SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.81 issue1Lung deposition, efficacy and effectiveness of spacer devices author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

J. Pediatr. (Rio J.) vol.81 no.1 Porto Alegre Jan./Feb. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572005000100019 

Untitled Document

CARTAS AO EDITOR

 

Comparação das estimativas de prevalência de asma em Recife

 

 

Prezado Editor,

Gostaríamos de fazer alguns comentários sobre a metodologia relacionada ao artigo de Britto et al.1 publicado recentemente no Jornal de Pediatria.

Um dos objetivos deste estudo foi avaliar a acurácia diagnóstica da prevalência anual de sibilância como um indicador de asma. Para isso, os autores compararam as respostas de duas perguntas diferentes: pergunta 2 (P2) do módulo principal de asma do questionário ISAAC — "Você teve sibilância nos últimos 12 meses?" e a pergunta 6 (P6) — "Você teve asma alguma vez na vida?". Na falta de um padrão-ouro, tem sido sugerido que os resultados obtidos com a administração de um questionário para avaliar os sinais e sintomas de asma sejam comparados com um diagnóstico documentado de asma feito por médicos em um mesmo paciente2. Em nossa opinião, as informações obtidas através da P6 não podem se consideradas equivalentes ao histórico de asma diagnosticada por um médico (exame e diagnóstico clínico feito por um profissional da saúde), tendo em vista que as respostas dos participantes a essa pergunta serão determinadas pelo seu próprio entendimento do termo "asma" e não por uma medida objetiva da presença da doença. Portanto, os dados descritos no texto parecem apenas representar a concordância entre as respostas a duas perguntas separadas e não a validação da P2. A validação dessa pergunta requereria a comparação das respostas à P2 com resultados de um teste objetivo (ex: teste de função pulmonar), ou de um exame clínico realizado por um médico, ou informações documentadas a respeito de um diagnóstico anterior de asma a partir dos prontuários médicos2.

O segundo problema metodológico está relacionado ao uso do termo "cansaço" (cujo equivalente em inglês seria feeling breathless ou short of breath) usado como tradução para o termo wheeze. Embora o grupo de pesquisa ISAAC tenha sugerido que se poderia pedir às crianças asmáticas e aos seus pais para descreverem os padrões de respiração durante um ataque de asma3, achamos que a tradução do termo wheeze como cansaço usado nesse estudo pode não ser adequado. Primeiro, o termo wheeze incluso no módulo principal do questionário ISAAC corresponde aos termos "sibilos", "piado" ou "chiado" no português do Brasil. Por outro lado, o termo cansaço (short of breath) tem um significado mais amplo e, no contexto brasileiro, é normalmente associado a várias condições clínicas além da asma. Em segundo lugar, a versão em inglês do questionário usado na fase I do ISAAC apenas incluía os termos wheeze, cough e asthma (e não breathless ou short of breath)4. O termo breathless ou short of breath só foi introduzido mais tarde na versão em inglês da fase II do questionário ISAAC (module Wheeze and Breathlessness Supplementary Questionnaire)3. É importante observar que o termo "cansaço" também não apareceu na versão brasileira do questionário a ser usada na fase I do ISAAC no Brasil5. Finalmente, outras três versões em inglês de questionários usados para avaliar as doenças respiratórias empregaram os termos wheeze, breathless e short of breath em perguntas separadas ou como shortness of breath with wheezing (IUATLD, ATS e MRC)2. Foi demonstrado que as perguntas que utilizam os termos breathless e short of breath possuem menor especificidade na identificação adequada da asma em comparação com perguntas que empregaram o termo wheeze2 . Aceitando o uso do termo cansaço como tradução para wheeze, Britto et al. talvez tenham obtido estimativas de prevalência mais altas do que as pesquisas baseadas nos questionários que não incluíram esse termo, diminuindo a comparabilidade dos resultados do presente estudo. Além disso, não está claro se o termo cansaço foi usado na pesquisa realizada em 1994-19956 ou apenas na pesquisa de 2000, e a interpretação dos achados desse estudo comparativo será difícil se o termo não foi utilizado. Em conclusão, gostaríamos de sugerir que futuras pesquisas desse tipo utilizem questionários padrões (ex: ISAAC) sem modificações a fim de preservar a comparabilidade dos resultados entre países e ao longo do tempo. Se modificações são julgadas necessárias, elas devem ser incorporadas como perguntas adicionais, permitindo análises separadas, conforme recomendado nos livros especializados7.

