SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.50 issue1Extraction and analysis of ginger essential oil: processing and dryingPost emergence herbicides in peanuts: I: weed control and persistence in the soil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Bragantia

Print version ISSN 0006-8705On-line version ISSN 1678-4499

Bragantia vol.50 no.1 Campinas  1991

http://dx.doi.org/10.1590/S0006-87051991000100010 

V. FITOTECNIA

 

O pessegueiro no sistema de pomar compacto: IV. Intensidade e época de raleio dos frutos dos cultivares Tropical e Aurora-11

 

The peach meadow orchard system: IV. Intensity and time of hand fruit thinning of Tropical and Aurora-1 cultivars

 

 

Wilson BarbosaI, 2; Fernando Antonio Campo-Dall'ortoI, 2; Mário OjimaI; Fernando Picarelli MartinsII; Toshio IgueIII

ISeção de Fruticultura de Clima Temperado, Instituto Agronômico (IAC), Caixa Postal 28, 13001 Campinas, SP
IIEstação Experimental de Jundiaí, IAC
IIISeção de Técnica Experimental e Cálculo, IAC

 

 


RESUMO

A intensidade e a época do raleio dos frutos do pessegueiro podem influenciar diretamente a qualidade do produto, razão pela qual foram pesquisadas em um pomar compacto (4.167 plantas por hectare), sob poda drástica anual de renovação da copa. O experimento foi executado na Estação Experimental de Jundiaí (23°08'S e 46°55'W), do Instituto Agronômico (IAC), sob clima do tipo Cwa, mesotérmico úmido, também denominado de tropical de altitude, com cerca de 80 horas anuais de frio abaixo de 7°C. Utílizaram-se os cultivares Tropical, de maturação bem precoce (fins de setembro), e Aurora-1, de maturação precoce (meados de outubro). Efetuou-se o raleio com 30, 40 e 50 dias pós-antese (DPA), deixando-se 30, 60 e 90 frutos por planta. Os melhores resultados, reunindo fatores qualitativos e quantitativos, foram obtidos no raleio aos 30 DPA, mantendo-se 60 frutos por planta. Neste tratamento, o 'Tropical' apresentou frutos com peso médio de 60,9 gramas, o que equivale à produção de 3,654kg/planta (15,2t/ha); com o 'Aurora-1', o peso médio dos frutos foi de 72,0 gramas, correspondendo à produção de 4,320kg/planta (18,0t/ha). Aqualidade final do produto diminuiu à medida que se atrasou a época do raleio e, principalmente, quando se manteve maior quantidade de frutos por planta. O 'Tropical' adaptou-se melhor ao sistema de pomar compacto: floresceu no 9° mês e seus frutos amadureceram no 12ª mês após a poda drástica da copa.

Termos de Indexação: pêssego, Prunuspersica (L) Batsch; pomar compacto; intensidade e época de raleio; tamanho de fruto; produção.


ABSTRACT

The effect of intensity and time of hand thinning on the mean fruit weight and productivity was studied on 'Tropical' and 'Aurora-V peaches. The trees were cultivated under the meadow orchard system, 4,167 plants per hectare, with drastic pruning. The experimental plot was located at the Estação Experimental of Jundiaí (23°08'S and 46°55W) of the Instituto Agronômico of Campinas, State of São Paulo, Brazil, with 80 tours per year of temperature below 7°C. The time of hand thinning was 30, 40 and 50 days after antesis (DAA) leaving 30, 60 and 90 fruits per tree. The best result in terms of quantity and quality of the fruits was obtained with the treatment 30 DAA and 60 fruits per tree. In this manner 'Tropical' presented the final mean fruit weight of 60.9g, equivalent to yields of 3.654kg/tree (15.2t/ha); in 'Aurora-1', the mean fruit weight was 72.0g, equivalent to4.320kg/tree(18.0Vha). Tropical', very early-maturing cultvar, showed a better suitability to this procedure, flowering at the 9th and ripening at the 12th month after drastic pruning of the canopy.

Index terms: peach, Prunuspersica (L) Batsch; meadow orchard; hand thinning intensity and time; Tropical and Aurora-1 cultivara; fruit size; productivity.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARBOSA W. Desenvolvimento vegetativo e reprodutivo do pessegueiro em pomar compacto sob poda drástico anual, Piracicaba, ESALQ, 1989. 154p. Dissertação (Mestrado).        [ Links ]

__________; CAMPO DALL'ORTO, F.A. & OJIMA, M. Conservação e germinação de pólen, polinização e frutificação efetiva dos pêssegos e nectarinas subtropicais. Campinas, Instituto Agronômico, 1990a. 21p. (Datilografado)        [ Links ]

__________;__________& SAMPAIO.V.R. O pessegueiro no sistema de pomar compacto: III. Épocas de poda drástica na diferenciação floral. Bragantia, Campinas, 49(1):147-155. 1990b.        [ Links ]

