SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.78 issue2Penicillin susceptibility of Streptococcus pneumoniae in Brazil: the tip of the icebergIschemic heart disease: prevention should begin in childhood author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

J. Pediatr. (Rio J.) vol.78 no.2 Porto Alegre Mar./Apr. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572002000200005 

Estado nutricional e teste do hidrogênio no ar expirado com lactose e lactulose em crianças

Nutritional status and breath hydrogen test with lactose and lactulose in children

Themis Reverbel da Silveira1, Fernanda Menegaz Pretto2

 

 

A atividade da lactase é determinada por um gene localizado no cromossomo 2 e a sua atividade na vida adulta tem herança autossômica dominante, enquanto a hipolactasia é herdada de forma autossômica recessiva. Há, portanto, três genótipos em relação à atividade da lactase. Os indivíduos homo ou heterozigotos para o alelo dominante são os absorvedores de lactose, e os não absorvedores são homozigotos para o alelo autossômico recessivo. Estes três genótipos podem ser demonstrados pela distribuição trimodal das atividades da sucrase/lactase e maltase/lactase nas biópsias intestinais(1).

O tema da hipolactasia primária do tipo adulto, também conhecido como deficiência primária ontogenética de lactase, tem recebido contribuições de bastante valor na literatura nacional. Um estudo interessante foi publicado por Beiguelman, Sevá-Pereira e Sparvoli, sugerindo que os três genótipos da atividade lactásica podem ser distinguidos através do teste de tolerância à lactose(2). O aumento máximo da glicemia nesse estudo apresentou distribuição trimodal, o que parece corresponder a três diferentes fenótipos: hipolactasia (aumento inferior a 16 mg/dl), persistência da atividade da lactase heterozigótica (aumento entre 16 e 56 mg/dl), e persistência da atividade da lactase homozigótica (aumento superior a 56 mg/dl)(2). A maioria dos estudos brasileiros foi realizada por autores de São Paulo, que estudam o tema há longos anos, tanto em crianças(3,4), quanto em adultos(5). Mas o assunto é de grande interesse, e de outras partes do Brasil têm surgido publicações que demonstram a importância do tema para o nosso país. Recentemente, Figueiredo(6), em Minas Gerais, no município de Rio Acima, estudando 453 crianças de 7 a 15 anos e utilizando lactose na dose de 25g, em solução aquosa a 10%, demonstrou 49,2% de má absorção. Em Porto Alegre(7), também analisamos escolares de 8 a 18 anos, com a mesma técnica do hidrogênio expirado, mas com a lactose administrada em menor quantidade (12,5g) e sob forma de leite integral (250 ml). Obtivemos uma prevalência bem mais modesta (8,4%), com taxas de má absorção 3 vezes mais altas nos alunos de cor não-branca. Sabe-se, e há muito tempo, que a hipolactasia primária do tipo adulto sofre influência racial, sendo muito mais freqüente entre os indivíduos de cor preta e entre os descendentes de orientais. No Rio Grande do Sul a proporção de indivíduos de cor branca é alta (86,8%), inferior apenas à Santa Catarina, onde esta proporção é de 91%, segundo avaliação do IBGE de 1999. Além disso, aparentemente doses semelhantes de lactose são melhor absorvidas sob forma de leite do que em solução aquosa. A lactose do iogurte, por sua vez, é melhor absorvida do que a do leite graças à presença de microorganismos com ação desdobradora de lactose(8).

As grandes variações na prevalência da entidade observadas nos estudos nacionais são chamativas e mostram a extrema diversidade da nossa população.

No estudo publicado neste número do Jornal de Pediatria, de Alves et al.(9), os autores continuam linhas de pesquisa produtivas (enteropatia ambiental e deficiência de lactase), o que, por si só, já é altamente meritório. Apresentam dados interessantes. Verificaram uma alta taxa de "deficiência ontogenética" de lactase entre as crianças índígenas das duas aldeias Terena de Mato Grosso do Sul e, ao mesmo tempo, uma prevalência reduzida de desnutrição nessas crianças. Chamam, também, a atenção para a alta taxa (30,3%) de giardíase na população estudada. A questão é: até que ponto esta alta taxa da parasitose, considerada pelos autores, poderia ter contribuído para a absorção deficiente de lactose? Se isso for real, a deficiência de lactase poderia, pelo menos em parte, ser secundária e não primária. Esta pergunta não pode ser respondida pelos dados apresentados. Teria sido muito proveitoso um estudo da eventual associação entre a presença de giardíase, a positividade do teste da lactulose, e a má absorção de lactose. A comparação feita pelos autores com os dados de Reis et al.(3) poderia ter sido feita, também, com aqueles indivíduos que tiveram aumento de concentração de hidrogênio entre 10 e 20 ppm, o que modificaria a taxa encontrada de má absorção, ou suspeita de má absorção, de 22,9% para 44,6%. Ainda assim, permanece a observação original da alta freqüência de deficiência, ontogenética na sua totalidade ou não, da lactase entre as crianças indígenas com mais de 4 anos.

O tema é atual e o estudo é pleno de informações originais e interessantes. Fornece dados epidemiológicos importantes para o planejamento de estratégias de promoção à saúde. Deve ser enfatizado que o estado do Mato Grosso do Sul é o segundo do país em termos de quantidade de população indígena, após o Amazonas. Pesquisas deste nível são necessárias e devem ser estimuladas para a melhoria das condições de saúde da nossa gente.

 

Sobe

Referências bibliográficas

1. Sahi T, Launiala K. Genetics and epidemiology of adult-type hypolactasia Scand J Gastroenterol 1994;29:7-20.

2. Beiguelman B, Sevá-Pereira A, Sparvoli AC. Possible discrimination between genotypes of lactase persistence phenotype. Rev Bras Genet 1992; 15:191-7.

3. Wehba J. Avaliação da capacidade de absorção da lactose. Estudo em população do Alto Xingú [dissertation]. São Paulo: Escola Paulista de Medicina; 1976.

4. Reis JC, Morais MB, Fagundes-Neto, U. Teste do hidrogênio no ar expirado na avaliação de absorção de lactose e sobrecrescimento bacteriano no intestino delgado de escolares. Arq Gastroenterol 1999;36:169-76.

5. Sevá-Pereira A, Beiguelman B. Primary lactose malabsorption in healthy Brazilian adult caucasoid, negroid and mongoloid. Arq Gastroenterol 1982;19:133-8.

6. Figueiredo RCP. Absorção e tolerância à lactose na população de escolares do município de Rio Acima [tese]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2000.

7. Pretto FM. O teste do hidrogênio expirado no diagnóstico da má absorção de doses fisiológicas de lactose em alunos de escolas públicas de Porto Alegre [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2001.

8. Galvão LC, Fernandes MI, Sawamura R. Absorção de lactose e tolerância a diferentes tipos de iogurtes em adultos com hipolactasia. Arq Gastroenterol 1995;33:10-6.

9. Alves GMS, Morais MB, Fagundes-Neto U. Estado nutricional e teste do hidrogênio no ar expirado com lactose e lactulose em crianças indígenas terenas. J Pediatr (Rio J) 2002;78:113-9.

 

Sobe

1 Themis Reverbel da Silveira – Profª Adjunta Doutora do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
2 Fernanda Menegaz Pretto – Pediatra, Mestre em Pediatria pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.