SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.82 issue5Consequences of bottle-feeding to the oral facial development of initially breastfed childrenSerum prevalence of celiac disease in children and adolescents with type 1 diabetes mellitus author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

J. Pediatr. (Rio J.) vol.82 no.5 Porto Alegre Sept./Oct. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572006000600016 

CARTAS AO EDITOR

 

Alergia a baratas: fator de risco para asma de maior gravidade

 

 

Prezado Editor,

Até meados da década de 1970, os aeroalérgenos eram vistos como meros desencadeantes de crises de asma, em indivíduos cujos pulmões fossem "geneticamente irritáveis". Mais recentemente, entretanto, o papel da exposição alergênica no desenvolvimento da asma tornou-se melhor definido, e acredita-se que exerça basicamente três funções: a) a exposição a determinado(s) alérgenos(s), principalmente no início da vida, faz com que indivíduos geneticamente susceptíveis desenvolvam hipersensibilidade; b) nesses indivíduos, a exposição contínua ao(s) alérgeno(s) aumenta o risco de desenvolvimento de hiper-reatividade brônquica (HRB) e; c) a maioria dos indivíduos com HRB manifesta crises repetidas de obstrução ao fluxo aéreo, que podem ser desencadeadas por vários fatores além dos alérgenos, como o ar frio, a fumaça do tabaco, o estresse, entre outros.

Assim, a relação entre exposição aos alérgenos e manifestação de asma parece restringir-se às pessoas que desenvolveram hipersensibilidade do tipo I, ou seja, àquelas que são atópicas. Portanto, é provável que: a) mais do que um efeito direto sobre os pulmões, a ação das proteínas alergênicas seja resultado das reações alérgicas, imediata e tardia e b) apesar de atuarem como desencadeantes de crises, os alérgenos por si só são, principalmente, causa da inflamação que acompanha a asma em indivíduos geneticamente predispostos à atopia1.

Há algumas décadas, sabe-se que a poeira domiciliar e seus ácaros podem levar à sensibilização atópica, com o aparecimento de quadros clínicos variados. Dentre os aeroalérgenos envolvidos na patogenia das alergias respiratórias, destacam-se ainda os de fungos, baratas, polens e epitélios de animais domésticos.

A infestação por baratas é um fenômeno universal e, embora existam aproximadamente 3.500 espécies desses insetos distribuídas pelo mundo, poucas são domiciliares. A sensibilização aos alérgenos de baratas, problema que acomete predominantemente indivíduos residentes em áreas urbanas, vem sendo cada vez mais implicada como um fator relacionado à asma, sobretudo a quadros de maior gravidade em pacientes de nível socioeconômico mais baixo2.

Em estudo realizado em São Paulo, no qual foram empregados testes cutâneos para pesquisa de sensibilização atópica, observamos predomínio significante da sensibilização aos alérgenos de baratas (Blattella germanica e Periplaneta americana) em grupo de adolescentes asmáticos (22,3 e 16,5%, respectivamente) quando comparado a grupo controle, não asmático (0 e 0%, respectivamente). No grupo asmático, o grau de HRB foi significantemente maior entre os adolescentes sensibilizados, quando comparados aos não sensibilizados. Esse dado foi corroborado pela maior gravidade da asma (maior freqüência de crises de sibilos e de distúrbio da fala devido aos sibilos no último ano) entre os asmáticos sensibilizados3.

O diagnóstico das alergias respiratórias baseia-se na correlação entre história clínica e exame físico típicos de alergia, além do resultado de testes diagnósticos. A IgE é o principal anticorpo mediador das reações de hipersensibilidade tipo I, que estão envolvidas nesses quadros. Assim, os testes in vivo e in vitro, utilizados no diagnóstico da alergia, são direcionados para detecção de IgE livre ou ancorada à membrana celular.

A relevância do estudo de Lopes et al.4 é inquestionável, pois além de alertar sobre a importância dos alérgenos de baratas na sensibilização atópica em nosso meio, expõe fatos importantes sobre os testes empregados no diagnóstico dessa sensibilização. Estudo anterior identificou, entre crianças brasileiras atópicas acompanhadas em serviços de alergia pediátrica, 32,8% de positividade na pesquisa de IgE sérica específica para alérgenos de baratas5.

Parabenizamos os autores, os quais, em nosso entender, foram felizes na escolha do tema e criteriosos em suas colocações, argumentando de forma extremamente adequada sobre limitações e controvérsias inerentes aos métodos empregados na pesquisa de IgE específica para alérgenos: in vivo (testes cutâneos) e in vitro (dosagem de IgE sérica específica).

Discorrem de forma oportuna sobre uma série de fatores que podem influenciar os resultados desses exames e que sempre devem ser levados em consideração. Dentre eles, destacam-se a qualidade e a potência dos extratos, as técnicas empregadas, a possibilidade de reações cruzadas e a capacidade de correta interpretação.