__________; OJIMA, M.; CAMPO-DALL'ORTO, F.A. & MARTINS, F.P. Época e ciclo de maturação de pêssegos e nectarinas no Estado de São Paulo. Bragantia, Campinas, 49(2):221-226, 1990c.        [ Links ]

BARBOSA, W.; OJIMA, M; CAMPO-DALL'ORTO, F.A; RIGITANO, O.; MARTINS, F.P.; CASTRO, J.L. & SANTOS, R.R. 'Tropical': novo pêssego de coloração vermelho-intensa e bem precoce para São Paulo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 10., Fortaleza, 1989. Resumos. Fortaleza, Sociedade Brasileira de Fruticultura, 1989. p.57.        [ Links ]

__________;__________;__________; SAMPAIO,V.R.; MARTINS.F.P. & IGUE.T. O pessegueiro no sistema de pomar compacto: II. Influência das épocas de poda drástica no desenvolvimento das plantas. Campinas, Instituto Agronômico, 1990. 49p. (Datilografado)        [ Links ]

BASSOLS, M. do C.M. & SACHS, S. Raleio dos frutos em cultivares de pessegueiros de conserva. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 1., Campinas, 1971. Anais. Campinas, Sociedade Brasileira de Fruticultura, 1971. v.2, p.685-697.        [ Links ]

CAMPO-DALL'ORTO, F.A.;OJIMA,M.; BARBOSA W.;TOMBOLATO, A.F.C; RIGITANO, O. & ALVES, S. Cultivo de seleções de pessegueiros precoces no sistema de pomar compacto com poda drástica. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, 19(6):719-727, 1984.        [ Links ]

DORSEY, M.J. & McMUNN, R.L The third report of the Illinois thinning investigations. Proceedings of the American Society for Horticultural Science, Ithaca, 25:269-276, 1928.        [ Links ]

EREZ, A Peach meadow orchards. Acta Horticulturae, Wageningen, (173):405-411, 1985.        [ Links ]

GOULD, H.P. Peach-growing. New York, MacMillan, 1923. 426p.        [ Links ]

HARROLD, T.S. Comparative study of developing and aborting fruits of Prunus persica. Botanical Gazette, Chicago, 96(3):505-520. 1935.        [ Links ]

HAVIS.H.L Effects of time of fruit thinning of Redhaven peach. Proceedings of the American Society for Horticultural Science, Ithaca, 80:172-176, 1962.        [ Links ]

OJIMA, M.; CAMPO-DALL'ORTO, F.A.; BARBOSA W.; MARTINS, F.P.; SANTOS, R.R. & RIGITANO, O. 'Aurora-1' e 'Aurora-2': novos cultivares de pêssegos doces, de polpa amarela e firme. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 10., Fortaleza, 1989. Resumos. Fortaleza, Sociedade Brasileiro de Fruticultura, 1989. p.56.        [ Links ]

__________;__________;__________& RIGITANO, O. Pêssego (Prunus persica Batsch). In: CAMPINAS. Instituto Agronômico. Instruções agrícolas para o Estado de São Paulo. 4.ed. Campinas, 1987. p.168-169. (Boletim, 200).        [ Links ]

PEDRO JÚNIOR, M.J.; ORTOLANI, A.A.; RIGITANO, O,; ALFONSI, R.R.; PINTO, H.S. & BRUNINI, O. Estimativa de horas de frio abaixo de 7 e de 13°C para regionalização da fruticultura de clima temperado no Estado de São Paulo. Bragantia, Campinas, 38:123-130, 1979.        [ Links ]

PIMENTEL-GOMES, F. A estatística moderna na pesquisa agropecuária. Piracicaba, Potafos, 1984. 160p.        [ Links ]

RIGITANO, O. A cultura do pessegueiro. Rio de Janeiro, Ministério da Agricultura - Serviço de Documentação, 1945. 116p. (S.D.A., 247).        [ Links ]

SACHS, S. A cultura do pessegueiro. Pelotas, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Centro Nacional de Pesquisa de Fruteiras de Clima Temperado, 1984. 156p. (EMBRAPA/CNPFT. Circular técnica, 10)        [ Links ]

VALADARES, J; LEPSCH, I.F. & KUPPER, A. Levantamento pedológico detalhado da Estação Experimental de Jundiaí, SP. Bragantia, Campinas, 30(2):337-385, 1971.        [ Links ]

WESTWOOD, M.N. Temperate zone pomology. San Francisco, W.H. Freeman, 1978. 428p.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 6 de agosto e aceito em 12 de dezembro de 1990.

 

 

1 Trabalho realizado com subsídios parciais da FAPESP e do CNPq.
2 Com bolsa de pesquisa do CNPq.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License