SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.62 issue3Evaluation of nozzles distribution patterns for herbicide application: effects of the target height in the distribution patterns author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Bragantia

Print version ISSN 0006-8705On-line version ISSN 1678-4499

Bragantia vol.62 no.3 Campinas  2003

https://doi.org/10.1590/S0006-87052003000300015 

METODOLOGIA E TÉCNICA EXPERIMENTAIS
NOTA

 

Escala para avaliação de estádios fenológicos do cafeeiro arábica

 

Coffee phenological stages evaluation scale

 

 

José Ricardo Macedo PezzopaneI,V; Mário José Pedro JúniorII; Roberto Antônio ThomazielloIII; Marcelo Bento Paes de CamargoII,IV

IPós-graduando em Física do Ambiente Agrícola, Departamento de Ciências Exatas, ESALQ/USP, Caixa Postal 9, 13418-970, Piracicaba (SP). Estagiário do Centro de Análise e Pesquisa Tecnológica dos Agronegócios do Café. E-mail: jrmpezzo@esalq.usp.br
IICentro de Pesquisa e Desenvolvimento de Ecofisiologia e Biofísica, IAC, Caixa Postal 28, 13001-970 Campinas (SP)
IIICAPTA-Café. Bolsista do Consórcio Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento do Café
IVCom bolsa de produtivida de em pesquisa do CNPq
VBolsista Fapesp.

 

 


RESUMO

É proposta uma escala de avaliação de desenvolvimento de estádios fenológicos do cafeeiro arábica, com base em fotografias das 12 fases, do período reprodutivo, compreendidas entre o estádio de gemas dormentes e o de grão seco. Durante a safra de 2001/2002, a escala foi utilizada em diferentes cultivares de café em experimentos localizados em Campinas e Mococa, onde se mostrou útil para estudos que vão possibilitar a identificação das variáveis climáticas relacionadas ao desenvolvimento, à expansão e à maturação dos frutos para as diferentes cultivares de café arábica nas diversas regiões de cultivo.

Palavras-chave: Coffea arabica L., fenologia, maturação.


ABSTRACT

A scale to evaluate coffee phenological stages is proposed based on images of twelve stages, considering lot for reproductive period, from dormant buds up to dry beans (harvest). During the growing season 2001/02 the scale was used for different coffee cultivars in field trials located at Campinas and Mococa, São Paulo State, Brazil. The scale showed to be useful to relate meteorological variation and crop yield, development and maturation period for the different evaluated cultivars.

Key words: Coffea arabica L., phenology, maturation.


 

 

Introdução

O ciclo fenológico dos cafeeiros da espécie Coffea arabica L. apresenta uma sucessão de fases vegetativas e reprodutivas que ocorrem em aproximadamente dois anos, diferentemente da maioria das plantas que emitem as inflorescências na primavera e frutificam no mesmo ano fenológico (Camargo, 1985).

Camargo e Camargo (2001) subdividem o ciclo fenológico do cafeeiro, para as condições climáticas tropicais do Brasil, em seis fases distintas que envolvem os dois ciclos fenológicos: 1) vegetação e formação das gemas foliares; 2) indução e maturação das gemas florais; 3) florada; 4) granação dos frutos; 5) maturação dos frutos e 6) repouso e senescência dos ramos terciários e quaternários.

No primeiro ano fenológico, formam-se os ramos vegetativos, com gemas axilares nos nós, que depois são induzidas a se transformarem em gemas reprodutivas (Gouveia, 1984). Posteriormente, essas gemas florais amadurecem, entram em dormência e se tornam aptas para a antese, causada principalmente por chuva ou irrigação (Camargo,1985). O segundo ano fenológico inicia-se com a florada, seguida pela formação dos chumbinhos e expansão dos grãos, até seu tamanho normal. Depois, ocorre a granação dos frutos e a fase de maturação (Camargo e Camargo, 2001).

Trabalhos realizados em Campinas (Sondahl e Sharp, 1979) e em Chinchiná, Colômbia (Gomez-Gomez, 1977) estabelecem que os frutos do cafeeiro arábica amadurecem por volta da 32.ª semana após a antese. Porém, o tempo necessário para a completa maturação é influenciado por condições climáticas (Kumar, 1979) e pela constituição genética do cafeeiro (Sondahl e Sharp, 1979).

Nessa sucessão de fases vegetativas e reprodutivas, o cafeeiro passa por estádios fenológicos que determinam fases importantes na formação da produção das plantas e sendo bem caracterizados, podem auxiliar em pesquisas relativas a estimativas de safra, previsão de época de maturação, controle fitossanitário e programa de melhoramento do cafeeiro. O objetivo deste trabalho foi desenvolver uma escala de desenvolvimento fenológico da fase reprodutiva, variando de 0 a 11 pontos, com base em fotografias de cada fase, visando facilitar a identificação qualitativa e quantitativa do ciclo fenológico do cafeeiro.

