SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.51 issue27 author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Papéis Avulsos de Zoologia (São Paulo)

Print version ISSN 0031-1049

Pap. Avulsos Zool. (São Paulo) vol.51 no.27 São Paulo  2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0031-10492011002700001 

Chave de identificação ilustrada dos Phlebotominae (Diptera, Psychodidae) do estado de São Paulo, Brasil

 

 

Paloma Helena Fernandes ShimabukuroI, II; José Eduardo TolezanoIII; Eunice Aparecida Bianchi GalatiIV

IPrograma de Pós-Graduação em Ciências, Coordenadoria de Controle de Doenças, Secretaria Estadual da Saúde. Av. Dr. Arnaldo, 355, 01246 902, São Paulo, SP, Brasil
IIInstituto Leônidas e Maria Deane, Fiocruz-Amazônia. Rua Terezina, 476, 69057 070, Manaus, AM, Brasil. E mail: phfs@yahoo.com
IIIInstituto Adolfo Lutz, Div. de Biologia Médica. Av. Dr. Arnaldo, 355, 01246-902, São Paulo, SP, Brasil. E-mail: tolezano@hotmail.com
IVFaculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. Av. Dr. Arnaldo, 715, 01246-904, São Paulo, SP, Brasil. E-mail: egalati@usp.br

 

 


ABSTRACT

Phlebotomine sand flies are medically important insects, responsible for the transmission of Leishmania parasites between humans and non-human animals, which are found throughout São Paulo state, Brazil. The correct identification of species implicated in the transmission of diseases is paramount to elaborate strategies for vector control. In order to produce an illustrated key to the 67 sand flies male species and 57 female species recorded in São Paulo state we examined and illustrated specimens mounted in microscope slides from entomological collections.

Key-words: Identification key; Sand flies; Taxonomy; Leishmaniases.


RESUMO

Flebotomíneos são insetos de importância médica, responsáveis pela transmissão de parasitas do gênero Leishmania entre humanos e animais não humanos, os quais são encontrados no estado de São Paulo, Brasil. A correta identificação das espécies envolvidas na transmissão de doenças é fundamental para elaboração de estratégias para o controle desses vetores. Para produzir uma chave ilustrada para as 67 espécies de machos e 57 espécies de fêmeas de flebotomíneos registradas no estado de São Paulo, examinamos e ilustramos espécimes montados em lâminas de microscopia obtidos de coleções entomológicas.

Palavras-chave: Chaves de identificação; Flebotomíneos; Taxonomia; Leishmanioses.


 

 

INTRODUÇÃO

Os flebotomíneos (Diptera, Psychodidae, Phlebotominae) são importantes vetores de organismos patógenos como Leishmania spp., Bartonella sp. e arbovírus (Vesiculovirus, Phlebovirus, Orbivirus) (Forattini, 1973; Dujardin et al., 1999, Shaw et al. 2003).

Hoje, existem mais de 900 espécies de flebotomíneos descritas no mundo, das quais cerca de 500 ocorrem na região Neotropical. O Estado de São Paulo tem 69 espécies registradas em seu território (Shimabukuro & Galati, 2010), incluindo os principais vetores de leishmaniose tegumentar americana Nyssomyia intermedia (Lutz & Neiva, 1912), N. neivai (Pinto, 1926), N. whitmani (Antunes & Coutinho, 1939) e da leishmaniose visceral americana Lutzomyia longipalpis (Lutz & Neiva, 1912) (Aguiar & Medeiros, 2003, Galati, 2003a; Marcondes et al., 1998; Andrade-Filho et al., 2007).

A sistemática desta subfamília tem sido baseada em critérios práticos, porém conservadores, que dividem os flebotomíneos em cinco gêneros (Lewis et al., 1977), dos quais dois (Phlebotomus Rondani & Berté, 1840 e Sergentomyia França & Parrot, 1920) ocorrem no Velho Mundo e três (Brumptomyia França & Parrot, 1921, Warileya Hertig, 1948 e Lutzomyia França, 1924) estão representados no Novo Mundo e distribuídos em mais de 480 espécies (Galati, 2003a).

A primeira tentativa de se estabelecer uma classificação natural para os flebotomíneos foi realizada por Artemiev (1991) que dividiu os flebotomíneos do mundo em duas tribos (Idiophlebotomini Artemiev, 1991 e Phlebotomini Rondani, 1840), sete subtribos (Idiophlebotomina Artemiev, 1991, Hertigiina Abonnenc & Lèger, 1976, Phlebotomina Rondani, 1840, Spelaeomyiina Artemiev, 1991, Sergentomyiina Artemiev, 1991, Australophlebotomina Artemiev, 1991, Brumptomyiina Artemiev, 1991), e 24 gêneros. No entanto, os táxons não foram estudados detalhadamente, e sua classificação não foi aceita entre os pesquisadores desse grupo de insetos.

Uma proposta para a sistemática dos Phlebotominae foi apresentada por Galati (1995, 2003a) que utilizou o método cladístico para estudar os flebotomíneos americanos. Nesta classificação, a tribo Idiophlebotomini Artemiev, 1991 foi sinonimizada com Hertigiini Abonnenc & Lèger, 1976 e a tribo Phlebotomini Rondani 1840 foi mantida. Seis subtribos presentes no trabalho de Artemiev (1991) foram mantidas (Idiophlebotomina, Hertigiina, Phlebotomina, Sergentomyiina, Australophlebotomina, e Brumptomyiina), mais uma subtribo foi criada (Psychodopygina Galati, 1995), e uma subtribo foi revalidada (Lutzomyiina Abonnenc & Lèger, 1976). Galati reclassificou os flebotomíneos do Novo Mundo em 22 gêneros, dos quais 14 ocorrem no Estado de São Paulo.

A chave de identificação proposta por Galati (2003b) consiste em um estudo extenso que inclui diversos caracteres de difícil visualização, muitos deles relacionados aos apêndices. Como a perda destes durante o processo de clarificação é muito comum, dificuldades para a identificação das espécies podem ocorrer, especialmente quando realizada por não especialistas, como aqueles que atuam em atividades de serviços ligadas ao controle desses insetos.

A elaboração de uma chave ilustrada para as espécies que ocorrem no Estado de São Paulo é oportuna na medida em que a leishmaniose visceral avança no Estado, e o encontro de seu vetor em certas áreas não foi possível ainda (SES-SP, 2006). Deste modo, propõe-se uma chave de identificação ilustrada para as espécies de flebotomíneos do estado de São Paulo, baseada em um número mínimo de caracteres, excluindo-se os apêndices (pernas, palpos e antenas).

 

MATERIAL E MÉTODOS

Obtenção do material

Os espécimes incluídos nesse estudo foram obtidos por empréstimo das coleções do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (MZUSP) e da Faculdade de Saúde Pública - Universidade de São Paulo (FSP), montados em lâminas permanentes.

