SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.65 issue2Adaptability and stability of soybean experimental lines selected for agronomic traits and insect resistance by uni-multivariate methodTolerance to heat stress in germinating wheat genotypes author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Bragantia

Print version ISSN 0006-8705On-line version ISSN 1678-4499

Bragantia vol.65 no.2 Campinas  2006

https://doi.org/10.1590/S0006-87052006000200005 

MELHORAMENTO GENÉTICO VEGETAL

 

Potencial de rendimento de grãos e outras características agronômicas e tecnológicas de novos genótipos de trigo1

 

Grain yield potencial and agronomic and technologic characteristics of new wheat genotypes

 

 

João Carlos FelícioI; Carlos Eduardo de Oliveira CamargoI; José Carlos Vila Nova Alves PereiraII; Rogério GermaniIII; Paulo Boller GalloIV; Jairo Lopes de CastroV; Antonio Wilson Penteado Ferreira FilhoI

ICentro de Análise e Pesquisa Tecnológica dos Agronegócios de Grãos e Fibras, Instituto Agronômico (IAC), Caixa Postal 28, 13001-970 Campinas (SP). Autor correspondente. E-mail: jfelicio@iac.sp.gov.br; ccamargo@iac.sp.gov.br; ferreira@iac.sp.gov.br
IIPólo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios do Centro Leste, APTA/DDD , Caixa Postal 271, 14001-970 Ribeirão Preto (SP)
IIIEmbrapa Alimentos. CEP 23020-470 Rio de Janeiro (RJ). E-mail: germani@ctaa.embrapa.br
IVPólo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios do Nordeste Paulista, APTA/DDD, Caixa Postal 58, 13730-970 Mococa (SP)
VPólo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios do Sudoeste Paulista, APTA/DDD, Caixa Postal 62, 18300-970 Capão Bonito (SP)

 

 


RESUMO

Estudou-se o comportamento de17 novos genótipos de trigo (Triticum aestivum L.) tendo como testemunha as cultivares IAC 370, IAC 289 e IAC 350 em experimentos semeados em dois sistemas de cultivo, sequeiro: Capão Bonito e Itapeva, e com irrigação por aspersão: Paranapanema, Ribeirão Preto e Mococa, no período de 2001 a 2002, no Estado de São Paulo. Avaliaram-se os rendimentos de grãos de cada genótipo em relação às diferentes condições de cultivo, tolerância ao alumínio com o emprego de soluções nutritivas, reação às principais doenças fúngicas e a qualidade tecnológica da farinha. Destacaram-se, na média geral, quanto ao rendimento de grãos os genótipos ALD/CEP76630//CEP73234/PF7219/3/BUC"S"/BYJ"S" e MARNG/BUC"S"//BLO"S" /PSN"S"/3/BUC/PVN"S", em cultivo de sequeiro e com irrigação por aspersão, respectivamente. Os genótipos CNO79/PRL"S'//IAC 227 e RAC 646/BH 1146 foram tão tolerantes à toxicidade de Al3+ quanto a cultivar tolerante BH 1146. A incidência da ferrugem-da-folha não foi constatada nos genótipos CHAT"S"/CEP7780//PRL"S"/ BOW"S'", SABUF, WG 3070/2*WEAVER e ALDAN"S"/IAS 58//IAC 60 que foram imunes à doença, no biênio em estudo, em ambos os sistemas de cultivo. Todos os genótipos foram suscetíveis aos agentes causais das manchas foliares. A qualidade tecnológica das amostras de farinhas procedentes de Capão Bonito, Região Sudoeste, foram superiores às obtidas em Ribeirão Preto, Região Central do Estado São Paulo.

Palavras-chave: trigo, novos genótipos, rendimento de grãos, tolerância ao alumínio, reação às doenças, qualidade tecnológica da farinha


ABSTRACT

Seventeen new wheat (Triticum aestivum L.) genotypes and the control cultivars IAC 370, IAC 289 and IAC 350 were evaluated in experiments carried out in two cultivation systems, upland: Capão Bonito and Itapeva, and with sprinkler irrigation: Paranapanema, Ribeirão Preto e Mococa, during the years of 2001 and 2002, in the State of São Paulo, Brazil. Grain yield of each genotype in both cultivation systems, aluminum tolerance in nutritious solutions, reaction to the main fungic diseases and the technologic flour quality were evaluated. The genotypes ALD/CEP76630 //CEP73234/PF7219/3/BUC"S"/BYJ"S" and MARNG/BUC"S"//BLO"S"/PSN"S"/3/ BUC/PVN"S" showed good performance in upland and sprinkler irrigation system, respectively. The genotypes CNO79/PRL"S'//IAC 227 and RAC 646/BH 1146 were as tolerant to Al3+ toxicity as the tolerant cultivar BH 1146. CHAT"S"/CEP7780//PRL"S"/BOW"S'", SABUF, WG 3070/2*WEAUER and ALDAN "S"/IAS 58//IAC 60 genotypes were immune to the causal agent of leaf rust in the considered years and in both cultivation systems. All genotypes were susceptible to the causal agents of leaf spots. The technologic quality of the flour samples originated from Capão Bonito, Southeast region was superior to the ones from Ribeirão Preto, Central region of the State of São Paulo.

