SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.43 número1-2-3-4Importância da educação em serviço na diminuição da contaminação das amostras para uroculturaAnálise da implantação do sistema fechado simplificado durante a assistência de enfermagem aos clientes em diálise peritoneal intermitente manual índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Enfermagem

versão impressa ISSN 0034-7167

Rev. bras. enferm. vol.43 no.1-2-3-4 Brasília jan./dez. 1990

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71671990000100008 

Promovendo o auto-cuidado - treinamento e assistência de enfermagem a pacientes portadores de bexiga neurogênica*

 

 

Maria Augusta Junqueira AzevedoI; María Luiza da Silveira Santa MaríaII; Luiza Maria Alonso SolerIII

IDiretora do Serviço de Enfermagem de Atendimento Integrado e Especializado - DE.4 - da Divisão de Enfermagem do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo
IIEnfermagem da Seção de Atendimento IV - Ambulatório de Cirurgia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo
IIIEnfermeira da Seção de Atendimento IV - Ambulatório de Endoscopia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo

 

 


RESUMO

Neste trabalho, as autoras fazem algumas considerações sobre a execução da assistência de enfermagem especificamente à pacientes portadores de Bexiga Neurogênica. A individualidade de cada paciente é considerada para que os mesmos adquiram independência no auto-cuidado e convivam da melhor maneira possível com as suas limitações, facilitando, desta forma, sua reintrodução na vida familiar e social. Apresentam uma sonda de vidro confeccionada no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, utilizada somente para pacientes do sexo feminino, tentando estabelecer e desenvolver um programa de orientação ao auto-cateterismo intermitente.


ABSTRACT

The authors make some consideration about a nurse assistance program specialy designed for those patients with neurogenic bladder. The individuality of each patients is considered so they can become independent regarding to their self-carefulness, getting along and even over coming certain limitations, facilitating their reintroduction in the social and familial enviroument. A new desice is introduced. It is a glass built probe for female patients. This device was designed and assembled at the Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. It will make possible to start and develop an orientational and self-probing program.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1 BORELLI, M. Cirurgia do refluxo vesico-ureteral, associada ao treinamento vesical na bexiga neurogênica congênita (neurônio motor inferior). Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo USP, para concurso de livre docência da disciplina de Urologia de Clínica Cirúrgica, São Paulo, 1976.         [ Links ]

2 BORS, E., COMARR, A.E. Classification Neurological Urology Baltimore: University Park Press, 1971.         [ Links ]

3 CAMPEDELLI, M.C. et alii Processo de Enfermagem na prática. 1 ed. São Paulo: Ática, 1989. cap. 4, p. 43-56.         [ Links ]

4 CARVALHO, E.R. et alii. Bexiga Neurogênica um problema de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem 29:40-44,1976.         [ Links ]

5 CASS, A.S., SPENCE, A.R. Urinary incontinence in myelomeningocele. J. Urol. 110:136-137, 1973.         [ Links ]

6 COMMAR, A.E. Intermittent catheterization for the traumatic cord Bladder patient. J. Urol. 107:762-765, May 1972.         [ Links ]

7 GUTTMAN, L., FRANKEL, H. The value of intermittent catheterization in the early management of traumatic paraplegia and tetraplegia. Paraplegia, 4:63-84,1966.         [ Links ]

8 KUGA, C.K. Assistência de Enfermagem a pacientes com traumatismo da coluna vertebral dorso-lombar. 1986 (mimeografado).         [ Links ]

9 LAPIDES, J. et alii. Clean, intermittent self-catheterization in the treatment of urinary trart disease. J. Urol. 107: 458-461, Mar., 1972.         [ Links ]

10 LEVY, J.A. Cistometria: seu valor no diagnóstico de afecções neurológicas. São Paulo: Faculdade de Medicina da USP, 1958,257 p. Tese (Doutorado).         [ Links ]

11 MC LELLAN, F.C. The neurogenic bladder. Springfield. Illinois: Charles C. Thomas, 1939.         [ Links ]

12 NESBIT, R.M., LAPIDES, J. and BAUM, W.C. Fundamentals of Urology. Ann Arbor Michigan J. Edwards, p. 110, 1973.         [ Links ]

13 SHAPIRO, R.M. et alii The incidence of congenital anomalies discovered in the neonatal period. Am. J. Surg. 96: 396-400,1958.         [ Links ]

 

 

* Prêmio Zaira Cintra Vidal - 2º Lugar - 41º Congresso Brasileiro de Enfermagem - Florianópolis-SC

 

 

ANEXO I

TÉCNICA DO AUTO-CATETERISMO INTERMITENTE PARA PACIENTES DO SEXO FEMININO

- lavagem das mãos
- decúbio dorsal, semi-sentada, pernas fletidas e joelhos separados
- coloca-se o espelho entre as pernas para melhor visualizaç??o do meato urinário
- exposição dos órgãos genitais
- higiene íntima com água corrente e sabão no sentido antero-posterior
- com a mão esquerda separa os pequenos lábios
- visualiza o meato urinário
- com a mão direita introduz a sonda vesical de vidro vagarosamente até a saída da urina
- deixar a urina escoar no recipiente pr6prio ou vaso sanitário
- aguardar toda a saída da urina
- puxar a sonda vagarosamente para garantir a saída de toda a urina
- fazer uma leve compressão sobre o abdomen para o completo esvaziamento da bexiga
- retirar a sonda de vidro cuidadosamente
- medir o volume urinário
- observar cor, odor e características da urina
- lavar a sonda-com água corrente e sabão
- ferver durante 10 a 15 minutos
- secar e guardar em um recipiente limpo ou envolvido em um pano limpo passado a ferro.
Observação: • É reforçada a importância de as serem curtas e limpas para evitar contaminação e traumatismo.
• A posição utilizada pela paciente ficará a seu critério, desde que sejam obedecidos os princípios de higiene

 

 

ANEXO II

TÉCNICA DO AUTO-CATETERISMO INTERMITENTE PARA PACIENTES DO SEXO MASCULINO

- lavagem das mãos
- decúbito: sentado
- exposição dos genitais
- higiene íntima com água corrente e sabão, reforçando a limpeza da glande pelo menos uma vez ao dia
- colocar o pênis em posição perpendicular ao abdomen
- lubrificar a uretra cOm xylocaína gel
- introduzir a sonda de nelaton nº 12 vagarosamente até a saída da urina
- voltar o pênis em posição paralela ao abdomen
- deixar a urina escoar no recipiente próprio
- aguardar a saída de toda a urina
- puxar a sonda vagarosamente para garantir a saída de toda a urina
- fazer uma leve cdmpressão sobre o abdomen para o completo esvaziamento da bexiga
- retirar a sonda nelaton cuidadosamente
- medir o volume urinário
- observar cor, odor e características da urina
- lavar a sonda com água corrente e sabão
- ferver a sonda durante 10 a 15 minutos
- secar e guardar num recipiente limpo ou envolvido em um pano limpo passado a ferro.

 

 

ANEXO III

CRIANÇAS QUE UTILIZAM DO AUTO-CATETERISMO

- Em casos de crianças a técnica é orientada para pessoa responsável que irá executar o procedimento. Em crianças do sexo feminino com menos de 6 meses de vida utilizamos as sondas nelaton nos 6, 8 ou 10 para depois introduzirmos a sonda de vidro.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons