SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.60 issue3Osteogenesis Imperfecta in pregnancy: Case reportRemifentanil as analgesia for labor author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Rev. Bras. Anestesiol. vol.60 no.3 Campinas May/June 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942010000300012 

ARTIGO DE REVISÃO

 

Lidocaína por via venosa intraoperatória

 

 

Caio Marcio Barros de Oliveira, TSAI; Adriana Machado IssyII; Rioko Kimiko Sakata, TSAIII

IAnestesiologista; Especializado em Dor pela EPM/UNIFESP; Mestre em Medicina
IIProfessora Adjunta da Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia Intensiva da EPM/UNIFESP
IIICoordenadora da Setor de Dor e Terapia Intensiva da EPM/UNIFESP

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Grande parte dos pacientes submetidos à operação experimentam dor moderada a intensa, havendo necessidade de melhorar a técnica analgésica. A lidocaína tem sido usada amplamente por via venosa para tratamento de dor crônica. O objetivo foi fazer uma revisão sobre o uso de lidocaína por via venosa para analgesia pós-operatória.
CONTEÚDO: Foi realizada revisão dos aspectos farmacológicos da lidocaína, dos mecanismos de ação desse anestésico local e de estudos clínicos nos quais os autores empregaram lidocaína intraoperatória.
CONCLUSÕES: A lidocaína venosa pode promover efeito analgésico para procedimentos cirúrgicos, sendo mais uma alternativa para o tratamento da dor aguda. A realização de mais estudos controlados com diferentes intervenções operatórias poderá trazer mais informações sobre essa modalidade analgésica.

Unitermos: ANESTÉSICOS, Local: lidocaína; DOR, Pós-operatória.


 

 

INTRODUÇÃO

A dor pós-operatória é uma forma única e comum de dor aguda. Muitos trabalhos têm evidenciado que protocolos apropriados de tratamento de dor reduzem a morbidade pósoperatória, favorecem o resultado do tratamento cirúrgico e diminuem os gastos hospitalares 1,2. Além disso, o alívio adequado da dor pós-operatória está associado a efeitos positivos a longo prazo para os pacientes, como: menor alteração cognitiva pós-operatória, melhor qualidade de vida e redução do risco de dor pós-operatória crônica ou persistente 3,4. Contudo, tem sido demonstrado recentemente que cerca de 50% a 70% dos pacientes submetidos à operação experimentam dor moderada a intensa, indicando que, apesar do desenvolvimento de novos fármacos e implementação de novas técnicas analgésicas, a dor pós-operatória ainda permanece mal avaliada e pobremente tratada 5,6. Uma importante razão para esse problema é a falta de conhecimento da fisiopatologia da dor pós-operatória 7.

A lesão cirúrgica leva a alterações hemodinâmicas, metabólicas e imunológicas, mediadas por substâncias endógenas denominadas citocinas 8. Estas são polipeptídeos ou glicoproteínas produzidos por diversos tipos de células no local da lesão e pelo sistema imunológico, sendo responsáveis pela resposta inflamatória nos locais de infecção ou lesão e por promover a cicatrização tecidual 10. Além disso, células gliais ativadas na ferida operatória favorecem a produção de citocinas no sistema nervoso central, o que pode induzir sensibilização periférica e central através da ação do óxido nítrico, radicais livres de oxigênio e aminoácidos excitatórios e, possivelmente, dor neuropática e crônica 3,9.

Após trauma ou infecção grave, ocorre produção exagerada e persistente de citocinas, que pode levar a lesões em órgãos-alvo, insuficiência de múltiplos órgãos e morte 10.