Key words: wheat, new genotypes, grain yield, aluminum tolerance, reaction to diseases, flour technologic quality.


 

 

1. INTRODUÇÃO

A partir do início dos anos oitenta, foram geradas pelo programa de melhoramento do trigo do Instituto Agronômico (IAC), Campinas, SP as cultivares IAC 21-Iguaçu, IAC 22-Araguaia, IAC 23-Tocantins. IAC 24-Tucuruí, IAC 74-Guaporé, IAC 28-Paracanã, IAC 161-Taiamã, IAC 162-Tuiuiú, IAC 25-Pedrinhas, IAC 27-Pantaneiro e IAC 60-Centenário (FELICIO et al. 1983, 1984, 1985, 1988; CAMARGO e FELICIO, 1986).

FELICIO et al. (1992), avaliaram a produtividade de cultivares de trigo em duas diferentes regiões ecológicas paulistas, e concluíram que o regime hídrico das regiões foi importante para a produção de grãos: no Vale do Paranapanema (sequeiro), quando as chuvas foram bem distribuídas durante o ciclo contribuíram para o melhor desempenho da cultura; na Região Norte, a irrigação por aspersão, além de evitar a deficiência hídrica, propiciou rendimento elevado com baixos índices de doenças.

A tolerância ao crestamento, efeito primário da toxicidade de alumínio no trigo com paralisação do crescimento da raiz (KERRIDGE, 1969), não é segundo Moore et al. (1976), o único fator limitante em solos ácidos. Assim, os métodos de avaliação de plantas tolerantes e suscetíveis a determinado nível de alumínio com o emprego de soluções nutritivas podem tornar mais eficiente e precisa a separação dessas plantas em relação à tolerância ao alumínio (CAMARGO e OLIVEIRA, 1981).

Favorecidas por altas temperaturas e precipitações pluviais freqüentes, doenças como as ferrugens da folha e do colmo, induzidas respectivamente, por Puccinia triticina f.sp. tritici (Erikess) e P. graminis.f. sp. tritici (Herihs e Henn), a mancha da gluma induzida por Phaeosphaera nodorum, a mancha marrom, induzida por Cochliobolus sativus (Bipolaris sorokiniana), a giberela zeae (Fusarium graminearum), a brusone (Magnoporthe grisea), o carvão do trigo (Ustilago tritici), e, mais recentemente, a mancha bronzeada da folha de trigo vêm preocupando triticultores, exigindo a realização de diversas aplicações de fungicidas de acordo com PICININI e FERNANDES, (2000).

O conceito de qualidade, em relação aos grãos de trigo, está intimamente relacionado com o destino industrial da farinha a ser produzida. A qualidade de determinado tipo de trigo não pode ser avaliada com base em um único parâmetro ou propriedade. Ela não depende somente das características físico-químicas do grão, mas também do sistema de moagem utilizado para a produção da farinha, das características físicas da massa e do processamento empregado para a obtenção do produto final (MANDARINO, 1993).

Este trabalho teve como objetivo apresentar uma análise da tendência da produtividade dos genótipos de trigo, em ambientes de cultivo de sequeiro e com irrigação por aspersão, sua relação com tolerância à toxicidade de alumínio, as reações às doenças e a qualidade tecnológica da farinha.

 

2. MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi realizado no Estado de São Paulo, no período de 2001/2002, nas seguintes localidades: Pólo Regional de Desenvolvimento dos Agronegócios do Sudoeste Paulista, no município de Capão Bonito e na Fazenda Palmeira do Ricardo em Itapeva, Zona tritícola B, em cultivo do trigo de sequeiro; na Fazenda Siloca, em Paranapanema, Zona tritícola C, nos Pólos Regionais de Desenvolvimento dos Agronegócios do Centro Leste (Ribeirão Preto), Zona tritícola G e no do Nordeste Paulista (Mococa), Zona tritícola H, em cultivo com irrigação por aspersão. (INSTITUTO AGRONÔMICO, 1999).

Foram avaliados 17 novos genótipos de trigo e as cultivares IAC 289, IAC 350 e IAC 370 utilizadas para comparação das médias de rendimento de grãos, reações às doenças e qualidade tecnológica da farinha, descritos na Tabela 1. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos ao acaso, com quatro repetições. As semeaduras foram efetuadas sempre no primeiro decêndio de abril nas condições de sequeiro e no primeiro e segundo decêndio de maio com irrigação por aspersão. As parcelas foram compostas por seis linhas de 3 m de comprimento, com espaçamento de 0,20 m entre si, e separação lateral de 0,60 m entre parcelas. Procedeu-se à semeadura com 60 sementes por metro linear de sulco, realizando-se a colheita na área total das parcelas, ou seja, 3,6 m2. As plantas foram mantidas livres de competição com plantas daninhas.

