SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 issue2-3A Lei nQ 7.498/86Transcrição da prescrição médica x assistência de enfermagem author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Enfermagem

Print version ISSN 0034-7167

Rev. bras. enferm. vol.39 no.2-3 Brasília Apr./Sept. 1986

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71671986000300002 

ARTIGO CIENTÍFICO

 

A teoria do auto-cuidado e sua aplicabilidade no sistema de alojamento conjunto

 

 

Adriana RemorI; Ilza Schmidt de BritoI; Vitória Regina PettersI; Evanguelia K. A. dosSantosII

IFormandas do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC,., Brasil
IIUniversidade Federal de Santa Catarina e Enfermeira da Maternidade Carmela Dutra, Fundação Hospitalar de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil

 

 


RESUMO

O trabalho se refere à aplicação da teoria do OREM no sistema de alojamento conjunto, visando determinar as deficiências das capacidades dos indivíduos para execução de medidas de auto-cuidado.


ABSTRACT

This is a work about the application of OREM's Theory in the Rooming-in System, in order to determine the deficiencies of individual's capacities for execution of self-care measures.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

REFEREÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. ENCONTRO NACIONAL SOBRE ALOJAMENTO CONJUNTO. Relatório final. Brasilia, Ministério da Saúde/INAN, 1982.         [ Links ]

2. NEWMAN, M. Theory development in nursing. Philadelphia, F. A. Davis, 1979.         [ Links ]

3. OREM, D. E. Nursing: concepts of practice. New York, Mac Graw-Hill, 1971. 232p.         [ Links ]

4. ______. New Yor, Mac Graw-Hill, 1980. 232p.         [ Links ]

5. VINHA, V. H. P. Amamentação materna; incentivo e cuidados. São Paulo, Sarvier, 1983.         [ Links ]

6. ZIEGEL, E. & CRANLEY, M. S. Enfermagem obstétrica. 8. ed. Rio de Janeiro, Interamericana, 1985.         [ Links ]

 

 

ANEXO 1

Desenvolvimento do Instrumento - Elaboração do questionário que nos auxiliará na determinação da capacidade da puérpera de auto-cuidar-se e estender o mesmo ao seu Recém-nascido. Englobamos uma avaliação das capacidades físicas, mentais, motivacionais e emocionais nestes questionamentos.

a) Como se sente após ter tido o bebê?

b) Quais as mudanças que percebeu em relação ao seu corpo, após o nascimento do bebê?

c) Já possuía informações de como seria o período puerperal - ("resguardo")? Se as recebeu, quais as fontes e qual o tipo de orientação dada?

d) Está decidida a amamentar seu bebê? Por que?

e) Já recebeu alguma orientação com relação à amamentação?

f) Já teve oportunidade de cuidar ou lidar com recém-nascidos?

g) O que sabe sobre os cuidados que devemos ter com o recém-nascido?

h) Sua gravidez foi planejada? Havia preferência com relação ao sexo do seu bebê (sua ou de seu esposo)?

i) Pretende dar todos os cuidados necessários ao seu bebê quando estiver em casa?

Pretendemos abordar estas perguntas de uma maneira bastante informal. Nosso diálogo com a puérpera será dirigido pelas perguntas pré-elaboradas, no entanto, não ficaremos restritas às mesmas. Logo após o diálogo, o mesmo será anotado no caderno, onde cada puérpera terá uma folha individual.

Associada a este questionário, elaboramos alguns itens que serão observados no decorrer da conversa, a qual também nos auxiliará na determinação do agency.

Itens que serão observados:

• Estado físico da puérpera e do R. N.

• Atividades e/ou procedimentos da puérpera com ela própria e com o seu R.N.

• Relacionamento da puérpera com as demais pacientes, bem como com os funcionários.

• Anotações do prontuário.

• Nível quantitativo e qualitativo dos questionamentos feitos pela puérpera e suas respostas frente às nossas perguntas.

Estes dois requisitos, que constam de relatos de paciente e impressão do entrevistador, serão transferidos para um caderno, onde cada paciente terá seu espaço. Após isso, serão avaliados para que se determine em qual sistema de enfermagem a paciente se enquadra, a partir dos déficits apresentados.

Acreditamos que, com estes dois requisitos, teremos dados suficientes para determinar, superficialmente, a capacidade que cada puérpera tem em autocuidar-se, e estender o mesmo ao seu bebê.

Decidimos que cada estagiária de enfermagem se responsabilizará em aplicar o processo de enfermagem segundo Dorothea Orem, em duas puérperas; no entanto, se encarregará de ler as anotações referentes às demais, bem como acrescentar observações e auxiliar no controle das mesmas, de acordo com a demanda terapêutica já estabelecida.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License