A interleucina-6 (IL-6), uma molécula de aproximadamente 21.000 daltons, é uma citocina detectada precocemente e o aumento da sua concentração está correlacionado mais com o grau de lesão tecidual durante uma operação do que com a duração do procedimento cirúrgico 8,11-13. Tem sido considerada uma preditora de intensidade do trauma até 6 horas após admissão hospitalar 12. Induz a síntese hepática de proteínas de fase aguda do trauma, como a proteína C-reativa (PCR). O nível de PCR reflete o impacto do trauma e está associado à extensão de tecido lesado, porém demora cerca de 6 horas para ser detectado 11,12. Após lesão cirúrgica, a IL-6 é detectável em 60 minutos, com pico sanguíneo entre 4 e 6 horas, e pode persistir por 10 dias 8,14.

A lidocaína, tanto por via venosa quanto por via peridural, promove importante alívio da dor pós-operatória, com redução da sua intensidade, diminuição do consumo de anestésicos inalatórios e opioides, retorno rápido do trânsito intestinal e diminuição da produção de interleucinas 3,13,14. A lidocaína possui propriedades anti-inflamatórias significativas 15 e reduz a liberação de citocinas tanto in vitro quanto in vivo por inibir a ativação de neutrófilos 16-19.

O efeito analgésico da lidocaína no trauma cirúrgico pode ser por bloqueio da transmissão neuronal no local da lesão, atenuando a resposta neurogênica, e pela propriedade anti-inflamatórias sistêmica intrínseca. Além disso, a lidocaína, dependendo da dose utilizada, pode reduzir a lesão celular induzida por citocinas através de mecanismos envolvendo canais de potássio mitocondriais sensíveis a adenosina trifosfato (ATP) 3,15,19. A propriedade analgésica da lidocaína pode persistir mesmo após os níveis plasmáticos terem diminuído, favorecendo a teoria do bloqueio da condução nervosa 14.

Existem poucos estudos com uso de lidocaína por via venosa durante o período intraoperatório, o que despertou nosso interesse pelo assunto.

Lidocaína: aspectos farmacológicos

A lidocaína [2-(dietilamino)-N-(2,6-dimetilfenil)acetamida] é o anestésico local mais largamente utilizado e considerado protótipo dos derivados aminoamidas 20,21. É uma base fraca (constante de ionização, pKa 7,9) e pouco hidrossolúvel.

Os canais de sódio voltagem-dependentes (Nav) constituem os alvos clássicos da lidocaína. Esses são formados por um complexo de proteínas glicosiladas, onde encontramos a subunidade α (260.000 daltons) e subunidades β1 a β4 (33.000 a 38.000 daltons). A subunidade α contém quatro domínios homólogos (1 a 4) e cada um é constituído por seis segmentos transmembrana helicoidais (S1 a S6) e uma região não helicoidal entre S5 e S6 (segmento P), onde fica o canal de passagem do sódio 22,23. Existem nove formas diferentes (isoformas) de subunidade α nos canais de sódio voltagem-dependentes de mamíferos (Nav 1.1 a 1.9), sendo que alguns estão relacionados à dor neuropática (Nav 1.3, 1.7, 1.8 e 1.9) e outros, à dor inflamatória (Nav 1.7, 1.8 e 1.9) 25.

Após atravessar a membrana neural, o pH intracelular converte a lidocaína para sua forma ionizada e esta age de forma reversível na porção S6 do domínio 4 da subunidade α dentro dos canais de sódio voltagem-dependentes 23,24. À medida que a ação do anestésico se desenvolve, o limite para a excitabilidade elétrica gradualmente aumenta, o pico do potencial de ação diminui, a condução do impulso neuronal lentifica e o fator de segurança para a condução diminui. Isso reduz a probabilidade de propagação do potencial de ação e a condução nervosa falha 22. A perda sensitiva ocorre progressivamente na ordem de dor, temperatura, toque, pressão profunda e função motora, de acordo com o calibre das fibras nervosas 24.

A afinidade da lidocaína para os canais de sódio varia com a conformação do canal, sendo maior quando o canal está aberto (ativado ou inativo) e menor quando o canal está fechado (desativado ou em repouso). Assim, quanto maior a frequência de estimulação neuronal, mais moléculas de lidocaína ionizadas têm acesso aos locais de ação e maior o grau de bloqueio (bloqueio uso-dependente ou frequênciadependente) 21,24.