Antes da semeadura, a adubação foi feita a lanço, com posterior incorporação ao solo e consistiu na aplicação de 20, 60 e 28 kg ha-1 de N, P2O5 e K2O respectivamente, de acordo com RAIJ et al. (1996) e com a análise química do solo. Na adubação em cobertura, foram aplicados 40 kg ha-1 de N, 20 a 30 dias após a emergência das plântulas.

Nos experimentos irrigados, adotou-se o método proposto por SILVA et al. (1984), que consiste em uma irrigação de 40 a 60 mm após a semeadura, com a finalidade de umedecer o solo. As irrigações complementares foram realizadas quando a média das leituras dos tensiômetros, instalados em diversos pontos, à profundidade de 12 cm, indicava -0,6 MPa; determinou-se a lâmina líquida aplicada pela evaporação acumulada, medida no tanque classe A, entre os intervalos das irrigações .

O ciclo das cultivares foi determinado pelo número de dias decorridos da emergência das plântulas até a maturação. Os genótipos com ciclo da emergência à maturação de 110-120, 121-130 e acima de 130 dias foram considerados de ciclo precoce, médio e tardio respectivamente.

A altura das plantas foi medida em centímetros, no campo, na época de maturação, do nível do solo ao ápice da espiga, com exclusão das aristas, estimando-se a média de diferentes pontos de cada parcela.

Avaliou-se o rendimento de grãos, em gramas, pesando a produção total de cada parcela, e transformando-a para quilograma por hectare.

O rendimento de grão, de cada experimento foi submetido à análise de variância parcial (ano e local) e conjunta e a comparação das médias, feita mediante o teste de Duncan, (PIMENTEL-GOMES, 1970).

Avaliaram-se, em solução nutritiva e em condição de laboratório de acordo com CAMARGO e OLIVEIRA (1981), as plântulas dos 20 genótipos mais duas cultivares-controle: BH 1146 (tolerante) e Anahuac (sensível), a fim de determinar a tolerância à toxicidade de alumínio, usando-se as doses de 0, 2, 4, 6, 8 e 10 mg L-1 de Al3+. O delineamento experimental utilizado foi em blocos ao acaso, com duas repetições, dispostos em parcelas subdivididas: as parcelas, compostas de seis concentrações de alumínio e, as subparcelas, de genótipos de trigo. Na análise dos dados considerou-se a média do comprimento da raiz primária central das dez plântulas de cada genótipo, para cada repetição. Os genótipos com crescimento radicular foram considerados tolerantes, enquanto aqueles sem crescimento das raízes, sensíveis, depois de 72 horas em solução nutritiva completa sem alumínio, que se seguiu a 48 horas de crescimento nas soluções contendo seis concentrações de alumínio, conforme CAMARGO e OLIVEIRA (1981).

O comportamento das cultivares em relação à ferrugem-da-folha do trigo (Puccinia triticina Erikss., ANISKSTER et al., 1997) foi avaliado em condições naturais de infecção, em planta adulta (estádios 10.1 a 10.5 da escala de Feekes-Large), utilizando a escala modificada de Cobb, empregada por SCHRAMM et al. (1974). Essa é composta pela porcentagem estimada da área foliar infectada pela doença, acrescida de uma letra simbolizando o tipo de reação: S = suscetível (uredossoro grande, coalescente, sem clorose); MS = moderadamente suscetível (uredossoro médio); MR = moderadamente resistente (uredossoro pequeno) e R resistente (uredossoro minúsculo rodeado de áreas necróticas).

As doenças que causam as "manchas foliares" causadas pelo complexo de fungos necrotróficos como B. sorokiniana (mancha-marrom) e D. tritici repentis (mancha-bronzeada), foram avaliadas com base em escala de porcentagem de área foliar infectada, segundo METHA (1978).

A avaliação da qualidade tecnológica dos genótipos foi realizada nos experimentos de Capão Bonito (sequeiro) e Ribeirão Preto (irrigado), durante o biênio 2001-2002. A produção de grãos das repetições dos experimentos (ano) foi reunida a fim de se obter quantidade suficiente de grãos para as avaliações a seguir relacionadas.

Teor de água dos grãos: determinada pelo método nº 44-15A da AACC (1995).

Peso do hectolitro: conforme procedimento descrito na Instrução Normativa SARC Nº 7, de 15/8/2001, do Ministério da Agricultura e do Abastecimento (BRASIL, 2001), utilizando a balança Dalle Molle.

