SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.50 issue3A Associação Brasileira de Enfermagem "70 anos"Work and manifest: the aesthetic challenge of health worker author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Enfermagem

Print version ISSN 0034-7167

Rev. bras. enferm. vol.50 no.3 Brasília July/Sept. 1997

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71671997000300002 

ARTIGOS

 

A compreensão do ideário da enfermagem para a transformação da prática profissional

 

Nursing ideary comprehension for the rofessilonal praxis transformation

 

 

Maria Itayra Coelho de Souza PadilhaI; Nazaré Otília NazarioII; Marléa Chagas MoreiraIII

IProfessora Assistente do Depto de Enfermagem da UFSC. Livre-Docente em Exercício de Enfermagem pela UNIRIO. Doutoranda pela EEAN/UFRJ. Pesquisadora do CNPq
IIEnfermeira do Hospital Universitário da UFSC. Mestranda em Enfermagem da UFSC
IIIProfº Auxiliar da EEAN/UFRJ. Mestranda em Enfermagem da EEAN/UFRJ

 

 


RESUMO

O estudo trata da análise da compreensão que as alunas do curso de graduação em enfermagem têm acerca dos significados da enfermagem enquanto profissão feminina, à luz das razões que as levaram a escolhê-la. O método é qualitativo e utiliza a representação social para análise dos dados. Os resultados mostram que a Enfermagem é percebida como uma profissão de amor ao próximo, uma forma de chegar perto de Deus, mas também como desafio e luta por uma profissão melhor.

Unitermos: Enfermagem - Mulher - Identidade profissional.


ABSTRACT

This study is about the comprehension analysis of female students at graduation courses in Nursing on the meaning of Nursing as a female profession, in the light of their reasons why they have chosen it. Qualitative method and social representation have been used for data analysis. The results showed that Nursing is a profession of love for the fellowman and it is a way to get closer to God, but it is also a challenge and a struggle for a better profession.

Keywords: Nursing - Woman - Professional identity.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

BIBLIOGRAFIA

1. ALCÂNTARA, Glete. de. A enfermagem moderna como categoria profissional: Obstáculos à sua expansão na sociedade brasileira. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 1966. p.,20         [ Links ]

2. BRASIL. COFEN. A força de trabalho na Enfermagem. Rio de Janeiro: COFEn/ABEn, 1985.         [ Links ]

3. CARVALHO, A. C. Associação Brasileira de enfermagem. 1926 - 1976. Brasília. ABEn, 1977.         [ Links ]

4. DONAHUE, M. P. História de la Enfermeria. St Louis, Missouri: Mosby Company, 1985.         [ Links ]

5. EPSTEIN, C. Interação efetiva na Enfermagem. São Paulo: EPU-EDU3P, 1977.         [ Links ]

6. FERREIRA, A.B.H. Novo dicionário da Língua portuguesa. 2. ed. São Paulo: Nova Fronteira, 1986. p.651         [ Links ]

7. FIGUEIREDO, N. M. A. de. O corpo da enfermeira: Instrumento de cuidado de enfermagem - um estudo das representações de enfermeiras. Tese (Doutorado em Enfermagem). EEAN/UFRJ, Rio de Janeiro, 1994.         [ Links ]

8. GARCIA, O.R.Z e Boechs, A.E. Desenvolvendo uma disciplina introdutória à enfermagem na primeira fase do curso de graduação em enfermagem na UFSC. Rev. Texto Contexto-Enf., Florianópolis, v.4, n.esp., p. 138-147, 1995.         [ Links ]

9. GERMANO, R. Educação e ideologia da enfermagem no Brasil. São Paulo. Cortez, 1984.         [ Links ]

10. LEININGER, M. Teoria do cuidado transcultural: diversidade e universalidade. In: Simpósio Brasileiro de Teorias de Enfermagem, 1, 1985, Florianópolis. Anais... Florianópolis: Ed. da UFSC, 1985. p. 255-276.         [ Links ]

11. ______.Linha da Vida ou Grupo de Autoconsciência: uma reflexão sobre a ótica feminista. In: REGIA, M et al. Como trabalhar com mulheres. Petrópolis: Vozes, 1988.         [ Links ]

12. LIMA, M. J. de. Pensar em saúde é pensar em enfermagem. Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 112-119, maio, 1994.         [ Links ]

13. LYOTARD, J.F. O pós-moderno. 3. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1988. p.15.         [ Links ]

14. MADUREIRA, V.S.F. O conceito "enfermagem" suas definições na ciência e no senso comum. Rev. Texto Contexto Enf., Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 45-58, jul/dez, 1993         [ Links ]

15. MIRANDA, C.M. L. Os fios da história e a trama da ficção: Florence Nightingale e Charles Dickens. Rev. Enf. UERJ, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 124-129, maio 1995.         [ Links ]

16. MOSCOVICI, S. A Representação Social da Psicanálise.Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.         [ Links ]

