SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.64 número6Atividade do mototaxista: riscos e fragilidades autorreferidosA enfermeira interagindo e se relacionando: o contexto do cuidado de enfermagem em unidade semi-intensiva índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Brasileira de Enfermagem

versão impressa ISSN 0034-7167

Rev. bras. enferm. vol.64 no.6 Brasília nov./dez. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672011000600011 

PESQUISA

 

Protocolo de cuidados de enfermagem no ambiente aeroespacial a pacientes traumatizados: cuidados antes do voo

 

Protocol of nursing care to traumatized patients in the aerospace environment: care before flight

 

Protocolo de cuidados de enfermería en el ambiente aeroespacial a pacientes traumatizados: cuidados antes del vuelo

 

 

Gabriela SchweitzerI; Eliane Regina Pereira do NascimentoII; André Ricardo MoreiraIII; Kátia Cilene Godinho BertoncelloII

IUniversidade Federal de Santa Catarina, Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago; Departamento de Enfermagem, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Grupo de Estudo no Cuidado de Pessoas nas Situações Agudas de Saúde. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência de Santa Catarina, UTI Terrestre e Aérea. Florianópolis-SC, Brasil
IIUniversidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Enfermagem, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Grupo de Estudo no Cuidado de Pessoas nas Situações Agudas de Saúde. Florianópolis-SC. Brasil
IIIUniversidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Enfermagem, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (Mestrando), Grupo de Estudo no Cuidado de Pessoas nas Situações Agudas de Saúde. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência de Santa Catarina, UTI Terrestre e Aérea. Florianópolis-SC, Brasil

Autor correspondente

 

 


RESUMO

Teve-se como objetivo apresentar um protocolo de cuidados de enfermagem na pré-remoção aeroespacial de pacientes adultos vítimas de trauma. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, convergente assistencial, realizada na Divisão de Operações Aéreas, em São José-SC, entre abril a junho de 2010. Baseou-se nos princípios do Prehospital Trauma Life Support. Utilizou-se de entrevista individual e de encontros em grupo. Participaram os oito enfermeiros do serviço. O protocolo contempla os cuidados relativos à segurança no embarque; desembarque; avaliação da cena; avaliação primária; avaliação secundária e estabilização do paciente. O protocolo propiciará uma prática de cuidado mais segura aos pacientes aerorremovidos.

Descritores: enfermagem em emergência; ferimentos e lesões; resgate aéreo; medicina aeroespacial; cuidados de enfermagem.


ABSTRACT

The study aimed to present a protocol for nursing care in pre aerospace removing of adult victims of trauma. A qualitative convergent care research was performed at the Division of Air Operations in the municipality of San Jose-SC, Brazil, from April to June 2010. The study was based on the principles of the Pre-hospital Trauma Life Support. Individual interviews and group meetings were used. Eight nurses participated in the service. The proposed protocol includes safety boarding, disembarking, assessment of the scene, primary assessment, secondary assessment and stabilization of the patient. The protocol will provide a safer nursing practice care to patients aero removed.

Key words: emergency nursing; wounds and injuries; air ambulances; aerospace medicine; nursing care.


RESUMEN

Este estudio tuvo como objetivo presentar un protocolo para la atención de enfermería en la remoción pre aeroespacial de las víctimas adultas de trauma. Se trata de una investigación cualitativa, convergente asistencial, levada a cabo en la División de Operaciones Aéreas, en San José-SC, de abril a junio de 2010. La investigación levó en cuenta los principios del Prehospital Trauma Life Support. Para su elaboración, realizó-se entrevistas individuales y reuniones de grupo. Ocho enfermeras participaron en el estudio. El propuesto protocolo cubre los cuidados relativos a la seguranza durante el embarque y el desembarque; a la evaluación de la escena; a la evaluación primaria; a la evaluación secundaria y la estabilización del paciente. El protocolo servirá a una atención de enfermería más segura para los pacientes aerotransportados.

Palabras clave: enfermería de urgencia, heridas y traumatismos, ambulancias aéreas; medicina aeroespacial; atención de enfermería.


 

 

INTRODUÇÃO

O número de pacientes vítimas de trauma excede os outros tipos de intercorrências clínicas. Em vítimas de trauma, os cuidados pré-hospitalares podem fazer a diferença entre a vida e a morte, entre uma sequela temporária, grave ou permanente ou ainda entre uma vida produtiva e uma destituída de bem-estar(1).