Não menos oportunas foram as argumentações a propósito da dosagem de IgE total, que, como exposto pelos autores, embora seja freqüentemente solicitada, tem aplicação clínica muito limitada e questionável no diagnóstico das alergias.

Julgamos fundamental salientar que é impossível diagnosticar "alergia" com base unicamente em respostas a testes laboratoriais para pesquisa de IgE específica, sejam eles realizados in vivo ou in vitro. O diagnóstico deve ser ancorado na correlação entre a história clínica, o exame físico e os resultados desses testes.

Apesar dos avanços e da importância crescente dos testes in vitro como auxiliares no diagnóstico das alergias do tipo I nas últimas décadas, a pesquisa in vivo pelos testes cutâneos ainda é considerada, do ponto de vista clínico, o método mais adequado na avaliação de sensibilização atópica.

Para essa finalidade, a definição qualitativa dos alérgenos a serem utilizados nas baterias do teste deve sempre levar em consideração as características regionais de prevalência dos aeroalérgenos, ou seja, a exposição alergênica potencial e conhecida para o local e a área do país onde reside o paciente6.

 

Referências

1. Platts-Mills TAE. How environment affects patients with allergic disease: indoor allergen and asthma. Ann Allergy. 1994;72:381-4.

2. Rosenstreich DL, Eggleston P, Kattan M, Baker D, Slavin RG, Gergen P, et al. The role of cockroach allergy and exposure to cockroach allergen in causing morbidity among inner-city children with asthma. N Engl J Med. 1997;336:1356-63.

3. Solé D, Camelo-Nunes IC, Wandalsen GF, Chacon K, Naspitz C. Sensitization to cockroach as a marker of asthma severity among probable asthmatic adolescents identified by the International Study of Asthma and Allergies in Childhood (ISAAC) protocol. J Allergy Clin Immunol. 2002;109:S36-37.

4. Lopes MIL, Miranda PJ, Sarinho E. Use of the skin prick test and specific immunoglobulin E for the diagnosis of cockroach allergy. J Pediatr (Rio J). 2006;82:204-9.

5. Naspitz CK, Solé D, Jacob CA, Sarinho E, Soares FJP, Dantas V, et al. Sensitization to inhalant and food allergens in Brazilian atopic children by in vitro total and specific IgE assay. Allergy Project - PROAL. J Pediatr (Rio J). 2004;80:203-10.

6. Comissão de Testes, Imunoterapia e Padronização de Antígenos. Testes cutâneos em alergia. Rev Bras Alerg Imunopatol. 2000;23:134-6.

 

Inês C. Camelo-Nunes
Disciplina de Alergia, Imunologia Clínica e Reumatologia, Departamento de Pediatria, Universidade Federal de São Paulo — Escola Paulista de Medicina (UNIFESP-EPM), São Paulo, SP

Dirceu Solé
Disciplina de Alergia, Imunologia Clínica e Reumatologia, Departamento de Pediatria, UNIFESP-EPM, São Paulo, SP

 


 

Resposta dos autores

 

 

Prezado Editor,

Foi com grande satisfação que recebemos os comentários de Camelo-Nunes e Solé sobre o nosso artigo de sensibilização a baratas1. A alergia a esses insetos é conhecida há mais de 40 anos e, desde então, estudos têm sido realizados no mundo todo, demonstrando a associação entre desenvolvimento de anticorpos IgE específicos contra alérgenos de baratas e asma. Apesar desse fato, mesmo nos EUA, onde é realizada grande parte das pesquisas sobre o assunto, os pais ou responsáveis pelas crianças asmáticas associam o desencadeamento de crises à fumaça de cigarro, fungos, poeira e irritantes inalatórios, mas não a baratas2. Como a natureza da exposição é crônica, muitas vezes até despercebida pelos moradores, pois esses insetos permanecem grande parte do tempo escondidos, vivendo em um mundo paralelo, tipicamente não há referência do surgimento de sintomas em conseqüência da exposição a baratas.

Alguns estudos sugerem que indivíduos asmáticos sensibilizados a baratas constituem um subgrupo distinto caracterizado por um curso mais grave da doença. Em pesquisa realizada em Curitiba, da qual participaram 303 crianças atópicas asmáticas na faixa etária de 7 a 14 anos, a freqüência de sensibilização avaliada por testes cutâneos com extrato misto de B. germanica e P. americana foi de 19,7% em crianças com asma leve, 30,1% em crianças com asma moderada e 40,7% em asmáticos graves, com uma diferença estatisticamente significante3. Como apenas 7% de nossos pacientes asmáticos apresentavam asma grave, foram formados dois grupos para analisar a sensibilização, de acordo com a gravidade da doença: asma leve (46%) e asma moderada/grave (54%). A sensibilização à B. germanica e/ou P. americana entre os pacientes com asma moderada e grave em relação aos pacientes com asma leve foi, respectivamente, de 41,5 versus 25,7% pelos testes cutâneos e de 51,2 versus 34,3% quando se utilizou a determinação da IgE específica. Não houve uma diferença estatisticamente significante.