17. ______.Sobre Representações Sociais. Trad. Clélia M., N., Schulze. Núcleo de Psicologia. Florianópolis: UFSC, 1985. (mimeo). Do original: -. On Social Representation.         [ Links ] In FORGAS, J., P (ed). Social Cognition: perspectives on everyday understanding. Londres: Ac. Press, 1981.         [ Links ]

18. NASH, R. Um esboço da vida de Florence Nightingale. Trad. Virginia Maluf. Rio de Janeiro: EEAN/UFRJ, 1980. (mimeo).         [ Links ]

19. NIGHTINGALE, F. Notas sobre Enfermagem: o que é e o que não é. São Paulo: Cortez, 1989.         [ Links ]

20. ______. O resgate das raízes: a influência da formação familiar e social na escolha e exercício da enfermagem. Tese (Livre-Docência). UNIRIO, 1990.         [ Links ]

21. PADILHA, M. I. C. S. A mulher enfermeira nos âmbitos doméstico-familiar e público. Rev. Gaúcha de Enf., Porto Alegre, v. 15, n. 1 / 2, p. 5-12., jan./dez. 1994.         [ Links ]

22. ______. A mística do silêncio: a prática de enfermagem na Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro no século XIX. Projeto de Tese de (Doutorado em Enfermagem). EEAN/UFRJ, 1995.         [ Links ]

23. PAIXÃO, W. História da Enfermagem. 5. ed. Rio de Janeiro: Júlio C. Reis Livr., 1979.         [ Links ]

24. SILVA, G. B. da. A enfermagem profissional - análise crítica. 2. ed. São Paulo: Cortêz, 1989.         [ Links ]

25. SOUZA FILHO, E A. de. Análise das Representações Sociais. In: SPINK, Mary J. O Conhecimento do Cotidiano. As Representações Sociais na perspectiva da Psicologia Social. São Paulo: Brasiliense, 1993.         [ Links ]

26. SPINK, MJ. Desvendando as teorias implícitas: uma metodologia de análise das representações sociais. In: JOVCHELOVICH, S. e GUARESHI, P. Textos em representações Sociais. Rio de Janeiro: Vozes, 1994. p. 121.         [ Links ]

27. TRIVIÑOS, A N S. Introdução à pesquisa em ciências sociais. A pesquisa qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas, 1987.         [ Links ]

28. VIEIRA, A. L. S.e Silva, M. T. N. da. Pessoal de Enfermagem no Brasil e evolução da formação do Enfermeiro. Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v.2, n.1, p.13-20, maio, 1994.         [ Links ]

29. VIETTA, E.P. et all. Tomada de depoimento do pessoal de enfermeiras hospitalares da década de 50: subsídios para a compreensão da enfermagem atual. Rev. Latino-Am. Enf., Ribeirão Preto, v.3, n.2, p.19-35, jul. 1995.         [ Links ]

30. WRIGHT, M. G. M. Un lenguage comun para enfermeras: dilema persistente. Rev. Latino-Am. Enf., Ribeirão Preto, v.3, n.2, p. 107-129, jul. 1995.         [ Links ]

 

 

1 Ethel Parsons veio para o Brasil em 1921 e criou o Serviço de Enfermeiras do Depto Nacional de SP em 1922. Foi uma das organizadoras da Escola de Enfermagem Anna Nery, considerada a primeira Escola Moderna de Enfermagem no Brasil. CARVALHO, A.. C. Associação Brasileira de Enfermagem. 1926-1976. Documentário. Brasília, DF, 1976.
2 Àquelas chamadas de Enfermeiras na época, normalmente eram pobres, negras e escravas livres, o que não condizia com o modelo que se desejava formar. PADILHA, Maria Itayra C. S. A mística do silêncio: a prática de enfermagem na Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro no século XIX. Projeto de Tese de Doutorado, EEAN/UFRJ, 1995.
3 Considerando que 94,1% dos profissionais de enfermagem são do sexo feminino, utilizaremos neste estudo a designação das mesmas no feminino. ( BRASIL, 1985, p. 56)
4 Florence Nightingale ficou conhecida mundialmente como a Dama da Lâmpada, por percorrer o hospital à noite, visitando e confortando os doentes com um lampião às mãos. DONAHUE, M. P. História de la Enfermeria. St Louis, Missouri, Mosby Company, 1985).
5 MIRANDA, C. M.L. Os fios da história e a trama da ficção: Florence Nightingale e Charles Dickens. Rev. Enf. UERJ, RJ. V.3,n.1 ,p.124-129, maio 1995.
6 A ciência da pós-modernidade é uma forma de repensar a modernidade sem rejeitá-la. É um questionamento crítico da sociedade moderna, das desigualdades sociais, das formas de participação no debate político. LYOTARD (1988:15) conceitua o pós-moderno "como conjunto de transformações ocorridas nas regras do jogo da produção cultural e que marcam o advento das sociedades pós-industriais".

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License