SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.50 issue15 author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Papéis Avulsos de Zoologia

Print version ISSN 0031-1049

Pap. Avulsos Zool. (São Paulo) vol.50 no.15 São Paulo  2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492010001500001 

Novo gênero de Calliini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae)

 

 

Maria Helena M. GalileoI,III; Ubirajara R. MartinsII,III

IMuseu de Zoologia, Universidade de São Paulo, Caixa Postal 42.494, 04218-970, São Paulo, SP, Brasil. E-mail: urmsouza@usp.br
IIMuseu de Ciências Naturais, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. Caixa Postal 1.188, 90001-970, Porto Alegre, RS, Brasil. E-mail: galileo@fzb.rs.gov.br
IIIPesquisador do CNPq

 

 


RESUMO

Paradrycothaea gen. nov. (Calliini, Lamiinae) é proposto para duas espécies mexicanas: P. pilosicornis sp. nov., espécie-tipo, de Quintana Roo e P. jamesi sp. nov. de Chiapas.

Palavras-chave: Chave para as espécies; México; Novos táxons; Paradrycothaea; Taxonomia.


ABSTRACT

Paradrycothaea gen. nov. (Calliini, Lamiinae) is erected to two Mexican species: P. pilosicornis sp. nov., type species, from Quintana Roo and P. jamesi sp. nov. from Chiapas.

Keywords: Key to species; Mexico; New taxa; Paradrycothaea; Taxonomy.


 

 

INTRODUÇÃO

Calliini e Aerenicini têm garras tarsais apendiculadas e bífidas, respectivamente. Em Desmiphorini e Apomecynini as garras tarsais são, respectivamente, divaricadas e divergentes.

Foi constatado que Breuning (1940, 1974a, 1974b) nunca examinou as garras tarsais das espécies de Lamiinae. Verificou-se que diversas espécies de Calliini foram descritas por Breuning em Desmiphorini e muitos exemplos podem ser mencionados: Drycothaea angustifrons (Breuning, 1943), Calliini, foi originalmente descrita em Estoloides Breuning, 1940 (Desmiphorini) (Tavakilian, 1991); D. anteochracea (Breuning, 1974), foi publicada em Estola Fairmaire & Germain, 1859 (Martins & Galileo, 1990); D. brasiliensis (Breuning, 1974), foi descrita em Guyanestola Breuning, 1961 (Galileo & Martins, 1991); D. ochreoscutellaris (Breuning, 1940) foi descrita em Estolopsis Breuning, 1940 (Galileo & Martins, 1991); D. truncatipennis Tavakilian, 1997 foi publicada como Estola stictica Breuning, 1942 nome preocupado em Drycothaea (Tavakilian, 1997); portanto Breuning descreveu espécies de Drycothaea (Calliini) em quatro gêneros diferentes de Desmiphorini.

O gênero Euryestola Breuning, 1940 foi descrito originalmente em Rhodopinini (sinônimo de Desmiphorini). Tavakilian (1991) verificou que na realidade a espécie-tipo, E. antennalis Breuning, 1940 tem garras tarsais apendiculadas e portanto pertence à tribo Calliini.

Com Aerenicini sucedeu o mesmo, isto é, o gênero Aerenicopsis Bates, 1885 (Aerenicini) também foi descrito por Breuning (1940, 1974a) em Agapanthiini com dois nomes: Falsohippopsis Breuning, 1940 e Falsohippopsoides Breuning, 1974. Aerenicopsis championi Bates, 1885 foi descrito por Breuning (1974b) como Falsohippopsoides costaricensis (Martins & Carvalho, 1983).

É com certa preocupação que propomos um gênero novo, pois é possível que as duas espécies que o compõe já estejam descritas em Desmiphorini por Breuning (1974a), mas um estudo minucioso da "Révision de Rhodopinini" (= Desmiphorini) não evidenciou sua inclusão entre as espécies descritas.

As siglas utilizadas no texto correspondem a: ACMS, American Coleoptera Museum, San Antonio; MCNZ, Museu de Ciências Naturais, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre; MZUSP, Museu de Zoologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Paradrycothaea gen. nov.

Etimologia: Latim, para = ao lado de; Drycothaea nome genérico criado por Thomson, 1868. Gênero feminino.

Espécie-tipo: Paradrycothaea pilosicornis sp. nov.

Olhos grosseiramente facetados. Antenas dos machos ultrapassam o ápice elitral no meio do antenômero VII, com densa pilosidade sexual. Antenas das fêmeas ultrapassam o ápice dos élitros em três artículos e meio. Escapo sem cicatriz, pouco e gradualmente engrossado para o ápice. Tubérculos anteníferos não projetados. Flagelômeros lineares. Antenômeros III mais longo que o IV. Lado interno dos antenômeros III a VIII com franja de pelos curtos e densos.

