SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.51 issue18 author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Papéis Avulsos de Zoologia

Print version ISSN 0031-1049

Pap. Avulsos Zool. (São Paulo) vol.51 no.18 São Paulo  2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492011001800001 

Cerambycidae (Coleoptera) do estado do Maranhão, Brasil: III

 

 

Ubirajara R. MartinsI,IV; Maria Helena M. GalileoII,IV; Francisco Limeira-de-OliveiraIII

IMuseu de Zoologia, Universidade de São Paulo. Caixa Postal 42.494, 04218-970, São Paulo, SP, Brasil. E-mail: urmsouza@usp.br
IIMuseu de Ciências Naturais, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. Caixa Postal 1.188, 90001-970, Porto Alegre, RS, Brasil. E-mail: galileo@fzb.rs.gov.br
IIIDepartamento de Química e Biologia, Centro de Estudos Superiores de Caxias, Universidade Estadual do Maranhão, Praça Duque de Caxias, s/n, Morro do Alecrim, 65604-380, Caxias, MA, Brasil. E-mail: franciscolimeira@CESC.uema.br
IVPesquisador do CNPq

 

 


RESUMO

Oitenta e quatro espécies são registradas para o Estado do Maranhão: Prioninae (uma), Disteniinae (uma), Cerambycinae (49) e Lamiinae (33). O número total de espécies assinaladas para o Estado eleva-se a 367. Nove novas espécies são descritas em Cerambycinae: Chlorida inexpectata sp. nov. (Bothriospilini); Jupoata germana sp. nov. (Cerambycini); Eburodacrys separatus sp. nov. e Eburodacrys cincora sp. nov. (Eburiini); Ectenessa affinis sp. nov. (Ectenessini); Minibidion bicolor sp. nov. (Ibidionini, Tropidiina); Compsibidion maculatum sp. nov. e Compsibidion ytu sp. nov. (Ibidionini,Ibidionina); Ideratus beatus sp. nov. (Ideratini). Três espécies são descritas em Lamiinae: Aerenea gibba sp. nov. (Compsosomatini); Mimasyngenes barbozai sp. nov. (Desmiphorini); Cacostola exilis sp. nov. (Onciderini). Uma variação no colorido de Adesmus paradiana Galileo & Martins, 2004 é observada. Corrigenda de Piruana pulchra Martins et al., 2009 para Piruauna pulchra (Desmiphorini).

Palavras-Chave: Fauna de Cerambycidae; Neotropical; Novos registros; Novas espécies.


ABSTRACT

In this contribution 84 species are recorded to Maranhão State: one Prioninae, one Disteniinae, 49 Cerambycinae and 33 Lamiinae. The total number of species recorded to the state is now 367. Nine new species are described in Cerambycinae: Chlorida inexpectata sp. nov. (Bothriospilini); Jupoata germana sp. nov. (Cerambycini); Eburodacrys separatus sp. nov. and Eburodacrys cincora sp. nov. (Eburiini); Ectenessa affinis sp. nov. (Ectenessini); Minibidion bicolor sp. nov. (Ibidionini, Tropidiina); Compsibidion maculatum sp. nov. and Compsibidion ytu sp. nov. (Ibidionini,Ibidionina); Ideratus beatus sp. nov. (Ideratini). Three species are described in Lamiinae: Aerenea gibba sp. nov. (Compsosomatini); Mimasyngenes barbozai sp. nov. (Desmiphorini); Cacostola exilis sp. nov. (Onciderini). Color variation was observed in Adesmus paradiana Galileo & Martins, 2004. Corrigenda of Piruana pulchra Martins et al., 2009 to Piruauna pulchra (Desmiphorini).

Key-Words: Cerambycidae fauna; Neotropical; New records; New species.


 

 

INTRODUÇÃO

Esta é a terceira contribuição ao estudo da fauna cerambicidológica do estado do Maranhão. Sobre esse tema foram publicados dois trabalhos, Martins et al. (2009a, 2009b), com registro de 239 espécies, das quais 37 já tinham registro para o estado. Considerando-se as espécies arroladas por Zajciw (1967) e Monné & Bezark (2009), o total chega a 283 espécies citadas para o Maranhão.

Várias espécies incluídas nesta contribuição foram coletadas em Bom Jardim, na Reserva Biológica Gurupí (REBIO) que se situa na Floresta Equatorial, conforme mapa em Martins et al. (2009a).

O material estudado pertence à Coleção Zoológica do Maranhão, Universidade Estadual do Maranhão, Caxias (UEMA). Além dessa coleção, o material-tipo será depositado no Museu de Zoologia, Universidade de São Paulo (MZUSP) e no Museu de Ciências Naturais da Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre (MCNZ).

As referências, sob cada espécie arrolada, restringem-se à descrição original.

 

RESULTADOS

Os novos registros assinalados, no presente trabalho, totalizam 84 espécies: uma em Prioninae, uma em Disteniinae, 49 em Cerambycinae e 33 em Lamiinae. Doze espécies novas são descritas e figuradas. Considerando as 283 espécies citadas anteriormente, ficam registradas, para o Maranhão, 367 espécies.

PRIONINAE MACROTOMINI

1. Mallodon dasystomus baiulus Erichson, 1847

Mallodon baiulus Erichson, 1847:138.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), fêmea, 17-15.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.T. Câmara & J.C.A. Silva col., armadilha luminosa suspensa.

DISTENIINAE DISTENIINI

2. Abauba ericae (Martins & Galileo, 1994)

Paracometes ericae Martins & Galileo, 1994:80, fig. 2.

 


 

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), fêmea, 17-27.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.T. Câmara & A.A.T. Souza col., armadilha Malaise.

CERAMBYCINAE ACHRYSONINI

3. Achryson quadrimaculatum (Fabricius, 1792)

Callidium 4-maculatum Fabricius, 1792:328.

Material examinado: Caxias (Reserva Ecológica Inhamum), macho, 26-28.III.2009, F.J.L. Santos & H.M. Costa col., rede entomológica.

BOTHRIOSPILINI

4. Chlorida curta Thomson, 1857

Chlorida curta Thomson, 1857b:288.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), fêmea, 17-27.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.T. Câmara & A.A.T. Souza col., armadilha Malaise.

5. Chlorida inexpectata sp. nov. (Fig. 1)

Etimologia: do latim, inexpectatus = não esperado.

Cabeça com tegumento castanho-avermelhado, brilhante, sem pubescência. Lobos oculares superiores estreitos (largura 0,6 mm); pouco mais distantes entre si (1 mm) do que a largura de um lobo. Antenas dos machos atingem o ápice elitral na base do antenômero VIII. Escapo castanho-avermelhado, densamente pontuado na metade basal. Antenômeros III a IV avermelhados e enegrecidos no lado externo do ápice; antenômero V enegrecido com os dois terços basais da face interna avermelhada; antenômero VI preto com anel basal avermelhado; antenômeros VII-XI, pretos. Flagelômeros bicarenados; os basais com franja esparsa de pelos amarelados, mais curtos que a largura dos artículos.

Lados do protórax com espinho no terço posterior e tubérculo arredondado no nível do terço anterior. Pronoto com as depressões anterior e basal, preto-esverdeadas; região central largamente amarelo-alaranjada; superfície fortemente irregular com pontos de tamanho desuniforme e internamente microesculturados (32x). Partes laterais do protórax com pontuação semelhante. Prosterno avermelhado com pelos curtos e muito esparsos. Esternos meso- e metatorácicos alaranjados e pubescentes; mesosterno com tubérculo. Escutelo preto.

Élitros brilhantes, amarelados com o dorso do terço basal esverdeado; friso da margem externa e espinhos apicais, pretos; pontuação densa e fina; ápices com dois espinhos aguçados.

Fêmures avermelhados com dorso preto; abas apicais dos meso- e metafêmures aguçadas. Tíbias e tarsos avermelhados. Urosternitos avermelhados e glabros.

Dimensões em mm: Comprimento total, 14,4; comprimento do protórax, 4,3; maior largura do protórax, 7,1; comprimento elitral, 17,9; largura umeral, 7,1.

Material-tipo: Holótipo macho, Brasil, Maranhão: Bom Jardim (REBIO, base), 05-15.VI.2010, J.C. Silva, J.A. Silva, A.A. Santos & T.T.A. Silva col., armadilha luminosa (MZUSP).

Discussão: Chlorida inexpectata sp. nov. assemelha-se a C. costata Audinet-Serville, 1834 e difere pelos lobos oculares superiores estreitos; pelos flagelômeros apicais pretos; pelo disco do pronoto mais alaranjado que o restante; pelo escutelo preto, pelos élitros não amarelados na declividade basal, esverdeados no terço basal e amarelados no restante e pela presença de tubérculo no mesosterno. Em C. costata: lobos oculares mais largos e tão distantes entre si quanto a largura de um lobo; flagelômeros apicais amarelados com o ápice preto; disco do pronoto unicolor, escutelo alaranjado; élitros amarelados na declividade basal e dorso inteiramente esverdeado; mesosterno sem tubérculo.