A lidocaína também tem ação analgésica e anti-inflamatória quando age em canais de potássio, canais de cálcio e receptores acoplados à proteína G 21,24,25.

Na prática clínica, a lidocaína pode ser utilizada em diferentes formas (por exemplo, solução, colírio, creme) e por diversas vias de administração (por exemplo, peridural, subaracnóidea, intrapleural, venosa, intramuscular, intra-articular, tópica) 21, porém daremos ênfase à via venosa.

A lidocaína é metabolizada no fígado pelo sistema enzimático microssomal (citocromo P450), com taxa de depuração de 0,85 L.kg-1.h-1. Ela é convertida por oxidação à monoetilglicinaxilidida, uma parte da qual é hidrolizada à glicinaxilidida. Esses metabólitos são ativos e têm sido implicados em casos de intoxicação depois de doses repetidas e infusão venosa contínua. Sua excreção é realizada pelos rins, tendo uma fase de eliminação rápida de 8 a 17 minutos e uma fase lenta de 87 a 108 minutos. Menos de 10% da lidocaína é encontrada de forma inalterada na urina 20,24,26.

É bem estabelecido que a absorção sistêmica de qualquer anestésico local depende do grau de vascularização do sítio de injeção, sendo maior, respectivamente, com as vias venosa, traqueal, intercostal, paracervical, peridural, plexo braquial, ciática e subcutânea 21,22,24.

A intensidade do efeito adverso depende da dose administrada, da velocidade e do local de administração, assim como do estado físico do paciente com relação a idade, condições clínicas e gravidez 24.

Conforme a concentração de lidocaína na circulação sistêmica aumenta, surgem vários sinais e sintomas dos sistemas: nervoso central e cardiovascular. Em níveis séricos abaixo de 5 µg.mL-1, é relatada analgesia e os motoneurônios corticais são inibidos, o que explica sua atividade anticonvulsivante 26. Em níveis mais altos, o paciente relata parestesia perioral, gosto metálico, tontura, fala desconexa, diplopia, zumbido, confusão, agitação, contrações musculares e convulsão 24. Às vezes, convulsão é a primeira indicação de intoxicação grave 27, a qual ocorre por inibição dos neurônios inibitórios através de receptores GABA (ácido gama-aminobutírico) na amígdala encefálica 24,26. Geralmente, a convulsão acontece em concentrações plasmáticas acima de 8 µg.mL-1, porém pode surgir em níveis séricos menores na presença de hipercarbia 20. Na toxicidade cardiovascular, ocorre bradicardia, com aumento do intervalo PR e alargamento do complexo QRS 24. A alergia a derivados aminoamida é considerada um evento extremamente raro, sendo estimada em menos que 1% das reações registradas 24.

O tratamento da intoxicação deve envolver medidas de suporte, com oxigenação, hidratação e uso de vasopressores, inotrópicos, anticonvulsivantes e antiarrítmicos, conforme necessário 24.

Lidocaína por via venosa

A lidocaína é empregada amplamente por via venosa 28. Ao ser administrada por via venosa, é inicialmente distribuída aos órgãos ricamente perfundidos, tais como encéfalo, rins e

coração, e depois segue para os tecidos menos perfundidos, como pele, músculo esquelético e gordura. Seu volume de distribuição é grande (91 L.kg-1), e seu coeficiente de partição óleo/água é de 366, tendo potência intermediária. Cerca de 60% das suas moléculas ligam-se às proteínas plasmáticas, principalmente à < α1-glicoproteína ácida 24.

Aproximadamente 40% da lidocaína por via venosa é extraída temporariamente durante a primeira passagem pelos pulmões, onde o pH é menor com relação ao plasma. Consequentemente, esse fator diminui as chances de intoxicação após injeção intravascular acidental 24,27. Cerca de 90% da lidocaína administrada por via venosa é metabolizada no fígado, e a meia-vida é de 1,5-2 horas.

