SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.48 issue4 author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Papéis Avulsos de Zoologia

Print version ISSN 0031-1049On-line version ISSN 1807-0205

Pap. Avulsos Zool. (São Paulo) vol.48 no.4 São Paulo  2008

http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492008000400001 

Novas espécies de Onciderini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) da Bolívia

 

 

Ubirajara R. MartinsI,III; Maria Helena M. GalileoII,III

IMuseu de Zoologia, Universidade de São Paulo, Caixa Postal 42.494, 04218-970, São Paulo, SP, Brasil. E-mail: urmsouza@usp.br
IIMuseu de Ciências Naturais, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. Caixa Postal 1188, 90001-970 Porto Alegre, RS, Brasil. E-mail: galileo@fzb.rs.gov.br
IIIPesquisador do CNPq

 

 


RESUMO

Novas espécies descritas da Bolívia, Santa Cruz: Trachysomus apipunga sp. nov., Hesychotypa aotinga sp. nov., Cacostola apyraiuba sp. nov. and Glypthaga nearnsi sp. nov.

Palavras-chave: Bolívia; Cacostola; Glypthaga; Hesychotypa; Trachysomus.


ABSTRACT

New species of Onciderini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) from Bolivia. New species described from Santa Cruz: Trachysomus apipunga sp. nov., Hesychotypa aotinga sp. nov., Cacostola apyraiuba sp. nov. and Glypthaga nearnsi sp. nov.

Keywords: Bolivia; Cacostola; Glypthaga; Hesychotypa; Trachysomus.


 

 

INTRODUÇÃO

O Sr. James E. Wappes do American Coleoptera Museum, San Antonio, Texas, Estados Unidos (ACMS), remeteu-nos para exame nova remessa de Cerambycidae da Bolívia, dentre os quais quatro espécies de Onciderini que ora descrevemos. Wappes também nos alertou para que os holótipos fossem depositados no Museo de Historia Natural Noel Kempff Mercado, Santa Cruz (MNKM).

A tribo Onciderini foi motivo de revisão por Dillon & Dillon (1945, 1946), mas nestes últimos 60 anos, muitos autores acrescentaram inúmeros táxons e atualmente a tribo está necessitando de revisão atualizada.

Um dos parátipos de uma das espécies foi retido para o Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (MZSP).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Trachysomus apipunga sp. nov.

(Fig. 1)

 


 

Etimologia: Tupi, apipúnga = inchado, alusivo à grande excrescência da base dos élitros.

Tegumento preto. Escapo com ápice e área externa da base cobertos por pubescência laranja-avermelhada. Base dos flagelômeros com pubescência branca. Pronoto com faixa central, longitudinal, de pubescência amarelo-alaranjada com as bordas irregulares com duas áreas mais largas. Nos lados da base do pronoto, pequena mancha de pubescência alaranjada e um traço de pubescência branca no meio das partes laterais do protórax. No meio dos élitros, manchas alaranjadas, pequenas, alinhadas numa faixa oblíqua; no terço apical faixas de pubescência preta: uma interrompida perto da sutura, uma contínua até adiante do tufo apical e uma externa mais curta que as demais. Pincel anteapical de pêlos pretos e faixa de pêlos brancos, mais curtos, no meio do pincel, invisível em vista dorsal. Fêmures pretos com escamas brancas, esparsas e pubescência alaranjada, irregular, na base e no ápice. Tíbias pretas. Tarsos avermelhados. Região inferior do corpo com áreas irregulares de pubescência alaranjada, mais concentrada nos urosternitos I a III.

Dimensões, mm, holótipo macho: Comprimento total, 16,0; comprimento do protórax, 3,6; maior largura do protórax (na base) 5,0; comprimento do élitro, 11,0; largura umeral, 7,5.

Material-tipo: Holótipo macho, BOLÍVIA, Santa Cruz: Buena Vista (Hotel Flora & Fauna, 4-6 km SSE), 23-25.IV.2004, Wappes & Cline col. (MNKM).

Discussão: Pela faixa centro-longitudinal de pubescência alaranjada do pronoto, Trachysomus apipunga sp. nov. assemelha-se a T. surdus Dillon & Dillon, 1946. Distingue-se pela fronte finamente pontuada e com saliências inconspícuas; pelos élitros com faixa oblíqua de manchas alaranjadas, tufo anteapical de pêlos pretos e faixas de pubescência preta no terço apical. Em T. surdus, a fronte tem quatro saliências e pontuação mais grossa e os élitros não têm faixa oblíqua alaranjada, as faixas pretas são reduzidas e o tufo anteapical é de pêlos brancos.

Hesychotypa aotingasp. nov.

(Fig. 2)

Etimologia: Tupi, aotinga = veste branca, alusivo à faixa branca dos élitros.