6. Coccoderus novempunctatus (Germar, 1824)

Cerambyx (Stenocorus) novempunctatus Germar, 1824:505.

Material examinado: Carolina (Cachoeira Pedra Caída), fêmea, 18-19.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & P.A.M. Moraes col., armadilha luminosa.

CALLICHROMATINI

7. Mionochroma aureotinctum (Bates, 1870)

Callichroma aureotinctum Bates, 1870:335.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), fêmea, 17-27.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.T. Câmara & A.A.T. Souza col., armadilha Malaise.

CERAMBYCINI

8. Coleoxestia corvina (Germar, 1824)

Cerambyx (Stenocorus) corvinus Germar, 1824:508.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), 10 machos, 8 fêmeas, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

9. Hamaticherus bellator A.-Serville, 1834

Hamaticherus bellator Audinet-Serville, 1834:15.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, fêmea, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa; (Cachoeira Pedra Caída), fêmea, 18-19.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & P.A. Moraes col.

10. Jupoata germana sp. nov. (Fig. 2)

Etimologia: do latim, germana = irmã, semelhante; alusivo a semelhança com J. robusta.

Cabeça, antenas, protórax e pernas, castanho-avermelhados. Élitros mais avermelhados. Distância entre os lobos oculares superiores aproximadamente igual a seis fileiras de omatídios. Antenas com quase o dobro do comprimento do corpo. Escapo engrossado para o terço apical, com superfície microesculturada e fortemente rugosa; lado inferior não projetado na ponta. Antenômeros III e IV com espinhos longos (comprimento igual a largura apical do artículo). Antenômero V com espinho agudo, mais curto.

Lados do protórax com espinho central notável e tubérculo látero-anterior apenas indicado. Pubescência do protórax branco-amarelada, esparsa. Pronoto com rugas transversais, regulares; entre a terceira e a quarta ruga, a contar da base do pronoto, com uma rasa depressão central, transversal, retangular com lados arredondados.

Úmeros apenas projetados anteriormente. Espinho externo das extremidades dos élitros muito curto. Pubescência elitral curta, densa e amarelada.

Aba interna dos meso- e metafêmures apenas projetada. Metatíbias curvas na metade apical.

Dimensões em mm: Comprimento total, 37,5; comprimento do protórax 7,0; maior largura do protórax, 10,5; comprimento do élitro, 26,5; largura umeral, 11,0.

Material-tipo: Holótipo macho, Brasil, Maranhão: Carolina (Fazenda Cincorá), 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa (MZUSP).

Discussão: Jupoata germana sp. nov. assemelha-se a Jupoata robusta Martins & Monné, 2002, mas difere pelos lobos oculares superiores mais afastados entre si; pelos espinhos dos antenômeros III e IV mais finos e mais longos; pela depressão retangular no centro das terceira e quarta rugas do pronoto, a partir da base e pelos espinhos do ápice dos élitros curtos. Em J. robusta, os lobos oculares superiores são mais aproximados entre si, os espinhos dos antenômeros III e IV são mais curtos e mais largos, as rugas do pronoto são regulares, sem área deprimida, retangular, entre as terceira e quarta rugas e os espinhos do ápice dos élitros são mais longos.

CLYTINI

11. Megacyllene angulata (Fabricius, 1775)

Callidium angulatum Fabricius, 1775:192.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), macho, 17-27.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.T. Câmara & A.A.T. Souza col., armadilha Malaise.

EBURIINI

12. Eburodacrys fortunata Lameere, 1884

Eburodacrys fortunata Lameere, 1884:87.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), 2 machos, 3 fêmeas, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa; Caxias (Campus UEMA, Morro do Alecrim), macho, 20-25.III.2010, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca.

13. Eburodacrys quadridens (Fabricius, 1801)

Stenocorus 4-dens Fabricius, 1801:308.

Material examinado: Caxias (Reserva Ecológica Inhamum), fêmea, 26-28.III.2009, L.A. Luz & S.M. Santos col., armadilha luminosa.

14. Eburodacrys separata sp. nov. (Fig. 3)

Etimologia: do latim, separatus = separado, dividido; alusivo as manchas elitrais posteriores separadas.

Colorido geral amarelo-alaranjado. Fronte e vértice pontuados, com pelos esparsos. Lobos oculares superiores com cinco fileiras de omatídios, tão distantes entre si quanto o triplo da largura de um lobo. Antenas atingem o ápice dos élitros na ponta do nono artículo. Escapo pontuado, sem sulco no lado dorsal da base. Antenômero III com sulco raso.

Protórax com tubérculo látero-central e tubérculo látero-anterior concolores. Pronoto com dois pequenos tubérculos pretos, gibosidade centro-basal alongada e duas látero-basais; pontuado nos lados, com rugas transversais em toda superfície central. Partes laterais do protórax e prosterno rugosos. Processo prosternal, mesosterno, mesepimeros, mesosterno, metepisternos e lados do metasterno com pubescência densa, sedosa e amarelo-esbranquiçada. Centro do metasterno com pelos esparsos e longos. Mesosterno sem tubérculo.

Frisos marginais dos élitros acastanhados da base as terço apical. Cada élitro com três manchas ebúrneas: uma, mais ou menos alongada, no meio da base e duas centrais, estreitas; as centrais separadas entre si por largura menor do que a largura de cada uma das manchas; a central-externa inicia-se quase no mesmo nível da central-interna e ultrapassa-a posteriormente. Pontuação elitral densa e fina nos dois terços anteriores; pontos próximos à sutura ásperos. Extremidades elitrais transversalmente truncadas, com espinho externo preto e curto.

Pernas amareladas. Ápice dos meso- e metafêmures apenas mais escurecidos que os respectivos fêmures. Tíbias amareladas; metatíbias sem carena.

Dimensões em mm: Comprimento total, 15,9; comprimento do protórax, 3,2; maior largura do protórax, 3,7; comprimento elitral, 11,5; largura umeral, 4,4.

Material-tipo: Holótipo fêmea, Brasil, Maranhão: Carolina (Fazenda Cincorá), 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

Discussão: Martins (1999) publicou chave para as espécies de Eburodacrys White, 1853. Nessa chave, E. separata sp. nov. é discriminada com E. granipennis Gounelle, 1909 por apresentar espinho lateral do protórax concolor ao restante do tegumento, espinhos apicais dos élitros pretos e disco do pronoto transversalmente rugoso. Distingue-se pelas manchas elitrais muito mais estreitas, as posteriores separadas, e pelos espinhos dos ápices dos fêmures concolores ao restante. Em E. granipennis, as manchas centrais são contíguas e os espinhos femorais são pretos.

Eburodacrys granipennis foi descrita com base em único exemplar procedente de Jataí, Goiás, cuja fotografia encontra-se em Bezark (2008). Esse indivíduo tem os espinhos da ponta dos élitros curtos e concolores ao restante do tegumento, os espinhos dos meso- e metafêmures pretos e as manchas centrais dos élitros contíguas.

15. Eburodacrys cincora sp. nov. (Fig. 4)

Etimologia: O nome específico refere-se à Fazenda Cincorá onde foi coletado o holótipo.

Colorido geral alaranjado. Fronte finamente pontuada. Lobos oculares superiores com cinco fileiras de omatídios; tão distantes entre si quanto mais do que o dobro da largura de um lobo. Antenas atingem o ápice dos élitros no terço apical do antenômero VI (macho) ou na base do IX (fêmea). Escapo com profundo sulco na base e sem pontos na clava.

Espinho lateral do protórax agudo e concolor. Tubérculo látero-anterior do protórax arredondado no topo. Pronoto com dois tubérculos látero-anteriores pretos. Superfície pronotal com finas rugas transversais. Mesosterno sem tubérculo.

Cada élitro com três manchas ebúrneas circundadas por preto; a basal elíptica, muito alonga-da; as centrais iniciam-se no mesmo nível, a central externa com quase o dobro do comprimento da interna. Espinho apical externo curto, preto. Pontuação elitral abundante nos dois terços anteriores. Friso marginal branco-amarelado na base. Nas fêmeas, as manchas ebúrneas dos élitros são mais desenvolvidas.

Meso- e metafêmures com a ponta e os espinhos pretos. Tíbias sulcadas. Tarsos nos machos normais.

Face ventral com pubescência esparsa nos mese- e metepisterno. Mesepimero finamente pontuado.

Dimensões mm, macho/fêmea respectivamente: Comprimento total, 12,5/15,0; comprimento do protórax, 2,6/3,0; maior largura do protórax, 3,0/3,4; comprimento elitral, 8,5/10,8; largura umeral, 3,1/3,7.

Material-tipo: Holótipo macho, Brasil, Maranhão: Carolina (Fazenda Cincorá), 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa (MZUSP). Parátipo fêmea, com os mesmos dados do holótipo (MZUSP).