Protórax mais largo que longo, com espinho lateral manifesto situado no meio.

Processos prosternal e mesosternal com os lados intumescidos. Mesosterno sem tubérculo.

Élitros não deprimidos na base, com setas curtas e pontos simples; declividade lateral sem franja de pelos. Extremidades elitrais arredondadas.

Fêmures revestidos por pubescência e com pontos contrastantes. Profêmures fusiformes e robustos. Protíbias com pelos longos na face inferior. Protarsos com pelos longos nas laterais. Metatarsômero I mais curto que o comprimento de II+III.

Discussão: Paradrycothaea gen. nov. assemelha-se a Colombicallia Galileo & Martins, 1992 e a Hirticallia Galileo & Martins, 1990 pelos olhos grosseiramente facetados. Distingue-se de Colombicallia, nos machos, pelas antenas com pilosidade sexual nos flagelômeros III a X; pelas protíbias com pelos no lado interno; pelos protarsos providos de pelos longos nas margens. Difere de Hirticallia pelos espinhos laterais do protórax curto e pelos pelos elitrais curtos. Em Hirticallia o espinho lateral do protórax é longo e curto e os pelos elitrais são muito longos.

Pelo aspecto geral, pode ser comparado a Drycothaea Thomson, 1868; separa-se pelo mesosterno sem tubérculo em Paradrycothaea e presente em Drycothaea.

Chave para as espécies de Paradrycothaea

1. Tegumento preto ou preto-avermelhado; lobos oculares superiores tão distantes entre si quanto a largura de um lobo; vértice com pontos grossos e profundos; macho: antenômeros IX-X com pelos maiores do que aqueles dos antenômeros precedentes; antenômero XI mais estreito e tão longo quanto metade do X. Figs. 1-2. México (Quitana Roo) ............................................. P. pilosicornis sp. nov.

 


 

– Tegumento avermelhado; lobos oculares superiores tão distantes entre si quanto o dobro da largura de um lobo; vértice com pontos finos e pequenos; macho: antenômeros IX-X com pelos iguais aos dos antenômeros precedentes; antenômero XI tão largo quanto o precedente e tão longo quanto 2/3 do X. Figs. 3-4. México (Chiapas) ......................................................................... P. jamesi sp. nov.

Paradrycothaea pilosicornis sp. nov.
Figs. 1-2

Etimologia: Latim, pilosis = piloso; cornu = chifre, correspondente às antenas.

Macho: Tegumento da cabeça, protórax e face ventral do corpo, pretos ou preto-avermelhados escuros. Tegumento das pernas mais avermelhado. Élitros preto-avermelhados.

Cabeça revestida por pubescência amarelada. Fronte e região anterior do vértice com pontos grossos e moderadamente próximos. Lobos oculares superiores tão distantes entre si quanto o quádruplo da largura de um lobo. Antenas atingem o ápice dos élitros na base do antenômero VII. Escapo revestido por pubescência amarelada com alguns pontos contrastantes; com cerca da metade do comprimento do antenômero III. Flagelômeros com anel basal de pubescência branca. Antenômero IV subigual em comprimento ao anterior; V-X com comprimentos gradualmente decrescentes; XI mais esbelto e com metade do comprimento do precedente. Antenômeros VIII e X com franja de pelos longos e mais densos, especialmente neste último. Antenômero XI sem pelos longos.

Pronoto revestido por pubescência amarelada. Pronoto e partes laterais do protórax pontuados. Prosterno pontuado na metade posterior. Processo mesosternal com lados bem convergentes. Esternos meso- e metatorácicos revestidos por pubescência amarelada. Lados do metasterno com pontos profundos. Escutelo coberto por densa pubescência branco-amarelada.

Élitros revestidos por pubescência amarelada um pouco mais concentrada em áreas irregulares. Toda superfície dos élitros com pelos curtos. Pontos elitrais contrastantes; na base maiores e mais densos. Extremidades elitrais arredondadas.

Urosternitos revestidos por pubescência amarelada e com pontos principalmente nas laterais.

Fêmea: Antenas atingem o ápice dos élitros no terço basal do antenômero IX.

Dimensões, em mm, macho/fêmea respectivamente: Comprimento total, 9,1-10,3/8,3-10,7; comprimento do protórax, 1,8-2,1/1,6-2,1; maior largura do protórax, 2,4-3,4/2,7-3,5; comprimento do élitro, 6,0-7,0/6,0-7,7; largura umeral, 3,2-3,9/3,1-4,2.

Material-tipo: Holótipo macho, MÉXICO: Quintana Roo: Tulum (15-18 km N), 11-12.X.1982, J.E. Wappes col. (ACMS). Parátipos – mesmos dados do holótipo, 6 machos e 9 fêmeas [3 machos, 6 fêmeas (ACMS); 2 machos, 2 fêmeas (MZUSP): macho, fêmea MCNZ)].

