SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.64 issue3Transmission of leprosis virus from hedge rows, windbreaks and weeds to orange trees via Brevipalpus phoenicis (Geijskes)Correlation among the Colletotrichum spp. incidence with some coffee agronomic traits author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Bragantia

On-line version ISSN 1678-4499

Bragantia vol.64 no.3 Campinas  2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0006-87052005000300012 

FITOSSANIDADE

 

Avaliação de danos de insetos e de severidade de oídio em genótipos de soja

 

Evaluation of insect damage and powdery mildew severity in soybean genotypes

 

 

André Luiz LourençãoI, II; Nelson Raimundo BragaI; Manoel Albino Coelho de MirandaI; Paulo César RecoI; Cristina Gomes Quevedo FugiI; José Carlos Vila Nova Alves PereiraI

IInstituto Agronômico (IAC), Caixa Postal 28, 13001-970 Campinas (SP)
IICom bolsa de produtividade científica do CNPq

 

 


RESUMO

Avaliou-se o desempenho de 24 linhagens de soja do programa de melhoramento do Instituto Agronômico (IAC) em experimentos de campo em relação ao ataque de insetos e à incidência de oídio. Três experimentos, um para cada ciclo (precoce, semiprecoce e médio) foram instalados nas unidades experimentais de Assis (anos agrícolas 2001/2002 e 2002/2003) e de Ribeirão Preto (2001/2002). Para os três experimentos, o delineamento utilizado foi o de blocos ao acaso, com dez tratamentos e seis repetições. As injúrias foliares causadas por lagartas de Anticarsia gemmatalis Hübner foram estimadas visualmente, atribuindo-se uma porcentagem de desfolha à parcela inteira. Os danos de percevejos [Piezodorus guildinii (West.) e Euschistus heros (F.)] foram avaliados através da porcentagem de retenção foliar atribuída à parcela inteira e por meio da massa de grãos comerciáveis. A severidade de oídio (Microsphaera diffusa Cke. Pk.) foi estimada mediante escala de notas de 1 a 5, de acordo com a intensidade dos sintomas. Considerando-se os resultados das duas localidades, entre o germoplasma de ciclo precoce destaca-se a linhagem IAC 98-4307, com baixa retenção foliar e maior produtividade em presença de percevejos. No grupo de ciclo semiprecoce, observa-se que na linhagem IAC 98-2814 não há retenção foliar, porém, maior produtividade, caracterizando-se como resistente a percevejos, embora seja o genótipo mais desfolhado por lagartas e com maiores sintomas de oídio. Entre os genótipos de ciclo médio, IAC 98-2856 tem produtividade superior em presença de altas ou baixas infestações de percevejos, indicando possuir resistência do tipo tolerância, embora apresente retenção foliar sob baixa pressão de percevejos.

Palavras-chave: Glycine max, resistência de plantas a insetos, Pentatomidae, Anticarsia gemmatalis, Microsphaera diffusa.


ABSTRACT

Performance of 24 soybean lines from the breeding program of Instituto Agronômico (IAC) was evaluated under field conditions, as to attack of insects and incidence of powdery mildew. Three experiments, one for each maturity group (early-110, intermediate-120, and late-135 days), were carried out at the Experimental Station of Assis (2001/2002 and 2002/2003 growing seasons) and Experimental Station of Ribeirão Preto (2001/2002), both located in the State of São Paulo, Brazil. For all experiments, with ten treatments and six replicates, in randomized block design was adopted. Defoliation damage caused by Anticarsia gemmatalis Hübn. caterpillars was estimated visually, by the percentage of eaten leaf area (PAFC). Stink bugs [Piezodorus guildiniii (West.) and Euschistus heros (F.)] damage was evaluated by two criteria: percentage of foliar retention (PRF) and yield. The severity of powdery mildew (Microsphaera diffusa Cke. Pk.) was evaluated using a scale from 1 (no symptom) to 5 (more than 50% of leaves with symptoms). Considering the results of both locations, among the early maturity genotypes (110 days), the line IAC 98-4307 could be distinguished for the higher grain yield and low PRF under stink bug infestations. Regarding the genotypes of 120-day maturity group, the line IAC 98-2814 does not show foliar retention and presents higher grain yield, proving to be resistant to stink bugs; however this line is the most defoliated by caterpillars and presents more intense powdery mildew symptoms. Among the genotypes of 135-day maturity group, higher grain yield was observed in IAC 98-2856 under high or low stink bugs infestations, indicating tolerance to these insects, although it shows foliar retention under low stink bug infestation.

