SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.57 issue6Ultrasound images of the brachial plexus in the axillary regionReply author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Rev. Bras. Anestesiol. vol.57 no.6 Campinas Nov./Dec. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942007000600013 

CARTA AO EDITOR

 

Analgesia pós-operatória para procedimentos cirúrgicos ortopédicos de quadril e fêmur: comparação entre bloqueio do compartimento do psoas e bloqueio perivascular inguinal

 

 

Agradeço à Senhora Editora a oportunidade de acrescentar alguns comentários com finalidade esclarecedora ao estudo em referência 1.

Cirurgias ortopédicas de grande porte, como prótese parcial ou total de quadril e prótese total de joelho, são comuns na população geriátrica enquanto osteossínteses de fêmur com ou sem enxertia óssea, em geral da crista ilíaca ântero-superior (CIAS), incidem mais em jovens, acidentados de trânsito. Em todos esses pós-operatórios imediatos, a analgesia regional, com ou sem cateter, confere rápida e qualificada recuperação aos pacientes. O longo estudo de Imbelloni e col. analisa exemplarmente a analgesia pós-operatória (APO) em repouso, embora nos pacientes idosos a analgesia aos movimentos, como fisioterapia respiratória e mobilização precoce dos segmentos operados 2,3, deva ser também priorizada, em face das conseqüências do imobilismo sobre o leito. Contudo, alguns aspectos não ficaram claros 1.

1. Analgesia – confrontando a tabela III – Escala de Dor nos Diversos Momentos com a tabela IV – Número de Pacientes com Bloqueio Sensitivo nos Diferentes Nervos durante as Primeiras 24 horas de Pós-Operatório – e seu texto correspondente ao momento 12 horas, depara-se com uma incoerência: na tabela III, o Grupo 1 e o Grupo 2 apresentaram analgesia respectivamente, em 96 pacientes (escala de dor 0), e 83 pacientes (escala de dor 0) e, portanto, supõe-se bloqueio dos cinco nervos envolvidos. Todavia, na tabela IV o momento 12 horas registrou bloqueio sensitivo dos cinco nervos no Grupo 1 e no Grupo 2, respectivamente, em 76 pacientes e em dois pacientes.

2. Volume anestésico e o nervo obturatório – a dispersão de 40 ml de solução anestésica com injeção única não alcança necessariamente a pequena pélvis ou as regiões parassacral e paravertebral lombar, por onde cursa o nervo obturatório, ao contrário quando se utilizam cateteres que atinjam os referidos locais 4. O desfecho anestésico do referido nervo não se restringe à pesquisa de sua sensibilidade cutânea 5 e sim, fundamentalmente, à motricidade dos músculos adutores da coxa. teste de sensibilidade periférica para avaliação do comprometimento do nervo obturatório no bloqueio do plexo lombar por via anterior é um equívoco e deve ser abandonado por causa de sua aleatória expressão cutânea. Apenas é justificável em incisões superficiais na face medial da coxa, sem comprometimento muscular (contratura reflexa dolorosa pós-cirúrgica dos adutores da coxa). Bouaziz e col. Verificaram em 30 pacientes ausência de inervação cutânea no território do nervo obturatório em 57% dos casos, hipoanestesia em 23% e somente 20% de déficit sensorial cutâneo 5. O correto seria o teste da motricidade voluntária dos adutores da coxa. Contudo, isso não é recomendado nos pós-operatórios de quadril, em virtude da possível luxação da articulação pelos movimentos de adução, em geral associados a rotação interna da coxa. Por outro lado, as abordagens posteriores ao plexo lombar, com o posicionamento final da agulha no compartimento virtual entre os músculos psoas maior e o quadrado lombar ou no interior do psoas maior, são mais propensas a atingir o nervo obturatório. Biboulet e col. 6, por não pesquisarem a motricidade dos músculos adutores da coxa e sim a sensibilidade cutânea do nervo obturatório após o bloqueio lombar por via anterior com até 36,5 ml de ropivacaína a 0,375%, identificaram resultados errôneos com o desfecho do nervo obturatório e concluíram que a APO regional periférica nesses casos não deve ser um procedimento rotineiro.

3. Dermátomos e esclerótomos comprometidos – cirurgias que incidem na região da CIAS, sobretudo a doadora de enxerto ósseo, o que realmente mais incomoda principalmente à mobilização do paciente são: o dermátomo da incisão, ou seja, o tegumento cutâneo aponeurótico com inervação mais influente dos ramos terminais cutâneos de T12 do que com o ramo cutâneo do nervo ílio-hipogástrico (T12-L1) e o miótomo correspondente ao músculo oblíquo externo (T12) 7. O esclerótomo da CIAS7 tem menor participação nociceptiva no pós-operatório devido à ausência do periósteo (removido cirurgicamente) e por ser uma entidade incapaz de mobilização. Nesses casos, costumo infiltrar o subcutâneo atingindo as terminações T12 e o nervo ílio-hipogástrico (T12 - L1) com um anestésico de ação longa antes do curativo cirúrgico, pelo fato de que a dispersão da solução anestésica do bloqueio do plexo lombar por via anterior não garantir anestesia/analgesia das raízes T12 e L1. De modo geral, isso é suficiente para uma boa analgesia pós-operatória, embora às vezes a analgesia multimodal com a associação a AINS e analgésicos menores conferirem analgesia superior. Entretanto, recente publicação salienta a necessidade de bloquear adicionalmente outros nervos periféricos sacrais para se obter analgesia pós-operatória em cirurgias de quadril 2.

4. Inervação do membro inferior – a descrição da inervação do segmento superior da perna, como mencionado, corresponde à da coxa. Com certeza foi um lapso involuntário de digitação.

5. Estudo radiológico – imagens radiográficas 30 minutos após a administração de contraste, quando não totalmente absorvido, não registram densidades opacas precisas pelo processo de absorção, gerando identificações errôneas com os limites ósseos. A figura 1 1 revela uma falsa interpretação do contraste não-iônico. Além disso, em vez de ser impressa no sentido horizontal como está, deveria estar no sentido vertical com a agulha situada à esquerda na figura 1.

Finalizo, cumprimentando os autores pela grande amostra de pacientes (n = 200) com que o estudo foi realizado sem a ocorrência potencial de bloqueio central, peridural ou subaracnóideo, efeito colateral por extensão, com que o bloqueio do compartimento do psoas por vezes se caracteriza.

Atenciosamente,

Dr. Karl Otto Geier, TSA
Rua Cel. Camisão, 172
90540-050 Porto Alegre, RS

 

REFERÊNCIAS

01. Imbeloni LE, Beato L, Beato C et al. – Analgesia pós-operatória para procedimentos cirúrgicos ortopédicos de quadril e fêmur: comparação entre bloqueio do compartimento do psoas e bloqueio perivascular inguinal. Rev Bras Anestesiol, 2006;56:619-629.

02. Ambulkar R, Shankar R – Analgesia after total hip replacement. Anaesthesia,2006;61;507.

03. Chelly JE, Casati A, Al-Samsam T et al. – Continuous lumbar plexus block for acute postoperative pain management after open reduction and internal fixation of acetabular fractures. J Orthopaedic Trauma, 2003;17:362-367.

04. Geier KO – Bloqueio "3 em 1" por via anterior: bloqueio parcial, completo ou superdimensionado? Correlação entre anatomia, clínica e radioimagens. Rev Bras Anestesiol, 2004;54:560-572.

05. Bouaziz H, Vial F, Jochum D et al. – An evaluation of the cutaneous distribution after obturator nerve block. Anesth Analg, 2002;94:445-449.

06. Biboulet P, Morau D, Aubas P et al. – Post-operative analgesia after total-hip arthroplasty: comparison of intravenous patient-controlled analgesia with morphine and single injection of femoral nerve or psoas compartment block. A prospective, randomized double-blind study. Reg Anesth Pain Med, 2004;29:102-109.

07. Netter FH – Atlas of Human Anatomy. 9th Ed. East Hanover, New Jersey, Novartis, 1997; 467, plate 250.