SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.58 issue4Topical anesthesia associated with phacoemulsification: experience with 312 patientsIntraoperative Pulmonary Barotrauma During Ophthalmologic Surgery: case report author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Rev. Bras. Anestesiol. vol.58 no.4 Campinas July/Aug. 2008

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942008000400015 

CARTAS AO EDITOR

 

Réplica

 

 

Prezado colega, em relação ao seu comentário sobre nosso artigo, gostaríamos de salientar alguns pontos. Primeiramente, está claro no método que os pacientes receberam bolus de alfentanil conforme necessidade (algum tipo de desconforto ou dor). Não consideramos desconforto como dor leve, portanto não há eufemismo. A dor tem um caráter subjetivo, indispensável ao seu entendimento e não podemos dimensioná-la a não ser com a afirmativa de quem a sente. Há várias situações na realização desse tipo de intervenção que causa desconforto, tais como lavar o olho com solução fisiológica, manipular a íris, etc. No estudo, foi mostrado na Tabela IV o percentual de alfentanil usado em ambos os casos, não só em pacientes que se queixaram de dor.

Quanto à eficiência da técnica, nossa conclusão refere-se à associação da anestesia tópica à sedação, não à anestesia tópica isoladamente, conforme redigido no texto: "A anestesia tópica associada à sedação mostrou-se de fácil aplicação, prática, rápida, eficaz e acessível a qualquer profissional e estabelecimento de saúde envolvido com o tratamento da catarata, mas a seleção dos pacientes deve ser cuidadosa e ser executada e acompanhada de anestesiologista. A sedação contribuiu de forma determinante, sobretudo nos pacientes ansiosos e inquietos, pois favoreceu a tranqüilidade do doente e conseqüente maior colaboração do mesmo. A boa aceitação pelos pacientes e o baixo índice de complicações perioperatórias sinalizam que essa é uma técnica que pode ser difundida, divulgada e aplicada, respeitando-se a curva de aprendizagem e as habilidades de cada cirurgião."

Por fim, podemos afirmar que nossos resultados foram apresentados de forma correta e refletem, sim, uma rica casuística e uma grande prática diária, que podem ser interpretadas à luz desse trabalho científico.

Romero Henrique Carvalo Bertrand
João Batista Santos Garcia, TSA
Caio Márcio Barros de Oliveira, TSA
Adriana Leite Xavier Bertrand