SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.60 issue6Relevant aspects of coronary artery disease in candidates for non-cardiac surgeryThe anesthesiologist and the intraoperative transesophageal echocardiography author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Rev. Bras. Anestesiol. vol.60 no.6 Campinas Nov./Dec. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942010000600014 

CARTA AO EDITOR

 

Mudança de conduta cirúrgica motivada pela ecocardiografia transesofágica intraoperatória

 

 

Prezado Editor,

Foi com grande interesse que li o relato de caso publicado na Revista Brasileira de Anestesiologia sobre a mudança de conduta cirúrgica motivada pela ecocardiografia transesofágica intraoperatória. Gostaria de parabenizar os autores pelo artigo e fazer alguns comentários.

A avaliação hemodinâmica através da ecocardiografia é um dos principais benefícios do método, em que podemos estimar diversas variáveis importantes para a tomada de decisão no perioperatório. Ao ECO, podemos estimar: débito cardíaco, gradientes pressóricos intracavitários, área valvar, volumes e frações regurgitantes, relação de fluxos pulmonarsistêmico (Qp/Qs), bem como estimar as pressões arteriais pulmonares e intracavitárias. Muitas dessas variáveis apresentam boa correlação quando comparadas com métodos mais invasivos 1. A análise hemodinâmica através da ecocardiografia em pacientes com cardiopatia congênita requer alguns cuidados na interpretação dos dados. Na ausência de estenose pulmonar, a pressão de pico do ventrículo direito é equivalente à pressão sistólica da artéria pulmonar (PSAP) 2. No caso relatado, os autores estimaram a PSAP em 80 mmHg, obtida através da equação simplificada de Bernoulli (4VPico2), utilizando-se da velocidade de pico do jato regurgitante tricúspide para o cálculo da pressão. Porém, nesse caso clínico, tal pressão não reflete a verdadeira pressão sistólica da artéria pulmonar, e sim apenas a pressão sistólica ventricular direita (PSVD). Na presença de estenose pulmonar significativa (subvalvar, valvar ou supravalvar), a PSVD é reflexo da força do ventrículo direito necessária para superar o gradiente pressórico na área da obstrução. Para o cálculo correto da PSAP em pacientes com obstrução pulmonar, devemos subtrair o gradiente pressórico máximo da estenose pulmonar pela pressão sistólica do ventrículo direito 3.

PSAP = PSVD - Gradiente pressórico máximo da estenose pulmonar

O gradiente pressórico da estenose pulmonar pode ser obtido através da utilização do Doppler contínuo sobre a área estenótica, colocando a velocidade de pico aferida nessa região na equação de Bernoulli modificada. Para obtermos correto alinhamento do feixe de ultrassom ao fluxo sanguíneo pulmonar, os melhores cortes ao ECO transesofágico para a avaliação do trato de saída do VD são obtidos através dos seguintes cortes: eixo transverso do arco aórtico ao nível do esôfago superior entre 60º e 90º (Figura 1), eixo transverso da aorta no esôfago médio entre 00 e 200 (Figura 2), corte transgástrico longitudinal do VD entre 900 e 1200 (Figura 3) e corte transgástrico profundo longitudinal do VD entre 00 e 200, com rotação da sonda para direita tentando localizar o trato de saída do VD e a válvula pulmonar.

 

 

 

 

 

 

Outra alternativa para se calcular a PSVD em pacientes que apresentam comunicação interventricular (CIV) com shunt esquerdo-direito é subtrair a diferença pressórica entre o ventrículo esquerdo e direito da pressão sistólica arterial sistêmica. Na presença de estenose aórtica ou obstrução no trato de saída do ventrículo esquerdo, essa fórmula é inválida.

PSVD = Pressão arterial sistólica - Gradiente sistólico pelo CIV

PSVD = PA sistólica - 4 (velocidade de pico pelo CIV)2

Aproveito ainda a oportunidade para enaltecer o esforço dos autores em relatarem os benefícios da utilização da ecocardiografia transesofágica no intraoperatório, técnica pouco utilizada em nosso meio e que apresenta grandes benefícios na conduta dos pacientes cardiopatas submetidos à cirurgia cardíaca e/ou não cardíaca. No Instituto Nacional de Cardiologia, temos utilizado rotineiramente o método desde 2004 e, recentemente, implementamos o serviço de ecocardiografia intraoperatória.

 

Atenciosamente,

Carlos Galhardo Júnior, TSA
Coordenador do Serviço de Anestesia de Adulto do
Instituto Nacional de Cardiologia (INC/MS)

 

REFERÊNCIAS

01. Currie PJ, Seward JB, Chan KL et al. - Continuous wave Doppler determination of right ventricular pressure: a simultaneous Doppler-catheterization study in 127 patients. J Am Coll Cardiol, 1985;6:750-756.         [ Links ]

02. Quiñones MA, Otto CM, Stoddard M et al. - Recommendations for quantification of Doppler echocardiography: a report from the Doppler Quantification Task Force of the Nomenclature and Standards Committee of the American Society of Echocardiography. J Am Soc Echocardiogr, 2002;15:167-184.         [ Links ]

03. Ahmed SN, Syed FA, Porembka DT et al. - Echocardiographic evaluation of hemodynamic parameters. Crit Care Med, 2007;35(Suppl):s323-s329.         [ Links ]

04. SILVA, SILVA, SEGURADO, KIMACHI, SIMÕES - Mudança de Conduta Cirúrgica Motivada pela Ecocardiografia Transesofágica Intraoperatória. Rev Bras Anestesiol, 2010;60:192-197.         [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License