SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.80 issue1Treatment of acute asthma in developing countries author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557On-line version ISSN 1678-4782

J. Pediatr. (Rio J.) vol.80 no.1 Porto Alegre Jan./Feb. 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572004000100017 

CARTAS AO EDITOR

 

Tabagismo durante a gravidez: um problema maior do que se imagina

 

 

Krzysztof M. Kuczkowski

Médico e Professor de Anestesiologia e Medicina Reprodutiva, Diretor de Anestesia Obstétrica, Departamentos de Anestesiologia e Medicina Reprodutiva, Universidade da Califórnia, San Diego, Califórnia, EUA

 

 

O tabagismo interfere na função reprodutora das mulheres no período pré-concepção, na evolução da gravidez e na lactação1. Uma vez que as gestantes estão em contato regular com os profissionais de saúde (acompanhamento pré-natal), as campanhas antitabagismo normalmente surtem um ótimo efeito durante esse período. No entanto, para que esses esforços sejam bem-sucedidos, devemos estar atentos às seguintes considerações:

1) Enquanto que o uso de drogas ilícitas durante a gravidez vem recebendo grande atenção nas últimas duas décadas, muito pouca atenção tem sido dada às conseqüências do uso de "drogas sociais", como fumo, álcool e cafeína, que são certamente as drogas mais comumente consumidas durante a gravidez.

2) Enquanto que os efeitos nocivos da cocaína, anfetaminas e opióides nas mães e nos fetos são mais acentuados e fáceis de identificar, o tabagismo, o etilismo e o consumo de cafeína são normalmente mais sutis e mais difíceis de diagnosticar2. Conseqüentemente, o uso recreacional do fumo durante a gravidez pode permanecer despercebido, afetando significativamente a evolução da gravidez e a lactação.

3) Aproximadamente 80% das mulheres que fumam antes da gravidez continuam a fumar enquanto grávidas2. O baixo consumo de cigarros antes da gravidez é o melhor fator preditivo para a interrupção do tabagismo durante a gravidez.

4) A maioria das pacientes com histórico de uso de drogas durante a gravidez (incluindo fumo) nega seu uso quando entrevistada por médicos atendentes, obstetras e/ou neonatologistas3.

5) Os fatores de risco que sugerem o uso de fumo durante a gravidez incluem ausência de acompanhamento pré-natal, complicações respiratórias e histórico de parto prematuro.

É necessário, portanto, que tenhamos uma grande desconfiança quanto ao uso do fumo (bem como de outras drogas sociais e ilícitas) durante a gravidez. Também devemos adotar uma postura não-crítica em relação a cada paciente.

 

Referências

1. Mello PR, Pinto GR, Botelho C. The influence of smoking on fertility, pregnancy and lactation. J Pediatr (Rio J). 2001;77:257-64.

2. Kuczkowski KM. Tobacco and ethanol use in pregnancy: implications for obstetric and anesthetic management. The Female Patient. 2003;28:16-22.

3. Kuczkowski KM. Labor analgesia for the drug abusing parturient: is there cause for concern? Obstet Gynecol Surv. 2003;58:599-608.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License