SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.71 issue2Peribulbar blockage and general anesthesia influency in trabeculectomies: visual and pressure effectsIntrastromal corneal ring segments for keratoconus: results and correlation with preoperative corneal biomechanics author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Revista Brasileira de Oftalmologia

Print version ISSN 0034-7280

Rev. bras.oftalmol. vol.71 no.2 Rio de Janeiro Mar./Apr. 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72802012000200003 

ARTIGO ORIGINAL

 

Eficácia do uso intraoperatório de mitomicina C na cirurgia do pterígio: análise de 102 casos

 

Eficacy of intraoperative use of mitomycin C pterygium surgery: analysis of 102 cases

 

 

Rodrigo Salustiano Correa e Silva; Marcos Pereira de Ávila; Álcio Coutinho de Paula; Leiser Franco de Morais Filho; Bruna Thomé Rassi

Centro de Referência em Oftalmologia (CEROF), Universidade Federal de Goiás (UFG) - Goiânia (GO), Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

OBJETIVO: Avaliar a eficácia e a segurança do uso intraoperatório da mitomicina C (MMC) no tratamento cirúrgico do pterígio.
MÉTODOS: Estudo de 102 pacientes (204 olhos) divididos em dois grupos, e submetidos a exérese do pterígio com rotação de retalho conjuntival e aplicação intra-operatória de MMC 0,02% por 2 minutos e a mesma técnica utilizando solução salina a 0,9% (grupo controle). Os pacientes foram avaliados no 1º, 7 º, 21º, 30º, 60º e 90º dia de pós-operatório (PO).
RESULTADOS: Houve um maior acometimento do pterígio no sexo feminino (59,9%). A idade variou entre 33 a 69 anos. As recidivas (9) no no grupo MMC foram identificadas no 90º PO. No grupo controle foi identificado 18 recidivas em 60 dias de pós-operatório. As complicações identificadas no grupo da MMC foram: ceratite, edema de pálpebra, deiscência de sutura, isquemia, granuloma, corneal dellen e simbléfaro.
CONCLUSÃO: O uso da MMC foi útil na redução da taxa de recidiva do pterígio, comparada ao uso de solução salina, porém seus efeitos deletérios devem sempre ser avaliados.

Descritores: Mitomicina/administração & dosagem; Pterígio/cirurgia; Conjuntiva; Granuloma; Cornea


ABSTRACT

PURPOSE: Measure of efficacy and the security of intraoperative of mitomycin C (MMC) in the pterygium surgery.
METHODS: Realized prospective analysis of 102 patients (204 eyes) divided in two groups submitted intraoperative MMC 0.02 % for 2 minutes or saline solution 0.9%. The patients were available in 1º, 7 º, 21º, 30º, 60º and 90º days of postoperative.
RESULTS: The pterygium was more prevalence in females (58,33%). The age various 33 to 69 years. The recidive (9) was in the 90º PO in the group of MMC. In the control group was identificated two recidives in 60 days. The complications found in MMC group were: ceratitis, lips edema, dehiscence of suture, ischemia, granuloma, corneal dellen and simblefaro.
CONCLUSION: The use of MMC was useful in reducing the rate of recurrence in pterygium compared to the use of saline solution, but its harmful effects must always be evaluated.

Keywords: Mitomycin/administration & dosage; Pterygium/surgery; Conjunctiva; Granuloma; Córnea


 

 

INTRODUÇÃO

O pterígio é caracterizado por um crescimento de tecido fibrovascular da conjuntiva bulbar sobre a córnea. É uma doença com maior frequência em indivíduos de países de clima tropical, geralmente próximos ao equador, acometendo predominantemente indivíduos do sexo masculino e acima dos 30 anos de idade.(1)

A etiologia é de origem ainda bastante discutida e incerta, aventando-se a hipótese de influência multifatorial, decorrente da associação entre a exposição à radiação ultravioleta, microtraumas produzidos por pó e areia em indivíduos susceptíveis, entre outras.(2)

Os pterígios sintomáticos podem ser ressecados de maneira simples, porém a taxa de recorrência é bastante alta, variando de 40 a 89%. Diversos tratamentos têm sido recomendados na tentativa de diminuir a sua recorrência: betaterapia, esclera nua, rotação de retalho conjuntival, transplante autólogo de conjuntiva, enxerto de membrana amniótica, entre outras.(3)

A mitomicina C na cirurgia de pterígio pode ser usada em concentrações que variam de 0,02 a 0,1% na forma de colírios ou aplicada diretamente sobre a esclera nua após a ressecção cirúrgica, sendo bastante eficaz na diminuição da taxa de recorrência do pterígio.(4,5)

Apresenta complicações tais como: defeitos epiteliais persistentes, catarata, necrose escleral, granulomas e simbléfaros, os quais devem ser avaliados antes da opção pelo seu uso. (2,3)

A taxa de recidiva do pterígio com técnicas em que se utiliza a mitomicina C intraoperatória tem sido relatada como sendo em torno de 4%.(6)

O presente trabalho tem como objetivo comparar, em pacientes portadores de pterígio bilateral, a ressecção com rotação de retalho conjuntival com e sem o uso intraoperatório de MMC, a fim de avaliarmos sua eficácia, segurança e as possíveis complicações.

 

MÉTODOS

Realizou-se uma análise prospectiva de 102 pacientes (204 olhos) atendidos no ambulatório do CEROF (Centro de Referência em Oftalmologia) da Universidade Federal de Goiás, portadores de pterígio bilateral primário submetidos à exérese com rotação de retalho conjuntival associado à aplicação intraoperatória de MMC (0,02%), comparada à rotação de retalho conjuntival e aplicação de solução salina (0,9%) no olho contralateral (grupo controle).

O protocolo de seleção foi confeccionado constando de nome, idade, sexo, acuidade visual com correção no pré e no pós-operatório, classificação do pterígio quanto ao tamanho e tipo segundo a classificação proposta por Garrido et al,(7) as intercorrências intra-operatórias e as evoluções pós-operatórias.

Os pacientes foram escolhidos aleatoriamente, independentes de idade e do sexo, com posterior recebimento do termo de informação do presente estudo. Os critérios de inclusão forma: pterígio bilateral e nunca submetidos a tratamento cirúrgico, e termo de consentimento prévio. Este estudo foi previamente analisado e aprovado pela comissão de ética do Hospital das clínicas da Universidade Federal de Goiás.

O nível de proliferação da conjuntiva foi analisado e classificado segundo Garrido et al(7):

Tamanho: Grau I - crescimento de 2 mm além do limbo;

Grau II - crescimento entre 2 a 3,5 mm do limbo;

Grau III - crescimento acima de 3,5 mm do limbo.

Macroscopia: Atrófico - vasos esparsos e não elevados;

Carnoso: vasos ingurgitados e elevados.

O primeiro olho a ser operado e a escolha do uso ou não do antimitótico no intraoperatório ocorreu de maneira aleatória.

Os olhos de um mesmo paciente foram operados pelo mesmo cirurgião com intervalo de 15 dias e sob bloqueio peribulbar com cloridrato de lidocaína 2% e cloridrato de bupivacaína 0,75% (2 ml).

A técnica consistiu da dissecção da conjuntiva importando o corpo do pterígio, seguido por excisão e separação entre corpo e cabeça do mesmo. O corpo foi ressecado preservando-se a maior área de conjuntiva sadia. Aplicação de zaragatoa embebida com MMC 0,02% ou solução salina 0,9% por 2 minutos. Enxágue com 60 ml de soro fisiológico. Remoção da cabeça do pterígio e delaminação da córnea com lamina de bisturi nº 15. Confecção e rotação de retalho conjuntival pedunculado superior e sutura no leito escleral com 2 pontos episclerais no limbo e pontos contínuos tipo chuleio ancorado com fio trançado absorvível nº 7,0 (Vicryl® 7.0). Aplicação de pomada oftalmológica de polimixina B, neomicina e dexametasona (Maxitrol®) e curativo oclusivo por 24 horas.

Os pacientes foram avaliados no 1º, 7º, 21º, 30º, 60º e 90º dia de pós-operatório. Receberam no pós-operatório colírio de polimixina B, neomixina e dexametasona (Maxitrol®) 6 vezes ao dia por 15 dias e, após, 4 vezes por dia por mais 15 dias.

Foi considerada como recidiva, a proliferação fibrovascular na córnea além limbo, pela mesma classificação prévia.

 

RESULTADOS

A amostra consistiu em 102 pacientes (204 olhos) sendo que 41 (40,1%) eram do sexo masculino e 63 (59,9%), do sexo feminino. A idade variou de 33 a 69 anos com a média de 52,58 anos.

Em relação ao tamanho, 68 olhos (33,33%) eram de grau I, 92 (45,1%) de grau II e 44 (21,5%) de grau III. Noventa e quatro olhos (46,08%) eram tidos como atróficos e 110 (53,92%) carnosos.

A acuidade visual pré-operatória com a melhor correção variou de 20/20 a contadedos (CD) a 50 cm.

Não houve intercorrências intraoperatórias que comprometessem a técnica operatória.

