SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.81 issue2Diagnosing hepatobiliary disease in cystic fibrosis: a challenge author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

J. Pediatr. (Rio J.) vol.81 no.2 Porto Alegre Mar./Apr. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572005000300018 

CARTAS AO EDITOR

 

Acalasia de esôfago e esofagite eosinofílica

 

 

Caro Editor,

Gostaria de acrescentar alguns dados em relação à acalasia do esôfago. O artigo apresentou de forma brilhante a propedêutica diagnóstica e terapêutica para o quadro1, mas deixou de informar o dado relacionado ao resultado da biópsia. Trata-se de um dado importante, uma vez que podemos encontrar alterações sugestivas de patologias associadas, que podem estar relacionadas à origem da acalasia esofágica. Como exemplos, vale citar o lupus eritematoso sistêmico, a sarcoidose e a esofagite eosinofílica (EE)2.

A EE é uma das causas de dismotilidade esofágica que vem sendo descrita com freqüência cada vez maior, a partir de seu conhecimento e de sua busca pelos médicos3. Sua forma de apresentação clínica é muito parecida com o refluxo gastroesofágico, apresentando sintomas como dor abdominal, vômitos e disfagia, entre outros, que não respondem ao tratamento anti-refluxo convencional; além disso, o padrão de pHmetria mostra tendência a altos níveis de pH4. O diagnóstico é feito através da biópsia, que apresenta a presença de eosinófilos no terço inferior esofágico com número acima de 20 ou 24 por campo de aumento de 40 vezes. Em geral, sua continuidade leva a distúrbios de motilidade mais importantes e à apresentação de odinofagia, impactação alimentar, perda de peso, falência no crescimento e caquexia2-4.

Apesar de ser mais comumente associada ao espessamento da parede esofágica e sua estenose, a associação entre acalasia esofágica e a esofagite eosinofilica já foi relatada2,5. Em uma série de 42 pacientes com diagnóstico de acalasia de esôfago, submetidos à esofagectomia torácica, cujos fragmentos foram estudados histologicamente, 22 pacientes (52%) apresentavam eosinofilia na camada muscular própria6. O papel desses eosinófilos ainda não se encontra bem estabelecido na formação da lesão da acalasia7. Na EE, além dos procedimentos para permitir a passagem dos alimentos, como a dilatação ou cirurgia esofágica, torna-se necessária a investigação relacionada a possíveis alérgenos alimentares, que são encontrados entre 50 a 80% dos indivíduos afetados8. Em geral, a retirada do alérgeno alimentar leva à melhora considerável da sintomatologia; porém, em alguns casos, pode haver persistência ou recorrência do mesmo, sendo necessária a administração de drogas, como corticóides orais ou inalatórios ou, ainda, antileucotrienos9. A ausência do encontro de alérgenos alimentares associados também corrobora com o uso dessas drogas8,9.

O crescente conhecimento e relato de séries de casos de pacientes com EE, principalmente em crianças, mas também em adultos10, motivou a elaboração da carta, sob o aspecto tanto da acalasia quanto da estenose esofágica — ambas associadas a essa doença, que vem adquirindo importância significativa em todo mundo.

 

Gesmar Rodrigues Silva Segundo

Mestre em Imunologia pela Universidade Federal de Uberlândia. Médico assistente, Ambulatório de Alergia e Imunologia Pediátrica, Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, MG.
gesmar2@pop.com.br

 

Referências

1. Fernandez PM, Lucio LA, Pollachi F. Acalasia de esôfago de causa desconhecida na infância J Pediatr (Rio J). 2004;80:523-6.

2. Landres RT, Kuster GG, Strum WB. Eosinophilic esophagitis in a patient with vigorous achalasia. Gastroenterology. 1978;74:1298-1301.

3. Liacouras CA, Ruchelli E. Eosinophilic esophagitis. Curr Opin Pediatr. 2004;16:560-6.

4. Sant'Anna AM, Rolland S, Fournet JC, Yasbeck S, Drouin E. Eosinophilic esophagitis in children: symptoms, hystology and pH probe results. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2004;39:373-77.

5. Chou CH, Shin JS, Wu MH, Chow NH, Lin XZ. Eosinophilic gastroenteritis with esophageal involvement. J Formos Med Assoc. 1996;95:403-5.

6. Goldblum JR, Whyte RI, Orringer MB, Appelman HD. Achalasia. A morphologic study of 42 resected specimens. Am J Surg Pathol. 1994;18:327-37.

7. Man F, Chiocca JC. Achalasia due to eosinophil infiltration: fact or fiction? Dig Dis Sci. 1993;38:1561.

8. Spergel JM, Beausoleil JL, Mascarenhas M, Liacouras A. The use of skin prick tests and patch tests to identify causative foods in eosinophilic esophagitis. J Allergy Clin Immunol. 2002;109:363-8.

9. Heine RG. Pathophysiology, diagnosis and treatment of food protein-induced gastrointestinal disease. Curr Opini Allergy Clin Immunol. 2004;4:221-9.

10. Noel RJ, Putnam PE, Rothenberg ME. Eosinophilic esophagitis. N Engl J Med. 2004;351:940-1.