SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.61 issue3Transesophageal echocardiography in Ross procedurePost-dural headache with seven months duration: case report author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Rev. Bras. Anestesiol. vol.61 no.3 Campinas May/June 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942011000300010 

INFORMAÇÕES CLÍNICAS

 

Falha no funcionamento do ressuscitador manual autoinflável devido à presença de secreções pulmonares ressecadas

 

 

Armando Carlos Franco de Godoy

Professor Doutor; Fisioterapeuta responsável pelas enfermarias de Emergência Clínica e Cirurgia do Trauma da Unicamp

Correspondência para

 

 


RESUMO

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Os ressuscitadores manuais autoinfláveis (RMA) são dispositivos utilizados para ofertar ventilações para pacientes com necessidade ventilatória. Esses dispositivos são compostos por um conjunto de válvulas que trabalham de forma sequencial e alterações em seu funcionamento podem ser prejudicais ao paciente.
RELATO DO CASO: Durante a utilização de RMA, observou-se que a válvula permaneceu fixa devido à presença de secreção pulmonar ressecada, o que impossibilitou a ventilação do paciente, mas não a manipulação da unidade compressível.
CONCLUSÕES: Essa situação reafirma que o reanimador é um dispositivo que deve ser usado por profissionais treinados, pois, apesar de as alterações de funcionamento serem raras, podem ser potencialmente fatais.

Unitermos: COMPLICAÇÕES: Edema pulmonar agudo, Parada cardiorespiratória; EQUIPAMENTOS: ressuscitador manual autoinflável; REANIMAÇÃO


 

 

INTRODUÇÃO

Os reanimadores manuais autoinfláveis (RMA) são dispositivos utilizados com a finalidade de ofertar ventilações com pressão positiva, em pacientes com necessidade de suporte ventilatório. Entre as situações clínicas em que os RMAs são utilizados é possível citar: ressuscitação cardiopulmonar e transporte extra e intra-hospitalar 1,2.

Os RMAs não podem ser considerados simples dispositivos, mas sim um mecanismo complexo que consiste de um conjunto de válvulas que trabalham de forma sequencial, com o objetivo de permitir a exalação e a entrada de ar no sistema respiratório do paciente 3.

Os RMAs podem apresentar três partes: reservatório de O2 (1), unidade compressível (2) e conector do paciente (3). O reservatório de O2 constitui-se de um saco com a finalidade de receber o fluxo de O2 e é encaixado na parte posterior da unidade compressível; a unidade compressível é a parte manipulada pelo operador do RMA para ofertar volume de ar ao paciente; enquanto o conector do paciente é a peça em que se acopla a máscara de ressuscitação ou a porção proximal do tubo endotraqueal (Figura 1).

 

 

Para fazer funcionar o RMA, o operador comprime a unidade compressível produzindo pressão supra-atmosférica no interior desta e fazendo com que a válvula tipo disco (4) obstrua a saída do conector do paciente, direcionando ar para o sistema respiratório deste; concomitantemente, a válvula posterior (5) fecha a saída de ar pela parte posterior da unidade compressível. Quando o operador descomprime a unidade compressível, ocorre uma pressão subatmosférica em seu interior, o que faz com que a válvula posterior se abra e aspire o ar ambiente ou oxigênio do reservatório de O2. Em sincronia, a válvula tipo disco retrocede até esbarrar no anteparo do conector do paciente (6), permitindo a exalação do ar injetado no sistema respiratório. Alguns RMAs têm no conector do paciente uma válvula de pressão (7) que se abre quando o sistema atinge uma pressão superior a 40 cmH2O, garantindo limite pressórico no sistema (Figura 1).

 

RELATO DO CASO

Durante a utilização do RMA em um paciente de 65 anos, sexo masculino, com edema pulmonar cardiogênico dependente de ventilação mecânica invasiva, para a realização de troca de ventiladores, observou-se que não ocorria expansão do tórax do paciente durante as manipulações da unidade compressível. Em uma inspeção do equipamento, notou-se que a válvula tipo disco estava colada no anteparo do conector do paciente por uma camada de secreção pulmonar ressecada (8) (Figura 1).

 

DISCUSSÃO

A situação apresentada vai ao encontro das opiniões de diversos autores, os quais relatam que o RMA é um dispositivo que deve ser usado por uma equipe de profissionais devidamente treinados e familiarizados com os componentes e o mecanismo de funcionamento de suas válvulas, pois, apesar de as alterações das válvulas do RMA serem raras, são reais e podem ser fatais em determinadas situações clínicas 3,4.

Na literatura, é possível encontrar relatos de casos de mau funcionamento da válvula do paciente, devido ao fato de os RMAs estarem recebendo altos fluxos de O2 5 e/ou com montagem errônea de suas peças 3. Nessas situações, os autores relatam que houve dificuldade ou impossibilidade de manipular a unidade compressível do RMA 3-11. Essa situação ocasionou nos pacientes complicações como: pneumotórax 6, dilatação e ruptura gástrica com aspiração do conteúdo gástrico 7, pneumoperitônio 8, ruptura de esôfago 9 e pneumoencéfalo 10.

No presente caso, como a válvula do paciente permanecia fixa por secreções pulmonares ressecadas e o RMA utilizado apresentava válvula de pressão, o ar a ser direcionado para o sistema respiratório foi direcionado para o ambiente, enquanto a unidade compressível continuava sendo manipulada normalmente, sem ocorrer ventilação do paciente.

O que levou à percepção de que ocorria falha no funcionamento do RMA foi a imobilidade do tórax do paciente. Se ocorresse a utilização desse RMA em tais circunstâncias por tempo indeterminado, em situações como transporte extra ou intra-hospitalar, parada cardiorrespiratória ou troca do tubo endotraqueal, o paciente poderia apresentar hipoxemia, com eventual prejuízo de sua condição clínica, o que poderia leválo até a morte.

Embora, na unidade, os RMAs colocados à beira do leito sejam trocados a cada 48 horas, não é possível precisar há quanto tempo esse RMA permaneceu ao lado do paciente sem ser utilizado.

O RMA é um dispositivo que deve ser usado por uma equipe de profissionais devidamente treinados e familiarizados com os componentes e o mecanismo de funcionamento de suas válvulas, pois, em alguns tipos, a unidade compressível pode ser manipulada pelo operador sem ocorrer a ventilação do paciente.

 

REFERÊNCIAS

01. Miracle VA, Allnutt DR - Using a manual resuscitator correctly. Nursing, 1990;20:49-51.         [ Links ]

02. Mazzolini Jr DG, Marshall NA - Evaluatio of 16 adult disposable manual resuscitators. Respir Care, 2004;49:1509-1514.         [ Links ]

03. Smith G - Problems with mis-assembly of adult manual resuscitators. Resuscitation, 2002;53:109-111.         [ Links ]

04. Olver JJ, Pope R - Potential hazard, with silicone resuscitators. Anaesthesia, 1984;39:933-934.         [ Links ]

05. Turki M, Young MP, Wagers SS et al. - Peak pressures during manual ventilation. Respir Care, 2005;50:340-344.         [ Links ]

06. Cooper RM, Grgas S - Fatal barotrauma resulting from misuse of a resuscitation bag. Anesthesiology, 2000;93:892-893.         [ Links ]

07. Weiler N, Heinrichs W, Dick W - Assesment of pulmonary mechanics and gastric inflation pressure during mask ventilation. Prehospital Disaster Med, 1995;10:101-105.         [ Links ]

08. López Rodriguez A, López Sanchez L, Julia JA - Pneumoperitoneum associated with manual ventilation using a bag-valve device. Acad Emerg Med, 1995;2:944.         [ Links ]

09. Sia RL - Role de l'anesthesiste-reanimateur dans les cas de rupture spontanee de l'oesophage. Can Anaesth Soc J, 1968;15:276-280.         [ Links ]

10. Paradis IL, Caldwell EJ - Traumatic pneumocephalus: a hazard of resuscitators. J Trauma, 1979;19:61-63.         [ Links ]

11. Godoy AC, Vieira RJ, Capitan EM - Alterations in peak inspiratory pressure and tidal volume delivered by manually operated self-inflating resuscitation bags as a function of the oxygen supply rate. J Bras Pneumol, 2008;34:817-821.         [ Links ]

 

 

Correspondência para:
Dr. Armando Carlos Franco de Godoy
Rua Hercules Florence, 100/23 Botafogo
13020170 - Campinas, SP, Brasil
E-mail: armandogodoy@ig.com.br

Submetido em 26 de agosto de 2010.
Aprovado para publicação em 7 de dezembro de 2010.

 

 

Recebido do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Brasil.