SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.70 issue3Evaluation of the retinal nerve fiber layer in sickle cell disease with optical coherence tomography author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Oftalmologia

Print version ISSN 0034-7280

Rev. bras.oftalmol. vol.70 no.3 Rio de Janeiro May/June 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72802011000300001 

EDITORIAL

 

Além da Oftalmologia

 

 

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal para o Ensino Superior (CAPES),órgão do Ministério da Educação e Cultura, classifica as publicações científicas perió dicas brasileiras de acordo com sua qualidade. Os diferentes níveis de classificação são: A1, A2, B1,B2,B3,B4,B5 e C. O nível A1 é o maior e o nível C,o menor.

A CAPES também avalia e classifica os cursos de pós-graduação "strictosensu" em nosso país. Um dos elementos mais importantes desta avaliação é a produção bibliográfica do corpo permanente de docentes. Um curso cuja produção bibliográfica seja pequena ou ruim pode ser descredenciado de continuar funcionando.A avaliação desta produção para o curso é baseada atualmente na quantidade de artigos publicados por docente em um período de três anos e no nível de qualidade ou na classificação do periódico científico no qual os artigos foram publica-dos. Avaliações cujo resultados indiquem produção intelectual de nível alto favorecem a obten-ção de recursos por parte de organizações de fomento à pesquisa seja para o curso ou para o pesquisador.

A Revista Brasileira de Oftalmologia (RBO) é classificada de forma diferenciada de acor-do com critérios específicos referentes às diversas áreas da ciência para as quais ela contribui. A RBO é classificada pela CAPES nas seguintes áreas:

a)B2 em Saúde Coletiva, Engenharias III e Interdisciplinar;
b)B3 em Medicina Clínica II;
c)B4 em Medicina Clínica I e III;
d)B4 em Biotecnologia.

A natureza das informações veiculadas na RBO não é exclusiva da área médica, embora sejam publicadas predominantemente por oftalmologistas. Há inúmeros artigos nos quais tecnologias complexas de diagnóstico e tratamentos são avaliados clínica ou cirurgicamente, o que pode interessar às áreas de engenharia e biotecnologia. Muitos trabalhos estudam prevalência de doenças oculares em populações de diversas regiões do Brasil, o que é útil para o planeja-mento de políticas públicas de saúde e consequentemente à área de Saúde Coletiva. Artigos publicados em que os resultados dependeram do trabalho coordenado de profissionais de áreas diferentes do saber, que interagiram durante o processo, são exemplos de produções interdisciplinares.

A RBO fornece informações úteis para certas áreas de Medicina Clínica (Medicina I), Cirúrgica (Medicina III) ou de Pediatria entre outras (Medicina II), devido à ampla relação da oftalmologia com as doenças sistêmicas e a medicina em geral. Tal contribuição fica clara quando observamos que nas estatísticas da base de dados SciElo, o artigo mais acessado pela revista até a data em que escrevo este editorial foi um relato de caso da Síndrome de Von Wildervanck (Síndrome óculo-cervico-acústica) publicada em 2008 e que apresentou 7784 acessos desde quando a RBO foi indexada nesta base há cerca de 3 anos. O número de acessos foi 1436 vezes maior do que o segundo artigo mais acessado. Este relato de caso desperta interesse de especialidades médicas distintas como: oftalmologia, pediatria, otorrinolaringologia e neurologia, entre outras. Dos 80 artigos mais acessados da RBO no SciElo, cerca de 30% se referem a alterações oftálmicas de doenças sistêmicas.

O fato do artigo mais acessado da RBO desde sua indexação no Scielo ser um relato de caso de uma síndrome rara e de grande parte dos artigos mais lidos pela internet associarem a oftalmologia a outras especialidades médicas parece indicar que, além do interesse oftalmológico e acadêmico, há também um interesse médico geral e multidisciplinar importante entre os leitores da revista. Consequentemente, tanto a CAPES quanto as estatísticas de acesso à RBO no SciElo apontam que a contribuição da RBO à ciência brasileira vai além da oftalmologia.

 

 

Arlindo José Freire Portes
Professor Adjunto de Oftalmologia da Universidade Estácio de Sá-RJ.
Editor-Chefe da Revista Brasileira de Oftalmologia de 2011 a 2012

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License