Discussão: Eburodacrys cincora sp. nov. difere de E. granipennis Gounelle, 1909 pelo escapo profundamente sulcado na base, pelas manchas elitrais ebúrneas centrais iniciadas no mesmo nível, a central externa com quase o dobro do comprimento da interna, pelos espinhos dos élitros enegrecidos e pela região anteapical dos fêmures e espinhos pretos. Em E. granipennis, o sulco basal do escapo é apenas demarcado, as duas manchas ebúrneas no meio dos élitros iniciadas quase no mesmo nível ou a externa no nível do terço anterior da interna e a mancha central interna um quarto mais curta que a externa e apenas os espinhos apicais dos fêmures são enegrecidos.

16. Quiacaua taguaiba Martins, 1997

Quiacaua taguaiba Martins, 1997:71, fig. 10.

 


 

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), fêmea, 05-15.VI.2010, F. Limeira-de-Oliveira & J.C. Silva col.

17. Styliceps striatus (Voet, 1778)

Cerambyx striatus Voet, 1778:17, est. 16, fig. 69.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), 2 machos, 17-27.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.T. Câmara & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

18. Uncieburia nigricans (Gounelle, 1909)

Eburia rogersi var. nigricans Gounelle, 1909:618

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

ECTENESSINI

19. Ectenessa spinipennnis (Buquet, 1860)

Anoplomerus spinipennis Buquet, 1860:626.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), 1 ex. (sexo desconhecido), 17-27.I.2010, J.C. Silva, J.A. Silva, A.A. Santos & T.T. Silva col., armadilha luminosa.

20. Ectenessa affinis sp. nov. (Fig. 5)

Etimologia: do latim, affinis = afim; alusivo a semelhança com E. guttigera.

Cabeça com tegumento alaranjado. Fronte e vértice esparsamente pontuados. Lobos oculares superiores com quatro fileiras de omatídios, tão distantes entre si quanto 4,5 vezes a largura de um lobo. Antenas amarelo-alaranjadas atingem o ápice elitral na metade do antenômero VIII. Antenômero III sem carena.

Protórax mais longo que largo. Pronoto com quatro elevações discretas: duas látero-anteriores e duas látero-basais. Superfície esparsamente pontuada com área lisa, central, atrás do meio. Partes laterais do protórax e prosterno com pontuação mais adensada.

Cada élitro com quatro faixas ebúrneas, salientes, longitudinais e estreitas: mais próxima da sutura, uma da base ao quarto anterior e outra, com a maior parte depois do meio; duas para o lado da margem, uma na metade anterior e outra do meio ao quarto apical. A faixa ebúrnea externo-basal circundada por mancha amarelada com as bordas escurecidas; ao redor das demais faixas irregularmente enegrecidas. Extremidades elitrais obliquamente truncadas. Superfície dos élitros pontuada no dorso até o quarto apical; com pelos curtos.

Fêmures amarelados na base e mais avermelhados para o ápice que é enegrecido em pequena extensão. Tíbias amareladas. Face ventral alaranjada, esparsamente pubescente. Urosternitos com pelos esparsos.

Dimensões em mm: Comprimento total, 11,5-13,5; comprimento do protórax, 2,4-2,6; maior largura do protórax, 2,1-2,5; comprimento elitral, 8,6-9,8; largura umeral, 2,7-3,1.

Material-tipo: Holótipo fêmea, Brasil, Maranhão: Carolina (Fazenda Cincorá), 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa (MZUSP). Parátipos três fêmeas com os mesmos dados do holótipo (parátipo MCNZ, 2 parátipos UEMA).

Discussão: Pela chave das espécies de Ectenessa Bates, 1885 publicada por Martins (1998), E. affinis sp. nov. é discriminada junto com E. guttigera (Lucas, 1857). Distingue-se pelo número de faixas ebúrneas nos élitros; pela presença de mancha amarelada no lado interno da faixa ebúrnea externo-basal e pelas tíbias não enegrecidas na base. Em E. guttigera, cada élitro apresenta três faixas ebúrneas; o lado interno da faixa ebúrnea externo-basal, não tem mancha amarelada e as tíbias são escurecidas na base.

Martins (1998) comentou que a citação de E. guttigera por Zajciw (1961, 1966) para o Ceará poderia se referir a outra espécie.

21. Ectenessidia varians (Gounelle, 1909)

Ectenessa (Ectenessidia) varians Gounelle, 1909:604, figs. 9. 4.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

22. Niophis coptorhina Bates, 1867

Niophis coptorhina Bates, 1867:28.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, 3 fêmeas, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

23. Tricheurymerus quadristigma (Gounelle, 1909)

Eurymerus quadristigma Gounelle, 1909:602.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, fêmea, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

ELAPHIDIONINI

24. Ambonus distinctus (Newman, 1840)

Trichophorus distinctus Newman, 1840:6.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

25. Mallocera amazonica Bates, 1870

Mallocera amazonica Bates, 1870:278.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), fêmea, 17-27.VI.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.T. Câmara & A.A.T. Souza col., armadilha Malaise.

26. Stizocera consobrina Gounelle, 1909

Stizocera consobrina Gounelle, 1909:642, fig. 21.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa; (Cachoeira Pedra Caída), macho, 18-19.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Sousa & P.A.M. Moraes col., armadilha luminosa.

27. Sphaerion sladeni Gahan, 1903

Sphaerion sladeni Gahan in Gahan & Arrow, 1903:253, est. 28, fig. 7.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, fêmea, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

HETEROPSINI

28. Chrysoprasis punctulata Bates, 1870

Chrysoprasis punctulata Bates, 1870:413.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), macho, 17-27.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.T. Câmara & A.A.T. Souza col., armadilha luminosa móvel.

29. Mallosoma scutellare White, 1853

Mallosoma scutellare White, 1853:110.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), macho, 05-15.VI.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.C. Silva & D.W.A. Marques col., coleta incidental.

HEXOPLONINI

30. Gnomidolon musivum (Erichson, 1847)

Ibidion musivum Erichson, 1847:141.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), fêmea, 05-15.I.2010, J.C. Silva, J.A. Silva, A.A. Santos & T.T.A. Silva col., isca: acetato de Bensila.

31. Ophtalmoplon inerme Martins, 1965

Ophtalmoplon inerme Martins, 1965:124, figs. 7, 10, 15.

Material examinado: Carolina (Cachoeira Pedra Caída), fêmea, 18-19.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Sousa & P.A.M. Moraes col., armadilha luminosa.

IBIDIONINI
TROPIDIINA

32. Diasporidion duplicatum (Gounelle, 1909)

Ibidion (Brydaeon) duplicatum Gounelle, 1909:677.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, 3 fêmeas, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

33. Minibidion bicolor sp. nov. (Fig. 6)

Etimologia: do latim, bicolor = bicolor, de duas cores; alusivo ao padrão de colorido dos élitros.

Macho: Cabeça preta, mais avermelhada no vértice. Lobos oculares superiores com três fileiras de omatídios, tão distantes entre si quanto o dobro da largura de um lobo. Antenas com cerca do dobro do comprimento do corpo. Escapo preto, piriforme, alongado, com sulco basal raso. Pedicelo e flagelômeros laranja-avermelhados. Antenômero III carenado. Antenômero XI mais longo que o X.

Protórax avermelhado. Pronoto sem tubérculos, com faixa basal, transversal de pubescência branca; superfície sem pontos. Prosterno, de cada lado, com faixa de pubescência esbranquiçada. Esternos mesotorácicos, metepisternos e pequena porção dos lados do metasterno revestidos por pubescência esbranquiçada. Escutelo revestido por pubescência esbranquiçada.

Élitros com os três quartos anteriores laranja-avermelhados, mais acastanhado ao redor do escutelo, e o quarto apical preto; pontuação densa na metade basal e gradualmente mais esparsa e superficial para a extremidade; ápices com espinho externo e projeção aguda no lado interno.

Profêmures avermelhados com extremidade preta; meso- e metafêmures com terço basal avermelhado e os dois terços apicais, pretos. Tíbias pretas; metatíbias carenadas. Tarsos, esternos torácicos e urosternitos, avermelhados.

Dimensões mm: Comprimento total, 8,1; comprimento do protórax, 1,7; maior largura do protórax, 1,3; comprimento do élitro, 5,3; largura umeral, 1,9.

Material-tipo: Holótipo macho, Maranhão: Caxias (Campus UEMA, Morro do Alecrim), 20-25. III.2010, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca (MZUSP).

Discussão: Minibidion bicolor sp. nov. tem caracteres que se enquadram na definição de Minibidion Martins, 1968, (Martins & Galileo, 2007), como presença de microescultura no pronoto (32x), lobos oculares superiores com três fileiras de omatídios e protórax mais longo do que largo. Outro caráter comum às espécies de Minibidion é a faixa de pubescência serícea na base do pronoto. Por outro lado, alguns caracteres são estranhos ao gênero: antenas com o dobro do comprimento do corpo (em Minibidion apenas mais longas que o corpo); escapo engrossado para o ápice com sulco basal (em Minibidion o escapo é subcilíndrico e sem sulco basal).