Paradrycothaea jamesi sp. nov.
(Figs. 3-4)

Etimologia: O nome específico homenageia James E. Wappes (ACMS), coletor da série-tipo.

Macho: Tegumento avermelhado, revestido por pubescência amarelada. Flagelômeros com anel basal de pubescência branca. Cabeça revestida por pubescência amarelada. Fronte e vértice com poucos pontos. Lobos oculares superiores tão distantes entre si quanto vez e meia maior que a largura de um lobo. Antenas atingem o ápice dos élitros na extremidade do antenômero VII. Escapo coberto por pubescência amarelada sem pontos contrastantes e com dois terços do comprimento do III. Comprimento do III maior que o do IV; V-X com comprimentos gradualmente decrescentes. Antenômeros VIII a X com franja de pelos curtos. Antenômero XI com comprimento subigual ao do X, com pelos na metade basal.

Pronoto densamente pontuado. Pro- e mesosterno pontuados em toda a extensão. Processo mesosternal com os lados levemente estreitados. Metepisterno com alguns pontos. Escutelo com pubescência amarelada esparsa.

Élitros revestidos por pubescência amarelada, um pouco mais concentrada em áreas irregulares; com pelos curtos. Pontos elitrais contrastantes; na região basal, maiores e mais densos.

Urosternitos esparsamente pontuados.

Fêmea: Antenas atingem a ponta dos élitros no terço basal do antenômero IX. Uma das fêmeas examinadas apresenta o mesonoto exposto, onde se observa uma carena longitudinal no meio.

Dimensões, em mm, macho/fêmea respectivamente: Comprimento total, 7,1-9,5/8,5-9,2; comprimento do protórax, 1,5-2,0/1,6-1,8; maior largura do protórax, 2,3-3,0/2,5-2,9; comprimento do élitro, 4,9-6,7/6,5-6,2; largura umeral, 2,8-3,7/3,1-3,5.

Material-tipo: Holótipo macho, MÉXICO, Chiapas: Tuxtla Gutierrez (17 km W), 21-25.VI.1987, J.E. Wappes col. (ACMS). Parátipos – mesmos dados do holótipo, macho e fêmea, J.E. Wappes col. (MZUSP); 3.300 pés, 01-08.VII.1986, macho, J.E. Wappes col. (ACMS); Chorreadero Canyon, macho, 29.X.-02.XI.1986, J.E. Wappes col. (ACMS); Sumidero (4.000 pés), fêmea, 01-26.VI.1987, J.E. Wappes col. (ACMS).

 

AGRADECIMENTOS

A James E. Wappes (ACMS) pelo envio de material para estudo; a Eleandro Moysés (Bolsista IC/CNPq/FZB), Museu de Ciências Naturais, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, pela execução das fotografias e digitalização das imagens.

 

REFERÊNCIAS

BREUNING, S. 1940. Novae species Cerambycidarum. VIII. Folia Zoologica et Hydrobiologica, 10:37-85.         [ Links ]

BREUNING, S. 1974a. Révision des Rhodopinini américains. Studia Entomologica, 17(1-4):1-210.         [ Links ]

BREUNING, S. 1974b. Neue Arten und Gattungen von Lamiinen (Coleoptera, Cerambycidae). Mitteilungen aus dem Zoologischen Museum in Berlin, 50(1):149-165.         [ Links ]

GALILEO, M.H.M. & MARTINS, U.R. 1991. Revisão da tribo Calliini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae). Giornale Italiano di Entomologia, 5:243-262.         [ Links ]

MARTINS, U.R. & CARVALHO, S.M. 1983. Sinonímias, nova combinação e novas espécies em Aerenicopsis Bates (Aerenicini) e Trichohippopsis Breuning (Agapanthiini) (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae). Revista Brasileira de Entomologia, 27(2):161-163.         [ Links ]

MARTINS, U.R. & GALILEO, M.H.M. 1990. Notas sobre Calliini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae). IV. As espécies sul-americanas do gênero Drycothaea Thomson, 1868. Revista Brasileira de Entomologia, 34(3):607-613.         [ Links ]

TAVAKILIAN, G.L. 1991. Notas sinonímicas e novas combinações em longicórneos sul-americanos (Coleoptera, Cerambycidae). Revista Brasileira de Entomologia, 35(2):439-453.         [ Links ]

TAVAKILIAN, G.L. 1997. Nomenclatural changes, reinstatements, new combinations, and new synonymies among American Cerambycids (Coleoptera). Insecta Mundi, 11(2):129-139.         [ Links ]

 

 

Recebido em: 24.11.2009
Aceito em: 09.06.2010
Impresso em: 30.06.2010

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License