Key words: Glycine max, host plant resistance, Pentatomidae, Anticarsia gemmatalis, Microsphaera diffusa.


 

 

1. INTRODUÇÃO

A criação e o desenvolvimento de um programa de manejo integrado de pragas (MIP) da soja no Brasil (PANIZZI et al., 1977) constituem um marco na história fitossanitária da cultura. Experimentos desenvolvidos na década de 70 em regiões produtoras dos Estados do Paraná e Rio Grande do Sul permitiram que se estabelecessem as bases desse manejo (KOGAN et al., 1977). Assim, a soja é hoje uma das culturas em que o MIP é muito difundido entre os produtores, contribuindo para o uso mais racional de inseticidas, o que diminui os custos de produção, com benefícios para o consumidor e para o meio ambiente.

Integrando-se de forma harmônica com MIP, o uso de cultivares resistentes é considerado o método ideal de controle, tanto de pragas como de doenças. No caso da soja, os percevejos fitófagos da família Pentatomidae e os insetos desfolhadores (lagartas das espécies Anticarsia gemmatalis Hübner e Pseudoplusia includens (Walker) e coleópteros da família Chrysomelidae) constituem os principais grupos de pragas da cultura (HOFFMANN-CAMPO et al., 2000). Entre as doenças, o oídio (Microsphaera diffusa Cke. Pk.) passou a ser bastante comum em lavouras dessa leguminosa a partir da safra 1996/97, quando foram observadas incidências generalizadas em diversas cultivares nas principais regiões produtoras do País (EMBRAPA, 2003).

O uso de cultivares resistentes a esses agentes biológicos pode, isolada ou principalmente em conjunto com o MIP, reduzir a aplicação de defensivos na cultura da soja. Embora dependentes de infestações naturais de insetos, experimentos de campo para avaliação da resistência de genótipos de soja, abrangendo a identificação de fontes de resistência ou seleção de linhagens avançadas, têm sido desenvolvidos e direcionados a diferentes espécies de insetos (SIJ et al., 1999; HAMMOND et al., 2001; MEBRAHTU et al., 2002). Assim, o objetivo do presente trabalho foi avaliar, em condições de campo, o desempenho de linhagens de soja do programa de melhoramento do Instituto Agronômico (IAC) em relação ao ataque de lagartas e percevejos e à incidência de oídio.

 

2. MATERIAL E MÉTODOS

Três experimentos, um para cada ciclo (precoce, semiprecoce e médio), foram instalados nas unidades experimentais de Assis, nos anos agrícolas de 2001/2002 e 2002/2003, e de Ribeirão Preto, em 2001/2002. Em Assis, a área experimental foi a mesma nos dois anos agrícolas. Nas duas localidades, os três experimentos foram dispostos de forma adjacente.

2.1 Germoplasma de ciclo precoce

Foram avaliadas oito linhagens da série IAC-98 e as cultivares IAC-17, controle resistente a insetos (LOURENÇÃO et al., 2000), e IAC-22, padrão de produtividade (LOURENÇÃO et al., 2002) (Tabela 1). Quatro linhagens foram originárias de IAC-17 e uma (IAC 98-4106) tem a IAC 78-2318, portadora de resistência múltipla a insetos, em sua genealogia. O mesmo experimento para esse grupo de genótipos foi instalado em Assis, com semeadura em 20/11/2001 e em 27/11/2002, e em Ribeirão Preto, com semeadura em 13/12/2001. O delineamento utilizado foi o de blocos ao acaso, com dez tratamentos e seis repetições. Cada parcela constou de quatro linhas de 5m, espaçadas 0,5 m entre si. A adubação foi realizada no sulco de plantio, de acordo com recomendações para essa cultura (RAIJ et al., 1997), com base em análises de fertilidade do solo. Em Assis, utilizou-se a fórmula 0-20-20 em 2001/2002, passando-se para 4-20-20 no segundo ano agrícola, na base de 300 kg ha-1.

 

 

Em Ribeirão Preto, foi usada a fórmula 0-20-20, também na base de 300 kg ha-1. Durante todo o ciclo das plantas não foram realizadas aplicações de defensivos. Do início do florescimento das plantas até a completa maturação das vagens, realizaram-se semanalmente levantamentos populacionais de percevejos pentatomídeos mediante uso do método do pano-de-batida (HOFFMANN-CAMPO et al., 2000), amostrando-se quatro pontos aleatoriamente dentro do experimento.

2.2 Germoplasma de ciclo semiprecoce

Para esse experimento, foram utilizadas oito linhagens da série IAC-98 e as cultivares IAC-100, controle resistente a insetos (ROSSETTO, 1989), e IAC-15-2, padrão de produtividade (LOURENÇÃO et al., 2002) (Tabela 1). A linhagem D-72-9601-1, selecionada nos EUA para resistência a P. includens e que também mostrou resistência a A. gemmatalis no Estado de São Paulo (REZENDE et al., 1980), está presente na genealogia de todas as linhagens IAC. Datas de instalação, delineamento experimental, desenvolvimento e levantamentos populacionais de percevejos foram idênticos aos utilizados no experimento de ciclo precoce.'

2.3. Germoplasma de ciclo médio

Oito linhagens da série IAC-98 foram avaliadas, juntamente com a linhagem IAC 78-2318, controle resistente (LOURENÇÃO e MIRANDA, 1987), e a cultivar Conquista, plantada em grandes áreas do Estado de São Paulo e representando o padrão de produtividade (LOURENÇÃO et al., 2004) (Tabela 1). A exemplo dos dois grupos anteriores, a linhagem D 72-9601-01 também está presente na genealogia de todas as linhagens IAC. Delineamento experimental e demais procedimentos de instalação e condução foram idênticos aos anteriores.

2.4 Avaliação de danos de insetos e de incidência de oídio

As injúrias foliares causadas por lagartas foram estimadas visualmente, atribuindo-se uma porcentagem de área foliar cortada (PAFC) à parcela. Estimativas visuais têm sido consideradas como um método acurado e rápido para avaliação de desfolha em soja (BOWERS et al., 1999). Os danos de percevejos foram avaliados indiretamente, através de porcentagem de retenção foliar (PRF), atribuída também à parcela inteira, e diretamente por meio da massa de grãos comerciáveis tipos 1 e 2, segundo JENSEN e NEWSOM (1972), das duas linhas centrais de cada parcela (g 8 m-1), em que foram excluídos 0,5 m iniciais de cada linha. A severidade de oídio foi estimada por três avaliadores de forma independente em cada parcela, mediante uma escala de notas variando de 1 a 5, onde 1 = ausência de sintomas foliares; 2 = até 10% de folhas com sintomas; 3 = de 11% a 25%; 4 = de 26% a 50%, e 5 = mais de 50%.

2.5 Análises estatísticas

Os valores de PAFC e PRF foram transformados em arco seno e os de produtividade e de nota de oídio analisados sem transformação. Foram efetuadas análises de variância por ano e conjunta, sendo as médias comparadas pelo teste de Tukey (P = 0,05).

 

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

3.1 Germoplasma de ciclo precoce

Em 2001/2002, em Ribeirão Preto, houve baixa infestação de lagartas de A. gemmatalis na área experimental, quando as plantas encontravam-se no estádio R5, de acordo com a escala de FEHR e CAVINESS (1977). As porcentagens médias de desfolha oscilaram entre 8,3 ('IAC-17') e 14,2% ('IAC-22', IAC 98-4345 e IAC 98-2865), não sendo detectadas diferenças entre os tratamentos (Tabela 2). Com níveis de desfolha semelhantes, verificados em experimento de campo desenvolvido em 1998/99, LOURENÇÃO et al. (2002) também não observaram diferenças entre 'IAC-17' e 'IAC-22' com relação à alimentação de A. gemmatalis; todavia, observou-se nessas duas cultivares comportamento diferenciado perante infestações de outro grupo de insetos desfolhadores, os crisomelídeos, em experimentos realizados em Tarumã e Ribeirão Preto, com desfolha significativamente inferior em 'IAC-17' (LOURENÇÃO et al., 2002; 2004). Em Assis, nos dois anos agrícolas, as infestações tanto de lagartas como de crisomelídeos foram baixas, não permitindo discriminação de resistência no germoplasma estudado.

 

 

Com relação a percevejos, as infestações em Ribeirão Preto flutuaram abaixo do nível de dano econômico (NDE) durante toda a fase reprodutiva das plantas. Assim, os valores médios de PRF para as linhagens e cultivares foram baixos, variando de 0,8 (IAC 98-2846) a 6,7% ('IAC-22'), e não diferiram entre si (Tabela 2). Da mesma forma, a produtividade também não diferiu entre os tratamentos, alcançando médias de 1040 (IAC 98-4307) a 1212 g 8m-1 ('IAC 22').

Em Assis, as populações de percevejos constituíram-se quase em sua totalidade das espécies Piezodorus guildinii (West.) e Euschistus heros (F.). No primeiro ano agrícola, as proporções entre essas espécies foram equivalentes (44% e 56% respectivamente); já em 2002/2003, houve predominância de P. guildinii, com 85% entre os percevejos amostrados. Nos dois anos agrícolas, as populações de percevejos ultrapassaram o NDE quando as plantas atingiram o estádio R5. Em 2001/2002, não houve retenção foliar em plantas de 'IAC-17' (0,0%), enquanto as mais altas médias foram observadas em 'IAC-22' e IAC 98-4345, ambas com 21,7% (Tabela 3).

 

 

A ausência de retenção foliar em 'IAC-17' confirma resultados anteriores obtidos para essa cultivar (LOURENÇÃO et al., 2002; 2004). Também com baixos valores de PRF podem ser destacadas as linhagens IAC 98-4307, IAC 98-4253, IAC 98-2727, IAC 98-4269 e IAC 98-4106.

Quanto à produtividade, o segundo critério utilizado para avaliação da ação dos percevejos, a interação ano-tratamento não foi significativa, podendo-se considerar como semelhante o desempenho das cultivares e linhagens nos dois anos agrícolas. Assim, analisando-se a média, verifica-se a maior produtividade de IAC 98-4307 (1.394 g 8m-1), que diferiu de IAC 98-4253 e 'IAC-17', com respectivamente 1.055 e 1.037 g 8m-1. Merece destaque o nível de infestação de percevejos em 2002/2003, extremamente elevado logo após a ultrapassagem do NDE, alcançando médias ao redor de 30 percevejos/2m linha (Figura 1), o que acarretou reflexos diretos na produtividade dos tratamentos nesse ano agrícola (Tabela 3).

 

 

Em 2001/2002, na área experimental de Ribeirão Preto, houve incidência de oídio nas plantas durante o estádio R3. Não foram verificadas diferenças na avaliação de sintomas entre os tratamentos, embora em valores absolutos tenha se observado tendência de as plantas de IAC 98-4253 mostrarem sintomas mais intensos (Tabela 2).

3.2 Germoplasma de ciclo semiprecoce

A infestação de A. gemmatalis em Ribeirão Preto (2001/2002) ocorreu quando as plantas estavam no estádio R4. 'IAC-100', cultivar desenvolvida pelo programa de melhoramento de soja do IAC para resistência a percevejos e desfolhadores (ROSSETTO, 1989), obteve a menor PAFC (5,0%) (Tabela 4), ratificando resultados de menor desfolha por essa lagarta em experimentos de campo realizados em anos anteriores (LOURENÇÃO et al., 2000; 2002; 2004). O maior valor médio de PAFC foi da linhagem IAC 98-2814, com 15,0%, ficando os demais tratamentos em posições intermediárias. 'IAC 15-2', com 7,5%, não diferiu de 'IAC-100', confirmando observações de campo obtidas em Ribeirão Preto e Tarumã, em 1998/99, em que essas duas cultivares também não diferiram em relação à desfolha causada por A. gemmatalis (LOURENÇÃO et al., 2002).

 

 

Em Assis, a exemplo do experimento de germoplasma de ciclo precoce, as infestações de insetos desfolhadores foram baixas nos dois anos agrícolas, não sendo feitas avaliações de desfolha.

Embora as infestações de percevejos na área experimental de Ribeirão Preto em 2001/2002 tenham sido baixas, não atingindo o NDE até a colheita das plantas, os valores de PRF para germoplasma de ciclo semiprecoce foram mais elevados que os obtidos para germoplasma de ciclo precoce (Tabelas 2 e 4). A menor média foi de IAC 98-4115, com 1,7%, e as maiores de 'IAC-100' e IAC 98-2735, com respectivamente 23,3 e 22,5% de PRF (Tabela 4). Também com baixos valores e sem diferir de IAC 98-4115, podem ser destacadas as linhagens IAC 98-4126 (6,7%), IAC 98-4388 (7,5%), IAC 98-2814 (8,3%) e IAC 98-2174 (10,8%). A produtividade variou de 1.041 ('IAC 15-2') a 1.204g 8m-1 (IAC 98-2174) e não diferiu entre os tratamentos.

Em Assis, o NDE foi atingido durante o estádio R5 nos dois anos agrícolas (Figura 1). Em 2001/2002, as linhagens IAC 98-2814 (0,0%), IAC 98-2735 (1,7%), IAC 98-2074 (1,7%) e IAC 98-4126 (5,8%) exibiram as menores médias de PRF, diferindo de IAC 98-2174 (31,7%), IAC 98-4388 (30,0%), 'IAC-100' (21,7%), 'IAC 15-2' (16,7%) e IAC 98-4115 (16,7%) (Tabela 5). Para produtividade, não houve interação ano-tratamento, podendo ser utilizada a média dos dois anos agrícolas para interpretação dos resultados. Todavia, devem ser novamente ressaltadas as maiores populações de percevejos em 2002/2003 (Figura 1), o que provocou diminuição significativa da produtividade nesse ano (Tabela 5). Com base na média, verifica-se extenso gradiente de valores, variando de 1.114 a 682 g 8m-1, tendo melhores desempenhos IAC 98-2814, (1.114), IAC 98-4406 (1.080) e IAC 98-2735 (1.014), enquanto as mais baixas médias foram de IAC 98-4388 (682), IAC 98-4115 (707) e IAC 98-4126 (709).

 

 

Com incidência de oídio apenas em Ribeirão Preto, em 2001/2002, a avaliação de sintomas permitiu a discriminação da resistência do germoplasma estudado em relação a essa doença (Tabela 4). Dessa forma, a menor nota, 1,2, foi atribuída a 'IAC-15-2', diferindo de IAC 98-4406, com nota 3,3, e de IAC 98-2814, com nota 2,7, linhagens mais suscetíveis a oídio.

3.3 Germoplasma de ciclo médio

A exemplo do experimento de ciclo semiprecoce, a infestação de A. gemmatalis ocorrida em Ribeirão Preto, no estádio R4 de desenvolvimento das plantas, também possibilitou a separação dos tratamentos pertencentes ao ciclo médio quanto à resistência a essa lagarta (Tabela 6). Verificou-se na linhagem IAC 98-2065, juntamente com o controle resistente, a linhagem IAC 78-2318, a menor desfolha (5,0%), diferindo significativamente de 'Conquista', a de maior PAFC, com 15% de desfolha, e de IAC 98-4270 e IAC 98-2856, ambas com 10%.

 

 

Enfocando-se os percevejos, as infestações foram baixas em Ribeirão Preto em 2001/2002 e não atingiram o NDE, embora os valores médios de PRF tenham sido elevados (Tabela 6). As menores médias foram das linhagens IAC 98-2851 (1,7%) e de IAC 78-2318 (5,8%), que diferiram da cultivar Conquista, com média de 43,3%. Nessa localidade, a linhagem IAC 98-4270 foi a mais produtiva, com 1.346 g 8m-1, enquanto os menores valores foram de IAC 98-2855 (904), IAC 98-4338 (1068), 'Conquista' (1.071) e IAC 98-2065 (1.100). Em Assis, as populações de percevejos flutuaram acima do NDE, a partir de R5, tanto em 2001/2002 como em 2002/2003 (Figura 1). Da mesma forma que se observou, para Ribeirão Preto, na linhagem IAC 78-2318 (0,3%) e a cultivar Conquista (10,8%), respectivamente, a menor e a maior PRF (Tabela 7).

 

 

Com relação à produtividade, verifica-se novamente o efeito negativo da maior população de percevejos em 2002/2003, com média significativamente inferior nesse ano agrícola. Também não foi significativa a interação ano-tratamento para os experimentos desse grupo de maturação. Considerando-se a média, destaca-se como a mais produtiva a linhagem IAC 98-2856, com 1.144 g 8m-1, diferindo de todos os outros tratamentos.

A avaliação de sintomas de oídio, realizada em Ribeirão Preto em 2001/2002, não permitiu a discriminação do germoplasma. O gradiente não foi amplo, tendo as notas médias variado de 1,3 (IAC 98-2065) a 2,2 (IAC 98-4270 e IAC 98-2856) (Tabela 6).

A ocorrência de retenção foliar pode ser devida a outros fatores, além do ataque de percevejos (EMBRAPA, 2003; LOURENÇÃO et al., 2002; 2004). No presente trabalho, em Ribeirão Preto, verificaram-se níveis proporcionalmente altos de PRF quando comparados a infestações baixas de percevejos, que não alcançaram o NDE nessa localidade. Assim, é provável que fatores climáticos em períodos críticos de desenvolvimento das plantas possam ter contribuído para a elevação da retenção foliar naquela localidade, uma vez que SOSA-GOMEZ e MOSCARDI (1995) associaram a seca no florescimento e/ou no período de desenvolvimento das vagens e o excesso de umidade no período de maturação à ocorrência dessa desordem fisiológica. Da mesma forma, também é provável que, em 'IAC-100', genótipo considerado resistente a percevejos, as altas taxas de retenção foliar verificadas tanto em Ribeirão Preto como em Assis sejam devidas a ocorrências climáticas dessas naturezas nesses períodos críticos de desenvolvimento das plantas de soja.

Considerando-se todos os experimentos das duas localidades, verifica-se que, dentre o germoplasma de ciclo precoce, a linhagem IAC 98-4307 mostra baixa retenção foliar e boa produtividade em presença de percevejos.

No grupo de ciclo semiprecoce, destaca-se a linhagem IAC 98-2814, com ausência de retenção foliar e boa produtividade, demonstrando possuir resistência a percevejos, embora tenha sido o material mais desfolhado por A. gemmatalis e também tenha mostrado maiores sintomas de oídio. Entre os genótipos de ciclo médio, IAC 98-2856 exibe produtividade superior em presença de altas ou baixas infestações de percevejos, indicando possuir resistência do tipo tolerância, embora apresente retenção foliar sob baixa pressão de percevejos.

Com por base na importância dos percevejos como principal grupo de pragas da cultura da soja, seria de interesse o desenvolvimento de novos experimentos regionais envolvendo essas três linhagens, para melhor caracterização de seus perfis agronômicos bem como para avaliação de resistência a outros insetos e doenças.

 

AGRADECIMENTOS

Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), pela bolsa de produtividade em pesquisa concedida ao primeiro autor e ao Sr. Silvio Roberto Nascimento pelo apoio técnico de campo.

 

REFERÊNCIAS

BOWERS, G.R.; KENTY, M.M.; WAY, M.O.; FUNDERBURK, J.E.; STRAYEB, J.R. Comparison of three methods for estimating defoliation in soybean breeding programs. Agronomy Journal, Madison, v. 91, p. 242-247, 1999.        [ Links ]

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Tecnologias de produção de soja – Região Central do Brasil – 2004. Londrina: Embrapa Soja, 2003. 237p. (Sistemas de Produção, 4).        [ Links ]

FEHR, W. R.; CAVINESS, C. E. Stages of soybean development. AMES: Iowa State University – Cooperative Extension Service, 1977. 12 p. (Special Report, 80)        [ Links ]

HAMMOND, R. B.; BIERMAN, P.; LEVINE, E.; COOPER, R.L. Field resistance of two soybean germaplasm lines, HC95-15MB and HC95-24MB, against bean leaf beetle (Coleoptera: Chrysomelidae), western corn rootworm (Coleoptera: Chrysomelidae), and Japanese beetles (Coleoptera: Scarabaeidae). Journal of Economic Entomology, Lanhan, v. 94, p. 1594-1601, 2001.        [ Links ]

HOFFMANN-CAMPO, C.B.; MOSCARDI, F.; CORRÊA-FERREIRA, B.S.; OLIVEIRA, L.J.; SOSA-GOMEZ, D.R.; PANIZZI, A.R.; CORSO, I.C.; GAZZONI, D.L.; OLIVEIRA, E.B. Pragas da soja no Brasil e seu manejo integrado. Londrina: Embrapa Soja, 2000. 70 p. (Circular Técnica/ Embrapa Soja, ISSN 1516-7860, nº. 30)        [ Links ]

JENSEN, R.L.; NEWSOM, L.D. Effect of stink-bug-damaged soybean seeds on germination, emergence and yield. Journal of Economic Entomology, Lanhan, v. 65, p. 261-264, 1972.        [ Links ]

KOGAN, M.; TURNIPSEED, S.; SHEPARD, M.; OLIVEIRA, E.B.; BORGO, A. Pilot insect pest management program for soybean in southern Brazil. Journal of Economic Entomology, Lanhan , v. 70, p. 659-663, 1977.        [ Links ]

LOURENÇÃO, A.L.; MIRANDA, M.A.C. Resistência de soja a insetos: VIII. IAC 78-2318, linhagem com resistência múltipla. Bragantia, Campinas, v. 46, p. 65-72, 1987.        [ Links ]

LOURENÇÃO, A.L.; PEREIRA, J.C.V.N.A.; MIRANDA, M.A.C.; AMBROSANO, G.M.B. Avaliação de danos causados por percevejos e por lagartas em genótipos de soja de ciclos precoce e semiprecoce. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 35, p. 879-886, 2000.        [ Links ]

LOURENÇÃO, A.L.; BRAGA, N.R.; MIRANDA, M.A.C.; VALLE, G.E.; PEREIRA, J.C.V.N.A.; RECO, P.C. Avaliação de danos de percevejos e de desfolhadores em genótipos de soja de ciclos precoce, semiprecoce e médio. Neotropical Entomology, Vacaria, v. 31, p. 623-630, 2002.        [ Links ]

LOURENÇÃO, A.L.; BRAGA, N.R.; MIRANDA, M.A.C.; RECO, P.C.; VALLE, G.E.; PEREIRA, J.C.V.N.A. Insect damage and powdery mildew severity in cultivars and lines of soybean. Scientia Agricola, Piracicaba, v. 61, p. 584-592, 2004.        [ Links ]

MEBRAHTU, T.; KRAMER, M.; ANDEBRHAN, T. Evaluation of soybean breeding lines for corn earworm antibiosis. Crop Science, Madison, v. 42, p. 1465-1470, 2002.        [ Links ]

PANIZZI, A.R.; CORREIA, B.S.; GAZZONI, D.L.; OLIVEIRA, E.B.; NEWMAN, G.G.; TURNIPSEED, S.G. Insetos da soja no Brasil. Londrina: Embrapa – CNPSo, 1977, 20p. (Boletim Técnico, 1).        [ Links ]

RAIJ, B.; CANTARELLA, H.; QUAGGIO, J. A.; FURLANI, A.M.C. Recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo. Campinas: Instituto Agronômico/ Fundação IAC, 1997. 285p. (Boletim Técnico, 100)        [ Links ]

REZENDE, J.A.M; MIRANDA, M.A.C.; MASCARENHAS, H.A.A. Comportamento de cultivares de soja em relação à área foliar comida por lagartas das folhas. Bragantia, Campinas, v. 39, p. 161-165, 1980.        [ Links ]

ROSSETTO, C.J. Breeding for resistance to stink bugs. In: CONFERENCIA MUNDIAL DE INVESTIGACION EM SOJA, 4., Buenos Aires, 1989. Actas… Buenos Aires: Orientación Gráfica Editora SRL, 1989. v. 4, p. 2046-2060.        [ Links ]

SIJ, J.W.; BOWERS, G.R.; WAY, M.O.; BOYKIN, D.L. Insect defoliation and population dynamics in blends of resistant and susceptible soybean cultivars. Agronomy Journal, Madison, v. 91, p. 82-87, 1999.        [ Links ]

SOSA-GOMEZ, D.R.; MOSCARDI, F. Retenção foliar diferencial em soja provocada por percevejos (Heteroptera: Pentatomidae). Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, Londrina, v. 24, p. 401-404, 1995.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 3 de novembro de 2004 e aceito em 15 de julho de 2005.