SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.52 issue3Interaction of solanaceous glycoalkaloids with anesthetic drugs author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Rev. Bras. Anestesiol. vol.52 no.3 Campinas May/June 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942002000300016 

CARTAS AO EDITOR

 

O índice bispectral

 

 

Rogean Rodrigues Nunes, TSA

Endereço para correspondência

 

 

Senhor Editor,

Em relação aos artigos publicados propondo o índice bispectral (BIS) para monitorização da profundidade do plano anestésico ou intensidade do grau de hipnose durante anestesia, gostaria de obter alguns esclarecimentos bem como tecer comentários construtivos.

Em todos os trabalhos envolvendo a utilização do BIS, em especial com o monitor modelo A-1000, os autores descrevem a versão do aparelho (ex.: 1.0; 2.0; 3.0; 3.3 etc). Estes mesmos aparelhos foram aprovados nos Estados Unidos pelo FDA, para utilização com eletrodos específicos (Zipprep) que se prestam aos testes de casamento de impedância para os canais 1, 2 e referência (Fz), e que, segundo o fabricante, devem apresentar valores inferiores a 10 KW. Já os aparelhos modelo A-2000, requerem valores menores que 7,5 KW para, inclusive, iniciarem a leitura, em suas diversas versões (atualizações).

Recentemente, Thøgersen e col. 1 compararam parâmetros hemodinâmicos para validar os valores encontrados de BIS, com monitor modelo A-1000 (versão 3.12). Estes autores usaram eletrodos simples de ECG em substituição aos eletrodos Zipprep em 12 casos. Eles concluíram que eletrodos comuns de ECG podem substituir os eletrodos Zipprep na prática clínica. Entretanto, não recomendaram a utilização de tais eletrodos em projetos de pesquisa, talvez porque o balanceamento entre os eletrodos mostrou variações muito elevadas nas impedâncias, comparando-se os dois canais. Além disso, os autores não mencionaram os valores individuais das impedâncias nos eletrodos: canais 1, 2 e Fz,  os quais fazem parte, automaticamente, do teste.

O banco de dados coletado nos estudos para a criação e validação do BIS foi construído baseando-se em escalas de alerta-sedação, assim como em pesquisas de memória e não de variáveis hemodinâmicas. Estas podem ou não corresponder às variações do BIS, já que os sinais clínicos (PA, FC, sudorese e lacrimejamento) são afetados por doenças (hiper ou hipotireoidismo), drogas (anti-hipertensivos, anticolinérgicos etc) 2 e o estado volêmico dos pacientes. Não se deve confundir causa com efeito. Além disso,  não houve padronização da técnica anestésica para comparação dos resultados, nem estabelecidos critérios de exclusão, como por exemplo: história de hipertensão arterial em uso de medicamentos, sendo inclusive incluídos pacientes com doença tireoidiana.

Em nosso serviço, ao usarmos os eletrodos de ECG em substituição ao Zipprep em 350 pacientes, apesar de prepararmos adequadamente a pele e solicitarmos aos pacientes que permanecessem com os olhos fechados (evitando assim a interferência da luz e da mobilização dos olhos na captação do sinal), observamos impedâncias muito discrepantes entre todos os pontos testados, o que tornaria o modo de rejeição comum (CMR) dos amplificadores extremamente crítico. Johansen e col. 3, em estudo recente citaram que falsas elevações nos valores do BIS poderiam ocorrer quando se utilizassem eletrodos com impedâncias elevadas.

Através de correspondência pessoal (e-mail) ao Dr. Ira Rampil 4, indaguei se a utilização de eletrodos comuns de ECG em substituição aos Zipprep seria correta. Ele respondeu que: “No problem, as long as the contact impedance is low and balanced among the electrodes, and you have a method of attaching them to the machine”.

Por último, cremos que para uma avaliação mais correta para proposta de índices em quaisquer pesquisas, são necessários critérios rígidos e universalmente reprodutíveis (técnicas utilizadas, número de pacientes, explicação com descrição da utilização de equipamentos etc) para que, futuramente, tais índices não sejam desacreditados por meras falhas metodológicas.

Atenciosamente.

 

REFERÊNCIAS

01. Thøgersen B, Ørding H - Bispectral index monitoring: comparison of two types of electrode. Anaesthesia, 2000;55:242-246.

02. Ghoneim MM - Awareness During Anesthesia. 1st Ed, Oxford, Butterworth Heinemann, 2001;69-91.

03. Johansen JW, Sebel PS - Development and clinical application of electroencephalographic bispectrum monitoring. Anesthesiology, 2000;93:1336-1344.

04. Rampil IJ - A primer for EEG signal processing in anesthesia. Anesthesiology; 1998;89:980-1002.

 

 

Endereço para correspondência
Rogean Rodrigues Nunes, TSA
Rua Gothardo Moraes, 155/1201 Bl. Dunas Papicu
60190-800 Fortaleza, CE