Dos olhos submetidos à exérese com MMC, observou-se que no 1º PO a presença de ceratite em 66 olhos (64,7%), edema de pálpebra em 9 (8,8%) e quemose em 9 (8,8%). No 7º PO observou-se deiscência de sutura em 16 olhos (15,68%) e algum grau de isquemia conjuntival em 8 (7,8%). No 21º PO observou-se corneal dellen discreto (4), simbléfaro (4), granuloma (4) e isquemia de retalho (4), correspondendo a 3,9% cada uma destas alterações. Não foram observadas alterações no 30º e no 60º dia. Nove proliferações conjuntivais grau I foram verificadas no 90º PO e consideradas recidivas (Tabela 1).

 

 

Nos olhos tratados com solução salina 0,9% (controle) observou-se no 1º pós-operatório, ceratite em 52 olhos (50,9%) e edema de pálpebra em 9 (8,8%). No 7º dia 8 olhos (7,8%) apresentaram quemose.

No 60º PO, dezoito olhos (17,6%) apresentaram proliferação fibroconjuntival grau I considerada recidiva. Não foram observadas complicações no 21º, 30º e 90º dia de pós-operatório (Tabela 2).

 

 

DISCUSSÃO

Não se encontra de modo específico a prevalência de pterígio em indivíduos do sexo masculino ou feminino, porém, num relato de casos de 5147 pacientes(8) houve maior ocorrência em mulheres (55,4%), o que coincidiu com os achados desta análise onde se verificou 59,9% de mulheres acometidas. Este dado difere de outro estudo que identificou uma maior prevalência em indivíduos do sexo masculino.(9)

Em relação à idade, este estudo detectou idade variando entre 33 e 69 anos (média de 52,58 anos), foi excluído um caso com idade inferior a 20 anos, pois o mesmo apresentava pterígio recidivado. Outros estudos relataram idades entre 40 e 101 anos(8). Jaros et al(10) considerou a maior incidência em indivíduos acima de 30 anos. A acuidade visual pré-operatória dos pacientes variou amplamente entre 20/20 e CD a 50 cm. O paciente com a pior AV apresentava um pterígio Grau III carnoso medindo 9,5 mm de comprimento além do limbo em ambos os olhos, o que lhe causava grande prejuízo visual. Este paciente apresentou no pós-operatório, acuidade visual corrigida de 20/30. Uma grande melhora visual foi experimentada por outros dois pacientes que também apresentavam pterígio grau III, com ganho de 5 linhas da tabela de Snellen em uma paciente com 20/100, e de 2 linhas em outro com 20/40.

Nos olhos submetidos à exérese com MMC, identificou-se 133 complicações ao longo do segmento, enquanto 87 foram encontradas naqueles submetidos à exérese com solução salina (grupo controle). O maior índice de complicações com o uso da MMC é amplamente descrito na literatura sendo mais frequentes: corneal dellen, isquemia, granuloma e simbléfaros, todas encontradas nesta análise.(2,3)

No 1º PO as complicações encontradas no grupo da MMC foram a ceratite, por óbvia lesão de córnea após a retirada do pterígio, e quemose associada a edema de pálpebra que foram atribuídos a fatores intrínsecos do paciente e também a microtraumas do blefarostato. O mesmo ocorreu no grupo controle, onde foram identificados ceratite e edema de pálpebra no 1º PO.

Observou-se a presença de deiscência de sutura no 7º PO em 16 casos, o que poderia ser relacionada ao emprego da MMC. Esta complicação não foi observada no grupo controle. A isquemia observada no 7º PO foi observada apenas em parte do retalho e apresentou evolução benigna.

A opção pelo emprego da MMC antes da retirada da cabeça do pterígio foi feita na tentativa de prevenir os efeitos deletérios da substância sob a córnea desepitelizada. No 21º PO observou-se o maior número de complicações (16 casos) mais graves que as anteriores. Destas, o corneal dellen e o simbléfaro foram os mais preocupantes e atribuídos ao emprego da MMC. O tratamento do corneal dellen foi feito com o uso de lubrificantes e seguimento diário. Os pacientes que apresentaram simbléfaro foram encaminhados ao setor de plástica ocular sendo submetidos à cirurgia corretiva.

A recidiva do pterígio no grupo da MMC foi identificada em apenas 09 (8,8%) olhos e no 90º dia de pós-operatório. Esta taxa de recidiva pode ser considerada elevada se comparada a outros trabalhos, que identificaram taxas de 3,7% e 3,0%.(10,11) Em uma análise de 103 olhos operados com MMC a 0,04% no intraoperatório verificou-se recidiva em 8,74%,(12) duas vezes maior que a observada neste estudo.