Minibidion bicolor tem faixa de pubescência serícea na base do pronoto como em M. tricolor Martins & Galileo, 2007, M. argenteum Martins & Napp, 1986, M. confine Martins, 1968 e M. minimum Martins & Napp, 1986. Difere de todas pelos élitros bicolores e sem manchas ou faixas claras, pelas antenas com o dobro do comprimento do corpo e pelo escapo mais clavado e com sulco raso na base.

34. Tropidion lepidum Martins, 1971

Tropidion lepidum Martins, 1971:138, fig. 5.

Material examinado: Carolina (Cachoeira Pedra Caída), fêmea, 18-19.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Sousa & P.A.M. Moraes col., armadilha luminosa.

35. Tropidion signatum punctatum Martins, 1968

Tropidion signatum punctatum Martins, 1968:438, figs. 255, 257.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), 2 machos, fêmea, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

36. Tropidion supernotatum (Gounelle, 1909)

Ibidion supernotatum Gounelle, 1909:678.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, fêmea, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

IBIDIONINA

37. Compsibidion campestre (Gounelle, 1909)

Octoplon campestre Gounelle, 1909:667.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, fêmea, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

38. Compsibidion vanum (Thomson, 1867)

Ibidion (Compsibidion) vanum Thomson, 1867:151.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, fêmea, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

39. Compsibidion maculatum sp. nov. (Fig. 7)

Etimologia: do latim, maculatum = manchado, pintado; alusivo ao padrão de colorido dos élitros.

Colorido geral avermelhado. Fronte e vértice microesculturados. Lobos oculares superiores com quatro fileiras de omatídios, tão distantes si quanto duas vezes e meia a largura de um lobo. Antenas alcançam a ponta dos élitros aproximadamente no meio do antenômero VIII. Escapo piriforme com sulco basal moderadamente profundo. Antenômero III mais longo do que o IV, sem carenas; IV mais curto que o V.

Protórax mais longo que largo. Pronoto com quatro tubérculos; os látero-anteriores mais pronunciados, localizados um pouco adiante do meio; adelgaçamento basal revestido por pubescência serícea, esbranquiçada. Partes laterais do protórax brilhantes. Prosterno rugoso na metade anterior; da base até o meio, com duas faixas laterais de pubescência serícea.

Cada élitro com duas áreas branco-amareladas: uma mais arredondada no meio da metade anterior, aproximada da sutura e da margem; outra, uma faixa ligeiramente oblíqua no meio. Pontos ásperos ao longo da sutura. Extremidades com espinho externo curto.

Fêmures com pubescência esparsa. Metatíbias não carenadas.

Face ventral com pubescência serícea nos mesepisternos, metepisternos e lados do metasterno.

Dimensões em mm: Comprimento total, 9,0; comprimento do protórax, 2,2; maior largura do protórax, 1,4; comprimento do élitro, 5,8; largura umeral, 1,8.

Material-tipo: Holótipo fêmea, Carolina (Cachoeira Pedra Caída), 18-19.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & P.A.M. Moraes col. Armadilha luminosa (MZUSP).

Discussão: Compsibidion maculatum sp. nov. tem padrão de desenho elitral semelhante ao de Compsibidion ilium (Thomson, 1864) e C. quadrisignatum (Thomson, 1865). Difere de ambas pela pubescência serícea restrita ao adelgaçamento basal do pronoto. Nessas duas espécies, a pubescência serícea é mais abundante e ocupa também a metade anterior.

A pubescência restrita à base do pronoto é habitual nas espécies de Minibidion Martins, 1968, gênero de Ibidionina, que apresenta o antenômero III subigual em comprimento ao IV e escapo subcilíndrico, sem sulco basal. Em Compsibidion maculatum o antenômero III é mais longo do IV, o escapo é subpiriforme e apresenta sulco no lado dorsal da base.

40. Compsibidion ytu sp. nov. (Fig. 8)

Etimologia: tupi, ytu = cachoeira; alusivo a localidade tipo.

Cabeça avermelhada. Fronte e região anterior do vértice microesculturadas. Lobos oculares superiores estreitos, com três fileiras de omatídios e mais ou menos afastados entre si quanto o quíntuplo da largura de um lobo. Lobos oculares inferiores separados dos superiores por única fileira de omatídios. Antenas atingem as pontas dos élitros na base do antenômero VIII. Escapo avermelhado, subcilíndrico, com pontuação superficial e microescultura. Pedicelo avermelhado. Flagelômeros pretos. Antenômero III engrossado, finamente carenado e com mais do dobro do comprimento do IV que também é engrossado e carenado.

Protórax avermelhado. Pronoto brilhante, sem pubescência, com tubérculo central projetado, mas arredondado no topo. Partes laterais do protórax sem pubescência. Prosterno com duas faixas largas de pubescência da base ao meio. Bordas do escutelo com pubescência branca, pouco concentrada. Lados do mesosterno, mesepisternos, mesepimeros, metepisternos e pequena porção látero-posterior do metasterno com pubescência serícea.

Élitros avermelhados com pequena porção do ápice e espinhos pretos; duas fileiras dorsais de pontos pilíferos; extremidades cortadas em curva com espinho externo.

Coxas avermelhadas. Trocanteres, fêmures, tíbias e tarsos pretos. Face ventral avermelhada.

Dimensões mm: Comprimento total, 10,8; comprimento do protórax, 2,5; maior largura do protórax, 1,8; comprimento do élitro, 6,7; largura umeral, 2,3.

Material-tipo: Holótipo macho, Carolina (Cachoeira Pedra Caída), 18-19.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & P.A.M. Moraes col. Armadilha luminosa (MZUSP).

Discussão: Compsibidion ytu sp. nov. tem apenas três fileiras de omatídios nos lobos oculares superiores o que a situaria no grupo sphaeriinum na chave publicada por Martins & Galileo (2007:248). Entretanto, não se enquadra nesse grupo pelo prosterno sem pubescência, antenômero III engrossado nas antenas dos machos e sem carena e élitros cortados em curva com espinho externo.

Seguindo-se por essa chave, C. ytu, pelos élitros unicolores com extremidades pretas, é discriminada no item 37 que conduz a duas espécies: C. nigroterminatum (Martins, 1965) e C. trichocerum (Martins, 1962). Compsibidion ytu difere de C. nigroterminatum por apresentar escapo, flagelômeros e pernas pretos (amarelados em C. nigroterminatum) e de C. trichocerum, pela cabeça avermelhada e flagelômeros pretos, pelo pronoto sem pubescência e com tubérculo, pelas extremidades dos metafêmures desarmadas e pelas dimensões maiores. Em C. trichocerum a cabeça e os flagelômeros são avermelhados; as extremidades dos metafêmures têm dois espinhos curtos e as dimensões são menores (comprimento, 5,5-9,1 mm).

IDERATINI

41. Ideratus beatus sp. nov. (Fig. 9)

Etimologia: do latim, beatus = ditoso, feliz; alusivo ao colorido geral.

Fronte e vértice verde-metálicos, pontuados; fronte com área triangular saliente, lisa na parte centro-inferior. Antenômero III-VII bicarenados, com espinho apical interno. Ápice do antenômero VIII e antenômeros IX-XI amarelados.

Protórax com adelgaçamento anterior; lados com gibosidade arredondada no meio. Pronoto com quatro tubérculos: dois anteriores e dois basais. Superfície com rugas transversais, inclusive no adelgaçamento anterior. Partes laterais do protórax lisas e brilhantes. Prosterno com pubescência esbranquiçada na metade posterior. Esternos torácicos verde-metálicos, microesculturados.

Élitros verde-azulados, metálicos; microesculturados em toda a superfície, com pontos pequenos; extremidades ligeiramente emarginadas e desarmadas.

Fêmures pretos com leve brilho verde-metálico, mais acentuado nos metafêmures. Metafêmures carenados no terço basal. Tíbias pretas com leve reflexo azul-metálico. Tarsos pretos.

Urosternitos verde-metálicos, microesculturados.

Dimensões em mm: Comprimento total, 18,4; comprimento do protórax, 3,5; maior largura do adelgaçamento anterior do protórax, 2,2; maior largura do protórax, 3,1; comprimento elitral, 13,7; largura umeral, 3,7.

Material-tipo: Holótipo fêmea, BRASIL, Maranhão: Bom Jardim (REBIO), 17-27.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.T. Camara & M.B. Aguiar Neto col. (MZUSP)

Discussão: Pela chave das espécies do gênero Ideratus Thomson, 1864, publicada por Martins & Napp (2009), I. beatus sp. nov. é discriminada no item 2 com I. sagdus (Monné & Martins, 1972) e I. virginiae (Dalens & Tavakilian, 2006). Pelos antenômeros apicais amarelados, I. beatus sp. nov. assemelha-se a I. sagdus. Distingue-se pelo colorido geral verde-azulado; pela extremidade do antenômero VIII e antenômeros IX a XI, amarelados. Em I. sagdus, o colorido do protórax e dorso dos élitros são verde-oliváceos metálicos e os antenômeros VIII a XI são amarelados.