Talvez não tenhamos conseguido demonstrar uma diferença significante pelo tamanho da amostra da pesquisa, que não foi calculado especificamente para esse fim, ou pelo pequeno número de pacientes classificados como asmáticos graves. Apesar de o local da amostra ser um ambulatório especializado para doenças alérgicas, aproximadamente metade dos pacientes apresentavam asma leve, associada a um quadro mais grave de rinite alérgica. Esse fato poderia justificar um elevado percentual de sensibilização a baratas nesse grupo (25,7% através dos testes cutâneos e 34,3% pela determinação das IgE específicas).

Como não foram determinados os níveis de exposição alergênica nas residências dos pacientes, a análise da gravidade da asma restringiu-se apenas à análise de sensibilização a baratas, que, por si só não é associada a um curso mais grave da doença4. Não foi possível quantificar a exposição nos domicílios através de ensaios com anticorpos monoclonais. Assim, dados relativos à exposição foram obtidos apenas da impressão subjetiva do responsável pela criança quanto à presença de baratas na residência nos últimos 6 meses. Contudo, sabe-se que a impressão visual não é um bom marcador da exposição alergênica, pois, em até 48% dos casos em que não há sinais de infestação, são detectados alérgenos na poeira da casa5.

Diante de um paciente com quadro clínico sugestivo de doença alérgica, a história clínica e o exame físico geralmente precisam ser complementados com exames laboratoriais. Os sintomas presentes são freqüentemente comuns a outros processos mórbidos, e alérgenos de diferentes fontes podem estar envolvidos. Essa questão torna-se particularmente complexa quando são considerados os quadros perenes, em que não há uma nítida associação entre exposição a um alérgeno em particular e a indução de sintomas, além da dificuldade que envolve a diferença entre sensibilização e doença atópica, pois muitos indivíduos sensibilizados a alérgenos inalantes não experimentam sintomas de asma e/ou rinite alérgica6.

Nosso estudo não é uma evidência direta de que baratas são a causa da asma entre as crianças e adolescentes envolvidos. Da associação observada entre sensibilização a baratas, tanto pelo teste cutâneo como pela IgE específica e asma, pode-se concluir que essa sensibilização talvez seja um fator de risco importante para a doença. Entretanto, só através de um estudo mais sofisticado, longitudinal, utilizando um modelo de análise multivariada contemplando os vários fatores de risco envolvidos, o verdadeiro efeito da sensibilização a baratas no risco da asma e na gravidade dessa doença poderá ser efetivamente conhecido.

 

Referências

1. Lopes MIL, Miranda PJ, Sarinho E. Use of the skin prick test and specific immunoglobulin E for the diagnosis of cockroach allergy. J Pediatr (Rio J). 2006;82:204-9.

2. Krieger JW, Song L, Takaro T, Stout J. Asthma and the home environment of low-income urban children: preliminary findings from the Seattle-King County healthy home project. J Urban Health. 2000;77:50-67.

3. Rosário NA, Faria L, Riedi CA, Zulato S. Sensibilização a baratas em crianças asmáticas: relação com a gravidade da doença. Rev Bras Alerg Imunopatol. 1999;22:151-5.

4. Rosenstreich DL, Egglestone P, Kattan M, Baker D, Slavin RG, Gergen P, et al. The role of cockroach allergen and exposure to cockroach allergen in causing morbidity among inner-city with asthma. N Engl J Med. 1997;336:1356-63.

5. Chew GL, Burge HA, Dockery DW, Muilenberg ML, Weiss ST, Gold DR. Limitations of a home characteristics questionnaire as a predictor of indoor allergens levels. Am J Respir Crit Care Med. 1998;157:1536-41.

6. Kerkhoff M, Schouten JP, Monchy JGR. The association of sensitization to inhalant allergens with allergy symptoms: the influence of bronchial hyperresponsiveness and blood eosinophil count. Clin Exp Allergy. 2000;30:1387-94.

 

Maria Isabela L. Lopes
Mestre, Departamento de Pediatria, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE

Paulo J. Miranda
Mestre, Departamento de Patologia e Imunopatologia, Laboratório Keizo Asami (LIKA), UFPE, Recife, PE

Emanuel Sarinho
Doutor, Departamento de Pediatria, Divisão de Alergia e Imunologia, UFPE, Recife, PE