O número de recidivas encontrado no grupo controle foi o dobro comparativamente com o encontrado no grupo da MMC, ou seja, 17,6% e foram identificados no 60º PO, trinta dias antes do aparecimento no grupo da MMC. Esta taxa está abaixo das taxas de recidiva da exérese simples, que variou de 40 a 89%.(2,3)

Outras técnicas podem evoluir com baixa recidiva pós-cirurgia de pterígio, o transplante de membrana amniótica associada ao transplante de conjuntiva autólogo no tratamento do pterígio primário pode evoluir com recidivas de 2,0 a 7,89%.(13,14)

 

CONCLUSÃO

Houve um maior acometimento do pterígio em pacientes do sexo feminino neste estudo, o que está em concordância com outros estudos.

A mitomicina C (0,02%) intraoperatória aplicada foi efetiva neste estudo, no controle da recidiva da proliferação fibrovascular e no aparecimento desta recidiva, quando comparada com o grupo controle, embora sabendo que devem sempre ser analisadas as possíveis complicações inerentes ao seu uso antes da opção pelo seu emprego.

Agradecimentos: Instituição CEROF (Centro de referência em Oftalmologia) da Universidade Federal de Goiás (UFG).

 

REFERÊNCIAS

1. Anuch J P, Becker C D. Manejo quirúrcico de pterigium. Arch Chil Oftalmol. 2004;61(2):51-6.         [ Links ]

2. Rodriguez JA, Ferrari C, Hernández GA. Intraoperative application of topical mitomycin C 0.05% for pterygium surgery. Bol Asoc Med P R. 2004;96(2):100-2.         [ Links ]

3. Victoria FHC, Dantas MCN, Almeida PB, Holzchuh N. Efeito da aplicação per-operatória de mitomicina-C a 0.02 sobre o tratamento de pterígio recidivado. Arq Bras Oftalmol. 1996;59(1):45-8, 50.         [ Links ]

4. Alves M, Rosa SF, Gadioli D, Raskin E, Raskin DG, Alves MR. Mitomicina C subconjuntival como adjuvante no tratamento cirúrgico de pterígio: resultados preliminares. Rev Bras Oftalmol. 2003;62(1):35-40.         [ Links ]

5. Herzog G, Moreno GL, Arteaga S, Sebastiá R. Colírio de mitomicina a 0,02 por cento em cirurgias de pterígio primário e pterígio recidivado: indicação estética e funcional. Rev Bras Oftalmol. 2003;62(1):29-33.         [ Links ]

6. de La Torre A, Toro L, Núñez MX. Cirugía de pterígio sin recurrencias. Colomb Med. 2004;35(3):161-3.         [ Links ]

7. Garrido C, Campos M. Acuidade visual, refração e videoceratografia após a cirurgia do pterígio. Arq Bras Oftalmol. 1997;60(5):470-6.         [ Links ]

8. Rodríguez Durán M. Autoinjerto de conjuntiva y mitomicina C como tratamiento combinado para el pterigión. Rev Oftalmol Venez. 2002;58(2):36-42.         [ Links ]

9. McCarty CA, Fu CL, Taylor HR. Epidemiology of pterygium in Victoria, Australia. Br J Ophthalmol. 2000;84(3):289-92.         [ Links ]

10. Jaros PA, DeLuise VP. Pinguecula and pterygium. Surv Ophthalmol. 1988;33(1):41-9.         [ Links ]

11. Ma DH, See LC, Liau SB, Tsai RJ. Amniotic membrane graft for primary pterygium: comparasion with conjuntival autograft and topical mitomycin C treatment. Br J Ophthalmol. 2000;84(9):973-8.         [ Links ]

12. Verma N, Garap JA, Maris R, Kerek A. Intraoperative use of mitomycin C in the treatment of recurrent pterygium. PNG Med J. 1998; 41 (1): 37-42.         [ Links ]

13. Amano S, Montoyama Y, Oshika T, Eguchi S, Eguchi K. Comparative study of intraoperative mitomycin C and beta irradiation in pterygium surgery. Br J Ophthalmol. 2000; 84 (6): 618-21.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Rodrigo Salustiano Correa e Silva
Av. T8, nº 171, Setor Marista
CEP 74150-060 - Goiânia (GO), Brasil.
Fax: (62) 3096-8000
E-mail: rsalustiano@ipvisao.com.br

Recebido para publicação em 21/3/2010 - Aceito para publicação em 26/6/2011

 

 

Instituição onde o trabalho foi realizado: Centro de Referência em Oftalmologia (CEROF), Universidade Federal de Goiás (UFG) - Goiânia (GO), Brasil.
Os autores declaram inexistir conflitos de interesse