SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.55 issue1Systolic pressure variation as diagnostic method for hypovolemia during anesthesia for cardiac surgery author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Rev. Bras. Anestesiol. vol.55 no.1 Campinas Jan./Feb. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942005000100001 

EDITORIAL

 

Analgesia preemptiva, um assunto controverso

 

 

Trabalhos experimentais publicados em 1992 e 1993, sobre a sensibilização periférica, a sensibilização central e a analgesia preemptiva 1-3 criaram grande expectativa para a aplicação clínica destes conceitos no controle da dor pós-operatória.

Prevenir o desenvolvimento de sensibilização central seria melhor do que tratar a dor estabelecida, e este é o conceito de analgesia preemptiva. Além do momento do tratamento, novos fármacos com ação específica sobre a sensibilização central poderiam ser disponibilizados 4.

Desde então, diversos estudos clínicos foram realizados buscando comprovar na clínica a eficácia da analgesia preemptiva e exibiram resultados controversos.

Em uma primeira fase os estudos não possuíam o desenho correto, e muitos concluíram sobre a existência de analgesia preemptiva, comparando administrar analgésico antes do estímulo nocivo, com não administrar analgésico. É evidente que administrar analgésico é melhor que não administrá-lo, mas a verdadeira questão é comparar a administração de analgésico antes do estímulo nocivo e depois, e comprovar que a administração antes do estímulo melhora a evolução da dor pós-operatória, seja na sua intensidade ou sua duração.

Quando o modelo de estudo correto foi adotado e intervenções cirúrgicas maiores incluídas, o efeito preemptivo virou quimera. Estudos analisaram opióides, antiinflamatórios não hormonais, anestésicos locais, isolados ou associados, por diversas vias, sem evidências cabais do efeito preemptivo 5.

Entretanto, a idéia atraente de que é possível com uma única dose de um fármaco isolado evitar a sensibilização central continua viva no imaginário dos anestesiologistas, e muitos em conversas do dia-a-dia, afirmam praticar a analgesia preemptiva.

A importância da analgesia preemptiva é indiscutível, a necessidade de evidências sobre sua efetividade ou sua impossibilidade é imperativa e pesquisadores em nosso país e no mundo trabalham nesta linha. Nesse número da Revista Brasileira de Anestesiologia há mais um estudo clínico sobre este assunto, enriquecendo a linha de pesquisa dos autores, que já produziram outros trabalhos importantes sobre ela 6. O efeito de analgesia preemptiva da S(+)cetamina, antagonista do receptor N-Metil-d-aspartato, em pacientes submetidas à histerectomia abdominal foi avaliado.

Convido os leitores a observar atentamente o modelo correto para estudar analgesia preemptiva, estimulando novos grupos a fazê-lo.

Qual de nós não gostaria de poupar o paciente da dor pós-operatória com medidas que impedissem a sensibilização central? Mas para que estejamos autorizados a indicar métodos ou fármacos com essa finalidade, há que haver evidências de sua eficácia, fato que ainda aguarda comprovação.

É importante considerar, que o questionamento sobre a tática de analgesia preemptiva, não ameaça de nenhuma maneira a importância de tratar e controlar a dor pós-operatória atuando antes que o paciente sinta dor. Entretanto essas medidas não podem ser denominadas, indiscriminadamente, de analgesia preemptiva.

Unitermos: ANALGESIA: pós-operatória, preemptiva

 

Dra. Judymara Lauzi Gozzani, TSA
Editor Chefe da Revista Brasileira de Anestesiologia

 

REFERÊNCIAS

01. Treede RD, Meyer RA, Raja SN et al - Peripheral and central mechanisms of cutaneous hyperalgesia. Prog Neurobiol, 1992;38:397-421.

02. Davis KD, Meyer RA, Campbell JN - Chemosensitivity and sensitization of nociceptive afferents that innervate the hairy skin of monkey. J Neurophysiol, 1993;69:1071-1081.

03. Woolf CJ, Chong MS - Prremptive analgesia: treating postoperative pain by preventing the establishment of central sensitization. Anesth Analg, 1993;77:1-18.

04. Woolf CJ - A new strategy for the treatment of inflammatory pain. Drugs, 1994;47:1-9.

05. Moiniche S, Kehlet H, Dahl JB - A qualitative and quantitative systematic review of preemptive analgesia for postoperative pain relief. Anesthesiology, 2002;96:725-741.

06. Garcia JBS, Issy AM, Salomão R et al - Preemptive analgesia with epidural bupivacaine plus fentanyl in gynaecological surgery - effects on serum interleukin-6 concentrations. Acute Pain, 2002;4:25-28.