 

Sérgio Souza da Cunha

Médico, Doutor. Projeto Fatores de risco para asma e Alergia em Salvador, Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA

Mar Pujades-Rodríguez

Médico, Mestre pela Escola de Ciências da Saúde Comunitária, Universidade de Nottingham, Reino Unido

 

Referências

1. Britto MC, Bezerra PG, Brito RC, Rego JC, Burity EF, Alves JG. Asma em escolares do Recife - comparação de prevalências: 1994-95 e 2002 (Asthma in schoolchildren from Recife, Brazil, Prevalence comparison: 1994-95 and 2002). J Pediatr (Rio J). 2004;80:391-400.

2. Tennant S, Szuster F. Nationwide monitoring and surveillance question development: Asthma. Working Paper Series No. 2. Public Health Information Development Unit, Adelaide; 2003. Available from: http://www.publichealth.gov.au/

3. ISAAC Study Group [homepage on the Internet]. Auckland: ISAAC Study Group; [updated 2004 Nov 30; cited 2005 Jan 18]. Guidelines for the Translation of Questionnaires; [about 2 screens]. Available from: http://isaac.auckland.ac.nz/PhaseOne/Translation/TransFrame.html

4. Asher MI, Keil U, Anderson HR, Beasley R, Crane J, Martinez F, et al. International Study of Asthma and Allergies in Childhood (ISAAC): rationale and methods. Eur Respir J. 1995;8:483-91.

5. Sole D, Naspitz CK. Epidemiologia da asma: Estudo ISAAC (International Study of Asthma and Allergies in Childhood). Rev Bras Alergia Imunopatol. 1998;21:38-45.

6. Britto MC, Bezerra PG, Ferreira OS, Maranhao IC, Trigueiro GA. Asthma prevalence in schoolchildren in a city in north-east Brazil. Ann Trop Paediatr. 2000;20:95-100.

7. Armstrong BK, White E, Saracci R. The design of questionnaires. In: Armstrong BK, White E, Saracci R. Principles of exposure measurement in epidemiology. Oxford: Oxford University Press; 1992. p. 137-170.

 


 

Resposta do autor

 

 

Prezado Editor,

Antes de fazer qualquer consideração a respeito dos comentários dos Drs. Cunha e Rodriguez, é válido salientar que a asma é uma afecção cuja definição é vaga e inacurada1,2, sendo observações a esse respeito sujeitas a uma larga margem de erro.

Com relação a se testar a acurácia da sibilância nos últimos 12 meses com a presença de asma referida alguma vez na vida, é certo que a compreensão do termo "asma" é variável entre populações diversas, ou mesmo entre indivíduos de uma mesma população. É opinião dos Drs. Cunha e Rodriguez que a presença de asma referida seja menos acurada do que uma "medida objetiva" da presença de doença. No meu conhecimento, as únicas medidas objetivas universalmente aceitas para o diagnóstico de asma são os testes de função pulmonar. Segundo uma revisão sistemática da literatura3, os testes de função pulmonar são menos acurados que o questionário isolado para a determinação de prevalência da doença. Desta forma, a menos que essa evidência científica seja contestada com outra de boa qualidade, acredito que, embora a presença de asma referida não seja o padrão ideal de referência para se testar a acurácia de sibilância nos últimos 12 meses, ela é aceitável.

No que diz respeito a utilizar os termos "cansaço ou chiado" para representar o termo da língua inglesa wheezing, que, ao pé da letra, significa apenas "chiado", embora não tivéssemos testado a validação e a reprodutibilidade da associação dos termos, a prática diária com crianças asmáticas e suas famílias em nosso meio nos mostra que o termo é muitas vezes utilizado por estes significando sibilância. De forma similar, no estado de Minas Gerais, é comum referir-se a sibilância como "chieira", e não "chiado". Assim, me parece válido, embora de forma um tanto subjetiva, o acréscimo do termo "cansaço", para os questionários aplicados em nossa região.

 

Murilo C. A. de Britto

Doutor em Saúde Pública. Instituto Materno-Infantil de Pernambuco (IMIP), Recife, PE
E-mail: murilo.britto@bol.com.br

 

Referências

1. National Institute of Health, National Heart, Lung and Blood Institute. Global initiative for asthma. Global strategy for asthma management and prevention. NHLBI/WHO workshop report. Bethesda: National Heart, Lung and Blood Institute. National Institutes of Health, US Department of Health and Human Services; 2002.

2. Warner JO, Naspitz CK, Cropp GJ. Third international pediatric consensus statement on the management of childhood asthma. Pediatr Pulmonol. 1998;25:1-17.

3. Pekkanen J, Pearce N. Defining asthma in epidemiological studies. Eur Respir J. 1999;14:951-7.