Para identificação em nível de gênero, subgênero e espécie foram utilizadas descrições disponíveis na literatura e chave taxonômica de Galati (2003b), ou quando as lâminas já estavam identificadas, a confirmação foi realizada, seguindo-se a mesma literatura. Sinonímias podem ser encontradas em Martins et al. (1978) e Galati (2003a). A lista e a distribuição das espécies podem ser encontradas em Shimabukuro & Galati (2010).

Chave ilustrada

A terminologia dos caracteres adotada neste trabalho segue Galati (2003b) e as diretrizes propostas pelo Grupo CIPA - Computer Aided Identification of Phlebotomine Sand Flies of the Americas (Bermúdez et al., 1991).

Estudos morfológicos foram conduzidos utilizando-se caracteres propostos por Azevedo et al. (2002), Dias et al. (1999), Galati (2003b) e Bermúdez et al. (1991). Outros caracteres foram observados diretamente do material estudado. Foram incluídos caracteres adicionais referentes aos apêndices (pernas, palpos e antenas), no caso de visualização dessas estruturas.

Utilizando-se microscópio equipado com câmera clara Olympus® foram feitos desenhos a traço em nanquim das estruturas mais importantes para a identificação das 67 espécies de machos (terminália) e 57 espécies de fêmeas (cibário e espermatecas) conhecidas no estado de São Paulo.

Além das 67 espécies de machos e 57 espécies de fêmeas apresentadas nesta chave, uma nova espécie foi descrita Migonemyia (M.) vaniae Galati, Fonseca & Marassá, 2007, todavia, a espécie não foi inclusa por ser muito próxima de M. migonei (França, 1920) e M. rabelloi (Galati & Gomes, 1992) e pela descrição já oferecer uma chave para a identificação para essa espécie (Galati et al. 2007). De Nyssomyia singularis (Costa Lima, 1932) não se tem informação sobre o material-tipo e a sua descrição é insuficiente para a identificação. Por estas razões não foi incluída na chave.

As abreviações utilizadas na chave são: AIII (terceiro antenômero), AIV (quarto antenômero), AV (quinto antenômero), ca. (circa), p3 (terceiro palpômero), p4 (quarto palpômero), p5 (quinto palpômero).

 

RESULTADOS

Chave de identificação para os Phlebotominae (Diptera, Psychodidae) do estado de São Paulo

Machos

1. Presença da sensila ventro-cervical e da cerdosidade na região anterior do catepisterno (Fig. 1); gonocoxito com espinhos na região apical; gonóstilo com os dois espinhos externos implantados em um único tubérculo (Figs. 2-14); razão do comprimento dutosbomba ejaculadora: maior que três vezes (caracteres adicionais: ascóide com prolongamento posterior desenvolvido; AIII com ascóide externo implantado em nível mais basal que interno) Brumptomyia

2. Sem o conjunto de caracteres acima, podendo apresentar um ou mais deles 14 2(1). Gonocoxito com cerdas do tufo basal implantadas em tubérculo colunar (Figs. 2-4) 3 Gonocoxito com cerdas do tufo basal implantadas diretamente na superfície (Figs. 5-8) 5

3(2). Gonocoxito: tufo basal com cerdas finas em posição superior e semifoliáceas em posição inferior, presença de 5-8 espinhos apicais; parâmero não atingindo a metade do comprimento do lobo lateral e com margem dorsal côncava (Fig. 2) Brumptomyia galindoi

Gonocoxito: tufo basal com cerdas finas em posição superior e inferior, presença de 4-5 espinhos apicais; parâmero atingindo a metade do comprimento do lobo lateral e com margem dorsal reta (Figs. 3A e 4) 4

4(3). Parâmero com a região basal duas ou mais vezes mais larga que a apical (Fig. 3B) Brumptomyia carvalheiroi Parâmero com a região basal menos de duas vezes (ca. de 1,7 vezes) mais larga que a apical (Fig. 4) Brumptomyia mangabeirai

5(2). Gonocoxito com tufo basal de cerdas compacto (Figs. 5-8) 6

Gonocoxito com tufo basal de cerdas esparsas (Figs. 9-14) 9

6(5). Gonocoxito com tufo basal apresentando cerdas semifoliáceas; parâmero longo atingindo a metade do comprimento do lobo lateral (Figs. 5 e 6) 7

Gonocoxito com tufo basal apresentando cerdas finas; parâmero curto, não atingindo a metade do comprimento do lobo lateral (Figs. 7 e 8) 8

7(6). Gonocoxito: tufo basal com até 15 cerdas; parâmero largo em todo seu comprimento, com cerdas apicais curtas na margem dorsal (Figs. 5A, 5B e 5C) Brumptomyia avellari

Gonocoxito: tufo basal com 20 ou mais cerdas; parâmero estreito e com cerdas mais longas a partir do terço médio (Figs. 6A e 6B) Brumptomyia brumpti

8(6). Cerdas anepimerais ausentes (Fig. 1); parâmero com a região mediana mais dilatada que as regiões basal e apical, cerdas fortes na margem dorsal (Fig. 7); edeago retangular Brumptomyia cunhai

Cerdas anepimerais presentes (Fig. 1); parâmero com dilatação mediana discreta e cerdas mais finas na margem dorsal (Fig. 8); edeago cônico Brumptomyia guimaraesi

9(5). Gonocoxito: tufo basal com cerdas curtas e esparsas; gonóstilo com o espinho interno em nível mais basal que os externos (Figs. 9 e 10) 10 Sem o conjunto de caracteres acima 11

10(9). Gonocoxito pelo menos oito vezes mais longo que largo e dotado de tufo basal com ca. de 10 cerdas; parâmero com cerdas apicais curtas e delicadas (Fig. 9); papilas tergais escassas ou ausentes nos tergitos 2-7 Brumptomyia bragai

Gonocoxito pelo menos cinco vezes mais longo que largo e dotado de tufo basal com ca. de 30 cerdas; parâmero com cerdas apicais mais longas e mais fortes (Fig. 10); papilas tergais evidentes e numerosas nos tergitos 2-7 Brumptomyia cardosoi

11(9). Gonóstilo com o espinho interno implantado no mesmo nível que os externos (Figs. 11 e 12) 12 Gonóstilo com o espinho interno implantado em nível intermediário entre os espinhos externos e os apicais (Figs. 13 e 14) 13

12(11). Gonocoxito com pequeno tubérculo esclerotinizado na sua base, tufo basal com cerdas delicadas; parâmero estreitando-se bruscamente à custa da margem ventral, formando um processo digitiforme apical, margem dorsal do parâmero com ápice coberto por cerdas espiniformes e mais duas cerdas finas e longas que se destacam das demais (Fig. 11A); edeago bifurcado (Fig. 11B) Brumptomyia troglodytes

Gonocoxito sem tubérculo em sua base e tufo basal com cerdas fortes; parâmero não estreitado bruscamente e sem processo digitiforme apical, margem dorsal do parâmero com ápice coberto por cerdas finas (Fig. 12); edeago em forma de triângulo alongado Brumptomyia ortizi

13(11). Cerdas anepimerais presentes (Fig. 1); gonocoxito com ca. de sete espinhos apicais (Fig. 13); parâmero estreito com margem dorsal côncava e cerdas fortes em sua metade apical Brumptomyia pintoi