Dureza: determinada segundo o procedimento descrito por KOSMOLAK (1978), que mede o tempo, em segundos, de moagem de 4 g de trigo utilizando o equipamento "Micro-hardness tester" da Brabender. Os graus de dureza foram definidos como: duro (D) para tempo <32 segundos; semiduro (SD) tempo entre 32 e 44 segundos; semimole (SM) tempo entre 45 e 62 segundos e Mole (M) tempo > 63 segundos.

Rendimento de extração de farinha (moagem): com base no método da AACC n.º 26-10A (AACC, 1995), empregando-se o moinho experimental "Brabender Quadrumat Senior", em amostra de 2 kg de grãos. Os grãos tiveram seu teor de água ajustado para 15%, 16-24 horas antes da moagem. A extração de farinha representa a porcentagem de farinha obtida em relação ao total de material obtido da moagem.

Número de Queda (Falling Number): determinado pelo método n.º 56-81B da AACC (AACC, 1995), em grãos triturados em moinho Perten 3100 (Perten Instruments, Huddinge, Suécia), com peneira de 0,8mm.

Propriedades de mistura da massa: determinadas no farinógrafo "Brabender", pelo sistema farinha-água, de acordo com o método n.º 54-21 da AACC (AACC, 1995). Misturou-se 50 g de farinha (na base de 14% de umidade) com água em quantidade suficiente para centralizar a curva na linha de 500 unidades farinográficas (U.F.). Essa quantidade de água, expressa como porcentagem (%) em relação à farinha, é referida como "Absorção". O tempo de desenvolvimento da massa (TDM) é o tempo (min) necessário para alcançar a consistência máxima; estabilidade (EST) é o tempo (min) em que a curva permanece acima ou na linha de 500 U.F., índice de tolerância à mistura (ITM) é a diferença (em U.F.) medida no topo da curva, no pico, até o topo da curva 5 minutos após o pico.

Propriedades de extensão da massa: determinadas no equipamento Alveógrafo "Chopin", de acordo com o método da AACC nº 54-30A (AACC, 1995). Os parâmetros básicos das curvas alveográficas estudados foram: pressão máxima (P); abscissa média de ruptura (L); índice de configuração da curva (P/L); energia de deformação da massa (W) ou trabalho mecânico necessário para expandir a bolha até sua ruptura, expressa em 10-4 Joules.

Glúten úmido: determinado segundo método 137 ICC (1982), utilizando equipamento (Glutomatic) da Perten Instruments (Hudding, Suécia).

Cor: determinada em colorímetro Kent-Jones and Martin (HENRY SIMON LIMITED, 1970)

 

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

Verificaram-se efeitos significativos (P < 0,01) pela análise da variância de acordo com a tabela 2, para anos, locais e genótipos e para as interações: anos x genótipos, genótipos x locais e anos x genótipos x locais. Para anos x locais o efeito não foi significativo, em relação ao rendimento de grãos, considerando em conjunto os ensaios instalados na Zona tritícola B, em condições de sequeiro. O melhor desempenho nessa condição de cultivo foi obtido pelo genótipo ALD/CEP76630// CEP74234/PF7219/3/BUC "S" /BJY "S". Destacou-se também o genótipo MARNG/BUC"S"//BLO"S"/PSN"S"/3 /BUC/PVN "S". Vale ressaltar o efeito altamente significativo para o fator ano, os rendimentos médios de 2002 foram maiores ao de 2001. Os rendimentos obtidos em Itapeva foram superiores ao de Capão Bonito dados esses que confirmam os já obtidos por FELICIO et al. (2004).

Na tabela 3, são apresentados os dados de rendimento de grãos dos experimentos semeados com irrigação por aspersão nas localidades de Paranapanema, Ribeirão Preto e Mococa e os resultados das análises de variância conjunta dos experimentos e a individual por ano. Detectaram-se os efeitos significativos para locais, genótipos e para as interações anos x locais e genótipos x locais (P<0,01). A interação anos x genótipos e anos x locais x genótipos significativas (P<0,05). O efeito de anos não foi significativo, provavelmente devido aos experimentos serem irrigados. Pelos resultados, evidenciou-se o potencial produtivo do genótipo MARNG/BUC"S"//BLO"S"/PSN"S"/3/BUC/PVN "S" que, na média geral dos seis experimentos, indicou o rendimento de 5.055 kg ha-1. As condições edafoclimáticas de cada local foram apresentaram resultados significativos pela interação ano x local. O resultado reforça as observações de FELICIO et al. (1998; 2001) sobre a importância das condições climáticas regionais que ocorrem a cada ano.

Os genótipos 1, 2, 3, 6, 7, 8, 11, 12, 13 e 20 foramprecoces em Capão Bonito e Ribeirão Preto, com um ciclo da emergência à maturação de 110 a 120 dias; os genótipos 5 (IAC-370) e 19 foram de ciclo tardio, com mais de 130 dias para atingir a maturação completa e os demais de ciclo médio, isto é 121 a 130 dias da emergência à maturação (Tabela 1).