LISSONOTINI

42. Lissonotus biguttatus (Dalman, 1817)

Cerambyx (Lissonotus) biguttatus Dalman in Schoenherr, 1817:159, est. 6, fig. 4.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), macho, fêmea, 05-15.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.C. Silva & D.W.A. Marques col., rede entomológica (macho) e coleta incidental (fêmea).

LUSCOSMODICINI

43. Luscosmodicum beaveri Martins, 1970

Luscosmodicum beaveri Martins, 1970:48, figs. 1-3.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, fêmea, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

NEOCORINI

44. Aleiphaquilon castaneum (Gounelle, 1911)

Tillomorpha castanea Gounelle, 1911:88.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

45. Fregolia listropteroides Gounelle, 1911

Fregolia listropteroides Gounelle, 1911:90.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

OEMINI

46. Macroeme priapica (Thomson, 1857)

Sclerocerus priapicus Thomson, 1857a:121.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), 3 fêmeas, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

47. Martinsia scabrosa Chemsak & Linsley, 1967

Martinsia scabrosa Chemsak & Linsley, 1967:35, fig. 2.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), 3 fêmeas, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

RHINOTRAGINI

48. Odontocera triliturata Bates, 1870

Odontocera triliturata Bates, 1870:324.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), fêmea, 05-15.VI.2010, J.C. Silva, J.A. Silva, A.A. Santos & T.T.A. Silva col., armadilha luminosa.

RHOPALOPHORINI

49. Listroptera tenebricosa (Olivier, 1790)

Cerambyx tenebricosus Olivier, 1790:309.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), fêmea, 05-15.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.C. Silva & D.W.A. Marques col., coleta incidental.

TRACHYDERINI
TRACHYDERINA

50. Ceragenia bicornis (Fabricius, 1801)

Cerambyx bicornis Fabricius, 1801:274.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), 7 machos, 17 fêmeas, 05-15.VI.2010, F. Limeira-de-Oliveira & J.C. Silva col., arapuca entomológica com banana, laranja e abacaxi.

51. Trachyderes (Trachyderes) cingulatus Klug, 1825

Trachyderes cingulatus Klug, 1825:456.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), 6 fêmeas, 05-15.VI.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.C. Silva & D.W.A. Marques col., coleta incidental.

LAMIINAE
ACANTHODERINI

52. Myoxomorpha vidua Lacordaire, 1872

Myoxomorpha vidua Lacordaire, 1872:746.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), 2 machos, 5 fêmeas, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa; macho, 18-19.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & P.A.M. Moraes col.

53. Oreodera undulata Bates, 1861

Oreodera undulata Bates, 1861:49.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), fêmea, 17-27.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.C. Silva & D.W.A. Marques col., coleta incidental.

54. Psapharochrus bivittis (White, 1855)

Steirastoma bivitta White, 1855:354.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, fêmea, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

55. Steirastoma melanogenys White, 1855

Steirastoma melanogenys White, 1855:355.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), fêmea, 17-27.I.2010, A.A.T. Souza, M.B. Aguiar Neto & J.O. Silva col., armadilha luminosa.

AERENICINI

56. Hydraschema leptostyla Lane, 1938

Hydraschema leptostylum Lane, 1938:634, est. 1, fig. 1.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), fêmea, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

57. Phaula thomsoni Lacordaire, 1872

Phaula thomsoni Lacordaire, 1872:898.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), 2 machos, 3 fêmeas, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa. (1 fêmea ret. MZUSP).

APOMECYNINI

58. Bebelis picta Pascoe, 1875

Bebelis picta Pascoe, 1875:73.

Material examinado: Caxias (Campus UEMA, Morro do Alecrim), fêmea, 01-10.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca.

59. Dolichosybra tubericollis Breuning, 1942

Dolichosybra tubericollis Breuning, 1942:152.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), 2 machos, 5 fêmeas, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

CALLIINI

60. Callisema rufipes Martins & Galileo, 1990

Callisema rufipes Martins & Galileo, 1990:476, fig. 1.

Material examinado: Caxias (Campus UEMA, Morro do Alecrim), fêmea, 15-25.I.2009, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca; fêmea, 25-30.I.2009, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca (retido MZUSP).

COMPSOSOMATINI

61. Aerenea gibba sp. nov. (Fig. 10)

Etimologia: do latim, gibba = corcova, giba; alusivo ao formato do corpo.

Cabeça com tegumento castanho-avermelhado. Fronte transversal, revestida por pubescência casta-nho-clara, mais amarelada para os lados internos dos lobos oculares inferiores; entremeada por algumas setas curtas, brancas e esparsas (25x). Vértice coberto por pubescência castanho-clara, entremeada por algumas setas curtas, brancas e esparsas (25x). Lobos oculares superiores tão afastados entre si quanto mais do que o quádruplo da largura de um lobo. Antenas (macho) atingem as extremidades dos élitros na ponta do antenômero VI; (fêmea) alcançam os ápices dos élitros na ponta do antenômero IX. Antenômero XI não apendiculado. Escapo com pubescência castanho-clara nos 3/4 basais e amarelada na ponta, entremeada por setas curtas, brancas e esparsas. Flagelômeros revestidos por pubescência castanho-clara, com anel basal de pubescência acinzentada. Antenômero XI apendiculado.

Lados do protórax com espinho desenvolvido. Pronoto coberto por pubescência amarelada, mais concentrada sobre os espinhos; com dois tubérculos látero-anteriores pouco elevados. Partes laterais do protórax e prosterno revestidas por pubescência amarelada. Escutelo com pubescência amarelada, contrastante com a pubescência da declividade basal dos élitros.

Élitros com pubescência amarelada, mais esparsa nas regiões umeral, ao longo da sutura e no lado externo do terço apical; revestidos de pubescência amarelada densa no restante da superfície; com pontos contrastantes, principalmente, nas regiões com pubescência amarelada densa; setas curtas, brancas, mais evidentes no terço apical.

Profêmures escurecidos no centro, avermelhados nas extremidades, com pubescência amarelada esparsa e pelos brancos, curtos e duros entremeados. Meso- e metafêmures avermelhados, revestidos por pubescência amarelada esparsa e mais concentrada nos ápices; setas curtas e brancas entremeadas. Tíbias avermelhadas; as protíbias escurecidas em anel anteapical. Mesepisternos e metepisternos com pubescência amarelada. Metasterno e urosternitos cobertos por pubescência amarelada mais esparsa.

Dimensões mm, respectivamente, macho/fêmea: Comprimento total, 9,6/10,0; comprimento do protórax, 2,2/2,5; maior largura do protórax, 3,6/4,1; comprimento do élitro, 6,3/7,0; largura umeral, 4,1/5,0.

Material-tipo: Holótipo macho, Brasil, Maranhão: Caxias (Campus UEMA, Morro do Alecrim), 10-20.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca (MZUSP). Parátipo fêmea, Carolina (Fazenda Cincorá), 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa (MZUSP).

Discussão: O escutelo em Aerenea gibba sp. nov. tem pubescência contrastante com a pubescência da declividade basal dos élitros o que conduz ao item 17 da chave de Monné (1980) onde se separam A. annulata Monné, 1980, A. trigona Pascoe, 1858 e A. subimpetiginosa Breuning, 1948. Aerenea gibba distingue-se de A. annulata pela ausência de linhas transversais na fronte e de mancha pós-umeral; de A. trigona por não apresentar lados do protórax castanho-escuros e de A. subimpetiginosa por não apresentar o urosternito V, nos machos, glabro e brilhante.

DESMIPHORINI

Corrigenda: A espécie de Desmiphorini descrita em (Martins et al., 2009b:518) como Piruana pulchra deve ser corrigida para Piruauna pulchra cujo holótipo fêmea está depositado no MZSP.

62. Desmiphora (D.) boliviana Breuning, 1948

Desmiphora boliviana Breuning, 1948:20.

Material examinado: Caxias (Campus UEMA, Morro do Alecrim), fêmea, 01-10.IV.2009, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca (retido MZUSP); fêmea, 01-15.II.2009, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca; macho, 25-31.I.2009, col., luz branca. Carolina (Fazenda Cincorá), 1 ex., 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar col., armadilha luminosa.

Observação: A pubescência branca dos lados do protórax e dos úmeros varia. Nos exemplares do Maranhão essa pubescência é alaranjada.

63. Desmiphora (D.) hirticollis (Olivier, 1795)

Saperda hirticollis Olivier, 1795:(68)11.