Cerdas anepimerais ausentes (Fig. 1); gonocoxito com ca. de cinco espinhos apicais (Fig. 14); parâmero largo sem a margem dorsal côncava e cerdas curtas e finas na maior parte da margem dorsal (Figs. 14B e 14C) Brumptomyia nitzulescui

14(1). Ausência da sensila ventro-cervical e da cerdosidade na região anterior do catepisterno (Fig. 1); ausência das papilas tergais (exceto B. flaviscutellata); gonóstilo dotado de quatro espinhos (exceto M. alphabetica); cerda espiniforme pré-apical ausente 15 Sem o conjunto de caracteres acima 34

15(14). Clípeo desenvolvido; olhos reduzidos; pronoto castanho e pleura torácica clara; gonóstilo com cinco ou seis espinhos; lobo lateral mais longo que o gonocoxito (Fig. 15) Martinsmyia alphabetica Clípeo, olhos e coloração do pronoto e pleura torácica variáveis; gonóstilo com quatro espinhos; comprimento do lobo lateralgonocoxito variável 16

16(15). Mesonoto com a metade anterior castanha, metade posterior e escutelo claros, aspecto bicolor; lobo lateral mais curto que o gonocoxito (Fig. 16); edeago em forma de um triângulo alongado Bichromomyia flaviscutellata Mesonoto completamente castanho ou castanho escuro; comprimento do lobo lateralgonocoxito e forma do edeago variáveis 17

17(16). Gonóstilo com o espinho externo inferior implantado no terço apical ou além (Figs. 17-21) (caracteres adicionais: presença de duas ou mais papilas em AIII; p4+p5<p3) 18

Gonóstilo com o espinho externo inferior implantado no terço apical ou antes deste (caracteres adicionais: presença de apenas uma papila em AIII; comprimento dos palpos variável) 22

18(17). Gonóstilo com o espinho interno atrofiado; parâmero variável (Figs. 17-19) 19 Gonóstilo com o espinho interno desenvolvido; parâmero simples com a base mais dilatada, afilando-se em direção ao ápice, cerdas em toda superfície dorsal, apenas terço basal glabro (Figs. 20 e 21) 21

19(18). Gonóstilo com os espinhos atrofiados, exceto o espinho apical (desenvolvido) (Fig. 17); parâmero estreito, com o comprimento menor ou igual ao do lobo lateral, sem cerdas apicais na margem dorsal, sem processo ventral digitiforme Psychodopygus geniculatus

Gonóstilo com os espinhos desenvolvidos, exceto o interno (atrofiado) (Figs. 18 e 19); parâmero dilatado, mais curto que o lobo lateral, com cerdas apicais na margem dorsal e processo ventral digitiforme 20

20(19). Catepisterno e coxa anterior castanhos claros; parâmero com cerdas apicais implantadas em várias linhas (Fig. 18) Psychodopygus ayrozai

Catepisterno e coxa anterior pálidos; parâmero com cerdas apicais implantadas em linha marginal (Fig. 19) Psychodopygus hirsutus

21(18). Pronoto e paratergito pálidos; gonóstilo com o espinho interno situado um pouco aquém do seu meio; lobo lateral ligeiramente mais curto que o gonocoxito (Fig. 20) Psychodopygus arthuri

Pronoto e paratergito castanhos; gonóstilo com o espinho interno implantado em seu terço apical; lobo lateral mais longo que o gonocoxito (Fig. 21) Psychodopygus lloydi

22(17). Edeago longo e esclerotinizado, medindo pelo menos duas vezes sua largura basal (Figs. 22-25) 23

Edeago com outro formato 26

23(22). Parâmero mais largo na base e de ápice afilado com cerdas distribuídas na margem dorsal e com uma cerda espiniforme isolada no ápice (Fig. 22); dutos ejaculadores muito longos, pelo menos nove vezes o comprimento da bomba Psathyromyia brasiliensis

Parâmero variável; dutos ejaculadores mais curtos, até quatro vezes o comprimento da bomba 24

24(23). Parâmero largo, de calibre uniforme, com cerdas apicais na margem dorsal (Fig. 23); edeago retangular na maior parte do seu percurso, afilando abruptamente em seu ápice; dutos ejaculadores com ápice sinuoso Psathyromyia aragaoi

Parâmero com a porção basal mais dilatada e a distal digitiforme, cerdas na margem dorsal com distribuição variável; edeago coniforme; dutos ejaculadores com ápice variável 25

25(24). Parâmero ligeiramente mais dilatado apicalmente, com cerdas restritas ao ¼ apical da margem dorsal (Fig. 24); edeago com ½ do comprimento do parâmetro Psathyromyia lutziana

Parâmero afilando-se gradualmente para o ápice com cerdas ocupando a metade da margem dorsal (Fig. 25); edeago um pouco mais curto que parâmetro Psathyromyia pascalei

26(22). Parâmero com apêndice dorsal (Fig. 26) Psathyromyia hermanlenti

Parâmero sem apêndice dorsal 27

27(26). Parâmero largo (Figs. 27 e 28) 28

Parâmero digitiforme, pelo menos em seu terço distal (P. pelloni) (Figs. 29-31) 29

28(27). Gonocoxito convexo em sua face interna; gonóstilo com os espinhos externo inferior e interno implantados em seu terço apical; parâmero com margem dorsal coberta por cerdas finas, cerdas espiniformes mais curtas na região interna (Fig. 27) Psathyromyia lanei

Gonocoxito praticamente reto em sua face interna; gonóstilo com os espinhos externo inferior e interno implantados em seu meio; parâmero coberto por cerdas espiniformes longas na margem dorsal, formando um tufo próximo à região mediana do apêndice (Fig. 28) Psathyromyia punctigeniculata

29(27). Terminália mais longa ou com o mesmo comprimento do tórax; espinho apical mais curto que o comprimento do gonóstilo (Figs. 29-31) 30

Terminália mais curta que o comprimento do tórax; espinho apical mais longo que o comprimento do gonóstilo (Figs. 32-34) 32

30(29). Parâmero: margem dorsal com cerdas semifoliáceas, e região interna com cerdas curtas espiniformes (Fig. 29); dutos ejaculadores com ápice afilado Psathyromyia pelloni

Parâmero: margem dorsal com cerdas finas (Figs. 30 e 31) e região interna com ou sem cerdas, dutos ejaculadores com ápice de forma variável 31

31(30). Pronoto e paratergito castanhos claros sem contraste evidente com a pleura torácica; edeago curto, triangular e esclerotinizado; dutos ejaculadores com ápice liso Psathyromyia shannoni

Pronoto e paratergito castanhos contrastando com a pleura torácica clara; edeago longo, estreito e pouco esclerotinizado; dutos ejaculadores com ápice levemente estriado Psathyromyia pestanai

32(29). Dutos ejaculadores ca. de três vezes mais longos que a bomba e com ápice bifurcado Nyssomyia whitmani

Dutos ejaculadores menos que duas vezes mais longos que a bomba e com o ápice não bifurcado 33