A ação da lidocaína por via venosa é periférica e central, e os mecanismos são: bloqueio de canais de sódio, ação glicinérgica e bloqueio de receptores NMDA, redução de substância P 29. Em baixas concentrações, a lidocaína inibe a atividade anormal em fibras aferentes primárias, principalmente fibras C, causa bloqueio simpático, vasodilatação e quebra de círculo vicioso que mantém a dor.

O bloqueio de canais de sódio causa inibição da atividade neuronal espontânea e evocada 30, bem como reduz a hiperatividade neuronal, com alívio da dor 30,31. Em concentrações terapêuticas, a lidocaína diminui a hiperexcitabilidade sem afetar a condução do nervo.

A lidocaína por via venosa promove diminuição da sensibilização medular 32, reduz a atividade de neurônios medulares e diminui a despolarização pós-sináptica mediada por receptores N-metil-D-aspartato (NMDA) e neurocinina 29. Pode reduzir a atividade do glutamato no corno dorsal da medula espinal, e seu efeito é maior para um subgrupo de neurônios da medula espinhal 30. A maior susceptibilidade de neurônios hiperexcitáveis à lidocaína pode ser explicada pela alteração da expressão de canais de sódio na lesão do nervo, que os torna sujeitos a bloqueio exagerado pela lidocaína 29. A ação é relacionada com supressão de descarga ectópica, causada por alteração de canais de sódio 29.

A lidocaína promove alívio significante da dor com redução da alodinia e da hiperalgesia 32,33. Ocorre diminuição da dor espontânea, da disestesia, da hiperalgesia mecânica e da alodínia mecânica 29,34.

O bloqueio preferencial por canais de sódio inativados assegura que ocorra somente bloqueio de canais de neurônios hiperexcitados, tais como os com atividade ectópica após lesão de nervo, que estão sempre despolarizados 35.

A lidocaína parece não ser tão eficaz em dor nociceptiva 33. O efeito parece ser dependente da dose, e àquela a 5 mg.kg-1, 30 minutos foi considerada a de resposta mais consistente 35. Em outro estudo não houve correlação entre concentração plasmática máxima e alívio máximo da dor 29.

A lidocaína venosa não deve ser usada em pacientes com disritmia, insuficiência cardíaca, coronariopatia, Adams-Stokes ou bloqueio cardíaco 29, devendo ser usada com cautela em pacientes com insuficiência hepática, bradicardia sinusal e bloqueio incompleto de ramo 29.

Os efeitos colaterais mais comuns geralmente são leves e relacionados com o SNC 29. Os pacientes podem apresentar: sonolência, tontura, gosto metálico, cefaleia, visão borrada, parestesia, disartria, euforia e náusea 29,33. Doses maiores administradas de maneira rápida podem causar zumbido, moleza, tremor e agitação. As alterações cardiovasculares geralmente são mínimas com doses usuais.

Lidocaína por via venosa e dor pós-operatória

Os autores têm demonstrado que doses baixas de lidocaína por via venosa (concentração plasmática menor que 5 µg.mL-1) atenuam a dor após procedimentos sem interferir na condução nervosa normal e com menor incidência de efeitos colaterais 14,36-43. A melhor dose de lidocaína para se obter maior eficácia para tratamento da dor pós-operatória ainda não foi definida 44, provavelmente porque os padrões de sensibilização central e periférica são diferentes entre os vários tipos e locais de cirurgia 40.

A lidocaína por via venosa tem propriedades analgésicas 39, anti-hiperalgésicas 31,38,39 e anti-inflamatórias 15, sendo capaz de reduzir os requerimentos analgésicos intra e pós-operatórios e o tempo de internação dos pacientes 14,39,41,42. Seus efeitos são mais pronunciados quando sua infusão ocorre no período intraoperatório 39 e podem continuar por dias ou semanas, isto é, além do tempo de infusão e da sua meia-vida plasmática 43,45, o que indica sua ação sobre outros alvos, não só os canais de sódio voltagem-dependentes e sugere uma prevenção da hipersensibilidade do sistema nervoso central ou periférico ou ambos 41.

Em um estudo, foi demonstrado, experimentalmente, que a lidocaína venosa produz três fases distintas de alívio: a primeira surge durante a infusão e diminui em 30 a 60 minutos após seu término; a segunda é uma fase transitória que ocorre cerca de 6 horas após a infusão; a terceira fase aparece em 24 a 48 após a infusão e continua pelos próximos 21 dias 46.

Além de atuar sobre os canais de sódio voltagem-dependentes (Nav), especialmente sobre as isoformas Nav 1.7, 1.8 e 1.9 presentes nos nociceptores dos tecidos inflamados 45, a lidocaína age também sobre os receptores acoplados à proteína G (RAPG), os receptores NMDA (N-metil-D-aspartato) e os canais de potássio e de cálcio, interferindo com a condução do impulso excitatório sobre as fibras A-delta e C, a dor visceral, a sensibilização central e a resposta imunológica 15,19,36,38,42,44,47,48. A lidocaína parece bloquear indiretamente os receptores NMDA através da inibição da proteinocinase C (PKC) 47, influenciando, de modo importante, a hiperalgesia pós-operatória e a tolerância dos opioides 31,38,49.

A lidocaína, através de RAPG, interfere em alguns processos inflamatórios, como sensibilização e degranulação lisossômica de neutrófilos, produção de radicais livres de oxigênio e secreção de citocinas pelos macrófagos e células gliais 15.46.50.51.

A lidocaína também age em canais de potássio e de cálcio volta-gem-dependentes, porém com menos afinidade que nos canais de sódio. Geralmente, o bloqueio acontece no canal iônico aberto, semelhante ao estado susceptível do canal de sódio. A inibição dos canais de cálcio nos terminais nervosos pré-sinápticos tem implicação significante na liberação dos neurotransmissores e, consequentemente, há interferência na propagação do impulso doloroso 48. Supõese que a lidocaína reduz a lesão celular induzida por citocinas, utilizando canais de potássio mitocondriais sensíveis à adenosina trifosfato (ATP) 19.

Estudos clínicos

Em colecistectomia videolaparoscópica, também houve efeito aditivo sobre o alívio da dor pós-operatória e efeito sinérgico sobre a recuperação do trânsito intestinal quando a lidocaína venosa (3 mg.kg-1.h-1) e o dextrometorfano intramuscular (40 mg) foram administrados 30 minutos antes da operação 40.

Foi obtida redução da intensidade de dor e do consumo de morfina pós-operatórios, com aparente prevenção da hiperalgesia central, em pacientes submetidos a cirurgias abdominais quando a lidocaína venosa (bolusde 1,5 mg.kg-1, seguido de infusão de 1,5 mg.kg-1.h-1) foi administrada cerca de 50 minutos antes da incisão operatória e continuada até 60 minutos após a sutura cutânea, sendo esse benefício mais evidente 36 horas após a cirurgia 39.

A lidocaína por via venosa em bolus de 2 mg.kg-1 pré-incisional e infusão de 3 mg.kg-1.h-1 mantida até o fim da operação promoveu importante alívio da dor e retorno mais rápido da função intestinal, reduziu o consumo de anestésico volátil e de opioide e atenuou a produção de interleucinas 1AR (antagonista de receptor), 6 e 8 (IL-1AR, IL-6 e IL-8) durante 72 horas após colectomia convencional 14. Da mesma forma, ficou claro seu perfil analgésico em pacientes submetidos à colectomia videolaparoscópica 41.

Por outro lado, a lidocaína venosa, bolus de 1,5 mg.kg-1 e mantido 1,5 mg.kg-1.h-1 até 60 minutos depois da sutura cutânea não produziu qualquer aumento na analgesia ou recuperação funcional e também não alterou os limiares de dor táctil e de pressão após artroplastia total de quadril 52.