Material examinado: Caxias (Campus UEMA, Morro do Alecrim), fêmea, 01-10.IV.2010, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca.

64. Desmiphora (D.) pallida Bates, 1874

Desmiphora pallida Bates, 1874:226.

Material examinado: Caxias (Campus UEMA, Morro do Alecrim), fêmea, 15-25.I.2009, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca; macho, 15-25.I.2009, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca (MZUSP); fêmea, 01-10.I.2010, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca.

65. Estola m-flava Breuning, 1940

Estola m-flava Breuning, 1940:64.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), macho?, 05-15.VI.2010, J.C. Silva; A.A. Santos & T.T.A. Silva col., armadilha luminosa móvel (MZUSP); Carolina (Chapada das Mesas, Cachoeira das Pratas), fêmea, 25-30.VI.2009, A.L. Costa; B. Aguiar Neto & P.A. Moraes col., armadilha Shannon.

66. Ischnolea bimaculata Chevrolat, 1861

Ischnolea ? bimaculata Chevrolat, 1861:252.

Material examinado: Caxias (Campus UEMA, Morro do Alecrim), macho, fêmea, 10-25.IV.2009, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca.

67. Mimasyngenes ytu Galileo & Martins, 1996

Mimasyngenes ytu Galileo & Martins, 1996:880, fig. 8.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), 1 ex., 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa. Exemplar muito danificado.

68. Mimasyngenes barbozai sp. nov. (Fig. 11)

Etimologia: O nome específico é uma homenagem a José Olympio Barboza pela acolhida a Fernando Limeira Oliveira na Fazenda Cincorá, Carolina, de sua propriedade.

Tegumento preto-avermelhado mais claro no lado ventral; antenas, metade apical dos fêmures, tíbias e tarsos com tegumento preto. Cabeça revestida por pilosidade esbranquiçada esparsa. Vértice com pontos pequenos e moderadamente densos (50x). Lobos oculares superiores com cinco fileiras de omatídios, apenas mais distantes entre si do que a largura de um lobo. Antenas aproximadamente com o mesmo comprimento que o corpo. Escapo subcilíndrico, revestido por pilosidade esbranquiçada esparsa e provido de alguns pelos pretos e longos. Flagelômeros com franja interna de pelos pretos. Antenômero III apenas mais curto do que IV.

Protórax mais largo que longo; lados do protórax arredondados com espículo no nível do terço posterior; do espículo até a margem anterior do protórax, contam-se dois pelos pretos inseridos em pontos crateriformes e salientes. Pronoto convexo, com pontuação densa (40x) e pilosidade esbranquiçada que não oblitera o tegumento.

Cada élitro com sete faixas de pubescência esbranquiçada, estreitas e equidistantes; pelos abundantes pretos e longos. Fêmures e tíbias revestidos por pubescência esbranquiçada e esparsa. Metasterno fina e densamente pontuado. Último urosternito mais longo que os quatro anteriores e intumescido.

Dimensões em mm: Comprimento total, 5,0; comprimento do protórax, 1,0; maior largura do protórax, 2,0; comprimento do élitro, 3,7; largura umeral, 2,3.

Material-tipo: Holótipo fêmea, Brasil, Maranhão: Carolina (Fazenda Cincorá), 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa (MZUSP).

Discussão: Clarke (2007) publicou sinopse das espécies de Mimasyngenes Breuning, 1950, ocorrentes na Bolívia e uma chave para identificação de todas as espécies do gênero Mimasyngenes. Mimasyngenes barbozai sp. nov. tem o antenômero III mais curto do que o IV, élitros com fileiras regulares de pubescência esbranquiçada e espinho lateral do protórax curto o que a leva ao dilema onde se separam M. lineatipennis Breuning, 1950 e M. quiuira Galileo & Martins, 1996. Distingue-se de M. quiuira por apresentar as faixas elitrais de pubescência branca contínuas; em M. quiuira são interrompidas por largas áreas acastanhadas. Difere de M. lineatipennis pelos lados do protórax arredondados e pela presença de pontos crateriformes com sensilas; em M. lineatipennis, os lados do protórax são retos e convergentes para a parte anterior e não tem pontos crateriformes com sensilas.

FALSAMBLESTHIINI

69. Nyctonympha flavipes Aurivillius, 1920

Nyctonympha flavipes Aurivillius, 1920:401.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), fêmea, 16-20.IV.2010, J.C. Silva, M.M. Abreu, J.A. Silva & A.C.S. Ferreira col.

HEMILOPHINI

70. Adesmus paradiana Galileo & Martins, 2004

Adesmus paradiana Galileo & Martins, 2004:384, fig. 6.

Material examinado: Caxias (Reserva Ecológica Inhamum), macho, 26-28.III.2009, A.N. Pinho & J.M. Nascimento col., coleta incidental.

Observação: Essa espécie foi originalmente descrita do Equador. O espécime do Maranhão acima citado difere por apresentar, no pronoto, duas manchas brancas na base (na forma típica, quatro manchas), a mancha branca da base dos élitros com prolongamento sutural maior (na forma típica, menor).

71. Cuicirama smithii (Bates, 1881)

Hemilophus smithii Bates, 1881:293.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), fêmea, 05-15.VI.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.C. Silva & D.W.A. Marques col., coleta incidental.

ONCIDERINI

72. Cacostola nordestina Martins & Galileo, 1999

Cacostola nordestina Martins & Galileo, 1999:812, fig. 4.

Material examinado: Caxias (Campus UEMA, Morro do Alecrim), fêmea, 25-31.I.2009, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca.

73. Cacostola exilis sp. nov. (Fig. 12)

Etimologia: do latim, exilis = fino, magro, alusivo ao aspecto corporal.

Cabeça com tegumento castanho-escuro, quase preto. Fronte revestida por pubescência amarelada, moderadamente densa, mas mais concentrada numa área central losangular, que não toca os lados. Vértice com pubescência mais esparsa e finamente pontuado entre a pubescência (40x). Tubérculos anteníferos projetados. Lobos oculares superiores com cinco fileiras de omatídios. Lobos oculares inferiores com 2/3 do comprimento das genas. Antenas dos machos atingem as extremidades elitrais na base do antenômero VII; das fêmeas, na base do antenômero IX. Escapo sem pontos. Antenômero III castanho-escuro, sem anel basal amarelado; demais flagelômeros com anel basal estreito e alaranjado.

Protórax com tegumento castanho-escuro. Lados do protórax com gibosidade muito discreta no nível do terço posterior. Pronoto com três faixas indistintas de pubescência amarelada, uma central e outra a cada lado; pontuação (25x) fina, moderadamente abundante. Partes laterais do protórax cobertas por pubescência amarelada, menos numa faixa centro-longitudinal. Prosterno revestido por pubescência amarelada.

Élitros com os lados discretamente intumescidos antes do ápice; tegumento castanho-escuro e com faixas longitudinais de pubescência esbranquiçada; a mais interna, paralela à sutura, desde a base até poucoalém do meio; as outras, laterais e irregulares. Úmeros seguidos por linha longitudinal (careniforme), brilhante, até o terço anterior. Pontuação elitral na faixa escura sutural, densa até o terço apical. Extremidades elitrais arredondadas.

Pernas com tegumento castanho, cobertas por pubescência amarelada. Metatíbias dos machos engrossadas. Urosternitos castanho-escuros com pubescência organizada em faixas longitudinais, irregulares, nos lados do meio e pubescência compacta nos lados.

Dimensões mm, respectivamente macho/fêmea: Comprimento total, 8,5/7,9; comprimento do protórax, 1,3/1,1; maior largura do protórax, 1,5/1,4; comprimento do élitro, 6,4/5,9; largura umeral, 2,0/1,9.

Material-tipo: Holótipo macho, Brasil, Maranhão: Caxias (Campus UEMA, Morro do Alecrim), 05-15.I.2009, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca (MZUSP). Parátipo fêmea, mesmos dados do holótipo, 25-31.I.2009, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca (UEMA); parátipo fêmea, Carolina (Fazenda Cincorá), 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa (MZUSP).

Discussão: O padrão do colorido dos élitros com faixas estreitas, longitudinais e esbranquiçadas, é comum em espécies de Cacostola. Cacostola exilis sp. nov. difere de C. colombiana Martins & Galileo, 1999, pela faixa sutural acastanhada dos élitros sem revestimento e ausência de faixas longitudinais acastanhadas e paralelas depois do meio. Em C. colombiana, a faixa sutural é revestida por pubescência amarelada e existem faixas curtas, castanhas, paralelas, situadas atrás do meio. Cacostola exilis difere de C. zanoa Dillon & Dillon, 1946, pelo aspecto geral mais esbelto e também pelo desenho elitral que em C. zanoa tem grande área umeral coberta por pubescência amarelada e faixas dos lados do protórax largas e bem definidas.

74. Euthima rodens (Bates, 1865)

Hypselomus rodens Bates, 1865:112.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), macho, 05-15.VI.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.C. Silva & D.W.A. Marques col., coleta incidental.