Para uma assistência pré-hospitalar eficiente, é primordial que os profissionais de saúde sejam bem treinados para a rápida identificação das condições do paciente, tenham habilidade no atendimento de vias aéreas, do provável choque e em procedimentos de imobilização. A equipe pré-hospitalar deve assegurar que o paciente seja transportado para um hospital adequado. Às vezes, não só esse hospital pode estar a quilômetros de distância, como um centro de trauma pode ser mais distante ainda(1). Nesse caso, o uso do helicóptero torna-se um importante recurso para manter a vida das vítimas de trauma.

A preocupação com a assistência a essa clientela deu origem ao Prehospital Trauma Life Support - PHTLS(1). O PHTLS visa a aperfeiçoar a avaliação e o tratamento das vítimas de trauma, e tem princípios básicos, como o atendimento aos pacientes segundo a sequência do ABCDE: A (Airway) - atendimento das vias aéreas e controle de coluna cervical; B (Breathing) - respiração; C (Circulation) - circulação; D (Disability) - incapacidade; e E (Expose) - exposição da vítima e proteção do ambiente. Essas letras indicam a prioridade do atendimento e direcionam o profissional de saúde para que não esqueça e/ou cometa erros na assistência ao paciente, contribuindo para um cuidado mais seguro(1). Porém, esse protocolo é específico do ambiente pré-hospitalar e não discute as especificidades da assistência ao paciente aerorremovido.

Os procedimentos de enfermagem, quando acontecem dentro de um helicóptero, encontram situações adversas em relação aos procedimentos realizados num ambiente hospitalar, como: espaço reduzido dentro da aeronave; altitudes que variam de 500 a 5.000 pés (1 pé equivale a 0,33cm) em relação ao solo; condições climáticas instáveis e ruídos constantes. Além disso, no ambiente aeroespacial temos os chamados estresses de voo para o usuário aerorremovido: vibração, ruídos, aerodilatação (expansão gasosa nas cavidades corporais devido à queda da pressão atmosférica), alterações de temperatura e umidade. À medida que a altitude aumenta, esses fatores estão mais presentes no interior da aeronave, provocando desconforto ,tanto no paciente quanto na equipe a bordo(2).

O transporte por helicóptero requer uma preparação prévia do paciente, que deverá estar o mais estabilizado possível, pois, dentro da aeronave, devido à limitação do espaço físico interno, a mobilidade do enfermeiro pode ser limitada. A estabilização, como em qualquer atendimento de emergência, deve ser primeiramente dirigida para a via respiratória, depois para a situação hemodinâmica e, por fim, ao estado neurológico(3).

O transporte aéreo do paciente criticamente enfermo somente terá sucesso se for realizada uma criteriosa avaliação da situação, o que incluí o acesso terrestre da aeronave e a estabilização do paciente antes do voo. A equipe deve ser adequadamente preparada para o correto manuseio de todo o material necessário ao atendimento durante o voo. O sistema de comunicação pessoal precisa estar perfeito e, naturalmente, a tripulação de voo deve possuir as qualificações exigidas para operar a aeronave e realizar um transporte seguro para todos(4).

Dessa forma, para contribuir para o preenchimento da lacuna gerada pelo fato de, até o momento, não se ter um protocolo para atendimento a pacientes que serão removidos em helicópteros, justifica-se o desenvolvimento desta pesquisa convergente assistencial, que teve como objetivo o de apresentar um protocolo de cuidados de enfermagem na pré-remoção aeroespacial de pacientes adultos vítimas de trauma.

 

MÉTODO

Este é um estudo de abordagem qualitativa que utilizou como método a Pesquisa Convergente Assistencial (PCA), cuja característica principal é manter, durante todo o seu processo, uma estreita relação com a situação da prática assistencial, pois possui a intenção de encontrar soluções para problemas, realizar mudanças e/ou introduzir inovações na assistência(6).

A PCA inclui cinco fases: i) concepção (introdução, justificativa, questão de pesquisa, objetivo, revisão de literatura e referencial); ii) instrumentação (escolha do espaço físico, dos participantes e métodos); iii) perscrutação (estratégias ou instrumentos para obtenção dos dados); iv) análise e interpretação (essa fase permeia todo o processo de desenvolvimento da pesquisa e culmina no item seguinte); v) apresentação do protocolo de cuidados de enfermagem na pré-remoção aeroespacial(6).