33(32). Dutos ejaculadores com o ápice alongado (Fig. 33A) Nyssomyia neivai

Dutos ejaculadores com o ápice arredondado (Figs. 34A) Nyssomyia intermedia

34(14). Gonóstilo com cinco espinhos bem desenvolvidos 35

Gonóstilo com quatro ou menos espinhos desenvolvidos 39

35(34). Gonocoxito com cerdas do tufo basal semifoliáceas ou finas 36

Gonocoxito com cerdas do tufo basal foliáceas, modificadas (Fig. 35) Lutzomyia almerioi

36(35). Gonocoxito dotado em sua base de cerdas semifoliáceas (Figs. 36 e 37) 37

Gonocoxito dotado em sua base de cerdas finas (Figs. 38 e 39) 38

37(36). Gonocoxito com até cinco cerdas basais; parâmero reto em sua região mediana da margem dorsal (Fig. 36); dutos ejaculadores com ápice afilado Micropygomyia ferreirana

Gonocoxito com mais de cinco cerdas basais; parâmero curvo em sua região mediana da margem dorsal (Fig. 37); dutos ejaculadores com ápice abaulado Micropygomyia quinquefer

38(36). Gonocoxito com tufo basal com ca. de 14 cerdas (Fig. 38); dutos ejaculadores com o ápice bifurcado, com um ramo mais longo que o outro Micropygomyia longipennis

Gonocoxito com o tufo basal dotado de duas cerdas (Fig. 39); dutos ejaculadores com o ápice em forma de bisel Micropygomyia petari

39(34). Gonóstilo com quatro espinhos; cerda espiniforme pré-apical ausente (Fig. 40-45) 40

Gonóstilo com quatro ou menos espinhos desenvolvidos; cerda espiniforme pré-apical pode estar presente ou não 46

40(39). Forquilha labial ausente Lutzomyia dispar

Forquilha labial presente 41

41(40). Gonocoxito sem tufo basal (Figs. 41-43) 42

Gonocoxito com tufo basal (Figs. 44-47) 44

42(41). Tórax com pleura e coxas escuras Pintomyia misionensis

Tórax com partes da pleura e coxas claras 43

43(42). Mesonoto castanho escuro; sensila ventro-cervical presente; catepisterno sem cerdas na região anterior (caracter adicional: papila em AV ausente) Micropygomyia schreiberi

Mesonoto castanho claro; sensila ventro-cervical ausente; catepisterno com cerdas na região anterior presente (caracter adicional: papila em AV presente) Sciopemyia sordellii

44(41). Gonóstilo com os espinhos externos implantados em único tubérculo; parâmero com apêndice cerdoso no ápice (Fig. 44) 45

Gonóstilo com os espinhos externos separados; parâmero sem tal processo (Fig. 45) Sciopemyia microps

45(44). Gonóstilo com o espinho interno cerdiforme, isto é, bem mais fino do que o externo inferior Evandromyia rupicola

Gonóstilo com o espinho interno de calibre semelhante ao do externo inferior (Fig. 44) Evandromyia correalimai

46(39). Gonocoxito com tufo basal em um tubérculo bem pronunciado com cerdas laminares e lobo cerdoso com cerdas mais finas, presença de cerda espiniforme pré-apical; gonóstilo com três espinhos bem desenvolvidos (Figs. 46 e 47), o externo inferior atrofiado e, cerdiforme; parâmero com cotovelo na margem ventral e processo digitiforme dorsal 47

Gonocoxito com tufo basal, gonóstilo e parâmero variáveis, a cerda espiniforme pré-apical pode estar presente ou não 48

47(46). Gonocoxito: tufo basal composto por quatro cerdas laminares e numerosas cerdas finas e longas no lobo cerdoso (Fig. 46) Pressatia choti

Gonocoxito: tufo basal composto por 6-7 cerdas laminares e ca. de 20 cerdas espiniformes no lobo cerdoso (Fig. 47) Pressatia trispinosa

48(46). Gonocoxito sem tufo basal (Fig. 48) (caracter adicional: presença de espinhos no metafêmur) Pintomyia bianchigalatiae

Gonocoxito com tufo basal 49

49(48). Gonocoxito sem faixa longitudinal esclerotinizada (Figs. 49-55) 50

Gonocoxito com faixa longitudinal esclerotinizada (Figs. 56-67) 56

50(49). Parâmero dotado em sua margem dorsal de uma ou duas cerdas na região mediana destacada das apicais (Figs. 49-51) 51

Parâmero com margem dorsal apresentando outro arranjo de cerdas 53

51(50). Tórax com cerdas metepisternais; gonóstilo com espinho externo inferior em nível mais basal do que o interno (Fig. 49) Lutzomyia longipalpis

Tórax sem cerdas metepisternais; gonóstilo com espinho externo inferior em nível próximo ao interno 52

52(51). Gonocoxito: tufo basal dotado de quatro cerdas (Fig. 50) Lutzomyia castroi

Gonocoxito: tufo basal dotado de seis cerdas (Fig. 51) Lutzomyia amarali

53(50). Gonocoxito com 4-5 cerdas no tufo basal implantadas em um tubérculo; parâmero largo e retangular, cerda longa, espiniforme no ápice da margem dorsal (Fig. 52) Migonemyia bursiformis

Gonocoxito com número variável de cerdas do tufo basal implantadas diretamente na superfície; parâmero digitiforme, cerda longa no ápice da margem dorsal pode ou não estar presente (Figs. 53-55B) 54

54(53). Pleuras torácias totalmente escuras; gonocoxito com tufo basal dotado de ca. de 30 cerdas (Fig. 53) Pintomyia monticola

Pleuras torácicas totalmente ou parcialmente claras; gonocoxito com tufo basal dotado de no máximo 15 cerdas 55

55(54). Gonocoxito: tufo basal com 3-9 cerdas finas (Fig. 54) (caracter adicional: papila em AV pode estar ausente) Migonemyia migonei

Gonocoxito: tufo basal com 12-15 cerdas (Fig. 55) Migonemyia rabelloi

56(49). Cerdas metepimerais e metepisternais presentes (Fig. 1) Pintomyia christenseni

Cerdas metepimerais e metepisternais ausentes 57

57(56). Pleuras torácicas totalmente escuras 58

Pleuras torácicas totalmente ou parcialmente claras 59

58(57). Tórax e coxas castanhos escuros; gonocoxito com tufo basal dotado de 9-13 cerdas (Fig. 57) Pintomyia pessoai

Tórax castanho escuro e coxas anteriores claras; gonocoxito com tufo basal dotado de 2-4 cerdas (Fig. 58) Pintomyia fischeri

59(57). Tórax de castanho claro a pálido, exceto pelo escudo castanho; ausência de papilas tergais em todos os segmentos abdominais; gonocoxito com tufo basal dotado de 12-15 cerdas semifoliáceas; parâmero com protuberância pré-apical na margem ventral (bem discreto, às vezes imperceptível) e, cerda forte, espiniforme na região mediana da margem dorsal (Fig. 59); lobo lateral de ápice arredondado Expapillata firmatoi