Em relação à altura das plantas os genótipos 4, 7, 8, 12, 13, 17 e 20 foram os mais baixos, com altura de planta variando de 80 a 85 cm, em Capão Bonito e de 72 a 73 cm, em Ribeirão Preto. Os genótipos 1 e 16 foram os mais altos com altura de planta de 100 cm em Capão Bonito e variando entre 90 e 94 cm em Ribeirão Preto. Os demais genótipos foram considerados de porte intermediário (Tabela 1).

O comprimento médio das raízes dos genótipos estudados, medidas após 72 horas de crescimento na solução nutritiva completa que se seguiu a 48 horas de crescimento na solução-tratamento, contendo seis diferentes concentrações de alumínio encontra-se na tabela 4.

Considerando o comprimento das raízes nas diferentes concentrações de alumínio, pelos os resultados observou-se que os genótipos CNO79/PRL "S'//IAC 227 e RAC 646/BH 1146 foram os mais tolerantes tendo o mesmo desenvolvimento da cultivar-controle BH 1146. Os genótipos SABUF, NJ/PAK//CHAT/E/PRL" S'/ALD "S", CHAT "S" /CEP7780//PRL "S" /BOW "S'", WG3070 /2*WEAVER e as cultivares IAC 370, IAC 289 e IAC 350 foram sensíveis ao alumínio semelhantes ao controle ANAHUAC. Ressalta-se que os demais genótipos, de acordo com a variação no crescimento das raízes nas diferentes concentrações de alumínio, foram classificados como moderadamente sensíveis ou moderadamente tolerantes.

A ferrugem-da-folha causada pelo fungo Puccinia triticina Erikss., é das doenças que ocorrem na cultura do trigo a mais disseminada no Brasil e no mundo, ocorrendo todos os anos ocasionando reduções em rendimento de grãos e perda no peso hectolitro (PH) (PICININI e FERNANDES, 1995). As avaliações para a ferrugem da folha em condições de sequeiro e em condição de irrigação por aspersão são apresentadas na tabela 5.

Os genótipos CHAT "S" /CEP7780//PRL "S" /BOW "S'", SABUF, WG 3070/2*WEAVER e ALDAN "S" /IAS 58//IAC 60 foram imunes ao agente causal da ferrugem-da-folha no biênio em estudo em ambos os sistemas de cultivo. As ocorrências foram mais generalizadas nas condições de sequeiro, provavelmente por serem essas regiões de maior concentração de lavouras comerciais, quando comparadas às áreas de irrigação como em Ribeirão Preto com poucas áreas de cultivo do cereal. Exclui-se deste raciocino a região de Paranapanema com maior índice de cultivo sob irrigação no Estado de São Paulo. A incidência da doença foi maior em 2002 na zona tritícola B. O genótipo TEMU196. 74/TANORI"S"//IAC 24 foi o mais suscetível à doença em condições de sequeiro. Genótipos com alta incidência e reações suscetíveis não são desejáveis em um sistema de cultivo intensivo, podendo acarretar altas perdas na massa seca dos grãos.

As manchas foliares causadas por B. sorokiniana e D. tritici repentis, estavam com níveis de infecção mais elevados nos experimentos semeados em condições de sequeiro. Em condições de irrigação por aspersão a incidência das manchas foliares foi menor (Tabelas 6). Segundo FELICIO et al. (2004), as precipitações pluviais que ocorrem com intensidade, na época do florescimento da cultura do trigo na Região de Sudoeste do Estado de São Paulo (Capão Bonito), é fator importante para o aparecimento de doenças causadas por fungos necrotróficos, pois sendo doenças policíclicas de acordo com FERNANDES e FERNANDEZ (1991), podem completar vários ciclos em uma mesma lavoura, uma vez instalada afetando consequentemente o rendimento de grãos. Os genótipos estavam com diferentes índices de incidência da doença. No genótipo SABUF observou-se a menor incidência nos diferentes meios de cultivos.

As características tecnológicas dos grãos dos genótipos em estudo foram avaliadas em 2001/2002 com base nos experimentos de Capão Bonito (Tabelas 7 e 8), para as condições de sequeiro e Ribeirão Preto para o ambiente com irrigação por aspersão (Tabelas 9 e 10).

Pelos resultados verifica-se variação entre os anos e locais para o PH (peso hectolitro). Para a extração de farinha, os resultados estão de acordo com o padrão para moinhos experimentais acima de 70% para os genótipos de grãos duro ou semiduro e abaixo desse valor para os considerados brandos, resultados já observados por FELICIO et al. (1998 e 2001).

