SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.61 issue3Transesophageal echocardiography in Ross procedurePost-dural headache with seven months duration: case report author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Rev. Bras. Anestesiol. vol.61 no.3 Campinas May/June 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942011000300010 

INFORMAÇÕES CLÍNICAS

 

Falha no funcionamento do ressuscitador manual autoinflável devido à presença de secreções pulmonares ressecadas

 

 

Armando Carlos Franco de Godoy

Professor Doutor; Fisioterapeuta responsável pelas enfermarias de Emergência Clínica e Cirurgia do Trauma da Unicamp

Correspondência para

 

 


RESUMO

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Os ressuscitadores manuais autoinfláveis (RMA) são dispositivos utilizados para ofertar ventilações para pacientes com necessidade ventilatória. Esses dispositivos são compostos por um conjunto de válvulas que trabalham de forma sequencial e alterações em seu funcionamento podem ser prejudicais ao paciente.
RELATO DO CASO: Durante a utilização de RMA, observou-se que a válvula permaneceu fixa devido à presença de secreção pulmonar ressecada, o que impossibilitou a ventilação do paciente, mas não a manipulação da unidade compressível.
CONCLUSÕES: Essa situação reafirma que o reanimador é um dispositivo que deve ser usado por profissionais treinados, pois, apesar de as alterações de funcionamento serem raras, podem ser potencialmente fatais.

Unitermos: COMPLICAÇÕES: Edema pulmonar agudo, Parada cardiorespiratória; EQUIPAMENTOS: ressuscitador manual autoinflável; REANIMAÇÃO


 

 

INTRODUÇÃO

Os reanimadores manuais autoinfláveis (RMA) são dispositivos utilizados com a finalidade de ofertar ventilações com pressão positiva, em pacientes com necessidade de suporte ventilatório. Entre as situações clínicas em que os RMAs são utilizados é possível citar: ressuscitação cardiopulmonar e transporte extra e intra-hospitalar 1,2.

Os RMAs não podem ser considerados simples dispositivos, mas sim um mecanismo complexo que consiste de um conjunto de válvulas que trabalham de forma sequencial, com o objetivo de permitir a exalação e a entrada de ar no sistema respiratório do paciente 3.

Os RMAs podem apresentar três partes: reservatório de O2 (1), unidade compressível (2) e conector do paciente (3). O reservatório de O2 constitui-se de um saco com a finalidade de receber o fluxo de O2 e é encaixado na parte posterior da unidade compressível; a unidade compressível é a parte manipulada pelo operador do RMA para ofertar volume de ar ao paciente; enquanto o conector do paciente é a peça em que se acopla a máscara de ressuscitação ou a porção proximal do tubo endotraqueal (Figura 1).

 

 

Para fazer funcionar o RMA, o operador comprime a unidade compressível produzindo pressão supra-atmosférica no interior desta e fazendo com que a válvula tipo disco (4) obstrua a saída do conector do paciente, direcionando ar para o sistema respiratório deste; concomitantemente, a válvula posterior (5) fecha a saída de ar pela parte posterior da unidade compressível. Quando o operador descomprime a unidade compressível, ocorre uma pressão subatmosférica em seu interior, o que faz com que a válvula posterior se abra e aspire o ar ambiente ou oxigênio do reservatório de O2. Em sincronia, a válvula tipo disco retrocede até esbarrar no anteparo do conector do paciente (6), permitindo a exalação do ar injetado no sistema respiratório. Alguns RMAs têm no conector do paciente uma válvula de pressão (7) que se abre quando o sistema atinge uma pressão superior a 40 cmH2O, garantindo limite pressórico no sistema (Figura 1).

 

RELATO DO CASO

Durante a utilização do RMA em um paciente de 65 anos, sexo masculino, com edema pulmonar cardiogênico dependente de ventilação mecânica invasiva, para a realização de troca de ventiladores, observou-se que não ocorria expansão do tórax do paciente durante as manipulações da unidade compressível. Em uma inspeção do equipamento, notou-se que a válvula tipo disco estava colada no anteparo do conector do paciente por uma camada de secreção pulmonar ressecada (8) (Figura 1).

 

DISCUSSÃO

A situação apresentada vai ao encontro das opiniões de diversos autores, os quais relatam que o RMA é um dispositivo que deve ser usado por uma equipe de profissionais devidamente treinados e familiarizados com os componentes e o mecanismo de funcionamento de suas válvulas, pois, apesar de as alterações das válvulas do RMA serem raras, são reais e podem ser fatais em determinadas situações clínicas 3,4.

Na literatura, é possível encontrar relatos de casos de mau funcionamento da válvula do paciente, devido ao fato de os RMAs estarem recebendo altos fluxos de O2 5 e/ou com montagem errônea de suas peças 3. Nessas situações, os autores relatam que houve dificuldade ou impossibilidade de manipular a unidade compressível do RMA 3-11. Essa situação ocasionou nos pacientes complicações como: pneumotórax 6, dilatação e ruptura gástrica com aspiração do conteúdo gástrico 7, pneumoperitônio 8, ruptura de esôfago 9 e pneumoencéfalo 10.

No presente caso, como a válvula do paciente permanecia fixa por secreções pulmonares ressecadas e o RMA utilizado apresentava válvula de pressão, o ar a ser direcionado para o sistema respiratório foi direcionado para o ambiente, enquanto a unidade compressível continuava sendo manipulada normalmente, sem ocorrer ventilação do paciente.

O que levou à percepção de que ocorria falha no funcionamento do RMA foi a imobilidade do tórax do paciente. Se ocorresse a utilização desse RMA em tais circunstâncias por tempo indeterminado, em situações como transporte extra ou intra-hospitalar, parada cardiorrespiratória ou troca do tubo endotraqueal, o paciente poderia apresentar hipoxemia, com eventual prejuízo de sua condição clínica, o que poderia leválo até a morte.

Embora, na unidade, os RMAs colocados à beira do leito sejam trocados a cada 48 horas, não é possível precisar há quanto tempo esse RMA permaneceu ao lado do paciente sem ser utilizado.

O RMA é um dispositivo que deve ser usado por uma equipe de profissionais devidamente treinados e familiarizados com os componentes e o mecanismo de funcionamento de suas válvulas, pois, em alguns tipos, a unidade compressível pode ser manipulada pelo operador sem ocorrer a ventilação do paciente.

 

REFERÊNCIAS

01. Miracle VA, Allnutt DR - Using a manual resuscitator correctly. Nursing, 1990;20:49-51.         [ Links ]

02. Mazzolini Jr DG, Marshall NA - Evaluatio of 16 adult disposable manual resuscitators. Respir Care, 2004;49:1509-1514.         [ Links ]

03. Smith G - Problems with mis-assembly of adult manual resuscitators. Resuscitation, 2002;53:109-111.         [ Links ]

04. Olver JJ, Pope R - Potential hazard, with silicone resuscitators. Anaesthesia, 1984;39:933-934.         [ Links ]

05. Turki M, Young MP, Wagers SS et al. - Peak pressures during manual ventilation. Respir Care, 2005;50:340-344.         [ Links ]

06. Cooper RM, Grgas S - Fatal barotrauma resulting from misuse of a resuscitation bag. Anesthesiology, 2000;93:892-893.         [ Links ]

07. Weiler N, Heinrichs W, Dick W - Assesment of pulmonary mechanics and gastric inflation pressure during mask ventilation. Prehospital Disaster Med, 1995;10:101-105.         [ Links ]

08. López Rodriguez A, López Sanchez L, Julia JA - Pneumoperitoneum associated with manual ventilation using a bag-valve device. Acad Emerg Med, 1995;2:944.         [ Links ]

09. Sia RL - Role de l'anesthesiste-reanimateur dans les cas de rupture spontanee de l'oesophage. Can Anaesth Soc J, 1968;15:276-280.         [ Links ]

10. Paradis IL, Caldwell EJ - Traumatic pneumocephalus: a hazard of resuscitators. J Trauma, 1979;19:61-63.         [ Links ]

11. Godoy AC, Vieira RJ, Capitan EM - Alterations in peak inspiratory pressure and tidal volume delivered by manually operated self-inflating resuscitation bags as a function of the oxygen supply rate. J Bras Pneumol, 2008;34:817-821.         [ Links ]

 

 

Correspondência para:
Dr. Armando Carlos Franco de Godoy
Rua Hercules Florence, 100/23 Botafogo
13020170 - Campinas, SP, Brasil
E-mail: armandogodoy@ig.com.br

Submetido em 26 de agosto de 2010.
Aprovado para publicação em 7 de dezembro de 2010.

 

 

Recebido do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Brasil.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License