 

Material e Métodos

No período de 2000/2001, desenvolveu-se a escala fenológica por meio de observações realizadas em cafeeiros da cultivar Mundo Novo de C. arabica L., localizados no Centro Experimental Central, do Instituto Agronômico (IAC), em Campinas (SP).

Para o estudo, foram consideradas fases, ou seja, os períodos significativos no decorrer do ciclo fenológico do cafeeiro, sendo perfeitamente identificáveis por alterações morfológicas nas plantas. Foram feitas fotografias para a identificação de 12 estádios fenológicos, principalmente para o período reprodutivo (após o repouso das gemas).

Na safra de 2001/2002, a escala foi utilizada, como exemplo de aplicação, em diferentes cultivares de café: Mundo Novo, Acaiá, Catuaí Vermelho, Catuaí Amarelo e Obatã, em experimentos localizados no Centro Experimental Central, do Instituto Agronômico, em Campinas (SP), a 22º 54' S, 47º 05' W, altitude 674 m e no Polo de Desenvolvimento do Nordeste Paulista (APTA/SAA), em Mococa, SP (21º 28' S, 47º 01' W, altitude 665 m).

Em cada cultivar foram marcados aleatoriamente 10 ramos plagiotrópicos (produtivos), com a mesma exposição Norte e notas de desenvolvimento fenológico foram atribuídas em intervalos semanais e/ou quinzenais.

Para avaliar a disponibilidade hídrica do solo nos dois locais, no ano agrícola 2001/2002, empregou-se o modelo do balanço hídrico seqüencial proposto por Thornthwaite e Mather (1955), em nível decendial, com capacidade de água disponível de 100 mm.

O cafeeiro pode apresentar diversas floradas dependendo de fatores ambientais que ocorrem no ano agrícola (Gouveia, 1984). Assim, nos ramos marcados, para se ter certeza que as notas de desenvolvimento fenológico foram obtidas em frutos oriundos da florada principal, as gemas florais, chumbinhos e flores anormais existentes após sua ocorrência foram removidos.

 

Resultados e Discussão

Desenvolvimento da escala fenológica

A figura 1 apresenta as fotografias que compõem a escala de notas para avaliar os estádios fenológicos do cafeeiro arábica.

Após o período de repouso das gemas dormentes nos nós dos ramos plagiotrópicos (0) ocorre aumento substancial do potencial hídrico nas gemas florais maduras, devido, principalmente, à ocorrência de um "choque" hídrico provocado por chuva ou irrigação. Nesse estádio, as gemas entumecem (1) e os botões florais crescem devido à grande mobilização de água e nutrientes (2), estendem-se até a abertura das flores (3), e posterior queda das pétalas (4).

Após a fecundação, principia a formação dos frutos, fase denominada "chumbinho" (5), quando os frutos não apresentam crescimento visível. Posteriormente, os frutos se expandem (6) rapidamente. Atingindo seu crescimento máximo, ocorre a formação do endosperma, que segue a fase de grão verde (7), com a granação dos frutos. Para a diferenciar o fim da fase 6 e início da 7 é necessário realizar um corte transversal em alguns frutos para se verificar o início do endurecimento do endosperma (Figura 1). A partir da fase "verde cana" (8) que caracteriza o início da maturação, os frutos começam a mudar de cor (verde para amarelo), evoluindo até o estádio "cereja" (9), e já se pode diferenciar a cultivar de fruto amarelo ou vermelho. A seguir, os frutos começam a secar (10) até atingir o estádio "seco" (11).

Desenvolvimento fenológico na safra 2001-2002

As notas de desenvolvimento fenológico foram atribuídas durante a safra de 2001-2002 em ramos marcados, tendo sido utilizada a nota com maior repetitividade na amostragem (moda).

Na figura 2, são apresentadas as notas de desenvolvimento fenológico das cultivares Mundo Novo IAC 388-17 (Figura 2A), Catuaí Vermelho IAC 144 (Figura 2B) e IAC Obatã (Figura 2C) durante o ano agrícola 2001/2002, em Campinas.

Observando o extrato do balanço hídrico, com capacidade de água disponível (CAD) de 100 mm, para o ano agrícola em questão (Figura 3), a ocorrência de chuvas, com total de 28 mm verificada no 3º decêndio de agosto de 2001, promoveu a quebra de dormência das gemas, resultando em florescimento no início de setembro de 2001, nas três cultivares estudadas. Camargo (1985) estabelece que a ocorrência de chuvas, a partir de agosto promove, nas condições de cultivo no Brasil, quebra de dormência das gemas.

