. Exp. Sta. 189: 1-29. 1944.         [ Links ]

2.  Ilelmer, O. H. Sweet potatoes in Kansas. Bull. Katis. agric. Exp. Sta. 278 : 1-5, fig. 1-11. 1938.         [ Links ]

3.  Miller. Julian C. Inducing the sweet Dotato to bloom and set seed. J. Hered. 28 : 347-349, fig. 8-9. 1937.         [ Links ]

4.  Miller, Julian C. Further studies and technic used in .sweet potato breeding in Louisiana. J. Hered. 30: 48.5-492, fig. 9-11. 1939.         [ Links ]

5.  Miller. Julian C. Further studies of mutations of the Porto Rico sweet potato. Proc. Amor. Soc. hort. Sci. 33 : 460-465, fig. 1-2. 1936.         [ Links ]

6.  Pais de Camargo, A. Em Relatório da Secção dc Raízes c Tubérculos do Instituto Agronômico de Campinas, 1949/50 : 39-45 (não publicado).         [ Links ]

7.  Pais de Camargo, A. Em Relatório da Comirsão de Plantas Tuberosas do Institute Agronômico de Campinas, 1950/51 : (não publicado).         [ Links ]

8.  Porter, D. R. Growing and handling sweet potatoes in Califcrnia. Circ. Calif. agric. Exp. Sta. 55 : 1-3, fig. 1-12. 1931.         [ Links ]

9.  Rosa, J. T. Mutations in the sweet potato. J. Herod. 17 : 167-181, fig. 3. 1926.         [ Links ]

10.  Solpico, Fabian O. A study of variability in clonal progeny of the sweet potato. Philipp. Agric. 25 : 284-294. 1937.         [ Links ]

11.  Thompson, H. C. Em Sweet potato production and handling, pag. 1-27, est. 1-9, fig. 1-3. Orange Judd Publishing Company Inc., Nova Iorque, 1929.         [ Links ]

12.  Torres, C. Barbosa. Observações preliminares sobre o florescimento da batata doce (Ipomoea batatas Poir.) Agros. Pelotas. 3 : 39-43. 1950.         [ Links ]