Na comercialização, o trigo é classificado com base em características que determinam seu uso na elaboração de diversos produtos. Assim podemos classificar para panificação pela dureza de seus grãos os genótipos: BOW "S" /GEN//IAC 24; MARNG/BUC "S" //BLO "S" /PSN "S" /3/BUC/PVN "S"; WG 3070/2*WEAVER e SABUF como duros e como trigos brandos utilizados na fabricação de bolachas os genótipos: RAC 646/BH 1146, BAU "S" /BH 1146, CNO70/PRL "S" //IAC 227 e ALD/CEP76630// CEP74234/PF219/3/BUC "S" /BJY "S". Os demais se classificam como trigos semiduros utilizados principalmente na panificação dependendo dos resultados obtidos nas análises farinográficas e alveográficas.

As farinhas provenientes dos grãos de Ribeirão Preto foram mais claras que as de Capão Bonito. Entre elas destacam-se os genótipos 10 e 13, embora os genótipos 12, 17 e 18 em 2001, e o 14 em 2002, também estavam bastante claros.

Pelos resultados da análise do número de queda (NQ), constatou-se que em Capão Bonito não ocorreu o processo germinativo dos grãos na espiga, entretanto, em Ribeirão Preto a atividade da alfa-amilase dos grãos foi detectada nos genótipos 8 e 12 em 2001, e nos genótipos 4, 7, 8, 12 e 15 em 2002 degradando o amido existente no endosperma e, como conseqüência, contribuindo para os baixos valores de W (força do glúten).

Segundo PEÑA et al. (1998) a indústria moageira requer cultivares de trigo com distintos tipos de qualidade que respondam as suas demanda nos diferentes produtos a serem elaborados pelos diversos tipos de farinha. Os parâmetros farinográficos e alveográficos avaliados conjuntamente nas tabelas 8 (Capão Bonito) e 10 (Ribeirão Preto), permitem tipificar a farinha proveniente dos diferentes genótipos de trigo quanto ao seu uso industrial mais viável.

O genótipo TEMU196. 74/TANORI"S"//IAC 24 se classifica como trigo "melhorador", segundo a Instrução Normativa nº 7 do Ministério da Agricultura e Abastecimento (Brasil, 2001). Caracteriza trigos com a força do glúten acima de 300 (x10-4 J) como "melhorador", "P" (tenacidade da massa) > 80 mm e "L" (extensibilidade da massa) entre 50 e 60 mm, portanto, pouco extensivo e com estabilidade da massa superior a 10 minutos.

Um segundo grupo classificado como trigo tipo "Pão", de glúten forte a médio representado pelos tratamentos 2, 3, 5, 9, 11, 13 14 e 15 são utilizados principalmente, na fabricação de pães. No terceiro grupo está o trigo indesejável composto pelos genótipos 1, 4, 7, 8, 10, 12, 16, 17, 18, 19 e 20 possuem "L" curto (pouco extensivo) produzem massa de extensibilidade muito limitada, de pouca tolerância e deficiente capacidade de expansão durante o processo de fermentação. Seu uso é limitado, podendo ser utilizado em alguns produtos de confeitaria ou complemento de farinha forte. O ultimo grupo não deve ser alocado na classe de trigo "brando" pois os trigos dessa classe têm "L" longo >120mm e "W" entre 180 - 220 (x10-4 J) de força do glúten.

O teor de glúten é um parâmetro utilizado na determinação da qualidade e quantidade das proteínas insolúveis do trigo. Pode ser expresso tanto em termos de glúten úmido ou glúten seco, portanto, quanto mais alta é a porcentagem de glúten extraído da farinha, mais elevado é o número de partículas de proteína por unidade de volume de massa.

Em Capão Bonito (sequeiro) a porcentagem de glúten úmido foi ligeiramente superior em relação à de Ribeirão Preto. Nessa última localidade, a irrigação foi utilizada para reduzir o efeito do estresse hídrico regional e como conseqüência os rendimentos de grãos obtidos foram superiores aos obtidos na Região Sudoeste em condições de sequeiro. O teor de glúten foi mais expressivo nos genótipo 5 e 11 em 2002 em Capão Bonito, enquanto em Ribeirão Preto nos genótipos 3,14 e 19, em 2001, e nos genótipos 3,11 e 19n em 2002, verificaram-se as maiores porcentagens de glúten úmido.

Na soma dos parâmetros avaliados, a qualidade tecnológica das amostras de farinhas procedentes de Capão Bonito, Região Sudeste do Estado São Paulo, foram superiores às obtidas em Ribeirão Preto. Segundo MANDARINO (1993) e PEÑA et al. (1998) fatores climáticos como altas temperaturas, durante o período compreendido entre a floração e a maturação dos grãos, podem favorecer o aumento no teor protéico; e quando ocorre a diminuição no rendimento de grãos geralmente há aumento no conteúdo da proteína dos grãos.

 

4. CONCLUSÕES

1. O genótipo ALD/CEP76630//CEP74234/PF7219/3/BUC"S"/BJY"S" foi o de melhor desempenho na condição de cultura de sequeiro. Destacou-se o genótipo MARNG/BUC"S"//BLO"S"/PSN"S"/3/BUC/PVN"S" (IAC 375) no ambiente com irrigação por aspersão.