Tórax predominantemente castanho a castanho escuro; presença de papilas tergais pelo menos no tergito abdominal 6; gonocoxito com tufo basal dotado de cerdas em número variável; parâmero com ou sem a protuberância pré-apical na região ventral e sem cerda espiniforme na região mediana da margem dorsal; lobo lateral de ápice afilado 60

60(59). Papilas tergais muito numerosas e bem evidentes, dotadas de bordas salientes, presentes nos tergitos 5 e 6, e ausentes no 7 61

Papilas tergais sem bordas salientes e presentes pelo menos nos tergitos 6 e 7 63

61(60). Parâmero apenas com protuberância espiniforme na margem ventral (Fig. 60) Evandromyia termitophila

Parâmero bifurcado (Figs. 61 e 62) 62

62(61). Parâmero com cotovelo no processo ventral (Fig. 61); dutos ejaculadores com ápice bifurcado e um ramo mais longo que o outro Evandromyia carmelinoi

Parâmero com cotovelo no processo ventral (Fig. 62); dutos ejaculadores de ápice bifurcado e um ramo mais longo que o outro Evandromyia lenti

63(60). Gonocoxito: tufo basal com 15-17 cerdas; lobo lateral com três cerdas não-caducas no ápice (Fig. 63) Evandromyia bourrouli

Gonocoxito: tufo basal dotado de um número menor de cerdas; lobo lateral sem cerdas não-caducas no ápice 64

64(63). Gonocoxito: tufo basal com ca. de seis cerdas; gonóstilo com espinho externo superior no terço apical e inferior no terço médio; parâmero com uma cerda isolada próximo à região mediana da margem dorsal (Fig. 64) Evandromyia petropolitana

Gonocoxito: tufo basal dotado de 4-5 cerdas; gonóstilo com espinho externo superior na região mediana e inferior no terço basal; parâmero sem uma cerda isolada próximo à região mediana da margem dorsal 65

65(64). Parâmero com três cerdas fortes e curvas na margem dorsal (Fig. 65); dutos ejaculadores com ápice tubular Evandromyia edwardsi

Parâmero sem cerdas fortes e curvas na margem dorsal; dutos ejaculadores de outra forma 66

66(65). Gonocoxito: tufo basal com cinco cerdas; parâmero com margem dorsal levemente côncava e ápice em forma de capuz (Fig. 66) Evandromyia cortelezzii

Gonocoxito: tufo basal com quatro cerdas; parâmero com margem dorsal reta e ápice não em forma de capuz (Fig. 67) Evandromyia sallesi

Fêmeas

1. Presença da sensila ventro-cervical e da cerdosidade na região anterior do catepisterno (Fig. 1); cibário com dentes anteriores horizontais formando quatro ou mais colunas (Figs. 68 e 69); espermatecas aneladas e dutos individuais com mais de oito vezes o comprimento do corpo (Figs. 70-76) (caracteres adicionais: prolongamento posterior do ascóide desenvolvido; AIII com o ascóide externo mais basal que o interno) Brumptomyia

2. Sem o conjunto de caracteres acima, podendo apresentar um ou mais deles 8

2(1). Dutos individuais com sinuosidade curta (Fig. 70) Brumptomyia nitzulescui

Dutos individuais sem sinuosidade curta 3

3(2). Tergito 9 com esclerotinização bem acentuada na parte superior da região mediana e na base dos dutos individuais (Fig. 71) Brumptomyia troglodytes

Tergito 9 e dutos individuais sem esclerotinização 4

4(3). Cibário com diversos pares de dentes pequenos em posição lateral e horizontal formando fileiras (Fig. 69); espermateca com 25-40 anéis (Fig. 72) Brumptomyia carvalheiroi

Cibário com 3-4 pares de dentes horizontais e alguns dentes laterais; espermateca não como acima (Fig. 73-76) 5

5(4). Espermateca com corpo cilíndrico (largura da região apical igual a da mediana) (Fig. 73A, 73B, 73C) Brumptomyia cunhai

Espermateca com o diâmetro dos anéis diminuindo em direção à base (Figs. 74-76) 6

6(5). Coxas castanhas (caracter adicional: presença de 2 papilas em AIII) Brumptomyia avellari

Coxas pálidas (caracter adicional: presença de 1 ou 2 papilas em AIII) 7

7(6). Coxas pálidas (caracter adicional: presença de 2 papilas em AIII) Brumptomyia galindoi

Coxas castanhas claras (caracter adicional: presença de 1 papila em AIII) Brumptomyia brumpti

8(1). Faringe com espinhos desenvolvidos (Figs. 77 e 78); espermateca com 4-5 anéis, dutos individuais esclerotinizados na região apical (Figs. 79 e 80) 9

Faringe sem espinhos desenvolvidos; espermateca sem o conjunto de caracteres acima 10

9(8). Pronoto e paratergito castanhos; cibário com dentes posteriores fundidos na base, dentes anteriores reduzidos dispostos lateralmente e dois dentes bem desenvolvidos na região central (Fig. 77) Micropygomyia petari

Pronoto e paratergito castanhos claros; cibário com dentes posteriores individualizados, dentes anteriores com desenvolvimento semelhante entre si na região central (Fig. 78) Micropygomyia ferreirana

10(8). Forquilha labial ausente; cibário com dois pares de dentes posteriores (Fig. 81); corpo da espermateca com 5-6 anéis (Fig. 82) Lutzomyia dispar

Forquilha labial presente; cibário com número variável de dentes posteriores; corpo da espermateca com número de anéis variáveis 11

11(10). Cerdas metepisternais presentes (Fig. 1); mesonoto e escutelo castanhos; cibário com três ou mais pares de dentes posteriores e os anteriores dispostos em uma fileira transversal (Fig. 83); espermateca segmentada (Fig. 84) Lutzomyia longipalpis

Sem o conjunto de caracteres acima 12

12(11). Cibário com arco esclerotinizado incompleto e dentes anteriores em posição horizontal (Fig. 85); espermateca com 15-17 anéis, anel apical ca. de 4 vezes mais longo e mais largo que os demais, dutos individuais afilando-se em direção à junção com o corpo da espermateca (Fig. 86) Lutzomyia amarali

Cibário com o arco esclerotinizado completo e, dentes anteriores em posição vertical ou laterais; espermateca com número de anéis variáveis, dutos individuais não afilando-se em direção à junção com o corpo da espermateca 13

13(12). Tergito 9 com protuberância (Fig. 87) 14

Tergito 9 sem protuberância 16

14(13). Cibário com forte esclerotinização em forma de arco situado entre os dentes anteriores e a área esclerotinizada (Fig. 88); espermateca anelada, anel apical mais largo que os anéis anteriores, os dutos individuais com mais de 3,5 vezes o comprimento do corpo (Fig. 89) Lutzomyia almerioi

Cibário sem forte esclerotinização em forma de arco (Figs. 90 e 91); espermateca não-anelada, dutos individuais com comprimento variável (caracter adicional: ausência de papila em AV; AIII mais curto que a metade do comprimento da cabeça) 15

15(14). Espermateca com o corpo tubular pelo menos 10 vezes mais curto que o duto individual, duto individual liso em toda sua extensão, e duto comum rudimentar (Fig. 92) Migonemyia migonei

Espermateca com o corpo tubular pouco mais longo que o duto individual, duto individual liso em sua maior parte, com estriação superficial na transição com o corpo, duto comum evidente, porém ca. de cinco vezes mais curto que individuais (Fig. 93) Migonemyia rabelloi

16(13). Cibário com os dentes posteriores lateralizados e voltados em direção ao centro, dentes laterais evidentes (Figs. 94 e 95); espermateca com anel apical pouco maior que os demais (Figs. 96 e 97) (caracter adicional: soma do comprimento da cabeça e labro-epifaringe menor que a soma de AIII e AIV) 17

Cibário com os dentes posteriores não lateralizados e não inclinados para a linha mediana, dentes laterais evidentes ou não; espermateca com anel apical variável 18

17(16). Espermateca com dutos individuais com mais de oito vezes o comprimento do corpo (Fig. 96) Sciopemyia microps

Espermateca com dutos individuais com menos de 3,5 vezes o comprimento do corpo (Fig. 97) Sciopemyia sordellii

18(16). Espermateca com corpo anelado (Figs. 98, 100-104, 107, 109, 111, 113, 116, 119-120, 122, 124-126) 19

Espermateca com corpo não-anelado (Figs. 129-134, 157-172) 36

19(18). Lacínia da maxila com dentes externos dispostos em fileira transversal; espermateca com o corpo dotado de anel apical de aspecto globoso, sendo mais longo e largo que os demais que são pouco individualizados (Fig. 98) Micropygomyia longipennis

Lacínia da maxila com dentes externos dispostos em uma ou mais fileiras longitudinais; espermateca com o corpo variável 20

20(19). Lacínia da maxila com dentes externos dispostos em duas fileiras longitudinais 21

Lacínia da maxila com dentes externos dispostos em uma fileira longitudinal 29

21(20). Cibário com dois pares de dentes posteriores (Fig. 99); espermateca com anel apical de aspecto globoso (100A e 100B), sendo mais longo e largo que os demais que são pouco individualizados Micropygomyia quinquefer

Cibário com três ou mais pares de dentes posteriores; espermateca com o anel apical, se mais desenvolvido que os demais, não apresentando aspecto globoso 22

22(21). Espermateca com os anéis não imbricados (Figs. 101-103) 23

Espermateca com os anéis imbricados (Figs. 104, 107, 109, 111, 113) 25

23(22). Região do anepisterno superior levemente castanha; espermateca com o corpo composto por 20 ou mais anéis, dutos individuais longos com ca. de quatro vezes o comprimento do corpo (Fig. 101) Nyssomyia whitmani

Região do anepsiterno superior pálida; espermateca com o corpo composto por até 15 anéis, dutos individuais variáveis 24

24(23). Corpo da espermateca com 7-10 anéis (mais comumente 8-9 anéis), soma do número de anéis dos dois corpos não ultrapassando 16, anéis centrais geralmente mais largos, a cabeça raramente bilobada, a base da cabeça de mesma largura que os dutos individuais na junção com o corpo (Fig. 102) Nyssomyia neivai

Corpo da espermateca com 8-15 anéis, soma dos anéis dos dois corpos podendo ultrapassar 23, anéis apicais mais largos, diâmetro diminuindo em direção aos anéis mais basais, cabeça simples, bi ou trilolobada, a base da cabeça mais larga que os dutos individuais na junção com o corpo (Fig. 103) Nyssomyia intermedia

25(22). Cibário com dois pares de dentes posteriores (Fig. 105); espermatecas com os dutos individuais ca. de duas vezes mais longos que o comprimento do corpo (Fig. 104) Psychodopygus geniculatus

Cibário com número de dentes variável; espermatecas com os dutos individuais mais curtos que o comprimento do corpo 26

26(25). Catepisterno e todas as coxas pálidos 27

Catepisterno e apenas coxas anteriores castanhos claras 28

27(26). Paratergito escuro, em nítido contraste com a pleura torácica totalmente pálida; cibário com três ou quatro pares de dentes posteriores (Fig. 106); espermateca com anel apical assimétrico e cabeça lateralizada (Fig. 107) Psychodopygus lloydi

Paratergito claro, e pleura torácica parcialmente castanha; cibário com dois pares de dentes posteriores (Fig. 108); espermateca com anel apical praticamente simétrico e cabeça em posição normal (Fig. 109) Psychodopygus hirsutus

28(26). Cibário com dois ou três pares de dentes posteriores inclinados para a linha mediana (Fig. 110); espermateca com anel apical praticamente simétrico e cabeça em posição normal, ângulo formado pela junção dos dutos individuais muito próximo a 180º (Fig. 111) Psychodopygus ayrozai

Cibário com três ou quatro pares de dentes posteriores voltados para a faringe (Fig. 112); espermateca com anel apical assimétrico e cabeça em posição lateral, ângulo formado pela junção dos dutos individuais menor que 180º (Fig. 113) Psychodopygus arthuri

29(20). Cibário com os dentes posteriores fundidos na base (Fig. 114) Micropygomyia schreiberi

Cibário com os dentes posteriores não fundidos na base 30

30(29). Cibário com os dentes anteriores em dois conjuntos laterais formados por dentes menores e um conjunto central formado por dentes grandes (Fig. 115); espermateca com dutos individuais com mais de 20 vezes o comprimento do corpo (Fig. 116) Psathyromyia brasiliensis

Cibário não como descrito acima; dutos individuais com menos de quatro vezes o comprimento do corpo 31

31(30). Cibário com os dentes anteriores completamente lateralizados (Figs. 117 e 118) 32

Cibário com os dentes anteriores em posição vertical 33

32(31). Espermateca com dutos individuais e comum levemente estriados, sendo os individuais mais curtos que o duto comum, cerca de 15 anéis, sendo o anel apical mais largo que o anel precedente (Fig. 119) Evandromyia bourrouli

Espermateca com dutos individuais e comum esclerotinizados, sendo os individuais mais longos que o comum, 5-6 anéis hialinos e mais um anel com bainha fortemente esclerotinizada em posição oblíqua aos demais, anel apical de largura semelhante aos demais (Fig. 120) Evandromyia termitophila

33(31). Cibário com alguns dentes anteriores horizontais (Fig. 121); faringe larga; espermateca com os anéis centrais com menor diâmetro que os anéis basal e apical (Fig. 122) Martinsmyia alphabetica

Sem o conjunto de caracteres acima 34

34(33). Mesonoto com metade anterior castanha, metade posterior e escutelo pálidos, com aspecto bicolor; cibário com numerosos dentes anteriores formando um conjunto central, além de alguns dentes em linha e de alguns outros laterais (Fig. 123); espermateca com os dutos individuais mais curtos que o comum (Fig. 124) Bichromomyia flaviscutellata

Mesonoto e escutelo de mesma cor; cibário variável; espermateca com os dutos individuais mais longos que o comum (Figs. 125 e 126) 35

35(34). Cibário com dois pares de dentes posteriores (Fig. 127) Psathyromyia lanei

Cibário com seis ou mais pares de dentes posteriores (Fig. 128) Psathyromyia hermanlenti

36(18). Corpo da espermateca cilíndrico (Figs. 129-131) 37

Corpo da espermateca com outro aspecto (Figs. 132-134) 39

37(36). Esclerito cervical com duas sensilas; cibário com três pares de dentes posteriores (Fig. 135) Psathyromyia punctigeniculata

Esclerito cervical com três sensilas; cibário com dois pares de dentes posteriores (Figs. 136 e 137) 38

38(37). Pronoto e paratergito castanhos escuros, contrastando com as pleuras claras; corpo da espermateca liso (Fig. 130) Psathyromyia pestanai

Pronoto, paratergito e área superior do anepisterno castanhos claros; corpo da espermateca com estrias longitudinais (nem sempre visíveis) (Fig. 131) Psathyromyia shannoni

39(36). Cibário com área esclorotizada ampla e várias fileiras de dentes anteriores (Figs. 138-140) 40

Cibário com área esclerotinizada estreita e uma ou duas fileiras transversais de dentes anteriores (Figs. 141-156) 42

40(39). Cibário com dois pares de dentes posteriores (Fig. 138) Psathyromyia lutziana

Cibário com cinco ou mais pares de dentes posteriores 41

41 (40). Coxas castanhas; cibário com dentes posteriores unidos na base (Fig. 139); espermateca com cabeça destacada do corpo, duto comum distinto (Fig. 133A e 133B) Psathyromyia pascalei

Coxas castanhos claras; cibário com dentes posteriores individualizados (Fig. 140); espermateca com cabeça não destacada do corpo, duto comum rudimentar (Fig. 134) Psathyromyia aragaoi

42(39). Espermateca com dutos individuais esclerotinizados (Figs. 157-163) 43

Espermateca com dutos individuais sem esclerotinização (Figs. 164-172) 49

43(42). Tórax com cerdas metepimerais e metepisternais (Fig. 1); cibário com dentes anteriores e posteriores pequenos (Figs. 141) Pintomyia christenseni

Tórax sem cerdas metepimerais e metepisternais; cibário não como descrito acima 44

44(43). Cibário com dentes anteriores em conjuntos lateralizados (Figs. 142 e 143); espermateca com duto comum estriado, com as margens externas fortemente esclerotinizadas e corpo em forma de maçã 45

Cibário e espermateca variáveis; duto comum sem estriação 46

45(44). Espermatecas: duto individual cerca de quatro vezes o comprimento do duto comum (Fig. 158) Evandromyia carmelinoi

Espermatecas: duto individual com menos de três vezes o comprimento do duto comum (Fig. 159) Evandromyia lenti

46(44). Coxas castanhas escuras; espermateca com cabeça subesférica e mais curta que o comprimento do corpo (Fig. 160) Pintomyia pessoai

Coxas pálidas ou pelo menos a anterior clara; espermateca com cabeça variável 47

47(46). Tórax e coxas castanho claras; cibário com dois dentes anteriores grandes situados na região mediana (Fig. 145); tergito 8 sem cerdas; espermatecas com os dutos individuais completamente esclerotinizados (Fig. 161) Pressatia choti

Tórax castanho ou castanho escuro; cibário sem os dentes anteriores desenvolvidos (Figs. 146 e 147); tergito 8 com cerdas; espermatecas com os dutos individuais sem esclerotinização ou parcialmente esclerotinizados 48

48(47). Tórax castanho e coxas pálidas; espermateca com cabeça que não se destaca da parede do corpo (Fig. 162) Pintomyia bianchigalatiae

Tórax e coxas castanho escuras, exceto pela coxa anterior castanho clara; espermateca com cabeça grande, de diâmetro maior que o do corpo (Fig. 163) Pintomyia fischeri

49(42). Tórax com a pleura torácica totalmente castanho escura; furca genital com reentrância em direção à haste 50

Tórax com a pleura torácica total ou parcialmente pálida; furca genital sem reentrância em direção à haste 51

50(49). Espermateca com o corpo alongado, dotado de forte estriação transversal e um anel apical na forma de um cone invertido (Fig. 164) Pintomyia misionensis

Espermateca com corpo globoso, algumas estriações transversais e sem anel apical (Fig. 165A e 165B) Pintomyia monticola

51(49). Espermateca com corpo vesiculoso, alongado e de difícil visualização (Fig. 166) Migonemyia bursiformis

Espermateca com corpo globoso e de fácil visualização 52

52(51). Cibário com dentes posteriores unidos na base (Fig. 151); espermateca e dutos curtos, não alcançando o ápice da haste da furca genital, cabeça ausente e com os pêlos (dutos de células glandulares) implantados diretamente na superfície do corpo (Fig. 167) Expapillata firmatoi

Cibário variável; espermateca mais longa que descrita acima com cabeça e pêlos presentes 53

53(52). Espermateca com os dutos individuais dilatados (Fig. 168) Evandromyia petropolitana

Espermateca não como descrita acima 54

54(53). Cibário com dentes anteriores formando conjuntos laterais (Fig. 153); pleura torácica pálida e coxas castanhas claras; tergito 8 sem cerdas; espermateca com corpo fortemente estriado transversalmente, cabeça bem grande, duto comum longo, de difícil visualização (Fig. 169) Evandromyia correalimai

Cibário, pleura torácica, coxas, duto comum variáveis, corpo da espermateca liso 55

55(54). Espermateca com os dutos individuais com ca. de 5 vezes o comprimento do corpo, este achatado nos pólos (Fig. 170) Evandromyia edwardsi

Espermateca com o dutos individuais com ca. de 12 vezes o comprimento do corpo, este esférico (Figs. 171 e 172) Evandromyia sallesi*

E. cortelezzii*

* Não foi possível identificar caracteres que permitam distinguir com segurança as fêmeas dessas duas espécies.

 

DISCUSSÃO

Chaves taxonômicas são importantes para a correta identificação dos organismos e, para que possam ser empregadas por não-especialistas devem apresentar caracteres de fácil observação e serem ricamente ilustradas.

A principal diferença entre a chave apresentada neste trabalho e a de Galati (2003b) consiste na redução e, quando possível, na eliminação de caracteres difíceis de observação e daqueles presentes em apêndices, os quais podem ser perdidos durante o processo de captura, diafanização e montagem dos espécimes.

Para as espécies Pressatia choti (Floch & Abonnec, 1941) e Pressatia trispinosa (Mangabeira, 1942) registradas no estado de São Paulo, respectivamente por Forattini et al. (1976) e Barretto (1943), não existem relatos posteriores de suas ocorrências.

A distinção entre fêmeas de Evandromyia sallesi (Galvão & Coutinho, 1939) e E. cortelezzii (Brèthes, 1923) pode ser feita, grosseiramente, pela largura dos dutos individuais, mais largos em E. sallesi, mas esta diferenciação nem sempre é confiável; assim a identificação por associação com os machos é mais segura.