O estudo foi realizado na base da Divisão de Operações Aéreas (DOA) do Departamento de Polícia Rodoviária Federal (DPRF), localizada na cidade de São José-SC. Trata-se de uma parceria criada através de um acordo entre o Ministério da Justiça via DPRF e Ministério da Saúde via Secretaria do Estado da Saúde/Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) do estado de Santa Catarina (SC), em dezembro de 2005. O serviço conta com hangar e um helicóptero, modelo Bell 407, configurado com todos os materiais e equipamentos de suporte avançado de vida, tripulado por um comandante/piloto, um operador de equipamentos especiais, um enfermeiro e um médico.

A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFSC (Processo nº 453/2009) e teve o consentimento formal das instituições participantes para a coleta de dados. Os participantes foram informados previamente sobre o objetivo do estudo, assim como acerca das técnicas de coleta adotadas. Todos os oito enfermeiros do DOA concordaram em participar e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

A coleta de dados foi realizada nos meses de abril a junho de 2010 e ocorreu em duas etapas. A primeira constou de entrevista semiestruturada e individual, com os oito enfermeiros, que responderam a seguinte questão norteadora: "Quais cuidados de enfermagem são necessários para apresentar um protocolo assistencial específico para a pré-remoção aeroespacial de pacientes adultos vítimas de trauma?". Com o consentimento prévio dos participantes, todas as entrevistas foram gravadas e, em seguida, transcritas.

Os dados das entrevistas foram analisados de acordo com o conteúdo do ABCDE do PHTLS, observando-se os cuidados de enfermagem específicos ao período que antecede o voo de helicóptero.

As entrevistas foram realizadas com o intuito de adquirir informações de cada enfermeiro, a partir da experiência individual adquirida durante o serviço, sobre quais cuidados de enfermagem devem constar no protocolo de cuidados e qual a prioridade dos cuidados e/ou se o profissional tem ou teve alguma dificuldade no atendimento a alguma vítima.

A segunda etapa constou de três encontros em grupo, os quais ocorreram em local, dia e hora combinados com os participantes e tiveram, em média, duração de três horas. As discussões em grupo tiveram a finalidade de socializar as informações obtidas nas entrevistas e, a partir disso, em conjunto com os enfermeiros participantes, desenvolver o protocolo de cuidados fundamentado no conteúdo do PHTLS.

No primeiro encontro foi apresentada e entregue a cada um dos participantes uma folha impressa, com a análise das entrevistas e, assim, discutiu-se o protocolo do ABCDE do PHTLS. Esse momento permitiu aos enfermeiros expressarem suas ideias e opiniões, olharem a situação e identificarem carências ou problemas e discrepâncias, como por exemplo, facilidades ou dificuldades na assistência antes do voo. Continuando os trabalhos, foi iniciada a elaboração dos cuidados de enfermagem, na qual se construiu uma sequência de atendimento ou de cuidados de enfermagem no ambiente aeroespacial baseada nos dados das entrevistas e no PHTLS. Todos os participantes anotavam o que estava sendo produzido na folha entregue no início do encontro.

Nos trinta minutos finais desse encontro, foram divididos entre os enfermeiros, por afinidade, os conteúdos do protocolo: i) orientações de segurança para o voo de helicóptero no embarque e desembarque; ii) avaliação da cena; iii) avaliação primária (A - atendimento das vias aéreas e controle da coluna cervical, B - respiração, C - circulação, D - incapacidade, E - exposição e ambiente); iv) avaliação secundária (princípios, exame das fases e outros cuidados). Cada participante teve a tarefa de, na reunião seguinte, trazer a justificativa científica relacionada a cada cuidado de enfermagem referente à etapa ou fase do atendimento que ficou sob sua responsabilidade.

O segundo encontro iniciou com a entrega da relação dos cuidados de enfermagem produzidos na reunião anterior e, em seguida, foi realizada a leitura dos mesmos. Assim, deu-se continuidade à elaboração de mais cuidados, de justificativas e foi aberto um espaço para solucionar dúvidas, fazer ajustes e incluir novos cuidados, com suas respectivas justificativas científicas. Nesse momento, o protocolo começou a ganhar forma.

Por fim, no terceiro e último encontro, os participantes trouxeram as justificativas e a análise de viabilização de cada um dos cuidados de enfermagem que estava a seu encargo, concluindo o protocolo. Primeiramente foi realizada uma leitura em conjunto de todo o protocolo de cuidados. Na medida em que os cuidados e as justificativas eram lidos, ajustes finais iam sendo realizados, bem como a melhora da escrita e da forma. Além disso, foi analisada a viabilidade de cada cuidado e sua justificativa devido aos condicionamentos e limitações que a realidade administrativa do serviço no momento impõe.