A partir do desenvolvimento da fase "chumbinho", as cultivares apresentaram diferenças em seu ciclo fenológico. A maturação (ocorrida na fase cereja) foi atingida com diferentes comprimentos do ciclo, dependendo da cultivar, tendo sido a cv. Mundo Novo a mais precoce e a Obatã a mais tardia.

A figura 4 apresenta as notas de desenvolvimento fenológico das cultivares Acaiá IAC 474-46 (Figura 2A), Catuaí Amarelo IAC 62 (Figura 2B) e IAC Obatã (Figura 2C) durante o ano agrícola 2001/2002, em Mococa, e a figura 5 mostra o extrato do balanço hídrico, com CAD de 100 mm.

Pela figura 5, pode-se notar que a chuva ocorrida em agosto de 2001, em Mococa (17 mm) não foi suficiente para induzir o florescimento nas diferentes cultivares, fato que só se verificou no fim de setembro, após a ocorrência de 68 mm de chuva, no segundo decêndio do mesmo mês.

A duração do período de desenvolvimento dos frutos das cultivares em Mococa, assim como ocorrido em Campinas, foi diferente, tendo sido a cultivar Acaiá a mais precoce e a Obatã a mais tardia.

A diferença no tempo de maturação da cv. IAC Obatã entre Mococa e Campinas pode ter sido ocasionada pelas altas temperaturas, ocorridas em Mococa a partir de fevereiro de 2002 (dados não presentes), e pela deficiência hídrica a partir de março do mesmo ano (figura 5).

Geralmente, o cafeeiro arábica, em vista das condições climáticas, apresenta florescimentos sucessivos (Gouveia, 1984). Entretanto, segundo Camargo e Camargo (2001), quando ocorre deficiência hídrica acentuada, no período de repouso das gemas, a florada principal é bem definida. Nas avaliações efetuadas, observou-se a ocorrência de elevados valores de deficiência hídrica, tanto em Campinas quanto em Mococa, durante o período de inverno de 2001 (Figuras 3 e 5), induzindo os cafeeiros a apresentarem uma florada principal. Daí cabe ressaltar o objetivo do estudo em questão no qual a escala proposta poderá será utilizada para a separação das diversas floradas existentes em cada ano agrícola.

O tempo necessário para a maturação depende das condições climáticas ocorridas (Kumar, 1979), além da constituição genética do cafeeiro (Sondahl e Sharp, 1979). Portanto, a escala de desenvolvimento fenológico vai servir de subsídio para o desenvolvimento de pesquisas que buscam identificar as variáveis climáticas relacionadas com o desenvolvimento, expansão e maturação dos frutos para as diferentes cultivares de café arábica, nas várias regiões de cultivo.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CAMARGO, A.P. Florescimento e frutificação do café arábica nas diferentes regiões cafeeiras do Brasil. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.20, n.7, p.831-839, 1985.         [ Links ]

CAMARGO, A.P.; CAMARGO, M.B.P. Definição e esquematização das fases fenológicas do cafeeiro arábica nas condições tropicais do Brasil. Bragantia, Campinas, v. 60, n. 1, p. 65-68, 2001.         [ Links ]

GOMEZ-GOMEZ, L. Influência de los factores climáticos sobre la periodicidad de crecimiento del cafeto. Cenicafé, Chinchiná, v.28, n.1, p.3-17, 1977         [ Links ]

GOUVEIA, N.M. Estudo da diferenciação e crescimento das gemas florais de Coffea arabica L.: observações sobre antese e maturação dos frutos. 1984. 237 f. Dissertação (Mestrado em Biologia) – Instituto de Biologia, UNICAMP, Campinas.         [ Links ]

KUMAR, D. Some aspects of the physiology of Coffea arabica L. A review. Kenya Coffee, Nairobi, v.44, n.519, p.9-47, 1979.         [ Links ]

SONDAHL, M.R.; SHARP, W.R. Research in Coffea spp. and applications of tissue culture methods. In: PADDOCK, E.F.; RAGHAVAN, V. (Eds.). Plant cell and Tissue Culture: Principles and Applications. Columbus: Ohio State University Press, 1979. p.527-584.         [ Links ]

THORNTHWAITE, C.W.; MATHER, J.R. The water balance. New Jersey: Drexel Institute of Technology, 1955. 104p. (Publications in Climatology) .        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 28 de novembro de 2002 e aceito em 12 de agosto de 2003.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License