SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.43 número1Amido a partir de bambuEfeito de diferentes níveis de fósforo em solução nutritiva e no solo no comportamento de cultivares de trigo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Bragantia

versão On-line ISSN 1678-4499

Bragantia v.43 n.1 Campinas  1984

http://dx.doi.org/10.1590/S0006-87051984000100006 

ARTIGOS

 

Conservação de sementes de ipê1

 

Conservation of "ipê" seeds

 

 

Jocely Andreuccetti MaedaI; Luiz Antonio Ferraz MatthesII

ISeção de Sementes
IISeção de Floricultura e Plantas Ornamentais, Instituto Agronômico

 

 


RESUMO

Sementes de algumas espécies de ipê foram submetidas a diferentes temperaturas de armazenamento, determinando-se a sua porcentagem de germinação a cada quarenta dias, por um período de trinta meses. Nas condições fornecidas de 10 ºC, 29 ºC e 30 ºC em embalagem hermeticamente fechada, e em saco de papel, a condições ambienteis foram avaliadas as seguintes espécies: Tabebuia avellanedae var. paulensis Tol., Tabebuia chrysotricha (Mart. ex-DC.) Standley, Tabebuia impetiginosa (Mart.) Standley, Tabebuia rosea (Bertol.) DC. e Tabebuia heptaphylla (Vell.) Tol. Dentre as condições de armazenamento, o tratamento a 10ºC em vidro hermético foi o que manteve a viabilidade da semente por maior tempo, sendo 20 °C também em vidro hermético o segundo melhor resultado. A germinação das sementes armazenadas em saco de papel a temperatura ambiente foi melhor do que a das que foram armazenadas em vidro hermético a 30 °C, sendo esta a pior condição de armazenagem. A comparação entre as espécies mostrou que Tabebuia heptaphylla, apresenta, além de sementes de maior longevidade, maior resistência às condições adversas de armazenamento.


SUMMARY

Seeds of some species of "ipê" were stored at different temperatures and the germination percentage was determined at forty-day intervals during thirty months. Seeds were subjected to the following conditions: storage in sealed flasks at 10ºC, 20ºC and 30ºC, and in paper bags at room temperature. The following species were evaluated: Tabebuia avellanedae var. paulensis Tol., Tabebuia chrysotricha (Mart. ex DC.) Standley, Tabebuia impetiginosa (Mart.) Standley, Tabebuia rosea (Bertol.) DC. e Tabebuia heptaphylla (Vell.) Tol. Among the treatments studied, storing seeds in sealed flasks at 10°C maintained seed viability for the longest period of time. The second best result was obtained when seeds were kept in sealed flasks at 20ºC. The germination of seeds stored in paper bags at room temperature was higher than that of seeds kept in sealed flasks at 30ºC which was the least favorable condition for seed storage. Among the species compared Tabebuia heptaphylla showed the highest longevity but also resisted better the adverse storage conditions.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. BRASIL. Ministério da Agricultura. Divisão de Sementes e Mudas.Regras para análise de sementes. Brasília, 1976. 120p.        [ Links ]

2. BUREAU, E. & SCHUMANN, C. Bignoniaceae in Martius. In: MARTIUS, C. S. P. von; EICHLER, A. C; URBAN, I., eds. Flora Brasiliensis. Munique, Typographia Regia, 1896-1897. v.8, part. 2. , 451p.        [ Links ]

3. FALANDO de ipês, jóias da flora do Brasil: ipê preto e ipê amarelo. Chácaras e Quintais, São Paulo, 63(5):590-592, 1941.        [ Links ]

4. GENTRY, A. H. A revision of Tabebuia (Bignoniaceae) in Central America. Britonia, 22:246-264, 1970.        [ Links ]

5. HERINGER, E. P. Bignoniaceas de valor ornamental e algumas raras de Minas Gerais, Brasil. Lisboa, Coimbra Editora, 1956. Separata do Boletim da Sociedade Portuguesa de Ciências Naturais, 6, 2.ª série: 220-226, 1956.        [ Links ]

6. KOSCINSKI, M. E. Quando floresce o ipê. Chácaras e Quintais, São Paulo, 79(5):579-580, 1949.        [ Links ]

7. NOTAS sobre semillas forestales. I. Zonas áridas. II. Zonas tropicales húmedas. Roma, Organización de las Naciones Unidas para la Agricultura y la Alimentación, 1956. parte 2, p.346-7. (Colección FAO: cuaderno de fomento florestal, 5)        [ Links ]

8. PASZTOR, Y. P. de C. A conservação de sementes florestais. In: SEMINÁRIO PAN-AMERICANO DE SEMENTES, 4., Rio de Janeiro, 1963. Anais p. 156-157.        [ Links ]

9. TOLEDO, J. F. Notulae de aliquot plant's brasiliensibus novis vel minus cognitis. Arquivos de Botânica do Estado de São Paulo, São Paulo, 3(1): 27-36, 1952.        [ Links ]

10. WILLIS, J. C. A dictionary of the flowering plants and ferns. Rev. por SHAW, H. K. A. 8ed. Cambridge, University Press, 1973. 1103p.        [ Links ]

11. ZIKAN, W. C. Quando os ipês — florescem pro-reflorestamento. Chácaras e Quintais, São Paulo, 50(6):708-711, 1934.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação a 9 de junho de 1982.

 

 

1 Trabalho apresentado no III Congresso da Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais, realizado em Salvador(BA), de 28 de junho a 3 de julho de 1982.