 

CONCLUSÃO

Os trabalhos mostram que a lidocaína venosa pode promover efeito analgésico para procedimentos cirúrgicos, sendo mais uma alternativa para tratamento da dor aguda, principalmente em pacientes que não podem submeter-se à anestesia por via espinal ou que se recusam a recebê-la. A realização de mais estudos controlados com diferentes intervenções operatórias poderá trazer mais informações sobre essa modalidade analgésica.

 

REFERÊNCIAS

01. Kehlet H, Holte K - Effect of postoperative analgesia on surgical outcome. Br J Anaesth, 2001;87:62-72.         [ Links ]

02. Kehlet H, Wilmore DW - Multimodal strategies to improve surgical outcome. Am J Surg 2002;183:630-641.         [ Links ]

03. Beilin B, Shavit Y, Trabekin E et al. - The effects of postoperative pain management on immune response to surgery. Anesth Analg, 2003;97:822-827.         [ Links ]

04. Gottschalk A, Raja SN - Severing the link between acute and chronic pain: the anesthesiologist's role in preventive medicine. Anesthesiology, 2004;101:1063-1065.         [ Links ]

05. Pavlin DJ, Chen C, Penaloza DA et al. - Pain as a factor complicating recovery and discharge after ambulatory surgery. Anesth Analg, 2002;95:627-634.         [ Links ]

06. Apfelbaum JL, Chen C, Mehta SS et al. - Postoperative pain experience: results from a national survey suggest postoperative pain continues to be undermanaged. Anesth Analg, 2003;97:534-540.         [ Links ]

07. Woolf CJ, Decosterd I - Implications of recent advances in the understanding of pain pathophysiology for the assessment of pain in patients. Pain, 1999;(Suppl 6):S141-147.         [ Links ]

08. Lin E, Calvano SE, Lowry SF - Inflammatory cytokines and cell response in surgery. Surgery, 2000;127:117-126.         [ Links ]

09. Beilin B, Bessler H, Mayburd E et al. - Effects of preemptive analgesia on pain and cytokine production in the postoperative period. Anesthesiolog,y 2003;98:151-155.         [ Links ]

10. Guirao X, Lowry SF - Biologic control of injury and inflammation: much more than too little or too late. World J Surg, 1996;20:437-446.         [ Links ]

11. Kato M, Suzuki H, Murakami M et al. - Elevated plasma levels of interleukin-6, interleukin-8 and granulocyte colony-stimulating factor during and after major abdominal surgery. J Clin Anesth, 1997;9:293-298.         [ Links ]

12. Gebhard F, Pfetsch H, Steinbach G et al. - Is interleukin 6 an early marker of injury severity following major trauma in humans? Arch Surg, 2000;135:291-295.         [ Links ]

13. Hong JY, Lim KT - Effect of preemptive epidural analgesia on cytokine response and postoperative pain in laparoscopic radical hysterectomy for cervical cancer. Reg Anesth Pain Med, 2008;33:44-51.         [ Links ]

14. Kuo CP, Jao SW, Chen KM et al. - Comparison of the effects of thoracic epidural analgesia and i.v infusion with lidocaine on cytokine response, postoperative pain and bowel function in patients undergoing colonic surgery. Br J Anaesth, 2006;97:640-646.         [ Links ]

15. Hollmann MW, Durieux ME - Local anesthetics and the inflammatory response: a new therapeutic indication? Anesthesiology, 2000;93:858-875.         [ Links ]

16. Okada S, Hagan JB, Kato M et al. - Lidocaine and its analogues inhibit IL-5-mediated survival and activation of human eosinophils. J Immunol, 1998;160:4010-4017.         [ Links ]

17. Taniguchi T, Shibata K, Yamamoto K et al. - Effects of lidocaine administration on hemodynamics and cytokine responses to endotoxemia in rabbits. Crit Care Med, 2000;28:755-759.         [ Links ]

