SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.52 issue4Interação dos glicoalcalóides solanáceos com drogas utilizadas em anestesia author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Rev. Bras. Anestesiol. vol.52 no.4 Campinas July/Aug. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942002000400017 

CARTAS AO EDITOR

 

Meningite após técnica combinada para analgesia de parto. Relato de caso

 

 

Amaury Sanchez Oliveira; Carlos Alberto Figueiredo Côrtes

Endereço para correspondência

 

 

Senhor Editor,

Considerando-se a importância dos autores, é oportuna a publicação "Meningite após Técnica Combinada para Analgesia de Parto. Relato de Caso", devido à generalização, com o risco de banalização desta técnica no nosso país, com o que não concordamos, inclusive recebendo o rótulo de técnica de analgesia mais próxima da ideal e colocando-se publicamente a peridural contínua segmentar com emprego de anestésico local associado a drogas opióides como técnica ultrapassada de analgesia para o trabalho de parto.

Consideramos "fantástico" o imediato alívio das dores provocadas pelas contrações uterinas após a injeção subaracnóidea das drogas opióides, seguida de excelente analgesia sem a ocorrência de bloqueio motor. Contudo por vários motivos não elegemos neste departamento a técnica combinada como 1ª opção para analgesia da 1ª fase do trabalho parto, visto que indicamos a peridural contínua segmentar com anestésico local associado aos opióides 1-3, tendo sido realizadas 56.925 analgesias desde 1.965, sem a ocorrência de nenhum caso de meningite. A literatura sugere que a técnica combinada proporciona analgesia efetiva mas é insuficiente para avaliar a eficácia analgésica quando comparada à peridural com anestésico local 4 e que a incidência de operações cesarianas e de partos instrumentais são semelhantes 5.

Prurido intenso 5, hipotensão arterial e bradicardia fetal 6,7, depressão respiratória 8, altos níveis de bloqueio sensitivo atingindo até a região facial 9, são complicações e/ou efeitos colaterais descritos recentemente na literatura com o emprego da técnica combinada, embora potencialmente estas alterações possam ocorrer com a tradicional peridural segmentar.

Mas o principal obstáculo que colocamos para a adoção da técnica combinada, a qual poderia ser indicada para analgesia do trabalho de parto quando a dilatação do colo uterino fosse incipiente, continua sendo a maior possibilidade de infecção do sistema nervoso central, corroborada por esta publicação, quando se utiliza esta técnica mais invasiva 5,10-13.

Segundo conclusão do relato em discussão se não houver falhas na realização da técnica combinada a questão tornar-se-ia simplesmente inerente ao risco benéfico da técnica. Sugerimos aos adeptos da técnica combinada, que informem as parturientes sobre os potenciais riscos e benefícios das duas técnicas discutidas e desde que se opte pela raqui-peridural combinadas recomendamos que redobrem a atenção no pós-parto, até que futuras pesquisas clínicas avaliem a incidência desta grave complicação relatada.

 

REFERÊNCIAS

01. Castro LFL, Cavalcanti FS, Hartman AML et al - Analgesia peridural contínua com fentanil no trabalho de parto. Rev Bras Anestesiol, 1992;42:(Supl15):54.

02. Castro LFL, Oliveira AS, Sanchez CAS et al - Meperidina peridural no trabalho de parto. Rev Bras Anestesiol, 1993;43: (Supl17):128- 129.

03. Castro LFL, Oliveira AS, Lira VM et al - Sufentanil peridural no trabalho de parto. Rev Bras Anestesiol, 1994;44:(Supl18):104.

04. Task Force on obstetrical anesthesia. Practice guidelines for obstetrical anesthesia: a report by the American Society of Anesthesiology. Anesthesiology, 1999;90: 600-611.

05. Bucklin BA, Chestnut DH, Hawkins JL - Intratecal opióides versus epidural local anesthetics for labor analgesia: A meta-analysis. Reg Anesth Pain Med, 2002;27: 23-30.

06. D’Angelo R, Eisennach JC - Severe maternal hypotension and fetal bradycardia after a combined spinal epidural anesthetic. Anesthesiology, 1997;87: 166-168.

07. Eisenach JC - Combined spinal-epidural analgesia in obstetrics. Anesthesiology, 1999;91:299-302.

08. Norris MC, Fogel ST, Haltman B - Intrathecal sufentanil (5vs10µg) for labour analgesia: efficacy and side effects. Reg Anesth, 1998; 23:252-257.

09. Abdou WA, Aveline C, Bonet F - Two additional cases of excessive extension of sensory blockade after intrathecal sufentanil for labor analgesia. International Journal of Obstetric Anesthesia, 2000;9: 48-50.

10. Harding SA, Coolis RE, Morgan BM - Meningitis after combined spinal - extra-dural anaesthesia in obstetrics. Br J Anaesth, 1994;73: 545-547.

11. Wee M, Morgan BM, Collins RE et al - Meningitis after combined spinal - extra-dural anaesthesia in obstetrics. Br J Anaesth, 1995;74: 351.

12. Schroter J, Jamba WAD, Hoffmann V et al - Epidural abscess after combined spinal epidural block. Can J Anaesth, 1997;44: 300-304.

13. Laurila J, Kostamovaara P, Alahuhta S - Spreptococcns salivarius meningitis after spinal anesthesia. Anesthesiology, 1998;89: 1579-1580.

 

 

Endereço para correspondência
Prof. Dr. Amaury Sanchez Oliveira, TSA
Dr. Carlos Alberto Figueiredo Côrtes, TSA
Rua Prof. Edgar Atra, 563
Res. Arboreto dos Jequitibás
13105-666 Campinas, SP