2. Os genótipos CNO79/PRL"S'//IAC 227 e RAC 646/BH 1146 foram os mais tolerantes nas concentrações de alumínio tóxico consideradas com o mesmo desempenho da cultivar-controle BH 1146.

3. CHAT"S"/CEP7780//PRL"S"/BOW"S'" , SABUF, WG 3070/2*WEAVER e ALDAN"S"/IAS 58//IAC 60 foram imunes ao agente causal da ferrugem da folha no biênio em estudo em ambos sistemas de cultivo.

4. O genótipo TEMU196.74/TANORI"S"//IAC 24 classifica-se como trigo "melhorador", com força do glúten acima de 300 (x10-4 J) , "P" (tenacidade da massa) > 80 mm e "L" (extensibilidade da massa) entre 50 a 60 mm, portanto, pouco extensivo e estabilidade da massa superior a 10 minutos.

5. A qualidade tecnológica das farinhas procedentes de Capão Bonito Região Sudoeste do Estado São Paulo, foi superior à obtida em Ribeirão Preto, Região Central do Estado de São Paulo.

 

REFERÊNCIAS

AACC. AMERICAN ASSOCIATION OF CEREAL CHEMISTS. Approved methods of AACC. 9. ed. St. Paul, 1995.        [ Links ]

BRASIL. Instrução Normativa N.º 7, de 15/8/01. Ministério da Agricultura e Abastecimento. Diário Oficial da União, seção 1., 21/08/2001.        [ Links ]

CAMARGO, C.E.O.; FELICIO, J.C. Melhoramento genético do trigo no Instituto Agronômico. O Agronômico, Campinas, v.38, n.3, p.219-228, 1986.        [ Links ]

CAMARGO, C.E.O.; OLIVEIRA, O.F. Tolerância de cultivares de trigo a diferentes níveis de alumínio em solução nutritiva e no solo. Bragantia, Campinas, v.40, n.1, p.21-31, 1981.        [ Links ]

CAMPINAS, INSTITUTO AGRONÔMICO Recomendações Técnicas de Trigo para 1999. 2.ed.atual. Campinas, 1999. 100 p.        [ Links ]

FELICIO, J.C., BARROS B. C.; CAMARGO, C. E. O.; BAR, W.H. Maracaí (IAC 17) e Xavantes (IAC 18) cultivares de trigo para o Estado de São Paulo. Bragantia, Campinas, v. 42,p. 15-25, 1983.        [ Links ]

FELICIO, J.C., CAMARGO, C.E.O.; BARROS, B. C. Novos cultivares de Trigo (IAC 21- Iguaçu, IAC 22 - Araguaia, IAC 23 - Tocantins e IAC 24 Tucuruí). O Agronômico, Campinas, v.36, p. 147-151, 1984.        [ Links ]

FELICIO, J.C.; CAMARGO, C.E.O., BARROS, B. C.; VITTI, P. Iguaçu (IAC 21) e Araguaia (IAC 22): Cultivares de trigo de sequeiro para o Estado de São Paulo. Bragantia, Campinas, v. 44 n.1,p.115-128, 1985.        [ Links ]

FELICIO, J.C.; CAMARGO, C.E.O.; FERREIRA FILHO, A.W.P.; FREITAS, J.G.; BARROS, B.C. e VITTI, P. Tocantins (IAC 23) e Tucuruí (IAC 24): novos cultivares de trigo. Bragantia, Campinas,v.47, n.1,p. 93-107, 1988.        [ Links ]

FELICIO, J.C.; CAMARGO, C.E.O-.; PEDRO JUNIOR, M.J.; FERREIRA FILHO, A.W.P. Avaliação de cultivares de trigo em duas regiões ecológicas do Estado de São Paulo. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 27, n. 9, p. 1245-1252, 1992.        [ Links ]

FELICIO, J.C.; CAMARGO, C.E.O.; GERMANI, R.; MAGNO, C.P.R.S. Interação entre genótipos e ambiente na produtividade e na qualidade tecnológica dos grãos de trigo no Estado de São Paulo. Bragantia, Campinas, v.57 n.1,p.149-161, 1998.        [ Links ]

FELICIO, J.C.; CAMARGO, C.E.O.; GERMANI, R.;GALLO, P.B.; PEREIRA, J.C.V.N.A.; BORTOLETTO, N.; PETTINELLI JUNIOR, A. Influencia do ambiente no rendimento e na qualidade de grãos de genótipos de trigo com irrigação por aspersão no Estado de São Paulo. Bragantia, Campinas, v.60, n.2, p.111-120, 2001.        [ Links ]