18. Lahav M, Levite M, Bassani L et al. - Lidocaine inhibits secretion of IL-8 and IL-1β and stimulates secretion of IL-1 receptor antagonist by epithelial cells. Clin Exp Immunol, 2002;127:226-233.         [ Links ]

19. de Klaver MJM, Buckingham MG, Rich GF - Lidocaine attenuates cytokine-induced cell injury in endothelial and vascular smooth muscle cells. Anesth Analg, 2003;97:465-470.         [ Links ]

20. Becker DE, Reed KL - Essentials of local anesthetic pharmacology. Anesth Prog, 2006;53:98-109.         [ Links ]

21. Heavner JE - Local anesthetics. Curr Opin Anaesthesiol, 2007;20:336-342.         [ Links ]

22. Catterall WA, Mackie K - Local Anesthetics, em: Brunton LL, Lazo JS, Parker KL - Goodman and Gilman's the Pharmacological Basis of Therapeutics, 11th Ed. New York: 2006;369-385.         [ Links ]

23. Sheets MF, Hanck DA - Molecular action of lidocaine on the voltage sensors of sodium channels. J Gen Physiol, 2003;121:163-175.         [ Links ]

24. McLure HA, Rubin AP - Review of local anaesthetic agents. Minerva Anestesiol, 2005;71:59-74.         [ Links ]

25. Kindler CH, Yost CS - Two-pore domain potassium channels: new sites of local anesthetic action and toxicity. Reg Anesth Pain Med, 2005;30:260-274.         [ Links ]

26. DeToledo JC - Lidocaine and seizures. Therap Drug Monit, 2000;22:320-322.         [ Links ]

27. Mather LE, Copeland SE, Ladd LA - Acute toxicity of local anesthetics: underlying pharmacokinetic and pharmacodynamic concepts. Reg Anesth Pain Med, 2005;30:553-566.         [ Links ]

28. Rowbotham MC - Treatment of Neuropathic Pain: Perspective on Current Options, em: International Association for the Study of Pain - Pain 2005 - An Updated Review: Refresher Course Syllabus. Seatle, IASP,2005;107-119.         [ Links ]

29. Finnerup NB, Biering-Sorensen F, Johannesen IL et al. - Intravenous lidocaine relieves spinal cord injury pain: a andomized controlled trial. Anesthesiology, 2005;102:1023-1030.         [ Links ]

30. Ness TJ - Intravenous lidocaine inhibits visceral nociceptive reflexes and spinal neurons in the rat. Anesthesiology, 2000;92:1685-1691.         [ Links ]

31. Koppert W, Ostermeier N, Sittl R et al. - Low-dose lidocaine reduces secondary hyperalgesia by a central mode of action. Pain, 2000;85:217-224.         [ Links ]

32. Abram SE, Yaksh TL - Systemic lidocaine blocks nerve injury-induced hyperalgesia and nociceptor-driven spinal sensitization in the rat. Anesthesiology, 1994;80:383-391.         [ Links ]

33. Attal N, Rouaud J, Brasseur L et al. - Systemic lidocaine in pain due to peripheral nerve injury and predictors of response. Neurology, 2004;62:218-225.         [ Links ]

34. Attal N, Gaude V, Brasseurn L et al. - Intravenous lidocaine in central pain: a double-blind, placebo-controlled, psychophysical study. Neurology, 2000;54:564-574.         [ Links ]

35. Kalso E - Pharmacological Management of Pain: Anticonvulsants, Antidepressants, and Adjuvants Analgesics, em: International Association for the Study of Pain - Pain 2005 - An Updated Review: Refresher Course Syllabus. Seatle, IASP, 2005;19-29.         [ Links ]

36. Dirks J, Fabricius P, Petersen KL et al. - The effect of systemic lidocaine on pain and secondary hyperalgesia associated with the heat/capsaicin sensitization model in healthy volunteers. Anesth Analg, 2000;91:967-972.         [ Links ]

