SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.43 issue1-2-3-4A equipe de saúde e a lavagem das mãos no controle das infecções hospitalaresPôs-operatório de cirurgia cardíaca: o que pensam e verbalizam os pacientes author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Enfermagem

Print version ISSN 0034-7167

Rev. bras. enferm. vol.43 no.1-2-3-4 Brasília Jan./Dec. 1990

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71671990000100011 

Necessidades básicas das esposas de pacientes infartados na fase aguda do tratamento

 

 

Edna Ikumi Umebayashi TakahashiI; Carmem de Almeida da SilvaII; Grazia Maria GuerraII

IProfessor Assistente do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica da Escola de Enfermagem da USP
IIEnfermeiras da U.Co. do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

 

 


RESUMO

Trata-se de um estudo exploratório que teve por finalidade as necessidades básicas das esposas de pacientes infartados, na fase aguda do tratamento. Foi utlizado como referencial para análise os conceitos de Nacessidades Básicas de MASLOW. Os resultados permitiram identificar como principais necessidades afetadas das esposas: segurança, amor e gregária, estima.


ABSTRACT

The purpose of this study was to identify the basic need of the spouses of patients with myocardial infarction. The concepts of basic needs from MASLOW were used as conceptual framework. The data's abalysis showed the follwing nedds' affections of this population: safety, belongingness and love, esteem.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1 CHAVEZ, FABER., Effect an education - orientation program on family members who visit their significant other in the intensive care unit. Heart Lung. Saint Louis, 16(1): 92-99, 1987.         [ Links ]

2 GAGLIONE, M.K. Assessing and intervening with families of CCU patients. Bursing Clinics of North America. 19(3), Sept., P. 427, 1984.         [ Links ]

3 GUERRA , G.M., SILVA, C.A. Caracterização da Visita na Unidade Coronariana, Papel do Enfermeiro. Trabalho apresentado no IX CONGRESSO PAULISTA DE CARDIOLOGIA. Ribeirão Preto, 11 de junho de 1988. p. 9.         [ Links ]

4 LAURENTI, R. Epidemiologia das doenças cardiovasculares no Brasil. Arquivo Brasileiro Cardiologia. São Paulo, 38(4): 243-248, 1982.         [ Links ]

5 LOLIO, C.A., LAURENTI, R. Mortalidade por doença isquêmica do coreção no município de São Paulo: evolução de 1950- 81 e mudanças recentes na tendência.Arquivo Brasileiro de Cardiologia. São Paulo, 46(3): 153-156, 1986.         [ Links ]

6 MELTZER, L.E. et alii. Enfermagem na Unidade Coronariana. Rio de Janeiro: Atheneu, 1984, p. 5.         [ Links ]

7 MOSCOVICI, F. desenvolvimento interpessoal. 3 ed., Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1985.         [ Links ]

8 NYAMATHI, A.M. The coping responses of female spouses of patients with myocardial infarction. Heart Lung., Saint Louis, 16(1): P.86-92, 1987.         [ Links ]

9 TAKAHASHI, E.I.U. Visitas de familiares a doentes infartados: análise de alguns parâmetros cardiovasculares. São Paulo, 1980. 69 p. (Dissertação de Mestrado - Escola de Enfermagem da USP).         [ Links ]

10 WIPPLE, G.H. et alii. Insuficiência coronariana - assistência e tratamento. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1980. p. 9.         [ Links ]

 

 

* MASLOW, A. Motivation anti Personality. 2 ed. New York: Harper & Row, 1970.

 

 

ANEXO 1

FORMULÁRIO

Data:_________
Início:________
Término:________

PARTE I: IDENTIFICAÇÃO

a) DO CONSORTE
NOME:
SEXO:
IDADE:
Nº DE FILHOS: menores de 18 anos:
maiores de 18 anos;

GRAU DE INSTRUÇÃO

b) DO PACIENTE
Dia de internação:
Nº de internações em UC.:
Condições clínicas monentâneas - presença de dor, artefatos terapêuticas ( Catéteres, drenos, venoclises, respiradores, monitores).

Observações: (outras implicações familiares)

PARTE II: PERCEPÇÃO DA SITUAÇÃO

A Sra. sabe que o seu marido teve (apresentou)? se sim, o quê?

Essaa situação ou condição do seu familiar está incomodando a Sra. de alguma forma? como e porquê?

O que mais a incomoda?

PARTE III: EXPECTATIVAS QUANTO A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO

O que a Sra. espera do enfermeiro nessa situação?

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License