Macho: Tegumento preto. Fronte e vértice revestidos por pubescência vermelho-alaranjada mais concentrada junto aos olhos. Tubérculos anteníferos projetados, mas não prolongados em corno. Antenas atingem o ápice dos élitros na base do antenômero VI. Escapo revestido por pubescência vermelho-alaranjada mais concentrada na metade basal. Flagelômeros com a metade basal coberta por pubescência esbranquiçada. Pronoto com área centro-posterior de pubescência branca e pubescência alaranjada junto à orla anterior; região centro-transversal elevada. Partes laterais do protórax escuras junto ao prosterno. Escutelo revestido por pubescência branca.

Úmeros bem projetados. Cada élitro com uma faixa de pubescência branca, compacta, oblíqua em sentido descendente da margem para a sutura, que se inicia no quarto anterior e atinge o terço apical e prolonga-se, subparalela à sutura, até o ápice; a região externa dessa faixa tem faixas paralelas e alternadas de pubescência preta e alaranjada. Adiante dessa faixa, para o lado da base, os élitros têm pubescência alaranjada mesclada por áreas escuras.

Fêmures revestidos por pubescência branca na base e alaranjada no restante. Tíbias esbranquiçadas na metade basal e mais escuras para o ápice. Mesosterno e metasterno revestidos por pubescência esbranquiçada. Mesepisternos, mesepimeros e região anterior dos metepimeros revestidos por pubescência alaranjada. Urosternitos revestidos por pubescência esbranquiçada mesclada com pubescência alaranjada.

Fêmea: A pubescência alaranjada do corpo é mais amarelada. A projeção dos úmeros é mais discreta que no macho. Nos élitros, o prolongamento da faixa branca paralelo à sutura é mais largo.

Dimensões, mm, macho/fêmea, respectivamente: Comprimento total, 14,9/13,9; comprimento do protórax, 2,6/2,2; maior largura do protórax, 3,8/3,5; comprimento do élitro, 11,5/10,8; largura umeral, 5,2/5,0.

Material-tipo: Holótipo macho, BOLÍVIA, Santa Cruz: Amboro (" road above Achira, campo 5-5, 800 pés), 9-11.X.2004, Wappes & Morris col. (MNKM). Parátipo fêmea, BOLÍVIA, Santa Cruz: Amboro (" road above Achira" , 1940 m, 18°07.43’S, 63°47.98’W, " cut/burn/área" ), fêmea, 10.XI.2006, Wappes, Nearns & Eya col. (ACMS).

Discussão: Pelos élitros com faixa de pubescência branca, oblíqua em sentido descendente da margem para a sutura, Hesychotypa aotinga sp. nov. pode ser comparada com H. colombiana Martins & Galileo, 1990 e H. cedestes Dillon & Dillon, 1945.

Difere de H. colombiana pela mancha de pubescência branca no pronoto, pela faixa dos élitros de pubescência branca e pelos élitros com abundante colorido alaranjado. Em H. colombiana não há mancha de pubescência branca no pronoto, a faixa dos élitros é clara, mas não branca e os élitros não têm áreas de colorido alaranjado.

Hesychotypa cedestes foi descrita com base na fêmea (p. 173), mas no material examinado declararam " Holotype.- Male; ..." . Verificamos pela fotografia de holótipo, depositado no AMNH e feita por John A. Chemsak, que o holótipo é uma fêmea.

Hesychotypa aotinga sp. nov distingue-se de H. cedestes pela presença de grande mancha de pubescência branca na região centro-basal do pronoto, pela faixa branca dos élitros prolongada até a extremidade, pelo terço apical dos élitros com faixas alternadas de pubescência preta e alaranjada. Em H. cedestes, todo o centro do pronoto é coberto por pubescência esbranquiçada e alaranjada, a faixa de pubescência branca dos élitros estende-se até a sutura e a pubescência do terço apical não constitui faixas.

Cacostola apyraiuba sp. nov.

(Fig. 3)

Etimologia: Tupi, apyra = Ponta; iuba – amarelo. Alusivo à região apical dos élitros.

Tegumento acastanhado. Fronte com pubescência alaranjada entremeada de pubescência branca. Vértice coberto por pubescência predominantemente alaranjada. Escapo com pubescência variegada de branco e alaranjado e anel central castanho. Flagelômeros com a base recoberta por pubescência esbranquiçada e o ápice gradualmente mais acastanhado dos antenômeros III ao XI.

Partes laterais do protórax com projeção lateral no nível do terço posterior e uma faixa castanha próximo à orla anterior. Pronoto com pubescência variegada de branco e alaranjado e uma área central onde predomina a pubescência branca. Esternos torácicos com pubescência mesclada de alaranjado e, mais predominantemente, branco.

Élitros com pubescência acinzentada, menos no quinto apical que é ocupado por pubescência mesclada de laranja e branco, interrompida por pequenas áreas castanhas; região látero-anteapical com gibosidade aparente.

Fêmures com a base revestida por pubescência branca. Urosternitos com pubescência mesclada de branco e, mais predominantemente, alaranjado. Margem apical do urosternito V emarginada.

Dimensões, mm, parátipo e holótipo fêmeas, respectivamente: Comprimento total, 11,1-11,5; comprimento do protórax, 1,7-1,7; maior largura do protórax, 2,2-2,3; comprimento do élitro, 8,8-8,8; largura umeral, 2,9-3,1.

Material-tipo: Holótipo fêmea, BOLÍVIA, Santa Cruz: Buena Vista (Hotel Flora & Fauna, 4-6 km SSE, 430 m), 5-15.XI.2001, M.C. Thomas & B.K. Dozier col. " blacklight trap, tropical transition forest" (MNKM). Parátipo fêmea, mesmos dados do holótipo, 26-27.X.2000, R. Morris col. (ACMS). Parátipo macho, BOLIVIA, Santa Cruz: Reserva Natural Potrerillo de Guendá (Snake farm, 17°40.269’S, 63°27.43’W, 400 m), parátipo macho, 16-22.X.2006, Wappes, Nearns & Eya col. (ACMS).

Discussão: Pela mancha clara no ápice dos élitros Cacostola apyraiuba assemelha-se a C. sulcipennis Melzer, 1934. Difere, pela pubescência alaranjada na cabeça, no protórax e no ápice dos élitros. Em C. sulcipennis a cabeça, protórax e área apical dos élitros têm pubescência esbranquiçada.

Glypthaga nearnsisp. nov.

(Fig. 4)

Etimologia: O epíteto é uma homenagem a Eugenio H. Nearns pela colaboração com os autores.

Tegumento preto a castanho. Fronte e vértice recobertos por pubescência amarelada. Fronte mais longa que larga. Lobos oculares inferiores pouco mais longos (0,9 mm) que as genas (0,7 mm); lobos oculares superiores com quatro fileiras de omatídios, tão distantes entre si quanto o quádruplo da largura de um lobo. Tubérculos anteníferos distantes, projetados. Antenas atingem o ápice elitral na ponta do antenômero VII (macho) ou no meio do antenômero IX (fêmea). Base dos flagelômeros com pubescência branca e o restante com pubescência amarelada entremeada por branco.

Protórax com pubescência predominante amarelada. Mesepisternos e mesepimeros com pubescência acastanhada entremeada por pubescência alaranjada e amarelada.

Élitros com os úmeros levemente projetados. Pubescência dos élitros predominantemente amarelada com uma faixa mais clara, oblíqua em sentido descendente do úmero até o meio e quatro ou cinco faixas estreitas, longitudinais, de pilosidade branca na metade apical. Região sob os úmeros com pubescência acastanhada, mais visível nas fêmeas.

Face ventral do corpo com pubescência amarelada entremeada por pubescência branca esparsa. Procoxas com tubérculo nos machos. Pernas com pubescência amarelada e branca entremeadas.

Dimensões, mm, holótipo macho/parátipos fêmeas, respectivamente. Comprimento total, 12,1/11,1-12,7; comprimento do protórax, 2,4/2,1-2,4; maior largura do protórax, 3,2/2,8-3,1; comprimento do élitro, 9,1/8,1-9,5; largura umeral, 4,7/4,4-5,0.

Material-tipo: Holótipo macho, BOLÍVIA, Santa Cruz: Buena Vista (Hotel Flora & Fauna, 4-6 km SSE), 1-8.XI.2002, J.E. Wappes col. (MNKM). Parátipos: Santa Cruz: Warnes (5 km ESSE Hotel Rio Selva, 17°33,695’S, 63°11,9811’W, 350 m), duas fêmeas, 3-4.XI.2001, M.C. Thomas col. (ACMS, MZSP).

Discussão: A distinção entre Glypthaga e Hesycha resume-se à presença de gancho ou tubérculo nas procoxas dos machos de Glypthaga. Machos de G. nearnsi sp. nov. têm procoxa com tubérculo, portanto a espécie fica melhor posicionada em Glypthaga.

G. nearnsi assemelha-se a G. xylina (Bates, 1865) e difere pelo aspecto geral mais compacto, pela ausência de faixas escuras, paralelas, no meio do pronoto e pela menor quantidade de linhas claras na metade apical dos élitros. G. nearnsi também é semelhante a Hesycha variabilis Dillon & Dillon, 1945, mas separa-se pelos úmeros sem projeção acentuada, pelos lobos oculares inferiores tão longos quanto as genas e pelos tubérculos anteníferos dos machos menos projetados. Em H. variabilis os úmeros têm acentuada projeção, os lobos oculares inferiores são mais curtos que as genas e os tubérculos anteníferos dos machos são acentuadamente projetados.

 

AGRADECIMENTOS

A James E. Wappes (ACMS) que nos remeteu material para estudo e a Eleandro Moysés, Museu de Ciências Naturais, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, pela execução das fotografias.

 

REFERÊNCIAS

DILLON, L.S. & DILLON, E.S. 1945. The tribe Onciderini. Part I. Scientific Publications of the Reading Public Museum, 5:1-186.        [ Links ]

DILLON, L.S. & DILLON, E.S. 1946. The tribe Onciderini. Part II. Scientific Publications of the Reading Public Museum, 6:189-413.        [ Links ]

 

 

Recebido em: 10.08.2007
Aceito em: 11.10.2007
Impresso em: 24.03.2008

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License