37. Mattsson U, Cassuto J, Tarnow P et al. - Intravenous lidocaine infusion in the treatment of experimental human skin burns - digital color image analysis of erythema development. Burns 2000;26:710-715.         [ Links ]

38. Kawamata M, Takahashi T, Kozuka Y et al. - Experimental incisioninduced pain in human skin: effects of systemic lidocaine on flare formation and hyperalgesia. Pain, 2002;100:77-89.         [ Links ]

39. Koppert W, Weigand M, Neumann F et al. - Perioperative intravenous lidocaine has preventive effects on postoperative pain and morphine consumption after major abdominal surgery. Anesth Analg, 2004;98:1050-1055.         [ Links ]

40. Wu CT, Borel CO, Lee MS et al. - The interaction effect of perioperative cotreatment with dextromethorphan and intravenous lidocaine on pain relief and recovery of bowel function after laparoscopic cholecystectomy. Anesth Analg, 2005;100:448-453.         [ Links ]

41. Kaba A, Laurent SR, Detroz BJ et al. - Intravenous lidocaine infusion facilitates acute rehabilitation after laparoscopic colectomy. Anesthesiology, 2007;106:11-18.         [ Links ]

42. Herroeder S, Pecher S, Schönherr ME et al. - Systemic lidocaine shortens length of hospital stay after colorectal surgery: a double-blinded, randomized, placebo-controlled trial. Ann Surg 2007;246:192-200.         [ Links ]

43. McCleane G - Intravenous lidocaine: an outdated or underutilized treatment for pain? J Palliat Med, 2007;10:798-805.         [ Links ]

44. Omote K - Intravenous lidocaine to treat postoperative pain management: novel strategy with a long-established drug. Anesthesiology, 2007;106:5-6.         [ Links ]

45. Amir R, Argoff CE, Bennett GJ et al. - The role of sodium channels in chronic inflammatory and neuropathic pain. J Pain, 2006;7(5Suppl3):S1-S29.         [ Links ]

46. Araujo MC, Sinnott CJ, Strichartz GR - Multiple phases of relief from experimental mechanical allodynia by systemic lidocaine: responses to early and late infusions. Pain, 2003;103:21-29.         [ Links ]

47. Hahnenkamp K, Durieux ME, Hahnenkamp A et al. - Local anaesthetics inhibit signaling of human NMDA receptors recombinantly expressed in Xenopus laevis oocytes: role of protein kinase C. Br J Anaesth, 2006;96:77-87.         [ Links ]

48. Yanagidate E, Strichartz GR - Local anesthetics. Handb Exp Pharmacol, 2007;(177):95-127.         [ Links ]

49. Petrenko AB, Yamakura T, Baba H et al. - The role of N-methy-lD-aspartate (NMDA) receptors in pain: a review. Anesth Analg, 2003;97:1108-1116.         [ Links ]

50. Hollmann MW, Difazio CA, Durieux ME - Ca-signaling G-protein-coupled receptors: a new site of local anesthetic action? Reg Anesth Pain Med, 2001;26:565-571.         [ Links ]

51. Watkins LR, Maier SF - Beyond neurons: evidence that immune and glial cells contribute to pathological pain states. Physiol Rev, 2002;82:981-1011.         [ Links ]

52. Martin F, Cherif K, Gentili ME et al. - Lack of impact of intravenous lidocaine on analgesia, functional recovery, and nociceptive pain threshold after total hip arthroplasty. Anesthesiology, 2008;109:118-123.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Dra. Rioko Kimiko Sakata
Rua Três de Maio, 61 Vila Clementino
04044-020 - São Paulo, SP
Email: riokoks.dcir@epm.br

Submetido em 9 de fevereiro de 2010
Aprovado para publicação em 22 de fevereiro de 2010

 

 

Recebido da Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia Intensiva da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP), SP