75. Hesychotypa subfasciata Dillon & Dillon, 1945

Hesychotypa subfasciata Dillon & Dillon, 1945:152, est. 6, fig. 2.

Material examinado: Caxias (Campus UEMA, Morro do Alecrim), macho, 25-31.I.2009, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca.

76. Peritrox denticollis Bates, 1865

Peritrox denticollis Bates, 1865:313.

Material examinado: Caxias (Campus UEMA, Morro do Alecrim), fêmea, 05-15.IV.2009, F. Limeira-de-Oliveira col., luz branca.

77. Oncideres magnifica Martins, 1981

Oncideres magnifica Martins, 1981:224, fig. 2.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), macho, 05-15.VI.2010, F. Limeira-de-Oliveira, J.C. Silva & D.W.A. Marques col.

78. Oncideres tuberosa Martins & Galileo, 2006

Oncideres tuberosa Martins & Galileo in Martins et al., 2006:269, fig. 3.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), 2 machos, 05-15.VI.2010, J.C. Silva, J.A. Silva, A.A. Santos & T.T.A. Silva col., armadilha luminosa.

79. Tulcus subfasciatus (Thomson, 1860)

Hypsioma subfasciata Thomson, 1860-61:118.

Material examinado: Bom Jardim (REBIO), 2 machos, fêmea, 05-15.VI.2010, J.C. Silva, J.A. Silva, A.A. Santos & T.T.A. Silva col., armadilha luminosa.

PHACELLINI

80. Piola quiabentiae Marinoni, 1974

Piola quiabentiae Marinoni, 1974:88, 9 figs.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), fêmea, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Sousa & M.B. Aguiar Neto col.

PTEROPLIINI

81. Anobrium leuconotum Galileo & Martins, 2002

Anobrium leuconotum Galileo & Martins, 2002:19, fig. 4.

Material examinado: Carolina (Cachoeira Pedra Caída), fêmea, 18-19.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Sousa & P.A.M. Moraes col., armadilha luminosa (MZUSP); (Fazenda Cincorá), macho, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Sousa & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa.

82. Epectasis rotundipennis Breuning, 1943

Epectasis rotundipennis Breuning, 1943:63.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, 2 fêmeas, 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Souza & M.B. Aguiar Neto col., armadilha luminosa (macho, MZUSP).

TAPEININI

83. Tapeina rudifrons Marinoni, 1972

Tapeina rudifrons Marinoni, 1972:30 (figs. 18, 19, 23, 28, 29, 33; est. 3, figs. 17-21).

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), 1 macho, 2 fêmeas (1 fêmea, MZUSP), 17-22.X.2009, F. Limeira-de-Oliveira, R.O. Sousa & M.B. Aguiar Neto col., coleta incidental.

XENOFREINI

84. Xenofrea apicalis Melzer, 1931

Xenofrea apicalis Melzer, 1931:3, fig. 4.

Material examinado: Carolina (Fazenda Cincorá), macho, 23-26.XII.2009, F. Limeira-de-Oliveira, M.B. Aguiar Neto & J.A. Silva col., lençol e lâmpada mista.

 

AGRADECIMENTOS

A José Olympio Barboza, Fazenda Cincorá, Carolina, pela acolhida a Fernando Limeira Oliveira na Fazenda Cincorá, Carolina durante o trabalho de campo. A Miguel A. Monné, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, e Antonio Santos Silva, (MZUSP), pelas informações e críticas. A Eleandro Moysés (Bolsista PROBIC/CNPq/FZB), pela execução e tratamento digital das fotografias.

 

REFERÊNCIAS

AUDINET-SERVILLE, J.G. 1834. Nouvelle classification de la famille des longicornes (suite). Annales de la Société Entomologique de France, (1)3:5-110.         [ Links ]

AURIVILLIUS, C. 1920. Neue oder wenig bekannte Coleoptera Longicornia. 17. Archivum Zoologicum, 13(9):361-403.         [ Links ]

BATES, H.W. 1861. Contributions to an insect fauna of the Amazon Valley. Coleoptera: Longicornes. The Annals and Magazine of Natural History, Ser. 3, 8:40-52.         [ Links ]

BATES, H.W. 1865. Contributions to an insect fauna of the Amazon Valley. Coleoptera: Longicornes. The Annals and Magazine of Natural History, Ser. 3, 16:101-113; 308-314.         [ Links ]

BATES, H.W. 1867. New genera of longicorn Coleoptera from the river Amazons. The Entomologist's Monthly Magazine, 4:22-28.         [ Links ]

BATES, H.W. 1870. Contributions to an insect fauna of the Amazon Valley. The Transactions of the Entomological Society of London, 1870:243-335; 391-444.         [ Links ]

BATES, H.W. 1874. Supplement to the longicorn Coleoptera of Chontales, Nicaragua. The Transactions of the Entomological Society of London, 1874:219-235.         [ Links ]

BATES, H.W. 1881. Notes on longicorn Coleoptera. Revision of the aerénicides and amphionychides of tropical America. The Annals and Magazine of Natural History, Ser. 5, 8:142-152; 196-204; 290-306.         [ Links ]

BEZARK, L.G. 2008. A Photographic Catalog of the Cerambycidae of the New World. Disponível em http://plant.cdfa.ca.gov (acessado em 08/11/2010).         [ Links ]

BREUNING, S. 1940. Novae species Cerambycidarum. VIII. Folia Zoologica et Hydrobiologica, 10:37-85.         [ Links ]

BREUNING, S. 1942. Novae species Cerambycidarum. XI. Folia Zoologica et Hydrobiologica, 11:113-175.         [ Links ]

BREUNING, S. 1943. Novae species Cerambycidarum. XII. Folia Zoologica et Hydrobiologica, 12:12-66.         [ Links ]

BREUNING, S. 1948. Nouvelles formes de Lamiaires (Deuxième partie). Bulletin du Musée Royal d'Histoire Naturelle de Belgique, 24(47):1-47.         [ Links ]

BUQUET, J.B. 1860. Description de quelques longicornes nouveaux. Annales de la Société Entomologique de France, Ser. 3, 8:617-628.         [ Links ]

CHEMSAK, J.A. & LINSLEY, E.G. 1967. A reclassification of the Western Hemisphere Methiini. The Pan-Pacific Entomologist, 43(1):28-39.         [ Links ]

CHEVROLAT, L.A.A. 1861. Réflexions et notes synonymiques sur le travail de M. James Thomson sur les Cérambycides, avec descriptions de quelques nouvelles espèces. The Journal of Entomology, 1:245-254.         [ Links ]

CLARKE, R.O.S. 2007. Synopsis of the Bolivian species of Mimasyngenes Breuning, 1959 (Coleoptera, Cerambycidae, Desmiphorini) with two new species. Papéis Avulsos de Zoologia, 47(26):359-368.         [ Links ]

DILLON, L.S. & DILLON, E.S. 1945. The tribe Onciderini Part I. Scientific Publications of the Reading Public Museum, 5:xv + 1-186.         [ Links ]

ERICHSON, W.F. 1847. Conspectus insectorum coleopterorum quae in Republica Peruana observata sunt. Archiv für Naturgeschichte, 13:67-185.         [ Links ]

FABRICIUS, J.C. 1775. Systema entomologiae, sistens insectorum classes, ordines, genera, species, adiectis synonymis, locis, descriptionibus, observationibus. Flensburgi et Lipsiae, 832 p.         [ Links ]

FABRICIUS, J.C. 1792. Entomologia systematica, emendata et aucta. Secundum classes ordines, genera, species adjectis synonymis, locis, observationibus, descriptionibus. Hafniae, v. 1, xx + 538 p.         [ Links ]

FABRICIUS, J.C. 1801. Systema eleutheratorum secundum ordines, genera, species: adiectis synonymis, locis, observationibus, descriptionibus. Impensis Bibliopolii Academici Novi, Kiliae, v.2, 687 p.         [ Links ]

GAHAN, C.J. & ARROW, G.J. 1903. List of the Coleoptera collected by Mr. A. Robert at Chapada, Matto Grosso (Percy Sladen Expedition to Central Brazil). Proceedings of the Zoological Society of London, 2:244-258.         [ Links ]

GALILEO, M.H.M. & MARTINS, U.R. 1996. Notas e descrições em Desmiphorini, com uma revisão do gênero Mimasyngenes Breuning. Revista Brasileira de Zoologia, 13(4):867-882.         [ Links ]

GALILEO, M.H.M. & MARTINS, U.R. 2002. Gêneros de Pteropliini semelhantes a Trichepectasis Breuning, 1940 (Lamiinae). Papéis Avulsos de Zoologia, 42(2):13-30.         [ Links ]

GALILEO, M.H.M. & MARTINS, U.R. 2004. Novos táxons em Hemilophini com única carena elitral. Iheringia, Série Zoologia, 94(4):381-388.         [ Links ]

GERMAR, E.F. 1824. Insectorum species novae aut minus cognitae, descriptionibus illustratae. Halae, xxiv + 624 p.         [ Links ]

GOUNELLE, E. 1909. Liste des cérambycides de la région de Jatahy, Etat de Goyaz, Brésil. Annales de la Société Entomologique de France, 77:587-688.         [ Links ]

GOUNELLE, E. 1911. Liste des cérambycides de la région de Jatahy, Etat de Goyaz, Brésil. Annales de la Société Entomologique de France, 80:1-150.         [ Links ]

KLUG, J.C.F. 1825. Entomologiae Brasilianae specimen alterum, sistens insectorum coleopterorum nondum descriptorum centuriam. Nova Acta Physico-Medica Academiae CaesareaeLeopoldino-Carolinae, 12(2):421-476.         [ Links ]

LACORDAIRE, J.T. 1872. Histoire Naturelle des Insectes. Genera des Coléoptères, ou exposé méthodique... Librairie Encyclopédique de Roret, Paris, v. 9, pt. 2, p. 411-930.         [ Links ]

LAMEERE, A.A. 1884. Longicornes recueillis par feu Camille Van Volxem au Brésil et a La Plata. Annales de la Société Entomologique de Belgique, 28:83-99.         [ Links ]

LANE, F. 1938. Notas sobre Lamiideos neotrópicos e descrição de espécies novas (Lamiidae). Revista do Museu Paulista, 23:631-642.         [ Links ]

MARINONI, R.C. 1972. Esboço monográfico do gênero Tapeina Lep. & Serv., 1828. Boletim da Universidade Federal do Paraná, Série Zoologia, 5(1):1-76.         [ Links ]

MARINONI, R.C. 1974. Piola quiabentiae, gen. n., sp. n. do noroeste argentino (Phacellini). Revista Brasileira de Entomologia, 18(3):85-92.         [ Links ]

MARTINS, U.R. 1965. Ibidionini XXV. Ophtalmoplon, novo gênero, com cinco novas espécies. Papéis Avulsos de Zoologia, 17(12):119-129.         [ Links ]

MARTINS, U.R. 1968. Monografia da tribo Ibidionini. Parte II. Arquivos de Zoologia, 16(2):321-630.         [ Links ]

MARTINS, U.R. 1970. Notas sobre Cerambycinae V. Novo gênero de Smodicini. Revista Brasileira de Entomologia, 14(6):47-49.         [ Links ]

MARTINS, U.R. 1971. Notas sobre Cerambycinae VI. Subsídios ao conhecimento dos Ibidionini. Arquivos de Zoologia, 21(3):121-178.         [ Links ]

MARTINS, U.R. 1981. Descrições e notas sobre Onciderini II. Papéis Avulsos de Zoologia, 34(21):221-234.         [ Links ]

MARTINS, U.R. 1997. Contribuições para uma revisão das espécies sul-americanas da Tribo Eburiini. Revista Brasileira de Entomologia, 41(1):57-83.         [ Links ]

MARTINS, U.R. 1998. Cerambycidae Sul-americanos. Sociedade Brasileira de Entomologia, São Paulo. v. 2, 195 p.         [ Links ]

MARTINS, U.R. 1999. Cerambycidae Sul-americanos. Sociedade Brasileira de Entomologia, São Paulo. v. 3, 418 p.         [ Links ]

MARTINS, U.R. & GALILEO, M.H.M. 1990. Notas sobre Calliini. II. Descrição de três gêneros novos. Revista Brasileira de Entomologia, 34(2):475-480.         [ Links ]

MARTINS, U.R. & GALILEO, M.H.M. 1994. Novas espécies e notas sobre Cerambycidae e Disteniidae do Estado de Tocantins, Brasil. Iheringia, Série Zoologia, (77):77-82.         [ Links ]

MARTINS, U.R. & GALILEO, M.H.M. 1999. Novas espécies de Cerambycidae neotropicais. Revista Brasileira de Zoologia, 16(3):807-820.         [ Links ]

MARTINS, U.R. & GALILEO, M.H.M. 2007. Tribo Ibidionini. Subtribo Ibidionina. p. 177-330. In: Martins, U.R. (Org.). Cerambycidae Sul-Americanos. Sociedade Brasileira de Entomologia, Curitiba. v. 9.         [ Links ]

MARTINS, U.R. & NAPP, D.S. 2009. Tribo Ideratini, p. 215-221. In: Martins, U.R. (Org.). Cerambycidae sul-americanos (Coleoptera). Sociedade Brasileira de Entomologia, Curitiba. v. 10, 373 p.         [ Links ]

MARTINS, U.R.; GALILEO, M.H.M. & LIMEIRA-DE-OLIVEIRA F. 2009a. Cerambycidae (Coleoptera) do estado do Maranhão, Brasil. I. Papéis Avulsos de Zoologia, 49(19):229-247.         [ Links ]

MARTINS, U.R.; GALILEO, M.H.M. & LIMEIRA-DE-OLIVEIRA F. 2009b. Cerambycidae (Coleoptera) do estado do Maranhão, Brasil. II. Papéis Avulsos de Zoologia, 49(38):503-527.         [ Links ]

MARTINS, U.R.; GALILEO, M.H.M.; SANTOS-SILVA, A. & RAFAEL, J.A. 2006. Cerambycidae (Coleoptera) coletados à luz a 45 metros de altura, no dossel da floresta amazônica, e a descrição de quatro espécies novas. Acta Amazonica, 36(2):265-272.         [ Links ]

MELZER, J. 1931. Cerambycideos neotrópicos, principalmente do Brasil. Revista de Entomologia, 1(1):1-15.         [ Links ]

MONNÉ, M.A. 1980. Contribuição ao conhecimento dos Compsosomatini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae). Parte II. Revista Brasileira de Entomologia, 24(2):85-104.         [ Links ]

MONNÉ, M.A. & BEZARK, L.G. 2009. Checklist of the Cerambycidae, or longhorned beetles (Coleoptera) of the Western Hemisphere. BioQuip Publications, Rancho Dominguez. 462 p.         [ Links ]

NEWMAN, E. 1840. Entomological notes. The Entomological Magazine, 1:1-16.         [ Links ]

OLIVIER, A.G. 1790. Encyclopédie Methodique. Histoire Naturelle. Insectes. Paris, v. 5, pt. 1, 368 p.         [ Links ]

OLIVIER, A.G. 1795. Entomologie, ou Histoire Naturelle des Insectes, avec leurs Caractères Génériques et Spécifiques, leur Description, leur Synonymie et leur Figure Illuminée. Coléoptères. Paris, v. 4, 519 p.         [ Links ]

PASCOE, F.P. 1875. Notes on Coleoptera, with descriptions of new genera and species. Part III. The Annals and Magazine of Natural History, Ser. 4, 15:59-73.         [ Links ]

SCHOENHERR, C.J. 1817. Synonymia insectorum. Appendix. Sistens descriptiones novarum specierum. Officina Lewerentziana, Stockholm and Skara. v. 1, pt. 3, 466 p.         [ Links ]

THOMSON, J. 1857a. Description de trente-trois espèces de coléoptères. Archives Entomologiques, 1:109-127.         [ Links ]

THOMSON, J. 1857b. Description de treize coléoptères. Archives Entomologiques, 1:281-290.         [ Links ]

THOMSON, J. 1860-61. Essai d'une classification de la famille des cérambycides et materiaux pour servir a une monographie de cette famille. Paris, 1860, p. 1-128; 1861, p. 129-396.         [ Links ]

THOMSON, J. 1867. Ibidionitarum species novae. Physis Recueil d'Histoire Naturelle, 1(3):133-163.         [ Links ]

VOET, J.E. 1778. Catalogus Systematicus Coleopterorum. La Haye. v.2, 254 p.         [ Links ]

WHITE, A. 1853. Catalogue of coleopterous insects in the collection of the British Museum. Longicornia I. BMNH, London. pt. 7, p. 1-174.         [ Links ]

WHITE, A. 1855. Catalogue of coleopterous insects in the collection of the British Museum, Longicornia, II. BMNH, London. pt. 8, p. 175-412.         [ Links ]

ZAJCIW, D. 1961. Revisão do gênero Eurymerus Serville, 1833. Revista Brasileira de Entomologia, 10:95-110.         [ Links ]

ZAJCIW, D. 1966. Contribuição para o estudo da fauna dos longicórneos do Estado do Ceará. (Coleoptera, Cerambycidae). Boletim da Sociedade Cearense de Agronomia, 7:1-11.         [ Links ]

ZAJCIW, D. 1967. Contribuição para o estudo da fauna dos longicórneos do Estado do Maranhão. Boletim da Sociedade Cearense de Agronomia, 8:1-12.         [ Links ]

 

 

Recebido em 13.01.2011
Aceito em: 22.06.2011
Impresso em: 30.09.2011

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License