 

AGRADECIMENTOS

À CAPES pela concessão da bolsa de doutorado. Ao Dr. Claudio Casanova, Dra. Eudina A.M.F. Barata da Superintendência de Controle de Endemias da Secretaria da Saúde de São Paulo/SP e Dra. Elisabeth Fernandes Bertoletti Gonçalves e Dra. Neide de Oliveira Castelo do Centro de Controle de Zonoses/SP pela ajuda valiosa na avaliação da chave de identificação. Aos Dr. Carlos E. Lamas e Dra. Maria Anice M. Sallum curadores da Coleção de Invertebrados do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (MZUSP) e da Coleção Entomológica da Faculdade de Saúde Pública - Universidade de São Paulo (FSP/USP) respectivamente, por permitir acesso ao material das coleções. E a Airton A. Cruz pela elaboração das pranchas e arte-final

 

REFERÊNCIAS

AGUIAR, G.M. & MEDEIROS, W.M. 2003. Distribuição regional e habitats das espécies de flebotomíneos do Brasil. In: Rangel, E.F. & Lainson, R. (Orgs.). Flebotomíneos do Brasil. Editora Fiocruz, Rio de Janeiro, p. 207-255.         [ Links ]

ANDRADE-FILHO, J.D.; GALATI, E.A.B. & FALCÃO, A.L. 2007. Nyssomyia intermedia (Lutz & Neiva, 1912) and Nyssomyia neivai (Pinto, 1926) (Diptera: Psychodidae: Phlebotominae) geographical distribution and epidemiological importance. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, 102(4):481-487.         [ Links ]

ARTEMIEV, M.M. 1991. A classification of the subfamily Phlebotominae. Parassitologia, 33(Suppl. 1):69-77.         [ Links ]

AZEVEDO, A.C.R.; LAINSON, R.; SOUZA, A.A.; FÉ, N.F.; FELICIANGELI, D.M.; MENESES, C.R.V. & RANGEL, E.F. 2002. Comparative studies of populations of Lutzomyia umbratilis (Diptera: Psychodidae: Phlebotominae) in Brazil and Venezuela. Journal of Medical Entomology, 39(4):587-600.         [ Links ]

BARRETTO, M.P. 1943. Observações sobre a biologia, em condições naturais, dos flebótomos do Estado de São Paulo (Diptera, Psychodidae). Tese de Livre-Docência, Universidade de São Paulo, São Paulo.         [ Links ]

BERMÚDEZ, H.; DEDET, J.P.; FALCAO, A.L.; FELICIANGELI, D.; RANGEL, E.F.; FERRO, C.; GALATI, E.A.; GOMEZ, E.L.; HERRERO, M.V. & HERVAS, D. 1991. Proposition of a standard description for phlebotomine sandflies. CIPA Group. Parassitologia, 33(Supp. 1):127-35.         [ Links ]

DIAS, E.S.; BARATA, R.A.; FORTES-DIAS, C.L.; BRAZIL, R.P.; MIRANDA, J.C.; BRANDÃO FILHO, S. & LINARDI, P.M. 1999. Morphometric and phenetic studies of five geographical populations of Lutzomyia whitmani (Diptera, Psychodidae, Phlebotominae) in Brazil. Journal of Medical Entomology, 36(6):846-850.         [ Links ]

DUJARDIN, J.P.; LE PONT, F. & MARTINEZ, E. 1999. Quantitative phenetics and taxonomy of some phlebotomine taxa. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, 94(6):735-741.         [ Links ]

FORATTINI, O.P. 1973. Entomologia Médica. Psychodidae. Phlebotominae. Leishmanioses. Bartonelose, v. 4. Edgar Blucher Editora Ltda., São Paulo.         [ Links ]

FORATTINI, O.P.; RABELLO, E.X. & GALATI, E.A.B. 1976. Novos encontros de flebotomíneos no Estado de São Paulo, Brasil, com especial referência a Lutzomyia longipalpis. Revista de Saúde Pública, 10:125-128.         [ Links ]

GALATI, E.A.B. 1995. Phylogenetic systematics of Phlebotominae (Diptera: Psychodidae) with emphasis on American groups. Boletín de la Diréccion de Malariología y Ambiental, 35(Supl. 1):133-142.         [ Links ]

GALATI, E.A.B. 2003a. Morfologia e taxonomia: classificação de Phlebotominae. In: Rangel, E.F. & Lainson, R. (Orgs.). Flebotomíneos do Brasil. Editora Fiocruz, Rio de Janeiro. p. 23-51.         [ Links ]

GALATI, E.A.B. 2003b. Morfologia e taxonomia: morfologia, terminologia de adultos e identificação dos táxons da América. In: Rangel, E.F. & Lainson, R. (Orgs.). Flebotomíneos do Brasil. Editora Fiocruz, Rio de Janeiro. p. 53-175.         [ Links ]

GALATI, E.A.B.; FONSECA, M.B. & MARASSÁ, A.M. 2007. The subgenus Migonemyia Galati 1995 (Diptera, Psychodidae, Phlebotominae), with description of a new species Migonemyia vaniae. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, 102(5):605-615.         [ Links ]

LEWIS, D.J.; YOUNG, D.G.; FAIRCHILD, G.B. & MINTER, D.M. 1977. Proposals for a stable classification of phlebotomine sandflies. Systematic Entomology, 2:319-332.         [ Links ]

MARCONDES, C.B.; LOZOVEI, A.L. & VILELA, J.H. 1998. Distribuição geográfica de flebotomíneos do complexo Lutzomyia intermedia (Lutz & Neiva, 1912) (Diptera, Psychodidae). Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 31(1):51-58.         [ Links ]

MARTINS, A.V.; WILLIAMS, P. & FALCÃO, A.L. 1978. American sand flies (Diptera: Psychodidae, Phlebotominae). Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro.         [ Links ]

SES-SP. SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE SÃO PAULO. 2006. Manual de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral Americana do Estado de São Paulo. Disponível em: www.sucen.sp.gov.br Acesso em ago./2006.         [ Links ]

SHAW, J.; ROSA, A.T.; SOUZA, A. & CRUZ, A.C. 2003. Transmissão de outros agentes: os flebotomíneos brasileiros como hospedeiros e vetores de determinadas espécies. In: Rangel, E.F. & Lainson, R. (Orgs.). Flebotomíneos do Brasil. Editora Fiocruz, Rio de Janeiro. p. 337-351.         [ Links ]

SHIMABUKURO, P.H.F. & GALATI, E.A.B. 2010. Checklist dos Phlebotominae (Diptera, Psychodidae) do Estado de São Paulo, Brasil, com comentários sobre sua distribuição geográfica. Biota Neotropica, vol. 11(1a):1-20. Disponível em: www.biotaneotropica.org.br/v11n1a/pt/abstract?inventory+bn0361101a2011 Acesso em: 02/set./2011.         [ Links ]

 

 

Submetido em: 13.05.2011
Aceito em: 21.09.2011
Impresso em: 16.12.2011