FELICIO, J.C.; CAMARGO, C.E.O-.; CASTRO, J.L. DE; GERMANI,R. Rendimento de grãos de trigo e sua relação com as doenças e variáveis climáticas em Capão Bonito de 1994 a 2001. Bragantia, Campinas, v.63, n.1,p. 93-103, 2004.        [ Links ]

FERNANDES, J.M.; FERNANDEZ, M.R. Doenças das culturas sob manejo conservacionista. In: FERNANDES, J.M.; FERNANDEZ, M.R.; KOCHHANN, R.A.; SELLES, F.; ZENTNER, R.P. Manual de manejo conservacionista do solo para os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Passo Fundo: EMBRAPA-CNPT / CNDA, 1991. P.53-58. (EMBRAPA-CNPT. Documento, 1)        [ Links ]

HENRY SIMON LIMITED. Colorímetro Kent-Jones e Martin, série 2. Stock Port, Inglaterra, 1970.        [ Links ]

ICC.INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR CEREAL SCIENC AND TECHNOLOGY. ICC Standard Methods. Schwechat, Áustria, 1982.        [ Links ]

KERRIDGE, P.C. Aluminum toxicity in wheat (Triticum aestivum Vill.,Host). 1969, 170 f., Tese (Doutoramento).Oregon State University, Corvallis.        [ Links ]

KOSMOLAK, F.G. Grinding time: A screening test for kernel hardness in wheat. Canadian Journal of Plant Science, Otawa, v.58,p.415-420, 1978.        [ Links ]

MANDARINO, J.M.C. Aspectos importantes para a qualidade do trigo. Londrina, EMBRAPA-CNPSo, 1993. 32p. (Documento, 60)        [ Links ]

METHA, Y.R. Doenças de trigo e seu controle. São Paulo, Agronômica Ceres, 1978. 190p., (Ceres, 20)        [ Links ]

MOORE, D.P.; KRONSTAD, W.E. e METZGER, R.J. Screening wheat for aluminum tolerance. In: WORKSHOP ON PLANT ADAPTATIONS TO MINERAL STRESS IN PROBLEM SOILS, 1976. Beltsville, Maryland. Proceedings… Ithaca: Cornell University, 1976. p.287-295.        [ Links ]

PICININI, E.C.; FERNANDES, J.M.C. Efeito de diferentes fungicidas sobre o rendimento de grãos, sobre o peso do hectolitro e sobre o controle da ferrugem da folha (Puccinia recondita f.sp. tritici) em trigo, cultivar BR 43. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v.20, p.319, 1995. (Suplemento)        [ Links ]

PICININI, E.C.; FERNANDES, J.M.C. Controle das doenças de trigo. In CUNHA, G.R.; BACALTCHUK, B. (Ed.). Tecnologia para produzir trigo no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Assembléia Legislativa, Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo. Passo Fundo: Embrapa Trigo, 2000. p.225-243. (Série Culturas, n. 02)        [ Links ]

PEÑA, R. J.; ORTIZ-MONASTEIRO, J.I. e SAYRE, K.D. Estrategias para mejorar (o mantener) la calidad panadeira en trigo de alto potencial de rendimento. In KOHLI, M. M.; D. MARINO (eds.) 1998. Explorando Altos Rendimientos de Trigo. La Estanzuela, Uruguay: CIMMYT-INIA.octubre 20 al 23, 1997.        [ Links ]

PIMENTEL-COMES, F. Curso de estatística experimental 4.ed.ver.ampl. Piracicaba, Nobel, 1970. 430p.        [ Links ]

RAIJ, B. van; CANTARELLA, H.; QUAGGIO, J.A.; FURLANI, A..M. Recomendações de Adubação e calagem para o Estado de São Paulo. Campinas, Instituto Agronômico. Fundação IAC, 1996. 285p. (Boletim técnico 100)        [ Links ]

SCHARAMM, W.; FULCO, W.S.; SOARES, M.H.G.; ALMEIDA, A.M.P. Resistência de cultivares de trigo em experimentos ou cultivo no Rio Grande do Sul, às principais doenças fúngicas. Agronomia Sulriograndense, Porto Alegre, v.10, p.31-39, 1974.        [ Links ]

SILVA, A. R. Melhoramento das variedades de trigo destinadas às diferentes regiões do Brasil. Rio de Janeiro, Ministério da Agricultura, 82p. 1966. (Estudos Técnicos, 33)        [ Links ]

SILVA, E.M.; LUCHIARE JUNIOR, A.; GUERRA. A.F. e GOMIDE, R.L. Recomendações sobre manejo de irrigação em trigo para a região dos cerrados. In: REUNIÃO DA COMISSÃO NORTE-BRASILEIRA DE PESQUISA DE TRIGO. 10. Campinas, 1984. Anais: Brasília. EMBARAPA-CPAC, 1984. 60p.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 13 de outubro de 2004 e aceito em 15 de março de 2006.

 

 

1 Com apoio financeiro da FAPESP.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License