 

O PROTOCOLO DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM ANTES DO VOO

Esse protocolo contempla os cuidados de enfermagem que devem ser realizados ao paciente adulto vítima de trauma no período que antecede o voo. O material contém as principais orientações de segurança no voo de helicópteros e garante, por meio da avaliação de cena, um ambiente mais seguro para a equipe e os pacientes durante o atendimento. O paciente deve ser examinado de maneira que as funções vitais sejam rapidamente analisadas e estabilizadas. Também as condições de risco de morte devem ser identificadas por meio da avaliação sistemática de vias aéreas, ventilação, circulação, incapacidade (estado neurológico) e exposição. Vale ressaltar que, apesar de apresentados em uma sequência linear, os procedimentos podem ser realizados simultaneamente pela equipe.

 


Clique para ampliar

 

CONCLUSÃO

O método utilizado nesta investigação propiciou aos enfermeiros a oportunidade de repensar a prática do cuidado. O protocolo apresentado possibilitará aos enfermeiros sistematizar a assistência, orientando as ações necessárias para o cuidado. Além disso, poderá servir para dar visibilidade ao papel do enfermeiro de bordo no trato ao paciente traumatizado.

O modo como foi estruturado o protocolo deverá facilitar o seu uso pelo enfermeiro em cada plantão, devido a sua praticidade em determinar a conduta a ser seguida com segurança.

A transferência dos resultados não é a de generalizações e sim de socialização. Todavia, nada impede que esse protocolo possa ser transferido para outros cenários/contextos semelhantes. Lembrando que esse instrumento de cuidados de enfermagem aplica-se apenas para pacientes com trauma e para o atendimento que antecede o voo diurno, pois o helicóptero desse serviço não realiza voos noturnos que, por sua vez, exigem uma tecnologia diferenciada. Além disso, uma limitação desse estudo é não contemplar os importantes cuidados que precisam ser aplicados durante e após o transporte aéreo.

Espera-se também que a experiência vivenciada nesse estudo pelos enfermeiros de bordo sirva como estímulo para a realização de novas pesquisas no sentido de modificar, aprimorar e de instrumentalizar a enfermagem aeroespacial, não só a pacientes traumatizados, mas aqueles com outros agravos de saúde.

 

REFERÊNCIAS

1. PHTLS: Atendimento pré-hospitalar ao traumatizado. 6ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2007. 596 p.         [ Links ]

2. Reis MCF, Vasconcellos DRL, Saiki J, Gentil RC. Os efeitos da fisiologia aérea na assistência de enfermagem ao paciente aerorremovido e na tripulação aeromédica. Acta Paul Enferm. 2000;13(2):16-25.         [ Links ]

3. Oliva R. Valoración inicial del paciente com trauma grave. In: Moraza AS, Ayuso DF. Manual de helitransporte sanitario. Barcelona: Elsevier; 2008. p. 203-9.         [ Links ]

4. Mannarino L, Timerman S. Transporte terrestre e aéreo do paciente crítico. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo. 1998;8(4):866-78.         [ Links ]

5. Trentini M, Paim L. Pesquisa convergente-assistencial: um desenho que une o fazer e o pensar na prática assistencial em saúde-enfermagem. 2ª ed. Florianópolis: Insular; 2004. 143 p.         [ Links ]

6. Temporal W. Medicina aeroespacial. Rio de Janeiro: Luzes; 2005. 471 p.         [ Links ]

7. Batista SA. Transporte aeromédico. In: Sousa RMC, Calil AM, Paranhos WY, Malvestio MA. Atuação no trauma: uma abordagem para a enfermagem. São Paulo: Atheneu; 2009. p.493-507.         [ Links ]

8. Thomaz RR, Miranda MFB, Souza GAG, Gentil RC. Enfermeiro de bordo: uma profissão no ar. Acta Paul Enferm. 1999;12(1):86-96.         [ Links ]

9. Chapleau W. Manual de emergências: um guia para primeiros socorros. Rio de Janeiro: Elsevier; 2008. 408 p.         [ Links ]

 

 

Autor correspondente:
Gabriela Schweitzer
E-mail: gabyschw@hotmail.com

Submissão: 23-09-2010
Aprovação: 03-02-2012

 

 

Recorte da Dissertação de Mestrado "Protocolo de cuidados de enfermagem no ambiente aeroespacial a adultos vítimas de trauma: uma pesquisa convergente assistencial", apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina