SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.62 issue1Dexmedetomidine: current role in anesthesia and intensive careEvaluation of cytokine levels and pulmonary function in patients undergoing coronary artery bypass graft author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Rev. Bras. Anestesiol. vol.62 no.1 Campinas Jan./Feb. 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942012000100016 

CARTA AO EDITOR

 

Existe recomendação para segurança na prática da anestesia regional?

 

 

Caro Editor-chefe Dr. Mário J. da Conceição, Foi com grande interesse que li o artigo publicado na Revista Brasileira de Anestesiologgia (RBA) orientando os profissionais quanto a segurança da prática dos bloqueios regionais1. Parabenizo os autores pelo esforço e seriedade com que trataram este assunto. Gostaria de fazer algumas considerações sobre três tópicos:

 

As referências

A anestesia é um procedimento médico que se modificou ao longo dos anos devido às inovações tecnológicas e farmacológicas, sendo cabível o pensamento de que as técnicas utilizadas hoje não são as mesmas do passado. Observando as referências, percebe-se que os autores utilizaram publicações que analisaram pacientes submetidos a pesquisas envolvendo anestesia em décadas passadas. O texto não esclarece como os autores agiram perante tal limitação, ou ainda se ela foi considerada em algum momento da análise dos artigos incluídos nas recomendações. Seria possível esclarecer isso?

A estratégia utilizada para identificar os artigos incluídos não deixa claro qual o passo ou momento que tornou possível a utilização de capítulos de livro. O capítulo de um livro foi utilizado, porém, observando seu conteúdo, parece que o mesmo aborda a farmacopeia norte-americana e não especificamente a prática da Anestesiologia mundial2.

 

A fundamentação teórica inicial

Foi preocupação dos autores em dar um enfoque às complicações infecciosas relacionadas ao bloqueio regional, porém é relevante ressaltar que tais complicações são raras; "Não há evidências claras na literatura a respeito da frequência de tais complicações (D)" e "Também é rara a administração errônea de fármacos em bloqueios regionais (?)". Por isso, a criação de recomendações sem sabermos previamente a frequência real ou estimada dos eventos pode ser vista com ressalvas. Seria possível que os autores realizassem pesquisa no Brasil em conjunto com a Sociedade Brasileira de Anestesiologia para identificar a atual frequência de tais eventos, tornando mais viável a consulta às recomendações?

Os autores utilizam séries epidemiológicas para justificar que, mesmo na ausência da informação publicada em artigos, a frequência das complicações infecciosas e acidentes estão em ascensão. Entretanto, os estudos utilizados como referência são das décadas de 1980 e 1990, permanecendo a dúvida sobre o estado atual dos eventos 3-6.

 

Graus de recomendação e força das evidências

Há recomendações que são baseadas apenas em publicações com nível de evidência D, levando os autores a tomarem uma posição menos afirmativa no texto. Assim, algumas recomendações ficaram um pouco dúbias, necessitando que os autores explicassem melhor o tópico.

Alguns exemplos: "..., exceto na mais extraordinária circunstância, o bloqueio do neuroeixo não deve ser realizado em pacientes com infecção sistêmica não tratada."; "..., interconsulta com infectologista é recomendada para facilitar o início precoce e efetivo da terapia antibiótica"; e "A Agência Nacional de Vigilância Sanitária não recomenda o reprocessamento de materiais para uso da anestesia regional,...". Não ficou claro no texto qual o conceito de "extraordinária circunstância"; se a interconsulta com infectologista pode influenciar na tomada de decisão quanto à escolha da técnica anestésica, e se ainda existem hospitais que utilizam material reprocessado no Brasil.

Os autores não fizeram referência ao uso de revisões sistemáticas e metanálises, sendo necessário entender se houve algum critério de exclusão para desconsiderar este tipo de pesquisa, ou se não existem pesquisas deste tipo analisando este tópico.

Em suma, as recomendações existem e devem ser utilizadas perante os pacientes na prática clínica diária, entretanto, alguns pontos devem ser vistos com ressalvas devido à força das evidências que geraram determinadas recomendações, mormente aquelas baseadas exclusivamente no nível de evidência D. Precisamos saber qual a frequência de complicações infecciosas anestésicas no Brasil.

Professor Fabiano Timbó Barbosa
Universidade Federal de Alagoas
Título Superior de Anestesiologia

 

REFERÊNCIAS

1. Fernandes CR, Fonseca NM, Rosa DM et al. - Recomendações da Sociedade Brasileira de Anestesiologia para segurança em anestesia regional. Rev Bras Anestesiol, 2011;61:668-694.         [ Links ]

2. USP Chapter 797 with proposed revisions 2006 - http://www.usp.org/ pdf/EN/USPNF/PF797redline.pdf.         [ Links ]

3. Moen V, Dahlgren N, Irestedt L - Severe neurological complications after central neuraxial blockades in Sweden 1990-1999. Anesthesiology, 2004;101:950-959.         [ Links ]

4. Horlocker TT, McGregor DG, Matsushige DK et al. - A retrospective review of 4,767 consecutive spinal anesthetics: central nervous system complications. Perioperative Outcomes Group. Anesth Analg, 1997;84(3):578-584.         [ Links ]

5. Wang LP, Hauerberg J, Schmidt JF - Incidence of spinal epidural abscess after epidural analgesia: a national 1-year survey. Anesthesiology, 1999;91(6):1928-1936.         [ Links ]

6. Aromaam U, Lahdensuu DA, Cozanitis S - Severe complications associated with epidural and spinal anaesthesias in Finland 1987-1993. A study based on patient insurance claims. Acta Anaesthesiol Scand, 1997;41:445-452.         [ Links ]